CARTA DE BRAGA – “de palavras e pontes” por António Oliveira

A vida não tem sentido! És tu a dar sentido à tua vida!

Não sei quem o disse primeiro, mas é uma verdade tão evidente que qualquer pessoa com dois dedos de testa o poderia ter afirmado.

Mas disse-o, exactamente isto, o padre João e já lá vão algumas dezenas de anos, quando lhe disse o que procurava na biblioteca, livros para procurar e tentar saber o que teria de fazer na vida.

Disse-me isto e muitas coisas mais, já o contei aqui, mas nunca desisti de falar com ele por me ter dito tudo sem nunca alardear superioridade e o que li nos escritos que ali levantei ainda me ‘serve’ todos os dias.

Esta é também a forma que vou usando para tentar evitar o perigo maior dos que nos assolam e afligem hoje – a falta de memória – que, com a palavra, é a outra das razões que fazem do homem um animal gregário e, por consequência, um animal político.

E falo de perigos porque, a ver pelas imagens com que diariamente nos confrontamos em casa, na rua e principalmente nas novas catedrais do consumo, este se transformou no maior acto político dos nossos dias.

Mas são a razão e filosofia a servir preferencialmente porque ‘o indivíduo usa a primeira pessoa para expressar-se e enuncia características que fazem dele um ser único’, como diria Foucault.

O uso da palavra é, na realidade e apesar de tudo, o que faz de cada sentença ‘metade de quem a pronuncia e metade de quem a escuta’, escreveu Montaigne há mais de cinco séculos, convidando-nos assim a uma verdadeira vida em sociedade, política também, por nos incitar à tolerância e à reflexão.

Lembrei todas estas coisas quando ouvi há alguns dias, a entrevista que Jorge de Sena deu a Maria José Mauperrin, em 1977, já lá vão quarenta e dois anos.

Com a evocação daquela entrevista, celebrava-se o centenário do nascimento do poeta, dramaturgo, escritor e crítico, uma das figuras maiores da cultura portuguesa.

E contou de se ter confrontado nos EUA onde se exilou, com ‘analfabetos funcionais, pessoas, que não lêem nada, não escrevem nada, não fazem nada a não ser olhar o ecrã, uma actividade meramente passiva’.

Ouvi isto e pensei na maioria das pessoas que aqui, alternam entre os ecrãs pequenos e grandes, num acto de auto-isolamento funcional e sem sentido.

Depois retive mais uma outra afirmação ‘Devemos criar uma relação séria entre o povo português e a cultura, não o insultando nunca com divulgações culturais, achando que ele precisa que lhe traduzam alguma coisa. O povo só precisa que lhe traduzam aquilo que é escrito para ele não entender!

Do sentido da vida ele ‘povo’ vai sabendo porque, por tê-lo aprendido sozinho e, como disse um dia Bertrand Russell, ‘A coisa mais difícil de aprender na vida é qual a ponte precisamos atravessar e qual devemos queimar’.

António M. Oliveira

Não respeito as normas que o Acordo Ortográfico me quer impor

2 comments

  1. C.Leça da Veiga

    Grave será saber-se qual queimar, ou qual atravessar mas – tal como as coisas estão, isto é, “para ele não entender” – estar-se impossibilitado de poder fazê-lo. CLV

    Gostar

  2. António Oliveira

    Exactamente isso!
    Um abraço caro Carlos Leça da Veiga
    A.O.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: