Posts Tagged: antónio oliveira

CARTA DE BRAGA – “de milhões e de justiça” por António Oliveira

Confesso humildemente não perceber absolutamente nada de Finanças, a não ser que os meus meses são cada vez mais compridos. Mas confesso humildemente também, ter ficado mais uma vez aterrorizado quando, há poucos dias, li no ‘DN’ ‘As injecções de capital

CARTA DE BRAGA – “de milhões e de justiça” por António Oliveira

Confesso humildemente não perceber absolutamente nada de Finanças, a não ser que os meus meses são cada vez mais compridos. Mas confesso humildemente também, ter ficado mais uma vez aterrorizado quando, há poucos dias, li no ‘DN’ ‘As injecções de capital

CARTA DE BRAGA – “da poesia e da vida” por António Oliveira

Uma pequena, atrasada e talvez inútil homenagem a Sophia, mas… quem sou eu? E se não me viessem a acusar de excessivo ou de estar a abusar da retórica, creio que poderia afirmar que os males do mundo decorrem da

CARTA DE BRAGA – “da poesia e da vida” por António Oliveira

Uma pequena, atrasada e talvez inútil homenagem a Sophia, mas… quem sou eu? E se não me viessem a acusar de excessivo ou de estar a abusar da retórica, creio que poderia afirmar que os males do mundo decorrem da

CARTA DE BRAGA – “das vespas e da ignorância” por António Oliveira

Chegaram as chuvas e em força! E nem somos dos mais afectados! Basta pôr os olhos em qualquer órgão de informação para dar conta da quantidade de estragos que provocam por onde passam, como se estivessem a vingar-se de qualquer

CARTA DE BRAGA – “das vespas e da ignorância” por António Oliveira

Chegaram as chuvas e em força! E nem somos dos mais afectados! Basta pôr os olhos em qualquer órgão de informação para dar conta da quantidade de estragos que provocam por onde passam, como se estivessem a vingar-se de qualquer

CARTA DE BRAGA – “friganismo” por António Oliveira

Encontrei este palavrão num conhecido diário europeu. Procurei o significado por tudo o que era sítio consentâneo e só o encontrei numa coisa chamada ‘Wiki Culturama’ que o apresenta como ‘cruzada contra o desperdício’. Noutro site encontrei uma explicação complementar ‘o frigano é uma

CARTA DE BRAGA – “friganismo” por António Oliveira

Encontrei este palavrão num conhecido diário europeu. Procurei o significado por tudo o que era sítio consentâneo e só o encontrei numa coisa chamada ‘Wiki Culturama’ que o apresenta como ‘cruzada contra o desperdício’. Noutro site encontrei uma explicação complementar ‘o frigano é uma

CARTA DE BRAGA – “hiperactividade e poesia” por António Oliveira

Li algures, confesso já não me lembrar onde, que Paul Valéry, o filósofo, escritor e poeta simbolista, afirmou um dia que gostaria de ter escrito um manual de ginástica para poder treinar as capacidades mentais de cada um. Teria justificado

CARTA DE BRAGA – “hiperactividade e poesia” por António Oliveira

Li algures, confesso já não me lembrar onde, que Paul Valéry, o filósofo, escritor e poeta simbolista, afirmou um dia que gostaria de ter escrito um manual de ginástica para poder treinar as capacidades mentais de cada um. Teria justificado

CARTA DE BRAGA – “de analfabetos, místicos e deuses” por António Oliveira

Conheci-o na ‘Barata’ durante um encontro com António José Saraiva, meados dos anos sessenta, estava o professor exilado em Paris, mas foi autorizado a vir a Portugal para assistir ao funeral de alguém que lhe era próximo, já não recordo

CARTA DE BRAGA – “de analfabetos, místicos e deuses” por António Oliveira

Conheci-o na ‘Barata’ durante um encontro com António José Saraiva, meados dos anos sessenta, estava o professor exilado em Paris, mas foi autorizado a vir a Portugal para assistir ao funeral de alguém que lhe era próximo, já não recordo

CARTA DE BRAGA – “da solidão” por António Oliveira

  A Carta de hoje baseia-se em duas estórias lidas há algum tempo, mas a merecer apontamento especial pela sensibilidade mostrada pelos intervenientes. E ainda por exporem uma mentalidade aparentemente arredada deste país, a ver pelo que se afirma num

CARTA DE BRAGA – “da solidão” por António Oliveira

  A Carta de hoje baseia-se em duas estórias lidas há algum tempo, mas a merecer apontamento especial pela sensibilidade mostrada pelos intervenientes. E ainda por exporem uma mentalidade aparentemente arredada deste país, a ver pelo que se afirma num

CARTA DE BRAGA – “de pardais e da estupidez” por António Oliveira

Os pardais estão a desaparecer das nossas cidades! Mas não é só cá! Em Londres, Hamburgo ou Glasgow, a dimensão do desaparecimento atingiu já os 95% e ninguém os consegue ver noutras cidades europeias, como Bruxelas ou Praga. Este passarito

CARTA DE BRAGA – “de pardais e da estupidez” por António Oliveira

Os pardais estão a desaparecer das nossas cidades! Mas não é só cá! Em Londres, Hamburgo ou Glasgow, a dimensão do desaparecimento atingiu já os 95% e ninguém os consegue ver noutras cidades europeias, como Bruxelas ou Praga. Este passarito

CARTA DE BRAGA – “de palhaços e acrobatas” por António Oliveira

Esta foto correu mundo e é explícita sobre a ‘dimensão’ dos personagens, mais o ar acabrunhado dos parceiros de mesa Parece estar a terminar o tempo dos ‘palhaços’! Que venha agora o tempo dos ‘aramistas’ e dos ‘acrobatas’! É preciso fornecer

CARTA DE BRAGA – “de palhaços e acrobatas” por António Oliveira

Esta foto correu mundo e é explícita sobre a ‘dimensão’ dos personagens, mais o ar acabrunhado dos parceiros de mesa Parece estar a terminar o tempo dos ‘palhaços’! Que venha agora o tempo dos ‘aramistas’ e dos ‘acrobatas’! É preciso fornecer

CARTA DE BRAGA – “liberdade e segurança” por António Oliveira

A felicidade, a virtude, o bem e a tranquilidade, foram os valores que, de algum modo, mobilizaram as gentes para instaurar os mais diversos tipos de sociedades e ou agrupamentos. Foram sempre invocados para poder agrupar pessoas, motivando-as para uma

CARTA DE BRAGA – “liberdade e segurança” por António Oliveira

A felicidade, a virtude, o bem e a tranquilidade, foram os valores que, de algum modo, mobilizaram as gentes para instaurar os mais diversos tipos de sociedades e ou agrupamentos. Foram sempre invocados para poder agrupar pessoas, motivando-as para uma

CARTA DE BRAGA – “verdade, votos e cultura” por António Oliveira

O conceito de democracia continua e continuará a marcar a evolução e o desenvolvimento das sociedades pois, apesar de contar já muitos séculos, da antiga Grécia à ‘actualidade trumposa’, são demasiados os aproveitamentos que se pretendem fazer de tal conceito.

CARTA DE BRAGA – “verdade, votos e cultura” por António Oliveira

O conceito de democracia continua e continuará a marcar a evolução e o desenvolvimento das sociedades pois, apesar de contar já muitos séculos, da antiga Grécia à ‘actualidade trumposa’, são demasiados os aproveitamentos que se pretendem fazer de tal conceito.

CARTA DE BRAGA – “a navalha de Ockham” por António Oliveira

O frade franciscano William de Ockham legou-nos o princípio filosófico ‘em igualdade de circunstâncias, a explicação mais simples costuma ser a mais provável’, princípio que, mesmo sem nunca ter sido demonstrado e só devido à extrema simplicidade, veio a ser

CARTA DE BRAGA – “a navalha de Ockham” por António Oliveira

O frade franciscano William de Ockham legou-nos o princípio filosófico ‘em igualdade de circunstâncias, a explicação mais simples costuma ser a mais provável’, princípio que, mesmo sem nunca ter sido demonstrado e só devido à extrema simplicidade, veio a ser

CARTA DE BRAGA –“de violinos e batidas” por António Oliveira

Já não me lembro onde li isto – ‘O poder é como um violino. Toma-se com a esquerda e toca-se com a direita!’ Parece ser uma verdade tão real como o sol nascer todos os dias nesta Terra, a única

CARTA DE BRAGA –“de violinos e batidas” por António Oliveira

Já não me lembro onde li isto – ‘O poder é como um violino. Toma-se com a esquerda e toca-se com a direita!’ Parece ser uma verdade tão real como o sol nascer todos os dias nesta Terra, a única

CARTA DE BRAGA – “das palavras e do dinheiro” por António Oliveira

Escrever é a uma arte simples e perfeita – por colocar e deixar a ponta da esferográfica abrir uma ferida no papel e, ao mesmo tempo que aquela ponta o vai ferindo, também a vai cauterizando, cobrindo-a com tinta. Esta

CARTA DE BRAGA – “das palavras e do dinheiro” por António Oliveira

Escrever é a uma arte simples e perfeita – por colocar e deixar a ponta da esferográfica abrir uma ferida no papel e, ao mesmo tempo que aquela ponta o vai ferindo, também a vai cauterizando, cobrindo-a com tinta. Esta