Posts Tagged: antónio oliveira

CARTA DE BRAGA – “O PROBLEMA DOS ESPELHOS” por António Oliveira

Se procurarmos o termo ‘cultura’ mas evocando os clássicos, logo nos acode a conhecida proposição de Aristóteles ‘todos os homens, por natureza, desejam saber’ Recorrendo depois aos modernos, ‘devemos definir cultura como o esforço da aquisição de um saber maior,

CARTA DE BRAGA – “O PROBLEMA DOS ESPELHOS” por António Oliveira

Se procurarmos o termo ‘cultura’ mas evocando os clássicos, logo nos acode a conhecida proposição de Aristóteles ‘todos os homens, por natureza, desejam saber’ Recorrendo depois aos modernos, ‘devemos definir cultura como o esforço da aquisição de um saber maior,

CARTA DE BRAGA – “de memórias, das boas e das menos boas”- António Oliveira

Começo este texto com o excelente julgamento do escritor catalão Luis Racionero, antigo director da Biblioteca Nacional de Espanha, enunciando raízes e memórias da Europa e de uma cultura de nunca devermos nem podermos esquecer. ‘A cultura europeia resulta da

CARTA DE BRAGA – “de memórias, das boas e das menos boas”- António Oliveira

Começo este texto com o excelente julgamento do escritor catalão Luis Racionero, antigo director da Biblioteca Nacional de Espanha, enunciando raízes e memórias da Europa e de uma cultura de nunca devermos nem podermos esquecer. ‘A cultura europeia resulta da

CARTA DE BRAGA – “de torniquetes e pulseiras” por António Oliveira

  Primeiro foram uns torniquetes, instalados para controlar as entradas e saídas dos funcionários! Depois a afirmação ‘se pudesse, em alguns funcionários, punha pulseira electrónica!’ Não se trata de uma estação do Metro nem de instituição policial, militar ou militarizada,

CARTA DE BRAGA – “de torniquetes e pulseiras” por António Oliveira

  Primeiro foram uns torniquetes, instalados para controlar as entradas e saídas dos funcionários! Depois a afirmação ‘se pudesse, em alguns funcionários, punha pulseira electrónica!’ Não se trata de uma estação do Metro nem de instituição policial, militar ou militarizada,

CARTA DE BRAGA – “da dignidade e de preços” por António Oliveira

Lev Tolstoi deixou escrito no texto ‘Patriotismo e Governo’, datado de 1900 e agora reeditado e integrado em ‘Os últimos escritos’. ‘Um governo no sentido mais amplo, que inclui em si os capitalistas e a imprensa, não é mais do

CARTA DE BRAGA – “da dignidade e de preços” por António Oliveira

Lev Tolstoi deixou escrito no texto ‘Patriotismo e Governo’, datado de 1900 e agora reeditado e integrado em ‘Os últimos escritos’. ‘Um governo no sentido mais amplo, que inclui em si os capitalistas e a imprensa, não é mais do

CARTA DE BRAGA – “tempos de vacas magras” por António Oliveira

Dada como verdade adquirida e sem grande contestação, a crise hoje vivida na maioria dos países europeus, foi motivada e decorre pela enorme perda de confiança das gentes, confrontadas com discursos e percursos políticos que são e estão muito longe

CARTA DE BRAGA – “tempos de vacas magras” por António Oliveira

Dada como verdade adquirida e sem grande contestação, a crise hoje vivida na maioria dos países europeus, foi motivada e decorre pela enorme perda de confiança das gentes, confrontadas com discursos e percursos políticos que são e estão muito longe

CARTA DE BRAGA – “dos ignorantes vaidosos e de náufragos”- por António Oliveira

Lembro-me de há pouco tempo ter lido, mas já nem sei onde, que Bertrand Russel ao criticar a fatuidade e ignorância (a qualificação é dele!) de boa parte da classe política, disse um dia que nada o satisfaria mais do

CARTA DE BRAGA – “dos ignorantes vaidosos e de náufragos”- por António Oliveira

Lembro-me de há pouco tempo ter lido, mas já nem sei onde, que Bertrand Russel ao criticar a fatuidade e ignorância (a qualificação é dele!) de boa parte da classe política, disse um dia que nada o satisfaria mais do

CARTA DE BRAGA – “da escuridão no farol” por António Oliveira

A incerteza na decisão em escolher caminhos nestes tempos, leva-nos a vacilar na opção entre gente ilustre com belas teorias sobre mundos luminosos e brilhantes, (ao modo poético de Paul Eluard) e uma outra, mais e melhor iluminada, a defender

CARTA DE BRAGA – “da escuridão no farol” por António Oliveira

A incerteza na decisão em escolher caminhos nestes tempos, leva-nos a vacilar na opção entre gente ilustre com belas teorias sobre mundos luminosos e brilhantes, (ao modo poético de Paul Eluard) e uma outra, mais e melhor iluminada, a defender

CARTA DE BRAGA -“o paradoxo do andaime”- por António Oliveira

Estava muito longe de poder evocar nesta prática de pensamentos e ideias, o nome de Guy Debord, o teorizador da ‘Sociedade do Espectáculo’ e um dos ideólogos do ‘Maio de 68’. Tudo por ter lido num sítio qualquer, que hoje

CARTA DE BRAGA -“o paradoxo do andaime”- por António Oliveira

Estava muito longe de poder evocar nesta prática de pensamentos e ideias, o nome de Guy Debord, o teorizador da ‘Sociedade do Espectáculo’ e um dos ideólogos do ‘Maio de 68’. Tudo por ter lido num sítio qualquer, que hoje

CARTA DE BRAGA – “smartphones e sobrancelhas”- por António Oliveira

Achei uma palavra nova! Vai ser a minha palavra do ano para 2019! Creio ter também direito a uma só para mim e escolhi esta por ser curta, sonora, difícil de esquecer e fácil de dizer! ‘Nomofobia’ Diz o digital

CARTA DE BRAGA – “smartphones e sobrancelhas”- por António Oliveira

Achei uma palavra nova! Vai ser a minha palavra do ano para 2019! Creio ter também direito a uma só para mim e escolhi esta por ser curta, sonora, difícil de esquecer e fácil de dizer! ‘Nomofobia’ Diz o digital

CARTA DE BRAGA – “eles nunca dormem!”- por António Oliveira

A palavra e as interpretações que lhe são ligadas, independentemente do sentido concedido pela elocução, levaram muitas vezes a confrontos e conflitos de onde raramente se pode apartar ou tão só arredar, a lisura e a inocência. Na verdade, significado

CARTA DE BRAGA – “eles nunca dormem!”- por António Oliveira

A palavra e as interpretações que lhe são ligadas, independentemente do sentido concedido pela elocução, levaram muitas vezes a confrontos e conflitos de onde raramente se pode apartar ou tão só arredar, a lisura e a inocência. Na verdade, significado

CARTA DE BRAGA -“de magos, políticos e dinossauros” – por António Oliveira

Tirando o fascista húngaro Viktor Orbán, Marcelo foi o único chefe de Estado ou de Governo europeu presente em Brasília, na posse do presidente do sétimo país do mundo (M.S.T., Expresso, 05.01), ‘Um encontro de irmãos!’ declarou ele no final

CARTA DE BRAGA -“de magos, políticos e dinossauros” – por António Oliveira

Tirando o fascista húngaro Viktor Orbán, Marcelo foi o único chefe de Estado ou de Governo europeu presente em Brasília, na posse do presidente do sétimo país do mundo (M.S.T., Expresso, 05.01), ‘Um encontro de irmãos!’ declarou ele no final

CARTA DE BRAGA -“cultura de bidé”- por António Oliveira

Já lá vão uns dias, ainda no ano passado, abri um jornal arrastado por um título entre o atrevido e o pindérico, «A “casa” de Cristina tem 500 m2, “vale” um milhão de euros, e até tem bidé» Confesso ter

CARTA DE BRAGA -“cultura de bidé”- por António Oliveira

Já lá vão uns dias, ainda no ano passado, abri um jornal arrastado por um título entre o atrevido e o pindérico, «A “casa” de Cristina tem 500 m2, “vale” um milhão de euros, e até tem bidé» Confesso ter

CARTA DE BRAGA – “I did it my way” – por António Oliveira

Procrusto é um dos muitos mitos enriquecedores do teatro grego, onde as tragédias se constituem como a melhor e mais vasta das enciclopédias, pelo valor do conjunto de paradigmas e modelos ali aprofundados, para documentar uma qualquer lição sobre os

CARTA DE BRAGA – “I did it my way” – por António Oliveira

Procrusto é um dos muitos mitos enriquecedores do teatro grego, onde as tragédias se constituem como a melhor e mais vasta das enciclopédias, pelo valor do conjunto de paradigmas e modelos ali aprofundados, para documentar uma qualquer lição sobre os

CARTA DE BRAGA – “a medida de todas as coisas” – por António Oliveira

    ‘O ser humano é a medida de todas as coisas’ afirmou Protágoras, ‘das que são enquanto são e das que não são enquanto não são’. Embora se tenha perdido quase a obra toda do sofista grego (o que

CARTA DE BRAGA – “a medida de todas as coisas” – por António Oliveira

    ‘O ser humano é a medida de todas as coisas’ afirmou Protágoras, ‘das que são enquanto são e das que não são enquanto não são’. Embora se tenha perdido quase a obra toda do sofista grego (o que

CARTA DE BRAGA – “da linguagem e do fazer”- por António Oliveira

Gadamer um dos grandes filósofos europeus do século XX, afirmava frequentemente que ‘tudo o que se pode compreender é linguagem’ Linguagem como consequência da introdução do homem na língua, através de um conjunto de rituais mais além da semântica que, por

CARTA DE BRAGA – “da linguagem e do fazer”- por António Oliveira

Gadamer um dos grandes filósofos europeus do século XX, afirmava frequentemente que ‘tudo o que se pode compreender é linguagem’ Linguagem como consequência da introdução do homem na língua, através de um conjunto de rituais mais além da semântica que, por