JEREMY CORBYN, UM POLÍTICO QUE SE DISTINGUE PELA SUA SERIEDADE – RAZÕES PARA CORBYN, por WILLIAM DAVIES

 

Reasons for Corbyn, por William Davies

London Review of Books, 13 de Julho de 2017

Selecção e tradução de Júlio Marques Mota

 

Quando a internet se tornou parte da vida quotidiana no final dos anos 1990, ela foi celebrada como uma nova e maravilhosa máquina de publicação, uma amálgama de imprensa impressa e de emissora de rádio e televisão que democratizaria radicalmente os meios de comunicação a custo praticamente zero. Como qualquer blogueiro ou estrela do YouTube pode confirmar, esse sonho não morreu por completo, mas também não captou o que viria a ser uma característica mais distintiva da tecnologia emergente. Vinte anos depois, ficou claro que a internet é menos significativa como meio de publicação do que como meio de arquivo. Cada vez mais o nosso comportamento está a ser capturado e armazenado, desde o traço que deixamos nas pesquisas online, às fotografias que partilhamos e ‘gostamos’ em plataformas de redes sociais até ao vasto arquivo de e-mails e tweets para os quais contribuímos dia após dia. Esta enorme quantidade de informação fica ali, pronta para ser interpretada, se apenas algo coerente puder ser extraído do nevoeiro. Torna possível uma nova forma panorâmica de avaliar as pessoas, agora que a evidência de seu caráter pode ser recuperada do passado – um facto que não escapou às empresas de classificação ou notação de crédito ao consumidor ou às agências governamentais sobre as fronteiras.

YouTube, Spotify, Google Books, etc., colocaram décadas, por vezes séculos, de “conteúdo” ao alcance da ponta dos nossos dedos. Um dos seus efeitos é a compressão do tempo histórico. Será que faz realmente cinquenta anos que o Sargent Pepper foi editado? Mas o lapso de tempo parece imaterial. A internet transforma uma série perpétua de aniversários, momentos díspares de épocas díspares, e apresenta-os todos como equivalentes e acessíveis no aqui e agora. “Em 1981”, escreveu o teórico cultural tardio Mark Fisher em Ghosts of My Life (2014), “a década de 1960 parecia muito mais distante do que é hoje”. O Facebook estende essa lógica à própria história pessoal das pessoas, informando-as em que atividade banal elas estavam envolvidas nessa época no ano passado, ou oito anos atrás. O arquivo não está apenas disponível para nós; ele persegue-nos ativamente.

Esses fenómenos estenderam-se muito para além dos limites de qualquer plataforma digital em particular, produzindo uma lógica cultural mais difusa. Isso manifesta-se nos romances de Karl Ove Knausgaard, ou no filme Boyhood, de Richard Linklater, onde a mentalidade de ‘big data’ de capturar cada detalhe biográfico ao longo do tempo é elevada a uma forma de arte. Esta época cultural introduz um conjunto distinto de problemas. Que evento do passado é que nos vai aparecer a seguir? Como se pode extrair uma narrativa clara do dilúvio de mensagens e números? O que é que a minha ficha de dados diz sobre mim? Os julgamentos passados de si mesmo ou dos outros podem ser revistos ou revogados? Pode parecer que há apenas duas opções: imergir-se completamente, ou não dar a mínima hipótese de se importar com isso. As figuras que têm sucesso na política populista de hoje são as que não se importam. Os políticos do passado podem ter procurado a ‘autenticidade’, mas esse uso do termo sempre foi um oximoro. Se alguém se está a esforçar demais,  esse alguém não é então autêntico. Quando a política ainda estava orientada em torno da televisão e dos jornais analógicos, havia audiências específicas para as performances dos políticos e oportunidades bem definidas para eles exercerem o seu poder de atratividade: o debate televisivo, a entrevista, a conferência de imprensa, as suas relações com os editores de jornais. Mas agora que os políticos (como todos nós, aliás) estão sujeitos a um monitorização incessante e abrangente, e deixam um arquivo montanhoso de evidências atrás de si, os pontos centrais do tipo tradicional não importam tanto. De qualquer forma, tudo sairá na mesma.

Também é revelador o facto de estes populistas bem-sucedidos serem significativamente mais velhos do que a média dos políticos da “terceira via” dos anos 90. Onde estes últimos eram homem de quarenta e poucos anos (agora representado pelo ainda mais jovem Emmanuel Macron), nos últimos dois anos assistimos à ascensão imprevista de Bernie Sanders (75), Jeremy Corbyn (68) e Donald Trump (71), o homem mais velho que já se tornou presidente. Esses homens situavam-se à espreita e à margem da vida pública há décadas, e em torno deles se acumula um arsenal de imagens e histórias. Tanto Corbyn quanto Sanders têm um arquivo impressionante, aparecendo em fotografias como jovens homens sendo manietados pela polícia enquanto protestavam contra a segregação racial. Não são apenas as suas palavras que persuadem as pessoas que elas oferecem uma rutura com o status quo, as suas biografias também o fazem. Acrescentaram o equivalente político das historias para o cálculo dos riscos de crédito.

Um evento que fez muito para empurrar a sensibilidade do ‘big data’ para a política do Reino Unido, mas que teve pouco a ver com a internet (foi desencadeado por um pedido de liberdade de informação dos jornais), foi o escândalo das despesas dos deputados em 2009. A sua importância para as nossas convulsões democráticas subsequentes não foi totalmente apreciada. A capacidade de perscrutar a vida dos nossos representantes, descobrir que cortinas compraram, se apanhavam táxis ou o metro, onde iam almoçar, contornou as atuações encenadas sobre as quais os políticos preferem ser julgados. Isto revelou diferenças de caráter e gosto, o tipo de coisa que agora estamos acostumados a vislumbrar via Facebook ou Instagram.

Graças aos tabloides, há muito que estamos habituados à interrupção da política por escândalos, incluindo histórias concebidas para causar o maior embaraço pessoal possível. Mas aqui estava algo diferente. Em vez da revelação do traje do quarto de David Mellor há uma espécie de conta-gotas de inépcias, mas contando detalhes de compras de John Lewis, o que não interrompeu a política como de costume, mas a reconfigurou completamente. Que Ed Miliband seja revelado como o membro mais frugal do gabinete, e o seu irmão um dos mais extravagantes, diz algo de mais importante do que as suas opiniões sobre política orçamental , e o que quer que tenha sido colocado na corrida à liderança trabalhista no ano seguinte.

Um dos resultados impressionantes desta nova ecologia dos meios de comunicação social é que os esfreganços tradicionais já não parecem funcionar tão eficazmente como funcionavam. Tanto Hillary Clinton, em 2016, quanto Theresa May, em 2017, procuraram derrubar os seus adversários chamando a atenção para o seu comportamento no passado. Uma fita de Trump gabando-se de agarrar as mulheres “pelo rabo” foi tornada pública, presumivelmente na suposição de que acabaria com a sua campanha de uma vez por todas. Corbyn foi martelado uma e outra vez pelas suas simpatias passadas com o IRA, com o efeito de que o manifesto trabalhista (e suas vulnerabilidades no Brexit) ter ficado  relativamente intocado.

A estratégia fracassou porque, neste novo ambiente, há algo pior do que errar, e isso deve ter duas faces. O comportamento de Trump foi chocante, mas pouco fora de caráter. Foi a agressão e uma subversão do “politicamente correto” que alimentaram a sua campanha em primeiro lugar. Quanto a Corbyn, toda a sua carreira política foi passada a  desafiar  o imperialismo ocidental e o regime militar. Estas difamações não diziam muito ao público que as pessoas não tivessem já sentido – e que podiam descobrir através do Google – sobre os personagens e as prioridades dos candidatos. Em contraste, as “elites liberais” são vulneráveis à acusação de que as suas vidas públicas e privadas não coincidem: elas pregam o serviço público e o altruísmo, enquanto têm duas cozinhas (Ed Miliband), ganhando $675.000 por discurso para Goldman Sachs (Clinton) ou não sabendo exatamente quantas propriedades possuem (David Cameron).

Hannah Arendt comentou em On Violence que a raiva é menos comumente provocada pela injustiça do que pela hipocrisia. A dificuldade é que a política deve envolver algum grau de hipocrisia, para que as vidas pública e privada não se dissolvam uma na outra. Ser a mudança que cada um de nós deseja ver no mundo” é uma heurística ética útil, mas não ajuda juízes, funcionários públicos ou ministros na tomada de decisões em nome do público. Também não vai ajudar Corbyn se ele se tornar primeiro-ministro, apesar dos seus protestos de que continuaria a manter o mesmo comportamento se chegar a Downing Street. No entanto, em muitos aspetos, os media digitais servem para dissolver a divisão entre público e privado, permitindo que um olhar implacável e inesquecível seja lançado sobre cada discrepância entre palavras e ações, palavras passadas e palavras presentes. No mundo gladiatorial do Twitter, o maior erro que se pode cometer não é ser ofensivo (isso pode ser uma virtude), mas contradizer um tweet anterior, às vezes até de anos atrás, que pode então ser alegremente desenterrado novamente por “vir ver atrás” . Nessas condições, a credibilidade pública depende de uma sinceridade sem limites e de uma consistência obsessiva, bem como de um desrespeito pela forma como os outros vêem uma pessoa. O arquivo de Trump faz-lhe aqui poucos favores: o seu catálogo anterior de tweets fornece uma fonte constante de entretenimento ao expor a hipocrisia do seu comportamento como presidente, embora principalmente para aqueles que nunca acreditaram nele. Isto contraria os princípios maquiavélicos sobre as proezas políticas, o que ajuda a explicar porque é que os não políticos, os políticos marginais e os não-partidos (En Marche!) estão agora a colher os benefícios eleitorais.

Dado o grau em que as noções convencionais de liderança foram moldadas para se adequar à televisão e aos jornais, o desafio a essas noções é de há muito esperado. Por agora, as encenações estúpidas sobre a normalidade devem ser terminadas. O que era animador sobre a eleição geral foi que esta  sugeriu um novo estatuto simbólico para a política do tipo que a política tecnocrática foi incapaz de fabricar. No meio de toda a algazarra, slogans e maledicência da campanha eleitoral, parece que as políticas simples e apelativas do Partido Trabalhista (fim das propinas universitárias, mais dias feriados (por referência aos bank holydays no Reino Unido), refeições escolares grátis para todos, mais elevado financiamento do Serviço Nacional de Saúde, não aumento dos impostos para 95% dos trabalhadores) tinham possibilidade de singrar. Estas políticas foram concebidas para produzir uma plataforma populista de esquerda, com a ideia em mente de que as políticas podem influenciar os eleitores, mas apenas se forem suficientemente simples para poderem manter a sua forma enquanto viajam numa esfera pública cada vez mais complexa e caótica. O New Labour tinha dois conjuntos de especialistas: um grupo para operar com a sua máquina tecnocrática de formulação de políticas, e o  outro para lidar com os media em que os peritos  do New Labour  acreditavam que os poderiam domesticar. Mas uma vez que os estrangulamentos editoriais já não determinam o fluxo de notícias e que o controlo neurótico da imagem já não é realista, as políticas devem ser concebidas para se espalharem por si próprias, como os fluxos de informações da Internet. É isso que fez a frase de Trump, “Construir um muro”. Menos propícia, uma vez que a frase “imposto sobre a demência” se tinha ligado à campanha dos Conservadores, esta a não poderia ser daí desalojada.

Isto não quer dizer que o próprio Corbyn não tenha sido instrumental. Dado o aumento do comparecimento dos jovens, o “ensino universitário gratuito” pode ter sido decisivo para arruinar as esperanças da maioria de May, especialmente dada a promessa de Corbyn de explorar maneiras de aliviar o ónus da dívida existente. Mas não poderia ser um qualquer líder a fazer esta promessa de forma credível: Nick Clegg renegou-a em 2010, e ninguém como Clegg se poderia ter safado em 2017 a dizer o que disse Corbyn sobre o assunto. As figuras centristas do Partido Trabalhista e os  seus amigos na imprensa continuam a acreditar que se trata de uma má política, alegando que ela usa a tributação geral para subsidiar os privilégios da classe média. Corbyn é diferente, não porque tenha uma visão diferente da economia, mas porque tem uma biografia política diferente. Além disso, tornou-se um ativo valioso na “economia da atenção” da paisagem digital, uma vez que os olhos são inexoravelmente atraídos para as peculiaridades pessoais e emocionais. Assim como Trump durante a sua campanha eleitoral, Corbyn converte fraquezas em força. A combinação de seu comportamento com um ar de um bom tio com o documento sério e pesado em termos de políticas do manifesto trabalhista provou ter um sucesso inesperado.

Os  blairitas queixam-se de que Corbyn oferece soluções simples para problemas complexos. (Eles costumavam queixar-se de que ele tinha algumas políticas plausíveis, mas que eram inelegíveis: parece que a folha de acusação foi agora invertida). Mas uma das soluções de Corbyn é difícil de contestar – nomeadamente, a ressurreição da política fiscal como instrumento central de transformação social e económica, após 25 anos em que ambas as partes estavam paranoicas por terem sido rotuladas de fanáticas por “impostos e despesas”. Nos últimos dez anos, os banqueiros centrais defenderam junto dos políticos uma política orçamental menos austeritária para aliviar a carga macroeconómica sobre a política monetária, mas o seu apelo caiu em saco roto, especialmente na Europa. Na sequência da flexibilização quantitativa, uma das políticas económicas mais obscuras do ponto de vista técnico alguma vez concebidas, o regresso da política orçamental é bem-vindo, tanto do ponto de vista económico como político. Corbyn forçou os Conservadores a fazê-lo, transformando a austeridade numa questão política tóxica.

Durante as décadas de 1980 e 1990, teóricos como Fredric Jameson argumentaram que o capitalismo tinha provocado uma mudança fundamental na forma como a história cultural e política é vivida. O sentido distintamente moderno da cronologia, que surgiu na segunda metade do século XIX, via o passado como um desdobramento progressivo para o presente, e o futuro como um espaço de novas possibilidades políticas e culturais a ser apreendido por qualquer artista, planeador ou movimento político que fosse suficientemente ousado. A pós-modernidade, pelo contrário, envolveu um colapso do progresso histórico num presente perpétuo, uma constante repetição e recombinação de estilos e ideias existentes, que puseram fim a qualquer esperança (ou medo) de que o futuro pudesse ser radicalmente diferente.

O corolário económico disso foi o entrincheiramento de uma ordem neoliberal em que o capitalismo liberal foi tratado como a fase final da história humana: os únicos planos plausíveis eram os planos de negócios, a única fonte de inovação era o empreendedorismo. Essa visão ainda se mantinha com alguma noção de progresso, mas agora está estreitamente ligada a melhorias na eficiência económica e nos sentimentos dos consumidores enquanto tal. Quando Tony Blair utilizou a palavra “modernização”, referia-se à promoção da concorrência nos serviços públicos. A ideia de “moderno” foi esvaziada das suas implicações utópicas ou politicamente perturbadoras, provocando a sugestão de que o futuro já não existia, pelo menos não como algo diferente do presente.

Os anos de austeridade desde a crise financeira global seguiram o roteiro pós-moderno, mas com uma diferença crucial. A pós-modernidade é tipicamente concebida como repetitiva, mas também de forma lúdica. Em contraste, a austeridade passou a ser vista como uma repetição sem fim e inútil da dor (Yanis Varoufakis descreveu as condições de resgate da Grécia como “suplício da banheira pelo orçamento “). A cada anúncio de que a austeridade terá de ser prolongada porque os cortes nas despesas públicas falharam mais uma vez em reduzir o défice público (tal como a maioria dos economistas sempre avisou que assim aconteceria), o sentimento de descrença aumentou. Nos piores casos, como o da Grécia, os esquemas de redução do défice estendem-se por décadas no futuro. A precariedade e os custos crescentes da habitação aprisionam os jovens num estado de perpétua situação de pré-adulto, incapazes de se separarem dos seus pais. A necessidade de escapar a este ciclo é cada vez mais premente, mas tudo o que os governos têm vindo a prometer é cada vez mais, do  mesmo

Nessas circunstâncias, a esperança é encontrada numa forma de revisionismo histórico. Os sucessos de Corbyn e Sanders (e, de uma forma diferente, de Trump) permitem-nos sentir que é possível restaurar e reavaliar elementos de um passado anterior ao neoliberalismo. Onde a visão modernista da história trataria a marcha de Reagan, Thatcher, Blair e Clinton como uma etapa necessária no caminho para algo melhor, o sentido atual parece ser o de que estes tomaram o caminho errado. Em vez disso, temos de voltar atrás para avançar. No caso de Trump, o erro percebido remonta muito mais atrás, à Lei dos Direitos Civis de 1964 e até antes. O que é notável sobre a marca de conservadorismo de Trump é que ele mostra pouca devoção a Reagan ou à história conservadora recente, procurando em vez disso imaginar muito da história do pós-guerra dos EUA em favor de um holograma de uma nação onde os homens fabricam os bens do mundo e as mulheres engomam as suas camisas.

Uma grande parte da razão pela qual Corbyn causa tanta angústia aos blairitas – quer eles gostem ou não das suas políticas ou estilo de liderança – é que ele ameaça destruir a sua narrativa das décadas de 1980 e 1990. Nessa versão da história, a esquerda dura foi heroicamente derrotada por Neil Kinnock, preparando o terreno para o mais bem-sucedido governo trabalhista de sempre. E se Corbyn vencesse uma eleição geral? Como é que isso reformularia o significado dessas batalhas? A coincidência do crescimento de popularidade de Corbyn com o horror da Torre Grenfell criou as condições – e a exigência – de uma espécie de comissão de verdade e reconciliação sobre quarenta anos de neoliberalismo. É muito simples acusar Corbyn como sendo um retrocesso na história, mas é inegável que a sua capacidade de atração e a sua autoridade derivam em parte da sua disposição de lançar uma luz diferente e menos tolerante sobre a história recente, para que não tenhamos que continuar a repeti-la.

Reagindo ao fracasso da votação de 8 de Junho, os dirigentes empresariais e comentadores conservadores manifestaram a sua inquietação pelo facto de os jovens estarem tão entusiasmados com um programa de esquerda aparentemente retrógrado. Memorando para gente com menos de 45 anos,” Digby Jones, o antigo diretor-geral de CBI, Confederação Britânica da Indústria, tweeted: Você não se lembra da última vez que os socialistas tomaram o controle do frasco dos biscoitos: tudo se nacionalizou e nada funcionou? Para a qual a resposta agora pode ser esta : e você não se lembra como as coisas eram boas comparadas com as de hoje?. Fale com os meus alunos de licenciatura (muitos deles nascidos durante o primeiro mandato de Blair) sobre os anos 1970 e início dos anos 1980, e você verá o olhar melancólico nos  seus rostos ao imaginar uma sociedade em que artistas, escritores e recém-formados pudessem viver independentemente no centro de Londres, sem serem incomodados por empresas de empréstimos estudantis, empresas de mão-de-obra a tempo parcial  ou cobradores de dívidas. Esta pode ser uma visão histórica parcial, mas responde ao que as enganadas gerações mais jovens atualmente desejam: a oportunidade de crescer na vida adulta sem ter todo o seu futuro mapeado como uma estratégia financeira. Um líder que pode construir uma ponte para esse passado oferece a esperança de um futuro diferente.

Leia este artigo na London Review of Books clicando em:

https://www.lrb.co.uk/v39/n14/william-davies/reasons-for-corbyn

About joaompmachado

Nome completo: João Manuel Pacheco Machado

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: