JEREMY CORBYN, UM POLÍTICO QUE SE DISTINGUE PELA SUA SERIEDADE – RENASCIMENTO DOS TRABALHISTAS NO REINO UNIDO, por ALLAN POPELARD e PAUL VANNIER

 

Renaissance des travaillistes au Royaume-Uni, por Allan Popelard e Paul Vannier

Le Monde Diplomatique, Abril de 2018

Selecção e tradução de Júlio Marques Mota

 

Um país onde as divisões caracterizariam sobretudo o campo conservador? Onde é que a esquerda despertaria o entusiasmo das multidões? Onde é que a esperança de novas conquistas electrizaria os progressistas? Este país existe: é o Reino Unido, desde que a eleição de Jeremy Corbyn como líder do Partido Trabalhista, em 2015, levou a uma reconstrução da esquerda no seio do tradicional Partido Social-Democrata.

Allan Popelard e Paul Vannier, Le Monde Diplomatique

Tom Lovelace. – « In Preparation No. 18 » (En préparation n°18), 2017, www.tomlovelace.co.uk – Flowers Gallery, Londres, New York

 

“Se querem ver como os pobres morrem, venham ver a Torre de Grenfell. “No seu discurso de encerramento no Congresso Trabalhista em setembro de 2017, o líder do Partido Trabalhista (Trabalhista), Jeremy Corbyn, citou esta linha do poeta e romancista nigeriano Ben Okri sobre o incêndio que matou 79 pessoas num edifício de habitação social em Londres, em 14 de junho de 2017. A norte do distrito de Kensington, um dos mais chiques da capital britânica, a torre ficava num enclave popular. Os seus habitantes, relegados para os arredores da auto-estrada e do caminho-de-ferro, tinham sido abandonados por uma política violentamente desigual. No Reino Unido, a percentagem do rendimento captada pelo 1% mais rico duplicou nos últimos 30 anos, passando de cerca de 4% para mais de 8,5% do produto interno bruto (PIB). Em Brighton, Corbyn focou o significado do drama: “Grenfell representa um sistema falhado, falido, que o Partido Trabalhista deve – e vai – substituir. »

Em mãos conservadoras desde a década de 1970, a circunscrição de Kensington foi, contra todas as probabilidades, ganha pelo partido trabalhista em junho de 2017. (EN) O partido trabalhista de Jeremy Corbyn, somos tentados a especificar, uma vez que a linha política do principal partido de esquerda britânico se modificou e em muito . “Muitas pessoas tinham deixado o Labour sob [Anthony] Blair (1). Fiquei, fiquei a beliscar o nariz”, diz Emma Dent Coad, a nova deputada. Eles voltaram e muitos jovens juntaram-se-nos. Outros apoiaram a campanha sem se juntarem ao partido. Bem posicionada localmente, a representante eleita beneficiou de uma forte dinâmica militante – o número de membros do sindicato local aumentou de 300 para 1.000 em dois anos – e do “desmembramento dos conservadores por causa do Brexit”. Num círculo eleitoral que é muito favorável à manutenção do Reino Unido na União Europeia, a Sra. Dent Coad congregou votos muito para além do eleitorado trabalhista tradicional. “Pessoas de direita votaram em mim, pessoas que se afastaram dos trabalhistas, pessoas que nunca votaram, pessoas que não confiaram mais nos políticos. Muitos me disseram que esta foi a primeira vez que se deslocavam para votar.»

Tal como Kensington, muitas circunscrições mudaram desde a nomeação de Jeremy Corbyn como líder do partido em Setembro de 2015. Embora continuem a ser uma minoria em Westminster, os trabalhistas fizeram um avanço histórico nas eleições legislativas antecipadas de junho de 2017: três milhões e meio de votos e 30 lugares adicionais. Este resultado é tanto mais notável quanto, noutras partes da Europa, os velhos partidos social-democratas estão em crise. Na França, o Partido Socialista perdeu cerca de 140.000 membros entre 2007 e 2016. Na Alemanha, o número de membros do Partido Social Democrata (SPD) diminuiu em 70.000 durante o mesmo período. O Labour , por outro lado, é estimado em 570.000, mais 300.000 do que em 2015. Nenhuma força nova, que participaria, como na França ou na Espanha, de uma profunda reestruturação do cenário político, está a contestar a sua hegemonia. E, ao propor renacionalizar as ferrovias ou tornar livre o acesso à universidade, o Labour rompe com o neoliberalismo que os membros da Internacional Socialista continuam a defender noutras partes do mundo. Para além de um sistema de votação que favorece um sistema bipartidário (2), como explicar esta tripla exceção britânica?

“Não é só o governo que precisa de ser mudado. É todo um modelo que está em crise. “Nos arredores da Grande Londres, o escritor editorial Owen Jones, uma figura da esquerda britânica, mobiliza 150 ativistas. Eles reúnem-se numa sala na cidade de Uxbridge decorado com as cores do Labour . No interior, é distribuído um breve texto sobre medidas orçamentais, emprego, saúde, habitação e a posição do Partido Trabalhista no Brexit; é feita uma atualização sobre os problemas locais; e a formação é feita através de esboços representativos de situações típicas – tais como o encontro com um membro do Partido da Independência do Reino Unido (UKIP, extrema-direita). Finalmente, organizamos cerca de trinta equipas de ativistas para uma tarde de reuniões porta-a-porta. O local não foi escolhido aleatoriamente: Boris Johnson, ex-prefeito da capital e atual Ministro dos Negócios Estrangeiros, é o deputado do Parlamento por esta circunscrição. A posição que ele conquistou em 2015 é instável. O Labour identificou cerca de sessenta territórios no país que provavelmente se deslocarão para a esquerda. “Queremos livrar-nos do Johnson”, diz o Jones. Vamos lá! Vamos tirá-lo daqui! »

Reforço de Momentum

Estamos a seguir uma equipa porta-a-porta entre Cowley Road e Ferndale Crescent. “Nunca confie num Conservador”, lemos numa janela. Cinco homens e uma mulher percorrem esta pequena área residencial de classe média, localizada sob o corredor aéreo do Aeroporto Heathrow de Londres. Entre eles está apenas um membro da Secção do Labour local. “Entrei no início dos anos 80”, explica este professor de música reformado. Quando a Blair foi eleito, devolvi o meu cartão. Fiquei muito insatisfeito com as medidas educacionais tomadas pelo seu governo. E depois voltei com o Corbyn. “Ao lado dele, está o senhor Seamus McCauley, 41 anos, que trabalha em comunicação. Ele não teria votado pelo partido de Blair por nada no mundo. Mas em 2015, juntou-se ao movimento de apoio a Corbyn. Nesse mesmo ano, a Sra. Keith Webb, na casa dos 50 anos, decidiu envolver-se. Antes, ela não estava interessado em política. Em contraste, o Sr. David Carr tinha sido um activista de longa data do Partido Comunista. Reconheceu-se em Corbyn porque veio do sindicalismo. Ele também aprecia “que ele seja feminista e ecologista, que defenda o povo palestino e que se opôs à guerra no Iraque”, e finalmente o Sr. Amir N., que está envolvido há dois meses, e a Sra. Deborah Olszewski, que apoia o Sr. Corbyn embora ela pertença a outra formação, o Women’s Equality Party.

A diversidade (incluindo a diversidade social) deste pequeno grupo atesta a dinâmica popular do Labour. A par dos antigos militantes, bastante idosos, que regressaram ao Labour depois de o terem deixado, muitos jovens atravessaram a linha e entraram: só a organização juvenil trabalhista Young Labour teria mais membros do que o Partido Conservador de todas as idades. Graduados e membros da classe média, os novos ativistas são menos frequentemente sindicalizados, mas veem Jeremy . Corbyn como o homem certo para o Labour.

Após a demissão de Edward Miliband em maio de 2015, a eleição de Corbyn deu origem aos piores presságios, pois os seus opositores nunca deixaram de recordar o fracasso eleitoral de 1983, quando a esquerda estava ao leme do partido. Na época, os seus críticos classificaram e alcunharam o seu programa como “a carta suicida mais longa da história”. Eleito à frente do partido com 59,5% dos votos (3), o deputado de Islington North (Londres), retornando a seu favor o princípio da primária aberta, conseguiu cristalizar em torno da sua pessoa e das suas ideias uma ampla aspiração popular. Em oposição à austeridade e à guerra (4), os seus apoiantes, que se tinham tornado poderosos no movimento operário, ajudaram a conter a revolta das elites trabalhistas que se tinham convertido ao neoliberalismo. Em 2016, uma nova votação confirmou sua posição de líder do partido com 61,8% dos votos. Desde então, a dinâmica não diminuiu. Um sinal dos tempos, o folheto distribuído ao povo de Uxbridge é intitulado “O Labour, partido pronto para Governar”.

Visado pelos Trabalhistas, a circunscrição de Boris Johnson também está no coração do “Vamos tirá-los daqui ! ” (#Unseat) organizada ao mesmo tempo por Momentum. Fundado em outubro de 2015 por militantes próximos de Jeremy Corbyn, este movimento foi criado para “fortalecer a posição” do líder trabalhista, explica Yannis Gourtsoyannis, membro do grupo de coordenação nacional, gestão da organização. “Assim que foi eleito, foi tomado com o alvo ” pelo “partido parlamentar”: os deputados em exercício, muitas deles próximos do Blairismo.

Com 36.000 membros, Momentum está em crescimento . Várias centenas de pessoas juntar-se-iam todas as semanas. Distinta das outras formações de esquerda pelo seu peso e ativismo, mobiliza-se independentemente das instruções do partido, graças às suas próprias ferramentas: uma plataforma digital e uma aplicação online. “Estamos numa campanha permanente”, explica Gourtsoyannis. Este jovem médico do hospital público considera que as novas eleições legislativas “podem ser convocadas a qualquer momento” e está pronto. O governo da Sra. Theresa May foi enfraquecido

Com 170 grupos locais, Momentum está agora preocupado com a sua estrutura. Têm aulas a serem dadas às redes sociais são dadas, às vezes por executivos da equipa de Bernie Sanders, ex-candidato à primária democrata americana. Os seus membros são treinados para organizar reuniões públicas ou ações porta-a-porta. Longe das práticas habituais de um congresso, as conferências nacionais de Momentum centram-se em workshops que permitem o intercâmbio de práticas entre militantess. “Não somos um grupo de reflexão. Não produzimos relatórios. O que estamos a fazer é assegurar que a política laboral reflita as aspirações dos seus membros e não as dos tecnocratas. “Sem procurar estabelecer um corpo de doutrina separado, o movimento está a tentar influenciar as propostas do partido nas áreas de saúde pública, indústria de defesa ou política de migração. “Este é o programa trabalhista mais de esquerda em quarenta anos. Mas ele continua muito tímido nestas questões. »

Enquanto 37% dos eleitores trabalhistas – particularmente os da classe trabalhadora – votaram a favor do Brexit, o grupo ativista liderou uma intensa campanha em 2016 para manter o Reino Unido na União Europeia. A organização pode, portanto, parecer estar fora de sintonia com parte da base eleitoral trabalhista. Mas a sua acção contribuiu também para uma forma de reequilíbrio entre o eleitorado jovem, qualificado e urbano, que a campanha europeia do senhor deputado Corbyn, parcimoniosa, conseguiu desorientar. A dinâmica está, assim, a estabelecer-se gradualmente como uma das componentes centrais do trabalho. Em Janeiro passado, três dos seus candidatos, incluindo o seu fundador Jon Lansman, foram eleitos para o Executivo Trabalhista. Totalmente integrados, os seus membros são agora obrigados a juntar-se ao partido. Se os processos contra a sua entrada ainda ocorrem entre os adversários de Momentum, é cada vez mais difícil para eles retratá-lo como um pequeno grupo de jovens de cabelos despenteados. s….

Os sindicatos recuperaram a sua centralidade

“O nosso objetivo é transformar o Labour “, diz Gourtsoyannis. Queremos restabelecer a ligação entre o partido parlamentar e o grande número de aderentes. “Os principais membros trabalhistas eleitos no Parlamento tinha-se oposto à candidatura de Jeremy Corbyn, e foi mesmo à justa que o representante da ala esquerda conseguiu apresentar-se como candidato a Secretário-geral, coletando mais do que os necessários trinta e cinco patrocínios dos membros com assento parlamentar. O apoio de 15% do grupo parlamentar é, de facto, um pré-requisito para qualquer candidatura à liderança trabalhista. Para limitar o alcance deste “veto”, Momentum defende a redução deste limiar para 10%.

O que é preciso restaurar, continua Gourtsoyannis, são “os laços com os movimentos de cidadãos que se mobilizam contra a austeridade (5), a guerra ou contra o desmembramento do hospital público”. Enquanto muitos partidos, fechados em si mesmos, tornaram-se máquinas eleitorais minadas pela burocratização e pelo oportunismo, Momentum quer explorar um caminho alternativo.

Sheffield, Yorkshire. A cidade tem sido um reduto dos trabalhistas desde 1920. As fábricas do Lower Don Valley ainda fazem dele um importante centro siderúrgico britânico. Foi aqui que a organização que prefigurou o Congresso dos Sindicatos (TUC) foi fundada em 1866. Esta confederação tem agora cinco milhões e meio de trabalhadores. Quase todos os quarenta e nove sindicatos que compõem o sindicato são “filiados” ao Partido Trabalhista e, portanto, participam do seu financiamento e da sua tomada de decisões. A história do movimento operário britânico, original na Europa, conduziu a uma estreita associação do partido e dos sindicatos. Foram estes últimos que presidiram à criação do Partido Trabalhista em 1900.

Tom Lovelace. – « In Preparation No. 10 » (En préparation n°10), 2017www.tomlovelace.co.uk – Flowers Gallery, Londres, New York

 

Martin Mayer, chefe do TUC em Sheffield, foi membro do comité executivo nacional do Partido Trabalhista, o seu órgão de direção política, até ao verão de 2017. “Os últimos dois anos têm sido muito difíceis”, diz ele. Corbyn foi atacado vezes sem conta. “Contra os 172 parlamentares que tentaram um golpe de força em junho de 2016, votando uma moção de censura, os sindicalistas uniram forças.

Marginalizados durante o período do New Labour, quando Blair (1994-2007) e depois Gordon Brown (2007-2010) estavam à frente do partido, os sindicatos recuperaram a sua centralidade. Os tempos em que algumas organizações, em desacordo com a política neo-laboral, se desligaram do partido (como o Sindicato dos Bombeiros em 2004) parecem ter passado. Tal como aquele tempo em que um líder trabalhista poderia assumir a maior parte da legislação anti-sindical de Margaret Thatcher e reduzir o peso das organizações de trabalhadores no congresso nacional anual (6). “Antes de Corbyn chegar”, diz o Sr. Mayer, “muitos sindicatos estavam-se a questionar se deveriam ou não se desvincularem. Os assalariados gritaram aos seus dirigentes: “Porque é que se continua no Labour quando não se ganha nada com isso ?” Mas não tínhamos escolha. As outras formações de esquerda, os Partidos Comunistas, por exemplo, são tão fracas que nunca tiveram qualquer hipótese de ganhar uma eleição. Então ficámos. »

Embora não constituam um bloco homogéneo, os batalhões sindicais têm estado ativamente envolvidos ao lado de Jeremy Corbyn. Na sede da Unite em Londres, o maior sindicato britânico com 1,4 milhões de membros, Andrew Murray, Chefe de Gabinete do Secretário-Geral, explica que a sua organização “tem agora uma relação particularmente forte com Jeremy Corbyn”. “Uma relação política”, diz ele. Esperamos que a sua vitória traga uma mudança radical no combate às desigualdades sociais, uma transferência de poder a favor do trabalho e para os trabalhadores, uma extensão da esfera pública relativamente ao privado , uma política externa que rompa com o impensado atlantista, uma mudança a favor da paz no Médio Oriente. »

“É um dos nossos”

Por enquanto, a questão europeia – que é particularmente embaraçosa para os Conservadores – não parece ter frustrado a reconfiguração em curso.

Durante muito tempo hostis a Bruxelas, os sindicatos britânicos insistiram, em 1975, na organização de um primeiro referendo para deixar a Europa política. A vitória de Thatcher em 1979 mudou a situação. Para alguns, a Europa tornou-se este “precioso escudo contra os excessos do neoliberalismo” (7). Em 2016, a campanha dos conservadores pelo Brexit reavivou os debates nos sindicatos. Em Sheffield, “deputados e sindicalistas de ambos os lados intervieram em reuniões públicas”, explica o Sr. Mayer, “mas o conselho sindical não resolveu por causa das divergências substanciais que persistiram. No país, treze dos vinte e sete principais sindicatos do TUC declararam-se finalmente – e muito tarde – a favor da manutenção do Reino Unido na União, onze não tomaram posição e três lutaram pela saída com base numa campanha alternativa, designada por “Lexit”, contracção de esquerda e de saída (8).

Os sindicatos, que ainda contribuem com metade do financiamento para o Partido Trabalhista e têm um terço dos lugares no seu executivo, encorajam os seus membros a participar na vida do partido. Eles também participam de campanhas internas, enviando muitos e-mails e mensagens de texto. Por exemplo, na Escócia, onde o Secretário-Geral da União Europeia, Len McCluskey, manifestou o seu apoio a Richard Leonard, o candidato próximo de Corbyn que concorre ao Partido Trabalhista Escocês. Uma posição estratégica, em que os Trabalhistas devem, para poderem esperar ganhar poder, recuperar o terreno perdido para o Partido Nacional Escocês (SNP).

Ao restaurar a ligação orgânica entre a sua organização e o movimento sindical, Jeremy Corbyn fortaleceu o campo progressista. “O ponto crucial é que agora temos um partido democrático”, diz o Sr. Murray, para quem “Momentum e Unite são como os dois pilares da nova liderança de Jeremy Corbyn. No entanto, o edifício pode ser mais frágil do que parece. No início de março, para surpresa de todos, o Sr. Lansman of Momentum concorreu ao cargo de Secretário Geral do Trabalho contra a Sra. Jennie Formby, membro das fileiras Unite e apoiada pelo Sr. Corbyn.

Se . Lansman finalmente acabou por se retirar, este episódio é provavelmente um prelúdio para futuras divergências estratégicas e até mesmo políticas. Embora esta função seja tradicionalmente reservada a um representante do movimento sindical, o Sr. Lansman não hesitou em apresentar-se como um recurso. Ao propor que o Secretário-Geral fosse nomeado por todos os ativistas partidários e não apenas pelos seus líderes, ele queria “fortalecer os direitos dos membros” e “substituir o velho modelo hierárquico por uma democracia moderna, aberta e transparente, pluralista e participativa”.

Durham, no nordeste de Inglaterra. Com 200 poços e 200.000 trabalhadores, este condado tem sido a maior área de mineração do planeta. Se a política da terra queimada de Thatcher, acelerando a desindustrialização, eliminou os trabalhadores do carvão, estes últimos ainda mantêm parte de suas atividades. A Gala dos mineiros, um evento anual realizado em julho, vem moldando a vida da esquerda britânica desde 1871. “A mais recente teve a participação de 200.000 pessoas”, diz Alan Cummings, secretário da Durham Miners’ Association. Símbolo do movimento operário, o evento atrai ativistas e simpatizantes de todo o país. “Jeremy Corbyn é um visitante habitual. Conhecemo-lo bem aqui. Quando ele decidiu apresentar-se , não hesitámos um segundo em apoiá-lo. Ele é um homem de princípios. É um dos nossos. “Para os antigos mineiros, a vitória de Jeremy Corbyn soa como uma época de vingança, nesta região que foi durante muito tempo um dos bastiões do New Labour .

“Tony Blair, era um Tory vestido de Trabalhador. Quando era Primeiro-Ministro, nunca se deu ao trabalho de vir a uma das nossos galas. “No entanto, Tony Blair foi deputado por Sedgefield, a poucos quilómetros de distância, e o seu braço direito, Peter Mandelson, foi deputado por Hartlepool, no mesmo condado. Mas os “modernizadores” pouco se importavam com o legado do movimento operário. Após quatro derrotas sucessivas (1979, 1983, 1987, 1992), decidiram conquistar as fortalezas conservadoras, alterando a base eleitoral do Trabalho, fundando um projeto de sociedade sem classes, uma política sem adversários, sublimada na figura do homem de Essex, do eleitor médio (9). Por outro lado, Jeremy Corbyn não hesitou em renovar as ligações com a história da classe trabalhadora, rompendo com essa reorientação ideológica e sociológica que, em busca de um “centro extremo”, havia encorajado a conversão do Labour ao neoliberalismo.

Outrora dominantes, os neo-trabalhistas estão agora na defensiva. Phil Wilson, que ocupa o lugar de Blair em Westminster, permaneceu impotente para contrariar o efeito Corbyn na sua própria circunscrição. Em 2016, as suas instruções não foram suficientes para convencer a maioria dos ativistas a votar em . Owen Smith, o candidato de direita. “É porque há muitas pessoas que se juntaram ao Partido “, diz Peter Brookes. Em 2015, éramos 400. Hoje, duplique esse número. “Peter Brookes, eleito do Condado de Durham, representa o município de Trimdon, o mesmo município onde Blair tinha estabelecido residência. Ele faz parte da “quadrilha dos cinco” que, segundo a lenda, lançou as bases para “Tony” na sua primeira vitória em 1983. Reconhecendo de boa vontade que “algo está a mudar “, este conselheiro admite que os cidadãos, especialmente os mais jovens, veem em Jeremy Corbyn “um homem simples, constante, um homem que está envolvido na política de forma diferente e que pode mudar as suas vidas para melhor”. No seu tempo, recorda Brookes, Blair conseguiu gerar o mesmo entusiasmo: “O número de ativistas nos locais aumentou de duzentos para dois mil no espaço de dois anos. »

Agora, em minoria, os neo-trabalhistas aspiram a “manter os [seus] eleitorados e a apoiar os [seus] candidatos como líderes do partido”. Mas já não têm as redes para o fazer. O seu principal grupo, o Progress, tem vindo a debater-se com dificuldades desde que o seu leal financiador, David Sainsbury, uma das primeiras fortunas do Reino Unido, retirou a sua participação em 2017. Além disso, funcionou como um centro de reflexão, think tank, não como um movimento enraizado no partido e na sociedade. “Devíamos organizar-nos melhor”, admite Brookes. Depois de ter desejado a partida dos “moderados” para fundar um novo partido com eles, ele espera encontrar um “antídoto para o Momentum”.

Como líder do maior partido da Europa Ocidental, Jeremy Corbyn transformou a face do Partido Trabalhista. Este grupo de massas está a traçar um rumo original. Sem marcar a mesma rutura com os quadros políticos pré-existentes como Podemos em Espanha ou La France Insoumise, é o lugar de uma revigorante recomposição. “Para muitos, não para poucos”: Jeremy . Corbyn parece decidido a não ceder.

 

Fonte: Allan Popelard & Paul Vannier, Jornalistas. Renaissance des travaillistes au Royaume-Uni, Le  Monde Diplomatique, Abril de 2018. Texto disponível em: https://www.monde-diplomatique.fr/2018/04/POPELARD/58554

__________

Notas:

(1) Primeiro-ministro  de 1997 a 2007, Tony  Blair foi o artesão da viragem a direita do  Labour (New Labour).

(2) O escrutínio uninominal maioritário  a uma volta em vigor nas eleições legislativas  conduz  à eleição do  candidato que fica em primeiro lugar nas eleições.

(3)  Cinco anos mais cedo,  a representante da ala esquerda, Mme Diane Abbott, tinha tido apenas  7,2 % dos votos.

(4)  Ler  Alex Nunns, « Jeremy Corbyn, l’homme à abattre », Le Monde diplomatique, outubro  2015.

(5) É o caso, por exemplo, da The People’s Assembly Against Austerity, lançada em 2013 por dirigentes sindicais, ativistas e jornalistas. Organizado em 80 grupos em todo o país, estima-se que tenha reunido 250.000 manifestantes em 20 de junho de 2015 e entre 50.000 e 100.000 em abril de 2016.

(6) A sua parte foi reduzida de 90 % a 50 % dos votos.

(7)  Houcine Msaddek, « Des anti-Marketeers aux Brexiteers : la rhétorique eurosceptique des syndicats britanniques d’un référendum à l’autre », Revue française de civilisation britannique,vol. XXII, n° 2, Paris, 2017.

(8) Stefano Fella, « Should I stay or should I go ? », Labour Research,Londres, juin 2016.

(9) « O homem de ’Essex », do nome de um condado do sudeste de Inglatera, designa o eleitor mediano. Cotejado pelos Conservadores nos anos de  1990, tornou-se ’objeto de todas as atenções dos trabalhistas  com a chegada de à cabeça da direção do Partido .

About joaompmachado

Nome completo: João Manuel Pacheco Machado

One comment

  1. C. Leça da Veiga

    O Autor devia dar uma explicação para os resultados eleitorais deste Dezembro de 2019. CLV

Leave a Reply

%d bloggers like this: