JEREMY CORBYN, UM POLÍTICO QUE SE DISTINGUE PELA SUA SERIEDADE – JEREMY CORBYN, O CONTRATEMPO. SOBRE A CRISE DO PARTIDO TRABALHISTA EM 2016, por THIERRY LABICA

 

 

Neste primeiro artigo de uma série sobre a situação política na Grã-Bretanha, Thierry Labica analisa o que aconteceu com o Partido Trabalhista desde que Jeremy Corbyn, um ativista de esquerda e líder de longa data do movimento antiguerra e de desarmamento nuclear, assumiu o comando. 

Thierry Labica é professor no Departamento de Estudos Ingleses da Universidade de Paris-Ouest Nanterre. É autor de vários artigos publicados em Contretemps, e recentemente coordenou, com François Cusset e Véronique Rauline, o livro Imaginaires du néolibéralisme (La Dispute, 2016).

***

Há quase um ano que a aproximação tem sido frequentemente feito entre a audiência  excepcional da campanha do candidato do Partido Democrático Bernie Sanders nos Estados Unidos e a eleição de Jeremy Corbyn como líder do Partido Trabalhista britânico e, da mesma forma, da oposição parlamentar trabalhista ao governo conservador no poder. Onde a própria possibilidade de uma esquerda política reconhecível parecia ter desaparecido há muito tempo, as audiências de massas dos candidatos da esquerda democrática e da esquerda trabalhista mudaram, e talvez desestabilizaram, pelo menos algumas das normas ideológicas que, desde os anos 80, têm definido a ordem do audível na política.

Propomos aqui começar por descrever as principais características da situação económica que levou à chegada de Jeremy Corbyn à presidência do Partido Trabalhista em Setembro de 2015; aquém  das controvérsias e das várias manobras, o que  é que aconteceu ao Partido Trabalhista desde a chegada de Corbyn à sua presidência?

Mas mais do que confrontos e crises nestes partidos, herdeiros distantes da social-democracia histórica, o que se passa pode ser agora uma crise de todos estes partidos. Os níveis de tensões internas no seio do Partido Trabalhista britânico e a hostilidade no seio do próprio grupo parlamentar trabalhista contra o líder da oposição parlamentar, o seu próprio porta-voz, são extremos. Foi alcançado um ponto de ruptura com o resultado do referendo sobre a adesão do Reino Unido à UE. Esta sequência bastante original merece pelo menos uma primeira tentativa de descrição e análise[1].

Os lembretes propostos, nomeadamente no que diz respeito aos prazos eleitorais desde setembro de 2015, são particularmente válidos em termos de comparação com a rejeição, muitas vezes virulenta, expressa desde então contra Corbyn, e de encontrar a sua fonte, nomeadamente no seio do próprio grupo parlamentar trabalhista. Teremos então uma melhor compreensão dos termos da ofensiva interna contra o novo líder da oposição e daquilo a que estes confrontos poderão conduzir para este partido cuja influência, caso contrário, terá colorido toda a evolução da social-democracia na Europa (pelo menos) desde meados dos anos 90. Será também uma oportunidade para observar, pelo menos, os principais aspectos da campanha política dos conservadores e dos meios de comunicação social contra Corbyn e os “Corbynistas”, que, para muitos, parecem estar a tocar o vinil da música de fundo utilizada contra  os mineiros grevistas entre Março de 1984 e Março de 1985.

Chegamos então à situação política em que surge a dinâmica que levou um representante duma esquerda trabalhista, apesar de sempre muito minoritária, à chefia do partido; que política e que reformas conservadoras, desde 2010, estamos a tentar combater, e a que limites ou insuficiências da oposição trabalhista estamos a tentar pôr termo?

Vamos estender um pouco mais o perímetro contextual observando duas coisas: Em primeiro lugar, o contexto ideológico em que ocorre a crise do Partido Trabalhista, que também coincide com a crise do Partido Conservador, particularmente desde a votação a favor da saída da UE no referendo de Junho de 2015 (uma crise potencialmente profunda para os Conservadores, dependendo dos dividendos políticos que a oposição trabalhista poderá, ou não, retirar dela); em segundo lugar, o lugar que deve ser atribuído ao legado Blairista na nova afirmação de uma esquerda visível no seio do trabalhismo britânico e na formação do conflito interno em curso; em que medida deve a actual situação do Labour  britânico ser vista como um  legado dos anos Blair e em que medida a actual crise partidária não é antes, pura e simplesmente,  uma crise do próprio  trabalhismo ?

Este último conjunto de questões é, evidentemente, transversal a todas as grandes questões. No entanto, temos de tentar chegar a acordo sobre o que pode constituir, pelo menos, algumas das tendências subjacentes do período. É nesta condição que podemos evitar cair em analogias sem sentido e enganosas com situações que remontam ao início dos anos 80[2]. Esta aproximação tornou-se uma figura consensual, entre outras, de desqualificação: ao ler alguns comentadores, a dinâmica pró-Corbyn  seria apenas a expressão de uma nostalgia de um passado distante, e uma incapacidade crónica de compreender as “realidades” inflexíveis do momento.

Uma ruptura com o Blairismo

Tal como Sanders, Jeremy Corbyn pertence a uma geração política cujo processo de formação antecedeu a ofensiva anti-operária generalizada nos anos 80. A sua longa trajetória  liga-o  a uma experiência e a um mundo em que uma parte significativa daqueles que se reconhecem no  seu propósito e o sustentam, não conheceram.

Em suma, a trajectória de um Corbyn – e de um John McDonnell[3] – é anterior à mudança do “novo realismo” trabalhista dos anos 80, que deveria ser encarnado numa estratégia de tomada de poder no partido, depois no Estado, chamada New Labour: A partir de 1994, o neotrabalhismo incluiu uma reforma interna dos princípios fundadores do Partido Trabalhista, consagrados na sua constituição, dos procedimentos eleitorais no seio do partido e da relação com as organizações sindicais filiadas, e adornou-se ideologicamente com o projecto de uma “terceira via” Blairista (alimentada pela colaboração de Anthony Giddens).

O início da trajetória de Corbyn é, portanto, anterior a este ponto de viragem, que ele contribuirá ativamente para contestar através de uma série de bifurrcações  decisivas. Em particular, houve o episódio de confronto interno (em 1988) para a liderança partidária entre o líder histórico da esquerda trabalhista, Tony Benn, então apoiado por Corbyn, e Neil Kinnock, o líder da oposição da época. Mas esta luta interna (em grande parte vencida por N. Kinnock) só adquiriu o seu verdadeiro significado à luz do teste final constituído pela grande greve dos mineiros de 1984-85, a última explosão[4] da poderosa combatividade operária que tinha marcado a década de 1970 na Grã-Bretanha e era agora confrontada com níveis de coerção e desmoralização sem precedentes.

Sabemos o que aconteceu em geral desde então, com a consolidação de um consenso político e moral dominado pelo individualismo empresarial, o imperativo competitivo, a fluidez de um mercado de trabalho marcado por salários baixos ou muito baixos, a hostilidade crónica ao emprego público e a protecção social colectiva, todo esse idílio capitalista não tardou a estabelecer-se  num  rico cenário de reivindicado  militarismo, ideologia securitária e banditismo bancário global e multi-recorrente, no qual a City de Londres é vista como a capital da supremacia indiscutível.[5]

Mas, no que diz respeito aos anos de neoliberalismo no poder (1997-2010), um desenvolvimento específico merece aqui atenção . Sob a liderança de Antony Blair, Gordon Brown, Peter Mandelson e Alistair Campbell, em particular, o Partido Trabalhista no governo inaugurou uma máquina de comunicação de escala e intensidade sem precedentes.

Sem mencionar este desenvolvimento em detalhe aqui, basta indicar que as proporções foram tais (em termos de custos financeiros, mobilização de assessores, instrumentação nova e altamente centralizada dos serviços de informação e comunicação do governo[6]) que em 2002, o próprio Primeiro-Ministro fez um acto de arrependimento perante uma comissão parlamentar pelo uso excessivo das estratégias de “comunicação” do seu governo. Mas o mal já parecia tão profundo que muitos consideravam que o “fim da “com'”só valia como slogan para a nova “‘com'” [7].

Além disso, este aparelho de controle de comunicação redobrou o que já era um novo tipo de controle político do próprio partido. “New Labour”, longe de ser apenas um slogan publicitário, era também o nome dum novo funcionamento do partido, de uma nova distribuição das suas relações internas de poder entre os ramos dos círculos parlamentares, funcionários eleitos locais e regionais, sindicatos afiliados, empresas socialistas afiliadas, Partido Trabalhista Parlamentar (PLP). Onde havia uma distribuição federal de forças dentro do partido, as reorganizações internas das décadas de 1980 e 1990 consistiam em distanciar e enfraquecer os componentes organizados (sindicatos, secções locais) capazes de intervir na construção da orientação do partido, para substituir uma ordem descendente, entre uma elite profissionalizada de especialistas em comunicação e estratégias eleitorais, e uma periferia de apoiantes ou membros neutralizados no âmbito de mecanismos institucionais complexos.

Neste novo regime, os limiares e as barreiras entre o centro e a periferia diluem ou mesmo extinguem as possibilidades de intervenção e politização no e pelo partido que, por causa desta desapropriação, renuncia a ser um instrumento de envolvimento e participação colectivos. Os congressos perdem a sua vocação como momentos de desenvolvimento programático para um “Fórum Nacional de Políticas” fora do alcance dos não iniciados. Para dar apenas um exemplo da nova força de controle político dentro do “New Labour”, quando a intervenção militar no Iraque ao lado de Bush tinha acabado de dar lugar às maiores manifestações de massas da história do país, e quando esta intervenção foi a causa direta das deserções em massa entre os membros, a organização da Conferência do Partido Trabalhista conseguiu não permitir nenhum movimento e debate sobre o tema. [8]

Além das controvérsias internas que são a marca de qualquer organização de massas, as gerações mais velhas de ativistas ou membros tiveram, portanto, razões objetivas para não reconhecerem mais a organização política à qual haviam aderido. Quanto aos executivos e representantes mais jovens do partido (os outros três candidatos à liderança do partido em 2015, por exemplo), eles podem muito bem se demarcar de um blairismo aparentemente ultrapassado em termos de desenvolvimento da imagem mediática do que foi  a “terceira via” enquanto que  slogan de campanha. No entanto, não parece haver qualquer pressa em mudar, quanto mais em reformar, a estrutura interna do partido herdada da experiência de Blair. A este respeito, e para além de quaisquer recusas (nem todos os membros do PLP que votaram a moção de censura contra Corbyn seriam blairistas), um certo blairismo objectivo, registado na estrutura interna do partido, permanece, de facto, dominante.

Façamos então a seguinte observação simples: a chegada de Corbyn (ou do par Corbyn-McDonnell) à frente da oposição parlamentar trabalhista em setembro de 2015 representa um grande retrocesso em relação às  principais evoluções  no Partido Trabalhista desde os anos 90, tanto em termos de sistema de comunicação como de controlo político interno. As recentes eleições revelam uma profunda ruptura ideológica com toda a sequência Blairista.

Esta ruptura ocorre a partir de dentro de um grande partido da social-democracia histórica que incorporou de forma muito emblemática a conversão da esquerda ao “mercado”, à competição e, como costumamos dizer, à ideologia “neoliberal”. O neo-trabalhismo, desembaraçado da velha fuligem industrial, a uma boa distância  das suas antigas raízes sindicais, com o seu pessoal com rostos jovens e sorridentes, personificando a própria ideia de uma modernização pós-emprego que finalmente foi bem sucedida, serviu de modelo, referência ou simples pretexto para todo um mundo político da Europa continental, mesmo ao próprio Jorg Haider de direita .

Em segundo lugar, e esta é talvez a mais grave do ponto de vista da máquina política e institucional trabalhista, esta emergência da minoria de esquerda[9] pôs e continua a pôr em grande risco toda a pesada máquina de controlo e pasteurização da comunicação partidária. Sem dúvida demasiado preocupado em simular e encenar a sua própria juventude de papel brilhante, este aparato político  trabalhista  mediático revelou-se incapaz de fazer emergir novas figuras; novas  na medida em que teriam sido capaz de fazer ouvir as necessidades e aspirações urgentes que emanam de uma situação social muitas vezes dramática.

Contra este sufocamento político, parece ter ocorrido uma junção entre um conjunto de exigências ligadas à rejeição da austeridade, às questões de justiça fiscal ou ao problema da desigualdade de rendimentos sem precedentes, e os representantes de uma geração política mais antiga com quem parecia necessário partilhar a rejeição de um  trabalhismo “Novo” agora totalmente fraturado  e amarelado. Contra um velho blairismo e um aparato político fechado, a antiga minoria de esquerda do Partido Trabalhista está, portanto, a servir de mediação para trazer de volta ao campo político questões que se pensava terem sido neutralizadas há muito tempo, para a inclusão deste espectro entre os espectros do próprio socialismo. No entanto, a liquidação parecia ter sido bem sucedida. O horror é, portanto, grande, especialmente porque a eleição de Corbyn também se assemelha a uma inversão da lógica plebiscitária, inicialmente criada para contornar as forças organizadas dentro do partido, contra aqueles que tinham sido  os seus promotores.

Mas antes de chegar aos termos, argumentos e métodos previstos pelo Grupo Parlamentar Trabalhista (PLP) e pela Comissão Executiva Nacional (CNE), para tentar livrar-se do seu novo porta-voz na Câmara dos Comuns, é necessário começar com um simples lembrete das condições em que este último recebeu o seu mandato. Esta descrição ajudará a compreender melhor a natureza das tentativas de eliminação politica de junho a julho de 2016 e das suas possíveis consequências, entre novas dinâmicas de massa para o Partido Trabalhista e a autodestruição política comparável às experiências recentes do Pasok ou do PS francês[10].

A eleição de setembro de 2015 e as derrotas que não ocorreram

As eleições internas do Partido Trabalhista para nomear o novo líder da oposição tiveram lugar em setembro de 2015. Esta eleição foi o culminar de cerca de dois meses de campanha durante os quais quatro candidatos competiram pela sucessão de Ed Miliband (porta-voz da oposição parlamentar desde as eleições parlamentares de 2010), após a derrota do Partido Trabalhista nas eleições parlamentares de junho de 2015: Andy Burnham, Yvette Cooper e Liz Kendal, esta última geralmente reconhecida como a candidata Blairista[11], e Jeremy Corbyn, eleito de um círculo eleitoral de Londres em 1983 e representando a minoria de esquerda no partido.

Corbyn  obteve à justa os trinta e cinco apoios  dos deputados trabalhistas necessários para ser admitido como candidato. Como parte desta campanha nos últimos minutos antes do encerramento das nomeações, tratava-se de continuar a fazer ouvir outra voz no partido, particularmente num contexto marcado por grandes recuos sociais, novas tentativas de ataque aos direitos sindicais e, ao mesmo tempo, um claro consenso entre Conservadores e Trabalhistas no Parlamento sobre as políticas de austeridade.

Após dois meses de manifestações em massa em todas as direcções, e de acordo com as sondagens das últimas semanas, Corbyn, o  candidato reputado marginal, saiu vitorioso com uma esmagadora maioria de 59,5% dos votos. Ou seja, dos 422.664 participantes nesta eleição, 251417 votaram pela esquerda do partido (ou seja, uma taxa de participação de 76,3% dos membros, filiados e eleitores registados para este voto interno).

Esta vitória não só ofuscou largamente as expectativas pré-campanha, como, pela sua magnitude, foi uma verdadeira humilhação para os seus adversários mais jovens, que juntos conseguiram ganhar apenas dois terços dos votos expressos para o colega de disputa  mais velho: 19%, (80.462 votos) para Andy Burnham, inicialmente o favorito nesta corrida; 17% (71928 votos) para Ivette Cooper; 4,5% (18.857 votos) para Liz Kendall. O sucesso de Corbyn foi claro, independentemente da categoria de eleitores, de modo que não podia ser atribuído a um componente em particular, aqueles que haviam se registrado por três libras esterlinas, entre outros. Este resultado (59,5%) foi também superior ao obtido por A. Blair (57%) no mesmo contexto em 1994. Desta forma, além do resultado muito pobre da candidata “Blairista”, Liz Kendall, o mandato recebido por Corbyn foi ainda mais uma bofetada  na cara dos ex-líderes neoliberais ao ridicularizar o slogan “ABC”   (« Anything but Corbyn)  (“Tudo menos Corbyn”) lançado pelo próprio Alistair Campbell, antigo estratega de comunicação de Blair.

A derrota trabalhista nas eleições legislativas de 2015 e, nas semanas que se seguiram, a emergência prematura de Jeremy Corbyn, foram a ocasião para modismos políticos muito significativos causados pelo candidato do Grupo de Campanha Socialista e logo se chegou a falar de “Corbynmania”. Desde então, a dinâmica de adesão ou de readesão ao Partido Trabalhista tem sido enorme.

Em janeiro de 2016, muitas das secções  locais do partido (CLP – Constituency Labour Party, secções de cuircunscrições  eleitorais) tinham visto os seus membros duplicarem, triplicarem ou até quadruplicarem. A seção Daventry no centro da Inglaterra cresceu de 180 para 700 membros; a seção North Derby de 600-700 para cerca de 2600, com a maioria dos membros ocorrendo durante a campanha do verão  de 2015; a seção South Cambridgeshire de 325 para 831; em Colchester, os membros mais do que quadruplicaram de 200-250 para quase 1000 e a City of Bath de 300 para 1322 membros; o círculo eleitoral de Feltham e Heston, no sudeste da Grande Londres, viu os seus membros multiplicarem-se por sete, tendo uma grande parte deles aderido ao partido através do registo por três libras esterlinas, a fim de participar nas eleições internas de setembro de 2015.

Existem dezenas de exemplos comparáveis, documentados pela consulta de 100  responsáveis  locais do partido em Janeiro[12] Como seria de esperar, este movimento em massa de membros do Partido Trabalhista só parcialmente se traduziu num envolvimento activo dos activistas. Cruzaram-se  todas as faixas etárias, registaram-se  muitas readmissões daqueles que se afastaram do partido com a chegada de Blair e ainda mais com a eclosão da guerra no Iraque, e também se viu a chegada de um grande número de jovens sem experiência política prévia. Novamente, não  é dito que entre uma geração militante mais experiente que retorna ao seu partido e uma mais jovem  que entra para uma organização pela primeira vez, as expectativas sobre como conduzir discussões e rituais coletivos são facilmente correspondidas. Seja como for, os líderes locais explicam esta dinâmica pela candidatura e depois pela eleição de Corbyn como líder do partido.

Globalmente, o Partido Trabalhista tinha (de acordo com os seus próprios números) 201.293 membros na véspera das eleições legislativas de maio de 2015 (depois de ter caído para 157.000 em 2009). Havia 388.407 em 10 de janeiro de 2016[13] Em seis meses (entre o início da campanha de liderança e o final de 2016), o Partido Trabalhista tinha quase recuperado os números que tinham acompanhado a chegada de Blair como primeiro-ministro em 1997 (407.000).

No entanto, estes números tinham diminuído rapidamente e depois caíram com o início da guerra no Iraque. Em 2010, o partido tinha 185.000 membros. Mas desde o final de julho de 2016, é necessário juntar pelo menos as 183.541 pessoas (mais do que o número total de membros do Partido Conservador Britânico) que se registaram no intervalo  de dois dias antes da data de encerramento do registro para participar da nova votação de liderança decidida pelo Comité Executivo Nacional numa tentativa de pôr fim às tensões internas violentas e, no que diz respeito a esse órgão governamental, na esperança de se livrar de Corbyn.

Em todo o caso, e sem prever quem será escolhido (embora pareça provável que a principal razão para estas adesões permaneça, em geral, a mesma de há um ano atrás), o Partido Trabalhista tem agora mais de meio milhão de membros. Numa altura em que o medo do descrédito dos partidos e do discurso público parece omnipresente, este é sempre um desenvolvimento cuja escala bastante excepcional só pode convidar à reflexão sobre a presumível inevitabilidade (para celebrar ou deplorar) destes retrocessos.

Tendo em conta o ano passado, a dinâmica de recrutamento e reinscrição no Partido Trabalhista foi acompanhada por prazos eleitorais significativos. Os comentários sobre os resultados eleitorais constituem o terreno familiar para confrontos políticos e mediáticos que são tão febris como oportunistas, no esquecimento crónico de abstenções frequentemente elevadas e frequentemente cada vez mais activas e determinadas.

Uma semana ainda não tinha passado desde a eleição de Corbyn como líder do partido em 12 de setembro de 2015 que já, explicou o jornal The Independent, os elementos  anti-Corbyn “estão a manobrar  para se livrarem deste veterano da esquerda, alguns dizendo que eles vão para a ofensiva se o Partido Trabalhista não ganhar as eleições municipais de Londres em maio de 2016”.14] O partido ia sofrer as humilhações eleitorais que finalmente abririam o concerto do “já vos tínhamos bem dito ! » ! e permitiria sobretudo contrariar o argumento do aumento massivo  e rápido do número de membros do partido, o da derrota nas urnas? Nesse caso, o sinal seria finalmente dado para lançar a tarefa  de demitir o secretário-geral, jeremy Corbyn,  cujo período experimental – quer fosse de algumas semanas ou alguns meses – estava a durar, de qualquer forma, demasiado tempo.

De um modo geral, os resultados não permitiram que a demonstração esperada fosse feita e confirmaram a esquerda do partido na ideia de que as suas orientações e as suas tonalidades, apoiados por Corbyn, poderiam encontrar uma ressonância para além do seu movimento político. Quanto aos setores do partido que lhes são hostis, na  sua diversidade, puderam considerar que os resultados favoráveis foram obtidos apesar da nova liderança (apesar do facto de que Corbyn os condenou à derrota).

Os trabalhistas ganharam várias eleições parciais (no País de Gales, Sheffield, Greater Manchester e Londres). O primeiro deles, na região de Manchester[15] no início de dezembro de 2015, foi apresentado como o primeiro teste eleitoral da nova liderança trabalhista; o partido manteria o seu resultado das eleições legislativas de maio anterior ou sofreria a anunciada hemorragia em favor do Partido da Independência do Reino Unido (UKIP)?

Muitas das previsões pareciam muito sombrias. Análises finas do eleitorado local estabeleceram antecipadamente a observação de uma mudança para o partido xenófobo UKIP, o que era inevitável e terminal[16]; investigações jornalísticas anteriores à votação documentaram a profundidade da rejeição de Corbyn pelo eleitorado popular de Oldham, sugerindo um resultado calamitoso, de acordo com a situação do partido sob aa direção de Corbyn.17] O resultado: o candidato do partido (Jim McMahon) ganhou com uma maioria reforçada (62,1%[18], um aumento de 7,3% em relação às eleições legislativas de Maio de 2015 no mesmo círculo eleitoral). Em termos mais gerais, de três das quatro eleições parciais disputadas, a porcentagem de votos do Partido Trabalhista sob a liderança de Corbyn aumentou: Oldham West (+7,3 pontos), Sheffield Brightside em fevereiro de 2016 (+5,9) e Tooting em junho de 2016 (+8,7)[19].

As eleições municipais e locais na Inglaterra em maio de 2006 foram novamente anunciadas como um momento para verificar uma quase certeza. Um mês antes da votação, um estudo académico [20], baseado nos seus valiosos modelos estatísticos, antecipou uma possível perda de 150 funcionários eleitos e ganhos de 40 lugares para os Liberais Democratas, UKIP e 50 lugares para os Conservadores. Após dois anos de austeridade particularmente acentuada, a pontuação do Labour tinha sido historicamente alta em 2012[21]. Mas a expectativa dos especialistas confirmava  antecipadamente a urgência de questionar a gestão de Corbyn.

O Partido Trabalhista finalmente perdeu apenas 18 assentos (de um total de mais de 1300) em vez dos 150 esperados, manteve todas as suas assembleias locais (58), com uma vantagem global muito ligeira sobre os Conservadores e, em alguns sectores eleitorais considerados estratégicos, um aumento significativo do seu eleitorado em relação às eleições legislativas de 2015.22] .Além disso, o partido ganhou todas as quatro eleições municipais em jogo nesta eleição, mantendo Salford e Liverpool, ganhando Bristol e retirando Londres dos Conservadores com a eleição de Sadiq Khan. 23] O Labour  manteve-se como  partido dominante no País de Gales, que renovou o seu parlamento na mesma ocasião (com 29 lugares em 60). O foco dos media  no resultado de  “Corbyn”,  fez-nos,  no entanto, perder de vista as dificuldades muito reais do adversário eleitoral que estava no poder. Mas, mais uma vez, o assalto final  teve de ser adiada (sem que haja qualquer revisão das  posições de conflito  e das estimativas iniciais).

Resultado da votação a favor da renovação do Parlamento escocês[24] , onde o Partido Trabalhista Escocês foi laminado com a perda de 13 lugares num total de 37. Este resultado, inimaginável na Escócia no passado ainda recente, exigiria um comentário específico em que Corbyn teria pouco espaço e que deveria antes ter em conta o produto de um ano de campanha conjunta dos Conservadores e dos Trabalhadores para manter a Escócia no Reino Unido, antes do referendo sobre a independência escocesa em Setembro de 2014. O resultado das eleições locais de maio de 2016 na Escócia apenas  confirmava o fracasso já sofrido pelos trabalhistas nas eleições parlamentares de 2015, quando o partido perdeu 40 dos 41 deputados e o Partido Nacional Escocês (SNP) aumentou de 6 para 56 deputados no Parlamento de Westminster. Culpar Corbyn pelos males escoceses do partido ou culpá-lo por não ter sido capaz de acordá-lo de seu coma em menos de um ano requer muita imaginação, ou má fé de grande valentia.

No parlamento, a oposição trabalhista conseguiu, pelo menos parcialmente, bloquear os dramáticos cortes de crédito fiscal que afetariam 3 milhões de famílias modestas, com uma perda de cerca de £1300 por ano a partir de abril de 2016; contribuiu para o abandono do plano do Departamento de Justiça do Reino Unido de participar na gestão do sistema prisional saudita, para o abandono dos cortes adicionais (4,4 mil milhões de libras esterlinas) nos subsídios de invalidez e para impedir que a maioria alterasse os critérios de medição da pobreza infantil (para melhorar as estatísticas).

A oposição trabalhista interveio junto ao SNP e dos eleitos  conservadores para que o governo abandonasse os seus planos de estender o horário de trabalho aos domingos nas grandes superfícies e nos  supermercados; contribuiu (juntamente com organizações de professores, diretores de escolas, funcionários eleitos locais de todos os lados…) para assegurar que o governo se abstenha de forçar todas as escolas primárias e secundárias a adotar o status de “academias”, desregulamentadas, excluídas da gestão de assembléias locais eleitas, de escalas salariais e programas nacionais; também ajudou a forçar David Cameron a inverter a sua política restritiva de acolher crianças refugiadas que chegam sozinhas à Europa; permitiu que um projecto de lei destinado a destruir o que ainda resta dos direitos das organizações sindicais fosse significativamente reduzido.

É certo que tudo isto não impede o governo de prosseguir a sua política, mas continua a ser verdade que uma oposição laboral, unida, articulada com a resistência social e sindical e capaz de alianças para além das suas fileiras no parlamento, não se reduz de forma alguma à postura “protestante” e “ineficaz” para a qual o seu líder é acusado de estar a arrastá-la.

Finalmente, nos primeiros meses de 2016, as sondagens, que foram a bússola sem foco de muitos argumentos e polémicas, não apontavam para um atraso crítico dos conservadores e mostravam um relativo equilíbrio entre os dois principais partidos políticos[25], refletindo os resultados das eleições locais e apesar de uma apresentação negativa muito insistente por um grande número dos principais canais de informação e “análises” (voltaremos a este ponto). Não é muito surpreendente, nestas circunstâncias, que pouco se tenha dito sobre o ligeiro avanço feito em abril de 2016 pelo Partido Trabalhista sobre os Conservadores e pelo próprio Corbyn sobre o primeiro-ministro, particularmente depois das revelações dos Documentos do Panamá sobre este último[26].

Da mesma forma, pode ser relatado que as principais orientações de Corbyn e da Esquerda Trabalhista corresponderam às expectativas que eram frequentemente a maioria na sociedade britânica[27]. Uma clara maioria dos britânicos apoia a renacionalização do sistema ferroviário, uma taxa fiscal de 75% para rendimentos superiores a 1 milhão de libras esterlinas, um acordo internacional para proibir as armas nucleares, o controlo das rendas, um salário vital obrigatório (acima do salário mínimo que não permite às pessoas escapar ao limiar da pobreza) e a abolição das propinas universitárias. A mesma sondagem indicava também que a maioria da população se opunha à guerra no Iraque, como também,  mais recentemente, se opunha ao bombardeamento da Síria

Esta questão deve ser abordada com uma série de precauções, tendo em conta, em particular, o “trabalho” bastante intenso realizado sobre a opinião pública. Dito isto, pode assumir-se com Richard Seymour que, contrariamente às leituras marcadamente selectivas e tendenciosas das primeiras sondagens produzidas após a sua eleição, “Corbyn não perdeu eleitores; polarizou-os de uma forma inédita “[28]. No entanto, a focalização dos deputados trabalhistas contra Corbyn sobre as sondagens, na sua ocultação do que podem ter sido sinais positivos, ou interpretações mais completas, mais uma vez, pode ter sido um sintoma de uma ansiedade mais profunda, como teremos oportunidade de ver.

A possibilidade de uma refundação do Partido Trabalhista numa base ideológica renovada e de inspiração socialista e a própria ideia de que Corbyn poderia tornar-se Primeiro-Ministro são, para todo um sector do partido, perspectivas pelo menos tão problemáticas como a derrota nas próximas eleições legislativas. Como o próprio Blair afirmou muito explicitamente, o problema não reside apenas na alegada “inelegibilidade” de Corbyn e na prometida “aniquilação” do Partido Trabalhista; reside também na própria possibilidade de chegar ao poder: “Que a minha posição seja muito clara: não gostaria de ganhar com base num velho programa de esquerda. Mesmo que eu pensasse que este deveria ser o caminho para alcançá-lo, não me comprometeria com ele “[29].

Em todos os casos, se o líder, por si-só não  é certamente responsável pelos resultados eleitorais válidos do partido, pode considerar-se, no mínimo, que não constitituiu  qualquer obstáculo. Tendo em conta o atrás  exposto, parece razoável considerar que os resultados trabalhistas, liderados por Corbyn, seja no campo eleitoral, no parlamento ou em termos da dinâmica de adesão ou reentrada no Partido Trabalhista, poderiam justificar interpretações ponderadas dos resultados e, de qualquer forma, não confirmaram o anunciado e, em alguns casos, o esperado fracasso de Corbyn.

Além disso, pareceria provavelmente muito excessivo culpar qualquer liderança trabalhista por não trazer de volta a si, em menos de dez meses, as multidões de eleitores perdidas em anos anteriores, a saber, cinco milhões, entre 1997 (13,5 milhões) e 2010 (8,6 milhões)[30]. Tal como não parece razoável culpar  uma direção, qualquer que ela seja,  por não reconstruir um Partido Trabalhista Escocês gravemente degradado em poucos meses, muito antes da sua eleição[31].

 

Fonte: Jeremy Corbyn, le contretemps. Sur la crise du parti travailliste britannique en 2016-Thierry Labica,  12 outubro de  2016. Texto disponível em:  https://www.contretemps.eu/corbyn-labour-labica/

 

Notas

[1] A coincidência do calendário com a Convenção Democrática, que no final de julho de 2016 agravou, mais do que acalmou, a discórdia entre os partidários de Saunders e H. Clinton, justificaria um cenário paralelo, para além das competências do presente autor

[2] Muitos comentadores franceses repetiram a comparação (totalmente inadequada) entre Theresa May (que se tornou primeira-ministra no final do Brexit) e Margaret Thatcher (“to  Brexit ou not to Brexit”, “Devo ficar ou devo sair”, “Theresa May, a nova Thatcher”…) o suficiente para dizer que algumas distinções elementares explícitas ainda eram necessárias, apesar da  sua grande evidência. É verdade que entre os truques quase pavlovianos e o reducionismo dos comentários a uma notícia político-eleitoral fora do terreno, a “decifração” da situação no Reino Unido não brilha através das suas audácias pedagógicas.

[3] Outro representante da minoria de esquerda no partido e, desde setembro de 2015, Ministro da Economia no gabinete sombra.

[4] Com a greve dos trabalhadores das tipografias  (1986-1987) do grupo de Rupert Murdoch.

[5] As consequências do recente Brexit continuam por se ver sobre este assunto.

[6] Sujeito às regras de neutralidade estabelecidas no “Livro Vermelho de Whitehall” (!).

[7] Bob Franklin, “A Damascene Conversion? New Labour and Media Relations”, in Steve Ludlam & Martin Smith (eds.), Governing as New Labour: Politics and Policies Under Blair, Palgrave MacMillan, 2004.

[8] Ver  Richard Seymour, Corbyn: the Strange Rebirth of Radical Politics, Verso, 2016, p.165.

[9] Agrupado no Grupo de Campanha Socialista, um grupo de parlamentares trabalhistas de esquerda foi formado no final de 1982..

[10] Em condições muito diferentes, evidentemente, mas a verdade é que a coincidência temporal relativa destas situações e os graus de colapso observados formam um conjunto sintomas – pelo menos – que se manifestam na evolução dos grandes sectores desta social-democracia que, até há pouco tempo, dominavam toda a Europa, tanto nos jogos políticos nacionais como à escala comunitária.

[11] Se bem que ela se tenha querido demarcar desta herança  : « Labour’s Liz Kendall : I’m not a Blairite Candidate »The Guardian, 25 juin 2015.

[12] « The Corbyn effect: who – and where – are the thousands of new lablour members? We asked 100 Labour officials from across Britain about new members flocking to join Jeremy Corbyn’s party”, The Guardian, 13 de janeiro de 2016.

 [13] « Revealed : how Jeremy Corbyn has reshaped the labour party », The Guardian, 13 janeeiro de  2016.

[14] « A Third of labour voters less likely to vote for the party with Jeremy Corbyn in charge, with critics already plotting to oust him”, The Independent, 18 de Fevereiro de 2015.

http://www.independent.co.uk/news/uk/politics/

[15] Circunscrição  de Oldham West e Royton.

[16] Para um exemplo dolorosamente caricatural, veja-se Ian Warren no Guardian, dois dias antes da eleição: « Why labour fears the worst in Oldham West », 1er Dezembro de2015.

[17] O relatório de John Harris et al, para o sitio  do Guardian, gravado na véspera da votação, prometeu um retorno ardente de “realidades” para os “fãs” de Corbyn: “Oldham byelection”: “Oldham byelection : Corbynmania collides with reality – video” Nb: o presente gramatical de “colides” [colisões] sugere um caso jogado com antecedência. Estes dois trabalhos jornalísticos são eles próprios proporcionais à contribuição global do Guardian para o desenvolvimento de uma imagem negativa de um Corbyn falhado, incompetente e desconectado. Mas, neste caso, abundam exemplos comparáveis publicados na véspera da votação (prevendo derrotas ou retrocessos inevitáveis em Oldham West a favor do UKIP) – todos supostamente bem informados por “várias fontes”.

[18] Para uma taxa de participação de pouco mais de 40%.

[19] Com taxas de participação entre 33% e 42% para as duas últimas.

[20] Prof. C Rallings e prof. M Thrasher, centro eleitoral, University of Plymouth, “Local elections 2016”, Political Studies Association, 5 Abril  2016 [en ligne].

[21] Estas eleições envolveram 128 assembleias locais de um total de pouco mais de 400 para o conjunto do Reino Unido.

[22] « Elections : SNP celebrate win as labour ‘hang on’ » BBC, 6 mai 2016, http://www.bbc.com/news/election-2016-36218450

[23] Certamente não se trata de um apoio a  Jeremy Corbyn.

[24] Com a devolução adoptada por referendo em 1998, a Escócia tem um parlamento e um governo com responsabilidades limitadas que os referendos sobre a independência de 2014 não lhe permitiram libertar-se do controlo de Londres. Como resultado, os escoceses continuaram a votar em maio de 2015 para a renovação do Parlamento de Westminster (em Londres, na Câmara dos Comuns) e votaram nas eleições locais de maio de 2016 para a renovação do seu próprio parlamento nacional em Holyrood (em Edimburgo).

[25] A análise destes primeiros resultados requer todo o tipo de nuances, ver Anthony Wells, “How is Jeremy Corbyn really doing in the polls?”, New Statesman, 16 de Agosto de 2016 ( http://www.newstatesman.com). Queremos apenas observar aqui que, em todo o caso, estes resultados ainda não podem ser usados como pretexto para uma ofensiva declarada pelos escalões superiores do partido contra o seu próprio líder.

[26] Ver o resultado do instituto  de sondagem  YouGov UK, Will Dahlgreen, “Cameron’s ratings are now lower than Corbyn’s”, 8 avril 2016, https://yougov.co.uk/news/ , et Jim Edwards, « The media is ignoring the fact that Jeremy Corbyn’s labour is pulling ahead in the polls », Business Insider UK, 25 avril 2016, http://uk.businessinsider.com/

[27] « The 9 charts that show the ’left-wing’ policies » of Jeremy Corbyn the public actually agree with”, The Independent, 23 juillet 2015.

[28] Richard Seymour, Corbyn : the Strange Rebirth of Radical Politics, Verso, 2016, p. 40.

[29] « Tony Blair says he wouldn’t want a left wing labour party to win an election », The Independent, 22 juillet 2015.

[30] Dos 13,5 milhões de eleitores em 1997 (a primeira vitória de Blair), 3,5 milhões morreram entre essa data e 2010, 5,5 milhões permaneceram leais ao partido; 2 milhões votaram nos Democratas Liberais em 2010; 1,3 milhões nos Conservadores; 0,6 milhões nos pequenos partidos e 0,6 milhões já não votaram. Cf. Peter Kellner, « Labour’s lost votes », sur le site de YouGov.UK, 22 oct. 2012: 

https://yougov.co.uk/news/2012/10/22/labours-lost-votes/

[31] No momento em que escrevo, parece haver um interesse renovado pela  liderança de Corbyn, contra o líder do Partido Trabalhista Escocês, Kezia Dugale, que está a pedir apoio para o concorrente de Corbyn nas novas eleições internas para a liderança do partido. O facto de Kezia Dugdale, que presidiu às piores humilhações eleitorais dos trabalhistas escoceses, aconselhar os membros do partido sobre quais poderiam ser as suas melhores perspectivas de reconstrução na Escócia, pode parecer muito apropriado, ou cruelmente irónico:  « Jeremy Corbyn ‘can help labour rebuild in Scotland’ », The Guardian, 24 Août 2016.

About joaompmachado

Nome completo: João Manuel Pacheco Machado

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: