JEREMY CORBYN, UM POLÍTICO QUE SE DISTINGUE PELA SUA SERIEDADE – DESTRUIR O INIMIGO (III): AS ALMAS PERDIDAS DO TRABALHISMO: A BASE DO PARTIDO, por THIERRY LABICA

 

 

Détruire l’ennemi (III) : Les âmes perdues du travaillisme : la base du parti. por Thierry Labica

Contretemps, 22 de Março de 2017

Selecção e tradução de Júlio Marques Mota

 

 

Neste quinto artigo de uma série dedicada à situação política na Grã-Bretanha, Thierry Labica continua a sua análise da ofensiva política contra Jeremy Corbyn no seio do Partido Trabalhista desde a sua eleição para líder do Partido. 

 

Dada a impossibilidade de conseguirem livrar-se  da liderança de Corbyn, foi necessário tentarem-se  livrar das forças que a apoiam e que tornaram dinâmica a própria expansão do partido desde o verão de 2015. Já vimos as medidas administrativas tomadas para tentar conter esta dinâmica e agora sabemos também a virulência com que algumas figuras importantes conseguiram atacar os seus adversários dentro do próprio partido.

Queremos  concentrar-nos aqui novamente na representação hostil habitual  dessas forças através do Labour oficial , que estão na base de extravagâncias retóricas de doadores infelizes e de uma  criminalização desenfreada. Uma vez que os  meios eleitorais pró-Corbyn , os seus eleitores e eleitoras não são uniformemente nazis, anti-semitas, sexistas, homofóbicos e vândalos,  que podemos nós fazer deste vasto pântano, ainda não despojado simbolicamente de sua nacionalidade britânica, moderado e decente, até ao extremo?

Essa base partidária tem sido comummente atribuída a certas características bastante previsíveis: ela forma um movimento geralmente irracional, claramente marcado pela religiosidade, desconectado da realidade e estrangeiro por natureza ao “espírito nacional” britânico. Há também em ação as práticas das forças escuras e tóxicas específicas da “esquerda dura” de inspiração, ou mesmo, sob a influência,  “trotskista”.

Podemos começar a observar esta imagem a partir da própria abordagem de Smith. Esta pressupõe uma opinião trabalhista pró-Corbyn pronta a reagir de forma pavloviana a elementos de linguagem sem substância nem apego. A este respeito, a exposição autopromocional de Smith e, em certa medida, comparável à de Eagle (autenticidade dos trabalhadores, “do norte”), foi concebida desde o início com base em representações já comuns de apoio de massa em Corbyn.

Desde o verão de 2015, a excecional dinâmica de apoio – ao discurso, ao partido – tem sido muito regularmente reduzida a uma “Corbynmania”, cujas conotações não se limitam, de forma alguma, ao tipo de entusiasmo que em outros lugares tem sido descrito como obamania. Corbynmania” é de facto uma loucura pró-Corbyn de “seguidores”, de “convertidos” numa relação de lealdade cega ao mestre, ao seu “deus”.

Esta suposta multidão pré-racional, incapaz de compreender a fineza estatística e prospetiva do “ciclo eleitoral”, ou a gravidade das implicações de uma nova derrota eleitoral trabalhista em 2020, convida a duas atitudes possíveis: pode, ou deve, ser ignorada para o bem do partido cujos líderes sabem bem e melhor. Mas também podemos esperar canalizar os “impulsos” ou “espasmos” através de uma demagogia hábil, combinando o que ela “quer ouvir” com um espírito de firme responsabilidade parental.[1] Smith agiu como se se tivesse dirigido a um grupo de consumidores políticos potencialmente “quentes” para uma oferta comercial concorrente no mesmo nicho, e pronto para esperarem desde a noite para o dia seguinte pela abertura da loja para a edição limitada.

Corbynmania” seria, portanto, tanto uma questão de “conversão” entusiasta (mística) como, neste sentido, os movimentos que a constituem se presumem fundamentalmente desconectados do mundo real, das emergências políticas e do desafio eleitoral de 2020. Mas esta mania é também frequentemente apresentada como o resultado de círculos urbanos pequeno-burgueses esquerdinos, académicos, meios de comunicação e consumidores políticos, confinados nas suas redes sociais e vivendo numa ignorância crónica das realidades sociais das antigas grandes regiões da classe trabalhadora, o coração histórico do Trabalhismo, desindustrializadas  desde os anos 80.

Em ambos os casos – como irresponsabilidade política idealista em geral, ou como cegueira social pequeno-burguesa em particular – a “corbynmania” é apresentada como uma saída, uma desconexão da realidade que, por outro lado, os escalões superiores do partido conhecem muito bem. Esta elite partidária continua a repetir que Corbyn e o seu eleitorado nem sequer tencionam ganhar as eleições e tomar o poder em 2020, algo que se presume então que preferem um registo  “contestatário “. estéril

Encontramo-nos então na seguinte situação paradoxal: ser eleito por uma grande maioria de membros do partido e iniciar um processo de adesão que até há pouco tempo era inimaginável no mundo da social-democracia moribunda torna-se a confirmação final, não da legitimidade de um mandato de liderança, mas sim de uma “inelegibilidade” paralisante perante o país. Esta foi a conclusão a que Polly Toynbee já tinha chegado nas semanas anteriores à votação de Setembro de 2015 para a liderança: Corbyn é uma “relíquia” dos anos 80 e votar nele “é ignorar todo o eleitorado”[2].

A narrativa mediática como a do trabalhismo oficial também tendeu a fazer do “Corbynismo” o mundo separado de uma “esquerda dura” fundamentalmente estranha à nação considerada “moderada” por natureza. A conotação latino-americana do termo frequentemente usado para designar os militantes de Corbyn, “corbynistas”, sugere desde o início um movimento político estrangeiro para a nação britânica. O corbynismo torna-se assim o facto de uma espécie de população alogénica que, como tal, dispensa os comentadores de considerações mais sérias sobre as condições para uma reafirmação da esquerda na Grã-Bretanha de hoje.

O movimento corbynista aparece, portanto, como uma região separada, o que requer uma espécie de viagem exploratória em direção ao desconhecido. A London Review of Books, de que muitas das suas contribuições foram bastante favoráveis ao novo líder do Labour  [3] , no entanto, propôs uma contribuição que reflete esta reificação do Corbynism como uma terra distante: Tom Crewe relata uma espécie de visita etnográfica a uma região desconhecida povoada por militantes que não são necessariamente antipatéticos, por vezes até inteligentes, mas que estão claramente fora de contacto com uma população média que eles não conhecem e que, em troca, os ignoram ou os rejeitam completamente.

Teríamos compreendido o interesse de tal abordagem se se tratasse de revelar práticas ocultas ou desconhecidas. Mas, neste caso, o texto procura, no tom da neutralidade descritiva, constituir um conjunto de banalidades como objetos de curiosidade regionalista, desprovidos de conteúdo político e programático ou de qualquer análise de contexto, e inclinados a validar o estereótipo muitas vezes proibitivo de um corbynismo acima de tudo de Londres, longe do país “profundo”.

Este tipo de exotismo político – cujo elemento de desmoralização silenciosa não deve escapar a ninguém – tem pelo menos o mérito de apontar o grau de abuso e marginalização sofrido pela própria ideia de “esquerda”, a ponto de ser o resultado apenas de um mundo social, mental e simbólico, outro e congenitamente marginal. Os seus estragos  têm parecido tão debilitantes na Grã-Bretanha nos últimos trinta anos que já não é mais possível conceber “a esquerda” como uma espécie local recenseada; ela só pode existir de uma forma relativamente estranha.

Através deste prisma destorcedor do corbynismo constituído num mundo separado, o rápido e forte  aumento do número de membros do partido já não é sinal de uma capacidade de influência e  de influência a ser reconstruída, nem de uma oportunidade para reconstruir uma força política e social. Pelo contrário, prefere-se ver isso  como uma prova de uma involução sectária agravada, de uma fecho sobre si  “duro”, “extremista”, “passeísta”, “purista”, relacionada com  uma forma de religiosidade febril.

Daí as acusações recorrentes sobre um Corbyn “no seu bunker”, que “prega apenas aos convertidos” e que é incapaz de “falar com o país”, acusações repetidas uma e outra vez na ignorância activa e determinada das centenas de reuniões públicas realizadas em todo o país, nas quais milhares de pessoas se reuniam frequentemente e em que muitas vezes acreditavam ter perdido todo o interesse e esperança na política em geral e no Labour  em particular. Estamos na longa onda de ódio anti-anabaptistas na qual e pela qual se construiu uma norma ideológica nacional inglesa, no resíduo da Guerra Fria e pela religiosidade, na associação de facto com o extremismo terrorista do momento e com os “amigos” de Corbyn (Hezbollah, Hamas, mas também com os republicanos  independentistas irlandeses).

Este conjunto de imputações permite justificar a estigmatização continuada da emergência de uma esquerda trabalhista mesmo após a segunda eleição em Corbyn, no final de setembro de 2016, com um mandato reforçado.

A ideia de um partido arrastado para o abismo e “aniquilação” (para Blair) por forças de “esquerda dura”, irrealistas e com uma religiosidade fanática, atingiu o seu clímax fantástico na figura da manipulação “trotskista”. Toda esta terrível aventura é o resultado de  “trots”, “trotskismos”, termo que, no contexto político-mediático britânico, evoca um conjunto de taras  irremediáveis e mortais. Devemos, portanto, desmascarar os agentes do mal “trots”, o seu “entrismo”, o seu sectarismo autoritário, que agora consideramos capaz de arrastar consigo  centenas de milhares de pessoas.

Este motivo, já audível na música de ambiente  geral, veio a ocupar um lugar central no início de agosto de 2016 quando Tom Watson, eleito vice-líder do partido em 2015, denunciou publicamente o que considerava serem as manobras da “esquerda dura” do grupo Momentum, o apoio organizado de Corbyn dentro do próprio partido. Aliás, em tempos de pânico moral fabricado, já não é provavelmente surpreendente que as categorias políticas – “dura”/”esquerda suave” – sejam partilhadas com as designações comuns dos géneros da indústria pornográfica.

Cauchemar proche: 1984. Cauchemar lointain: hérésies plébéiennes (une digression)

Um pesadelo próximo: 1984. Um pesadelo distante: heresias plebeias (uma digressão)

Alguns observadores associaram o tratamento de Corbyn e o da Esquerda Trabalhista pela maioria dos títulos de imprensa e pela televisão ao tratamento que foi feito sobre os mineiros grevistas contra os encerramentos de poços há pouco mais de trinta anos. Embora o trabalho de denegrimento, desmoralização e caricaturização  seja muitas vezes comparável ao que os grevistas, a sua organização (o NUM, União Nacional dos Trabalhadores Mineiros) e os  seus líderes tiveram que suportar, duas importantes diferenças devem ser levadas em conta pelo menos no início.

A primeira é que, ao contrário da esquerda britânica pró-Corbyn, que se encontra em quase toda parte, o mundo muitas vezes semi-rural das bacias mineiras poderia ser imediatamente tratado como um mundo separado, específico, com a  sua própria cultura, costumes, particularidades e “desvios” políticos (se pensarmos no escocês ou galês “pequeno Moscous” do passado, ou no enclave mineiro de Kentona [4]). Em 1984-1985, o “inimigo de dentro” de Margaret Thatcher podia ser referido a uma zona  geográfica povoada por índios da nação britânica, e assim “objetivamente” distinta, que permaneceu invadida, conquistada e subjugada. Tais delimitações territoriais eram, evidentemente, também fronteiras mentais entre ordem e caos, lealdade e rebelião, “extremismo” e “moderação”, grevistas e não grevistas, “democracia” e “totalitarismo”, integridade nacional e subversão estrangeira, geralmente “comunista”.

A segunda diferença é que os escalões superiores do então Partido Trabalhista – com algumas exceções importantes, incluindo Corbyn – se contentaram em fornecer apenas apoio falso, embaraçado e bastante hipócrita às comunidades da classe trabalhadora que estavam  a ser  esmagadas; hipocrisia que agrava fortemente a situação e  que encontramos hoje nas expressões de empatia e solidariedade, com um ligeiro atraso de cerca de trinta anos, de parlamentares que também votam ao lado dos  conservadores oficiais  sobre os cortes nas despesas  com a proteção social, que se tornou vital para essas mesmas comunidades, aparentemente tão estimadas e tão emblemáticas do sindicalismo histórico. Em qualquer caso, o próprio trabalhismo oficial está agora na vanguarda da ofensiva contra o seu “inimigo interno” corbynista.

No entanto, apesar destas importantes diferenças, e como acaba de ser sugerido, a gramática da situação continua a ser bastante comparável. A dinâmica da recomposição de uma esquerda trabalhista em torno de Corbyn também parece finalmente ser empurrada para além de uma fronteira mental que molda os contornos de uma nação britânica em espírito. A maioria dos motivos são idênticos aos infligidos aos membros do NUM há trinta anos: violência, intimidação por parte de seguidores fanáticos de um mestre que supostamente era considerado  estarem  prontos a seguir cegamente; manipulação comunista para derrubar o Estado e a democracia; perigo para toda a nação.

Ao repetir mecanicamente que Corbyn representa um risco para a segurança da nação, da economia e da “sua família”, Michael Fallon ou Priti Patel fizeram algo mais do que tirar a arma do “inimigo de dentro”? Ao chamar aos militantes de “seções nazis de assalto” no Daily Mirror, Michael Foster fez algo mais do que reativar uma associação infame já empregado – reconhecidamente, em correspondência privada e agora desclassificado – pelo conselheiro de Thatcher, David Hart, ou pelo jornal The Sun, que planeava mostrar na primeira página o líder sindical de NUM,  Arthur Scargill , numa posição de saudação hitleriana sob o título “Fuhrer Mine !”. Na altura, porém, os empregados do jornal recusaram-se a publicar uma montagem tão desprezível. Em 2016 – uma nuance, é verdade – o Daily Mirror, o apoio histórico do Partido Trabalhista, já não se agarra a escrúpulos desnecessários para evocar Corbyn e as suas “secções nazis de assalto “.

Propomos uma última observação sobre a expressão desta hostilidade, na medida em que também faz soar uma onda longa. Apenas indicamos de passagem que uma das dimensões da rejeição anti-Corbyn era o crepitar com um som crepitante de um passado longínquo, o dos pânicos anti-anabaptistas que marcou todo o período de agitação que foi a época da Reforma, desde os anos 1520 até à experiência revolucionária que atravessou a guerra civil inglesa (1642-1649). Sem, naturalmente, entrar nos detalhes desta história, duas coisas devem ser ditas para não deixar a impressão de uma aproximação agradavelmente pitoresca, mas geralmente arbitrária.

No caso inglês, não seria muito difícil, para começar, mostrar como o ódio anti-anabaptista se tornou a base de uma norma ideológica nacional inglesa e o seu ideal aparentemente imutável de “moderação” do Estado religioso. Desde as primeiras páginas do seu famoso estudo sobre a emergência de ideias radicais no contexto da guerra civil inglesa, o historiador Christopher Hill já observava que o termo “anabaptista”, usado na Inglaterra de forma bastante vaga, “veio a adquirir uma conotação pejorativa geral para descrever aqueles que se pensava serem contra a ordem social e política existente”[5].

Quer as igrejas fossem reformadas, luteranas ou católicas, a sua constituição ou a sua renovação em pilares e cenários de absolutismo emergente só poderia ser visceralmente oposta a uma doutrina e prática (anabaptista)  desfazendo a consubstancialidade de pertencer, pelo próprio nascimento, a uma igreja e a um reino. Além disso, o comunismo bíblico de inspiração anabaptista (nem o rei, nem a nobreza, nem o clero, nem expropriação de terras ) era portador de um projeto suficientemente poderoso e radical para atrair os poderes exterminadores dos poderosos, quer estivessem ou não convencidos da presença real e substancial de Cristo nos elementos da Eucaristia.

Esta herança revolucionária revolucionária anabaptista tem  conhecido  muitos ressurgimentos até períodos muito recentes. Engels, pouco depois de 1848, dedicou-lhe um livro inteiro, La guerre des paysans en Allemagne (1850), e inscreveu esta herança a montante das filiações do projeto revolucionário socialista e comunista. No rescaldo imediato da revolução bolchevique e da derrota da revolução alemã, Ernst Bloch estendeu e enriqueceu este trabalho dedicando-lhe o seu Thomas Münzer, teólogo da revolução (1921). Mais tarde, as autoridades da Alemanha Oriental monumentalizaram a memória do pregador anabaptista.

Por outro lado, o anabaptismo entrou no panteão negro dos precursores do desastre; nos tempos da Guerra Fria, tornou-se um arquétipo do iluminismo fanático da primeira modernidade, fonte imediata do próprio totalitarismo comunista [6]. Talvez o exemplo mais notável e erudito deste tipo de releitura tenha sido o livro de Norman Cohn, The Pursuit of the Millennium, publicado pela primeira vez em 1957[7]. A evocação do anabaptismo, a figura de Thomas Münzer e o município de Münster são destaques desta grande historiografia da Guerra Fria.

Na história intelectual e política britânica, a partir da década de 1930, as heresias plebeias do final do século XVI até à Guerra Civil Inglesa tornaram-se uma mediação da afirmação da esquerda radical e comunista. As forças revolucionárias internas à guerra civil e empenhadas no exército parlamentar contra Carlos I, a alta figura do poeta e militante, John Milton, tornou-se espelho de um projeto político que necessitava de uma tradição nacional insurrecional comparável às fontes inesgotáveis de inspiração que os vizinhos franceses podiam mobilizar a qualquer momento de sua própria história (1789-1793, 1830, 1848, 1871).

O historiador comunista Christopher Hill  produziu um trabalho gigantesco sobre este século XVII revolucionário inglês. Exumou as experiências teológico-políticas mais ousadas como, por exemplo, as dos niveladores, dos escavadores, dos Quintos Monarquistas ou dos membros da Família do Amor e dos Anabatistas.

Esta história vista pelos do lado de baixo do início do século XVII, segundo Christopher Hill, deu à Grã-Bretanha uma tradição radical, comunista e revolucionária, numa exploração que outros membros famosos do grupo de historiadores comunistas britânicos do Partido Comunista prosseguiriam: George Rudé com as multidões de desordeiros de Londres das décadas de 1770 e 1780, Rudé e Eric Hobsbawm com trabalhadores agrícolas que deram cabo de máquinas agrícolas na década de 1830, e, claro, E.P. Thompson com o estudo das filiações atuais da revolução inglesa à poesia de William Blake, os ecos da Revolução Francesa no romantismo inglês, as insurreições ludistas ou o trabalho estético, político e moral de William Morris.

E o mesmo E. P. Thompson, uma grande figura de toda a esquerda britânica, um militante feroz da campanha pelo desarmamento nuclear (da qual Corbyn é descendente direto), poderia naturalmente escrever que ao ler os  textos de um Leszek Kolakowski “não só o ateu que há em mim, mas também o lollard ou o anabaptista primordial,”[8] se revolta.

As vivas   querelas dos trabalhistas britânicos, que não são certamente as primeiras, nem sempre se manifestam de uma forma muito honrosa. No entanto, elas não merecem ser interpretadas apenas no horizonte de uma história recente que as limitasse aos horrores de um blairismo perdido e caísse no impasse de suas inconsistências congénitas. É disso que se trata e essa história terá de ser recordada.

Mas se quisermos tentar compreender os termos do guião a partir do qual a situação atual é apreendida por vários dos seus participantes, temos então de correr o risco de capturar a radioactividade de um material armazenado algures nas fontes do imaginário nacional britânico moderno e identificar pelo menos algumas das suas principais mediações. Pelo menos é isso que os parágrafos anteriores tentam propor. A rejeição visceral de Corbyn e dos seus “convertidos” também dá, portanto, uma ideia sobre o rumor heróico deste comunismo pueril em St George’s Hill, a sul de Londres, em Abril de 1649, reativado através do prisma de historiografias concorrentes da Guerra Fria.

*

Recapitulemos. Jeremy Corbyn foi amplamente eleito líder do Partido Trabalhista em 2015. Tendo em conta os desastres previstos, queríamos começar por olhar para o que estava a acontecer ao partido em termos de atractividade e resultados eleitorais de uma forma bastante factual. Em seguida, foram lembradas as circunstâncias do início da ofensiva para pressionar Corbyn a renunciar e depois proibi-lo de participar da campanha interna pela sua própria sucessão, menos de um ano depois de ter sido eleito. Depois, houve a tripla campanha de desqualificação de Corbyn pelos conservadores no poder, os meios de comunicação social mainstream e, muitas vezes em conjunto com eles, os escalões superiores do próprio Partido Trabalhista. Restava ver como essas multidões entusiasmadas eram apresentadas, entre a dinâmica de repolitização de pelo menos uma parte da sociedade britânica e a perigosa intrusão de forças exteriores às fronteiras da nação em espírito.

Durante esta descrição, foi bem entendido que Corbyn era comumente julgado pelos seus opositores  trabalhistas como incompetente no seu papel de liderança, sem credibilidade eleitoral e fatal para o próprio futuro de todo o partido. Vamos acrescentar a isso que ele também apareceu como usurpador de um bem,  face ao  espírito notavelmente proprietário dos escalões superiores do partido.

O prognóstico catastrófico tem sido frequentemente afirmado com a garantia da experiência distante e conhecedora que  promete a evocação do “ciclo eleitoral”: nos primeiros meses de 2016, foi comumente explicado que, nesta fase do “ciclo eleitoral”, as sondagens deveriam ser-nos  muito mais favoráveis e, portanto, o partido será destruído em 2020 se não mudarmos de direção. Esta é a lei dura do “ciclo eleitoral”. O “ciclo eleitoral” é aparentemente uma questão tão fiável como a passagem das estações do ano ou as migrações de aves.

Os especialistas do trabalho e os estrategas em geral têm uma sólida compreensão da situação política e sabem o que é preciso para vencer, com algumas nuances, que podem ser brevemente recordadas. Corbyn não conseguiria obter as nomeações necessárias para concorrer à liderança do partido em 2015. Erro. De qualquer forma, Corbyn nunca poderia ganhar as eleições para a liderança do partido. Erro. O direito de participar nas eleições internas por £3 contornaria os setores mais organizados e politizados do partido, atraindo uma audiência mais ampla e geralmente menos esquerdista. Erro. O partido  vai perder as eleições parciais  “teste” de Oldham. Erro. Vai perder as eleições municipais, especialmente em Londres. Erro.

O partido parlamentar, após meses de antecipação, também foi incapaz de escolher uma oportunidade tática válida para lançar a sua ofensiva contra a liderança (e perdeu uma rara oportunidade de explorar o fracasso conservador após o referendo). Os seus  estrategistas, os seus especialistas em comunicação, após meses de conciliábulos, não conseguiram encontrar um candidato credível que pudesse vencer a atual direção.  A. Eagle não é capaz de dar uma resposta simples a uma pergunta simples (“quais são as suas diferenças com a direção  cessante?”) e Owen Smith revelou-se ainda mais calamitoso nas suas propostas incoerentes.

E não esqueçamos que os “ases” trabalhistas da vitória perderam as eleições parlamentares de 2010, 2015, as eleições municipais de Londres em 2008 e 2012, e presidiram à liquidação eleitoral do partido na Escócia em 2015 (perdendo 40 dos 41 assentos parlamentares). Não há vergonha em perder. Muitas vezes até crescemos na derrota. Menos frequentemente, no entanto, quando alguém se apresenta como um especialista em táticas eleitorais imparáveis. Mas de onde podem vir esses erros de avaliação da situação actual e do potencial de renovação política e organizacional e de reconstrução a médio prazo?

A história de uma liderança marginal, testemunhal e sem saída de Corbyn-McDonnell teve credibilidade de curta duração  nas semanas seguintes ao início da campanha para a nova liderança do partido no verão de 2015. Isto pode ser admitido sem grande risco: como poderiam os candidatos do Grupo de Campanha Socialista, muito minoritários  dentro de um partido  colocado profundamente à direita, conseguir aproximar-se, ao menos,  da zona de audibilidade política onde reina a hierarquia dos aparelhos e as estratégias de comunicação, concebidas para um espaço mediático firmemente sob controlo?

No entanto, este mistério foi resolvido pela campanha de Corbyn, pela sua vitória esmagadora, e isso claramente não foi suficiente para convencer a direita do  partido, com uma segunda vitória, ainda mais esmagadora, um ano depois. Nesta fase, nem sequer parece controverso observar que é necessário ter tido, e é necessário ter – para além desta mentalidade singularmente proprietária – uma imaginação transbordante para tentar culpar Corbyn pela crise de um Partido Trabalhista cuja audiência e dinâmica de recrutamento são completamente contrárias à corrente do que se observa na Europa em geral.

Na negação flagrante da dinâmica do partido que se desenvolveu diante de seus olhos em 2015-2016, a chamada oposição parlamentar trabalhista dita “moderada” traiu uma forma de extremismo que não é totalmente diferente do gosto do desastre com o qual Tony Blair mentiu grosseiramente ao parlamento britânico e ao mundo em geral para chegar ao início da guerra do Iraque em 2003. Hoje, esta negação de natureza fanática é também, aliás, a do crime de Blair, oficialmente reconhecido no relatório Chilcot[1] de Junho de 2016; ao procurarem sobrecarregar Corbyn com todo o tipo de males presentes mas sobretudo futuros e, em todos os casos, fervorosamente esperados, os “moderados” conseguiram, em grande medida, cobrir com a sua cacofonia  o grande acontecimento que tal relatório deveria constituir.

Face a este documento, preferiu-se pretender celebrar as conquistas do neotrabalhismo  no poder entre 1997 e 2010, e cuja peça central é, em última análise, a tomada do próprio poder, à custa de grandes alinhamentos com o opositor conservador, o desânimo e a apatia de dezenas de milhares de adeptos e a renúncia de milhões de eleitores trabalhadores. Mas, neste caso, como não querer esquecer e fazer esquecer o relatório Chilcot quando eles próprios apoiaram a guerra no Iraque, quando aceitaram a tese das armas de destruição massiva que podiam ser mobilizadas em 45 minutos pelas autoridades iraquianas na altura e quando chegaram ao ponto de se oporem à criação da comissão encarregada de elaborar o referido relatório?

O espírito melancólico com que a campanha anti-Corbyn foi conduzida (para nos manter na conjuntura política recente) é, no entanto, indicativo de uma realidade política, ideológica e organizacional mais geral e evidente. Até à data, esta questão tem sido repetidamente debatida.

O Partido Trabalhista tem atravessado uma crise profunda durante anos e a todos os níveis, e dos quais apresentámos aqui e várias vezes alguns dos seus múltiplos sinais: o colapso dos membros do partido, a perda de cinco milhões de eleitores ou o apagamento eleitoral na Escócia apontam para desenvolvimentos de uma gravidade que parece difícil de sobrestimar. Mas é sobretudo nas grandes orientações políticas recentes do partido que encontramos as forças motrizes por detrás desta crise. A guerra do Iraque ao lado de Bush, Cheney, Wolfowitz e Rumsfeld, mas cujo projeto inicial foi liderado principalmente pelo próprio Blair, causou danos massivos  ao trabalhismo, danos que a aritmética eleitoral das eleições legislativas subsequentes não conseguiu esconder completamente.

Tentemos pois  tentar entrar um pouco mais aprofundadamente  sobre que  trabalhismo em   “crise” a esquerda do partido poderia ser o contraponto.

Fonte. Thierry Labica, Détruire l’ennemi (III) : Les âmes perdues du travaillisme : la base du parti. Texto disponível em:

Notas

[1] . Sem poder desenvolver aqui, recordemos sempre que esta “multidão” tem uma história que, na Grã-Bretanha, é tão antiga como o Chartismo , este antepassado  do movimento operário moderno. Na literatura conservadora da década de 1840, o povo dos comícios caritativos (como as mulheres ou até  os colonizados   do imperialismo clássico) é uma coleção de crianças pobres que carecem das capacidades  de raciocínio necessárias para compreender as complexidades da política e da economia, capacidades es razoáveis que lhes permitiriam compreender as ligações entre a sua miséria imediata e a ordem – inevitável – das coisas. É uma multidão cuja atividade se manifesta através de “espasmos” reativos (economicamente determinados), sem consciência, cultura ou construção imaginária comum do bem e da justiça.

[2] Relatado por r Ian Sinclair, « Polly Toynbee, Jeremy Corbyn and the limits of acceptable politics », open Democracy, 29 juin 2015. https://www.opendemocracy.net/ourkingdom/ian-sinclair/

[3] Um exemplo entre outros em  « Corbyn in the media », LRB de  22 outubro de 2015, Paul Myerscough apresenta um impressionante quadro da virulência do tom  anti-Corbyn  ao longo de toda a campanha eleitoral para a direção.

[4] Cf. Adrian Park, “L’ennemi dans le Jardin de l’Angleterre”, dans Ici note défaite a commencé : la grève des mineurs britanniques (1984-1985), M. Bertrand, C. Crowley, T. Labica dirs., Syllepse, 2016

[5] Christopher Hill, The World Turned Upside Down: Radical Ideas During the English Revolution [1972], Penguin, 1991, p.26.

[6]  Estas re-invenções polémicas reacionárias  estão no prefácio da recente reedição n de Ernst Bloch, Thomas Münzer : théologien de la révolution, Les Prairies ordinaires, 2013.

[7] Norman Cohn, Les fanatiques de l’apocalypse : Millénaristes révolutionnaires et anarchistes mystiques au moyen-âge, Trad. S Clemendot et al., Payot, 1983.

[8] E P Thompson, « An open letter to Leszek Kolakowski », in The Poverty of Theory & Other Essays, Merlin Press, 1978, p.316.


[1] Nota de tradutor: Relatório relativo  à intervenção  do Reino Unido na guerra do  Iraque

About joaompmachado

Nome completo: João Manuel Pacheco Machado

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: