CRISE DO COVID 19 E A INCAPACIDADE DAS SOCIEDADES NEOLIBERAIS EM LHE DAREM RESPOSTA – XX – A ITÁLIA EM SITUAÇÃO SANITÁRIA LIMITE, entrevista a CHRISTIAN SALAROLI, por MARCO IMARISIO

 

 

Coronavirus, il medico di Bergamo: «Negli ospedali siamo come in guerra. A tutti dico: state a casa», por Marco Imarisio

Corriere della Sera, 9 de Março de 2020

Selecção e tradução de Júlio Marques Mota

 

Christian Salaroli, anestesista/reanimador  em Bergamo: “Nós decidimos de acordo com a idade e as condições de saúde. Alguns de nós [médicos], quer sejamos chefes de departamento ou recém-chegados, saímos esmagados… Fiquem em casa. Fica em casa. Vejo demasiadas pessoas na rua.

“Na sala de emergência, foi aberta uma grande ala de vinte camas , que só é utilizada para eventos de massa. Chamamos-lhe Pemaf, um acrónimo de Plano de Emergência para o Maximo de Afluxo. É aí que se faz a triagem, ou melhor, a escolha [de continuar o tratamento]”.

Não é uma conversa fácil, esta com Christian Salaroli, 48 anos, casado, com dois filhos, diretor médico, anestesista e reanimador no hospital do Papa João XXIII em Bérgamo, um dos mais procurados nas últimas semanas, a apenas sete quilómetros do centro de contágio de Alzano Lombardo, um dos mais misteriosos e persistentes desta epidemia. Não é por causa do assunto que ele aborda,  não é por causa da emoção que nos envolve, que temos o dever de  dissecar o que se está a passar,  mesmo que isso diga muito sobre o que está a acontecer  onde há verdadeiros combates.

“Nós decidimos com base na idade e no estado de saúde. Como em todas as situações de guerra. Não sou eu que o digo, mas os livros com que estudámos.

Então é verdade?

É claro que é verdade. Somente mulheres e homens com pneumonia Covid-19, que sofrem de insuficiência respiratória, são permitidos nestas camas. O resto vai para casa.

O que acontece a seguir?

Colocamo-los em ventilação não invasiva, que se chama Niv. Esse é o primeiro passo.

E os outros passos?

Eu vou chegar ao mais importante. De manhã cedo, com os assistentes das Urgências, chega o reanimador . A sua opinião é muito importante.

Porque é que isto é tão importante?

Além da idade e do estado geral, o terceiro elemento é a capacidade do paciente de se recuperar de um procedimento de reanimação.

Do que é que estamos a falar?

A pneumonia induzida por Covid-19 é uma pneumonia intersticial, uma forma muito agressiva de pneumonia que afeta a oxigenação do sangue. Os pacientes mais afetados ficam hipóxicos, o que significa que não têm oxigênio suficiente nos seus corpos.

Quando é que é escolher [para continuar os cuidados de saúde ]?

Imediatamente a seguir. Temos de o fazer. Dentro de alguns dias, no máximo. A ventilação não-invasiva é apenas uma fase de transição. Infelizmente, há uma desproporção entre recursos hospitalares, camas de terapia intensiva e pessoas gravemente doentes, por isso nem todos estão entubados.

Logo a seguir. Temos de o fazer. Daqui a uns dias, no máximo. A ventilação não-invasiva é apenas uma fase de transição. Como infelizmente há uma desproporção entre recursos hospitalares, camas de cuidados intensivos e pessoas gravemente doentes, nem todos estão entubados.

O que acontece depois?

Torna-se necessário fazê-los respirar mecanicamente. Aqueles sobre os quais se opta por continuar estão todos entubados e colocados de bruços, pois esta manobra pode ajudar a ventilar as zonas inferiores do pulmão.

Há alguma regra escrita?

Neste momento, apesar do que eu li, não, não há. É costume, ainda que eu perceba que é uma palavra pesada, desagradável,  avaliar muito cuidadosamente pacientes com patologias cardiorespiratórias graves e pessoas com problemas coronários graves, pois não toleram bem a hipoxia aguda e têm poucas chances de sobreviver à fase crítica.

Mais alguma coisa?

Se uma pessoa com idade entre 80 e 95 anos sofre de insuficiência respiratória grave, é pouco provável que continue a receber cuidados. Aqueles com falha de mais de três órgãos vitais terão uma taxa de mortalidade de 100% – “Ele partiu, agora”.

Deixa-o partir ?

Essa também é uma frase terrível. Mas infelizmente, sim, é verdade. Não estamos em condições de tentar os chamados milagres. Esta é a realidade.

Não é sempre assim?

Não. É claro que, mesmo em circunstâncias normais, avaliamos caso a caso, nas enfermarias, tentamos ver se o paciente pode recuperar de uma operação. Agora aplicamos esta discrição em grande escala.

As pessoas que deixamos partir, estes morrem  de Covid-19 ou de doenças  pré-existentes?

Dizer que não estamos a morrer de coronavírus é uma mentira que me deixa amargo. Também é desrespeitoso para com as pessoas que nos estão a deixar. Morrem de Covid-19 porque na sua forma crítica, a pneumonia intersticial afeta problemas respiratórios pré-existentes, e a pessoa doente já não a pode tolerar. A morte é causada pelo vírus, não por outra coisa.

Como é que vocês médicos lidam com esta situação?

Algumas pessoas sentem-se esmagadas. Isso acontece tanto com o chefe de departamento quanto com o recém-chegado, que se vê de manhã cedo a ter que decidir o destino de um ser humano. Em grande escala, repito.

Não  o incomoda ser o árbitro da vida e da morte de um ser humano?

Neste momento, estou a dormir à noite. Porque sei que a escolha se baseia na suposição de que alguém, quase sempre mais jovem, tem mais probabilidade de sobreviver do que o outro. Isso é pelo menos uma consolação.

Que pensa das últimas medidas do governo?

Talvez sejam um pouco genéricos. A ideia de fechar o vírus em certas áreas é boa, mas chega com pelo menos uma semana de atraso. Mas o que realmente importa é outra coisa.

Que é o quê?

Fiquem em casa . Fiquem  em casa. Eu nunca me canso de dizer isso. Eu vejo muita gente na rua. A melhor resposta a este vírus é ficar dentro de casa. Não fazem  ideia do que se está a passar aqui. Fiquem  em casa.

Há falta de pessoal?

Todos nós fazemos tudo. Nós anestesistas trabalhamos em turnos de apoio na nossa sala de cirurgia, que trata de Bergamo, Brescia e Sondrio. Há outros paramédicos na sala, hoje  é a mim que me cabe decidir.

Na grande sala?

É isso mesmo. Muitos dos meus colegas estão a sofrer com esta situação. Não é só a carga de trabalho, é a carga  emocional, que é devastadora. Já vi enfermeiras com trinta anos de experiência chorarem, pessoas com colapsos nervosos e tremores repentinos. Ninguém de fora imagina  o que acontece nos hospitais, é por isso que aceitei falar consigo.

O direito aos cuidados  ainda existe?

Atualmente, ela está ameaçada pelo fato de o sistema não conseguir lidar com o ordinário e o extraordinário ao mesmo tempo. Os tratamentos  normais podem, portanto, ser seriamente atrasado.

Pode dar-me um exemplo?

Normalmente, uma chamada para um ataque cardíaco é processada em minutos. Agora, pode acontecer que se tenha de esperar  uma hora ou mais.

Consegue encontrar uma explicação para tudo isto?

Eu não estou à procura dela. Estou a pensar que isto é como uma cirurgia de guerra. Só estamos a tentar salvar as vidas daqueles que conseguem sobreviver. Isso é o que está a acontecer.

 

Fonte: Christian Salaroli, Corriere della Sera, 09-03-2020

2 Comments

  1. *É*
    > https://youtu.be/vZEUQbfkY0A

    *NOSSO PAÍS É UM IMENSO SHOW DE BARBARIDADES*
    > https://gustavohorta.wordpress.com/2020/04/06/nosso-pais-e-um-imenso-show-de-barbaridades/

    NÃO SE ENGANE DE NOVO… É SÓ MAIS UM GOLPISTA TRAIDOR DO POVO!

    …Autoridades que deveriam estar a serviço do Povo estão determinadas a estabelecer o caos e a destruir este próprio povo.

    As instituições republicanas, estruturadas de modo administrar conflitos, ao redor de uma mesa tripartite, passaram a estar todas assentadas do mesmo lado desta mesa, e aparentemente, de forma deliberada, contra este mesmo povo.

    Em nosso país sempre prevaleceu uma…

Leave a Reply