CARTA DE BRAGA – “o vómito” por António Oliveira

Começo esta Carta com o cartoon que ‘El Roto’ publicou no ‘El País’ do passado dia 16, para assinalar o possível fim da linha para o pindérico loiro americano.

Pode ser o fim disto, mas também pode ser o princípio de uma outra era, que ainda não sabemos o que será! Foram plantadas muitas coisas más durante estes quatro anos. Vamos ter de reumanizar aquele país e o mundo inteiro!

O fenómeno trumpa representa só por si, o percurso e ‘mergulho’ do neoliberalismo na sua versão mais autoritária, a ultrapassar largamente a individualidade pindérica do personagem.

Os norte-americanos e o mundo inteiro viram (testemunharam), como uma data de vikings, bisontes e outras abencerragens profanaram os seus símbolos, numa tentativa de assim, ultrapassaram a sua má fortuna, às mãos da desigualdade e do autoritarismo, já bem presentes na sua forma de vida.

Mas tudo leva a crer que a trumpada sem a ‘coisa’ continuará presente nos states, pela mesma crise de representatividade que abafa, de algum modo, a maioria das democracias ocidentais, sem ser necessário apontar aqui, as tristes cópias a ‘preto e branco’ do derrotado loiro.

Convém não esquecer a enorme quantidade de gente das classes media e baixa, que perdeu completamente a confiança no sistema, por se ver e sentir vítima de um processo de empobrecimento generalizado de muitos anos, ao mesmo tempo que tem noção de estar afastada das decisões políticas, sociais e económicas, totalmente nas mãos de uma classe política praticamente inamovível.

Há mesmo quem pense que o assalto ao Capitólio pode ter sido um ensaio que lhes saiu mal, talvez a sair melhor da próxima vez, porque o caldo de cultivo onde isto foi gerado não está gasto, mantem-se, torna-se ‘educativo’ e arrasta mais gente, principalmente pelas redes sociais, que alguns teimam em considerar como órgãos de comunicação.

E os órgãos de comunicação tradicionais são vistos mais como ‘câmaras de eco’ do establishment, que facilitadores de todas as teorias da conspiração onde se apoiou o patético loiro.

As pessoas procuram os media que lhe dão aquilo que querem ver, ler ou ouvir e, aqui sabemos disso muito bem pelos ‘manhas’ de todas as manhãs e a banalidade e o sectarismo que os caracteriza.

Também é importante lembrar como o ódio, aquela raiva que ultimamente enche a boca de muito manifestante, tanto lá como por aqui, está a somar-se a isto tudo e, talvez seja bom, para termos uma ideia do que poderá provocar, basta dar atenção a alguns painéis de propaganda das nossas eleições.

E o ódio ideológico é o pior de todos, por ser o maior motivador humano, como um estudo do Facebook mostrou como quanto mais frouxos forem com os conteúdos, mais clics e likes obtêm.

O professor de novas tecnologias e escritor Fermim Zabalegui, afirma ‘termos gerado ideologias muito fortes, que dão resposta a qualquer pergunta e vamos acabar por termos de nos enfrentar por ideias que até nem são nossas’.

A mentira acompanha o ódio e são numerosas e escandalosas as que se divulgaram sem qualquer desmentido e acabaram por juntar aquele bando de vikings, bisontes e outros dementes que invadiram o Capitólio.

De qualquer maneira o trumpa vai ter de viver a partir de agora com o apodo que mais odiava e temia, ‘The loser’, com que insultava rivais e até sócios, por ter de aprender a viver, com a derrota eleitoral, com as dívidas que não parecem ser pequenas e com as demandas criminais e civis já a correr nos tribunais. 

E não vai esquecer jamais, que saiu da Casa Branca pela porta das traseiras como um autêntico perdedor! Pobre trumpa!

Talvez venha a propósito deixar, a terminar, um aforismo do grande ensaísta e escritor francês  André Maurois ‘A vida é um jogo da qual ninguém pode retirar-se, levando apenas os lucros’.

António M. Oliveira

Não respeito as normas que o Acordo Ortográfico me quer impor

 
 
 
 

2 Comments

  1. Saiu o VÓMITO…Vimo-nos livres desse….. ( sei lá como lhe charmar..Palhaço?É POUCO E NÃO DIGNIFICA OS PALHAÇOS..) Saiu o génio do mal, mas deixou atrás de si, os tais “bisontes”, para quem não há barreiras de qualquer espécie…O mundo está em mutação!Obrigada pelo teu artigo e a tua coerência e congruência que, para mim, são serviço público…Abração!

Leave a Reply