Espuma dos dias — “Os Estados Unidos fazem incursões na periferia da Rússia”. Por Ekaterina Zolotova

Seleção e tradução de Francisco Tavares

10 m de leitura

 

Os Estados Unidos fazem incursões na periferia da Rússia

 Por Ekaterina Zolotova

Publicado por  em 9 de Maio de 2022 (ver aqui)

Republicado por  em 9 de Junho de 2022 (ver aqui)

 

 

Com Moscovo distraída, Washington forja laços no Sul do Cáucaso e na Ásia Central

 

Os países em guerra tendem a utilizar todos os recursos que podem realisticamente poupar para alcançar o resultado desejado.

O inconveniente óbvio é que o esforço de guerra pode tirar a prioridade a outros assuntos importantes, ou pode deixar o Estado vulnerável a elementos no país e no estrangeiro que gostariam de desafiar o seu poder.

É o caso da Rússia na Ucrânia.

O Ocidente em geral, e os EUA em particular, está a sondar as posições russas noutros pontos da periferia do país, incluindo o Cáucaso e a Ásia Central, onde o poder russo é tão económico como marcial.

 

Oportunismo

A invasão russa da Ucrânia não é uma questão menor. O combustível e os abastecimentos devem ser adquiridos e enviados, há que rodar os soldados, e tanto os feridos como o equipamento danificado devem ser reparados. Exige vastas somas de dinheiro que, para o Kremlin, são cada vez mais escassas.

Em termos simples, muito do tempo, atenção e materiais da Rússia estão concentrados no seu Ocidente. Isto deixa outras áreas da periferia da Rússia menos atendidas.

Estas incluem os países da Ásia Central que, após o colapso da União Soviética, deram prioridade à construção das suas economias e à prática da neutralidade para que os conflitos internacionais não prejudicassem as suas economias instáveis. Incluem também o Cáucaso Meridional, um centro de trânsito entre a Ásia e a Europa e um fornecedor de recursos para os países ocidentais.

Todas estas áreas são críticas para a segurança da Rússia, por isso, dada a operação militar russa na Ucrânia, a questão é saber por quanto tempo, e em que medida, a Rússia pode ignorá-las.

Periferia Sul da Rússia

 

Em geral, os EUA não tiveram qualquer interesse directo nem na Ásia Central nem no Sul do Cáucaso.

Isso começa a mudar um pouco à medida que a Europa procura rotas alternativas para a entrega de energia, mas na realidade o Ocidente preocupa-se com estas regiões principalmente porque a Rússia se preocupa tanto com elas; isolam a Rússia de pessoas estranhas e dependem economicamente da Rússia.

Isto dá uma imensa influência a Moscovo, mas o lado negativo é que países como os EUA podem usar as necessidades estratégicas da Rússia contra ela.

É precisamente por isso que Washington mantém as suas posições na Geórgia, procurando novas oportunidades para afastar a Arménia da esfera de influência da Rússia, reforçando a cooperação com o Azerbaijão, e fornecendo financiamento na Ásia Central que a Rússia não pode.

A actividade diplomática durante o mês passado atesta o oportunismo de Washington.

O conselheiro superior do Departamento de Estado norte-americano para as negociações no Cáucaso esteve em Baku de 24 a 29 de Abril para discutir a disputa de Nagorno-Karabakh, enquanto que o vice-secretário de Estado adjunto dos EUA para os assuntos europeus e euro-asiáticos se reuniu com as autoridades do Azerbaijão nos dias 27 e 28 de Abril. A 2 de Maio, o Ministro dos Negócios Estrangeiros arménio Ararat Mirzoyan encontrou-se com o Secretário de Estado norte-americano Antony Blinken para lançar um diálogo estratégico. Durante as conversações, a Arménia e os Estados Unidos reafirmaram o seu compromisso de reforçar as relações bilaterais em todas as áreas. Isto é notável, na medida em que, até à data, Washington tem visto a Arménia como estando demasiado próxima da Rússia para ser separada.

É possível que se esteja a assistir ao início de uma mudança nas relações bilaterais.

Ainda na semana passada, os Estados Unidos anunciaram que tinham concluído o curso de formação de veículos aéreos não tripulados Raven para guardas fronteiriços do Cazaquistão. Os novos operadores de UAV utilizarão drones Raven fornecidos pelos EUA para ajudar a monitorizar as fronteiras do Cazaquistão. Considerando que o Cazaquistão tem uma longa fronteira com a Rússia e que a Rússia já foi um forte parceiro de segurança do Cazaquistão, a Rússia está, para dizer o mínimo, atenta a este programa.

A subsecretária de Estado norte-americana para a segurança civil, democracia e direitos humanos visitou o Quirguizistão a 14 de Abril, após ter passado algum tempo no Cazaquistão, onde discutiu o seu envolvimento estratégico. Noutro local, os Estados Unidos anunciaram que irão atribuir mais de 60 milhões de dólares em assistência de segurança ao Tajiquistão e transferiram 2,3 milhões de dólares de camiões para o país.

Esta é uma jogada de baixo risco e de alto rendimento para Washington, especialmente se conseguir persuadir alguns funcionários da Ásia Central de que têm outras escolhas para além da parceria com a Rússia.

É de assinalar os EUA não estão a agir sozinhos, utilizando aliados chave da NATO que têm um interesse directo na Ásia Central.

Um desses aliados é a Turquia, que quer os recursos da região de modo a poder tornar-se um centro de trânsito para a Europa, vê-a como um mercado inexplorado repleto de potencial económico, e pretende recuperar influência com os povos turcos fora das suas próprias fronteiras.

(Para o efeito, desenvolveu relações extremamente estreitas com o Azerbaijão que foram ainda mais reforçadas quando Ancara tomou o partido de Baku na mais recente guerra de Nagorno-Karabakh).

Para assegurar a ajuda da Turquia, Washington indicou que pode aprovar um acordo de armamento que inclui jactos de caça F-16, tendo anteriormente negado a Ancara certos aviões em virtude da compra de sistemas de defesa antimísseis S-400 de fabrico russo.

A Turquia tem também utilizado o conflito da Ucrânia para construir a sua influência na periferia da Rússia. Ancara iniciou o processo de normalização das relações com a Arménia e de reforço da cooperação com a Ásia Central, com o Presidente turco Recep Tayyip Erdogan a discutir com o Presidente do Cazaquistão Kassym-Jomart Tokayev as perspectivas de desenvolvimento de parcerias estratégicas cazaques-turcas. Erdogan também discutiu a expansão da cooperação tajique-turca durante um telefonema com o Presidente tajiquistanês Emomali Rahmon e anteriormente assinou um acordo de cooperação militar, e falou com o presidente do Quirguizistão para regular as relações bilaterais.

 

Motivos de preocupação

É possível que nada disto abale a Rússia.

Moscovo já está profundamente integrada nas economias e sistemas de segurança da Ásia Central e do Cáucaso.Continua a ser um parceiro económico fundamental para estes países, dirige investimentos e fornece assistência militar quando necessário. Tem-se enraizado firmemente nas zonas tampão, destacando forças de manutenção da paz para Nagorno-Karabakh e demonstrando a eficácia da Organização do Tratado de Segurança Colectiva na Ásia Central.

Mais, o Cazaquistão, o Quirguizistão e a Arménia estão incluídos na união aduaneira da União Económica Eurasiática e têm as suas próprias vantagens de serem membros – recursos energéticos preferenciais, acesso mais fácil ao mercado russo, e assim por diante.

A Ásia Central e o Cáucaso necessitam claramente de enormes e constantes fluxos de investimento e de um mecanismo eficaz para suprimir a agitação e os conflitos regionais. É pouco provável que os Estados Unidos gastem os recursos necessários para fornecer tudo o que esta região necessita.

 

Ainda assim, a actividade renovada de Washington é um desenvolvimento indesejável para a Rússia.

Alguns países da Ásia Central e do Cáucaso, sendo centros de trânsito, financeiros ou tecnológicos, estão preocupados com a possibilidade de serem negativamente afectados pelo conjunto das sanções à Rússia. Como as suas frágeis economias não resistiriam a outro choque, estão a tentar manter a porta aberta com o Ocidente, por via das dúvidas.

Está simplesmente a tornar-se mais difícil para Moscovo equilibrar todos os interesses na sua fronteira, e os EUA estão a agir em conformidade.

Embora a Rússia entenda que não há muito que Washington esteja disposta e seja capaz de fazer para ajudar os países da sua região tampão, não pode dar-se ao luxo de a ignorar.

Com grande parte das suas forças desviadas, o resto pode não ser suficiente para todos o tempo todo.

______________

A autora: Ekaterina Zolotova é uma analista de Geopolitical Futures. Antes de Geopolitical Futures, Zolotova participou em vários projectos de investigação dedicados aos problemas e perspectivas da integração da Rússia na economia mundial. Zolotova é especialista em relações económicas internacionais pela Universidade Russa de Economia de Plekhanov. Além disso, estudou comércio internacional e processos de integração internacional. A sua tese foi sobre as características do desenvolvimento económico da Venezuela. Ela fala russo nativo e é fluente em inglês.

 

 

 

 

 

 

 

 

Leave a Reply