UM CAFÉ NA INTERNET – E foi Dezembro, por Soledade Martinho Costa.

Um Café na internet

 

 

 

E foi Dezembro
Dito
Em tua voz
Que as minhas mãos
Colheram
Devagar.

E foi Dezembro
Escrito
Quando a sós
Tudo disseste
Quase
Sem falar.

Foi um palco
Vazio
A acontecer
No frio
Que se ergueu
Dentro de nós.

Uma distância
O mar
Que se estendeu
A separar da minha
A tua mão.

E foi Dezembro
Inteiro
A anunciar
A solidão
Dos dias
Por nascer.

E foi Dezembro
À chuva a reviver
As pedras
E os rios
E os luares.

Os nomes
Que vestiam
Os lugares
E os sonhos
Repartidos
Que não fomos.

A coragem
Nascida
De aceitar
A verdade de ser
O que hoje somos.

E foi Dezembro
Vivo
Na roseira
Despida
No silencio
Do jardim.

E foi Dezembro
Ainda na cegueira
Das asas de uma ave
Que há em ti.

Foi um tempo
De amantes
A aprender
Que não deve esquecer-se
O verbo amar.

Ou um inverno
Apenas
A perder-se
Da primavera
Do primeiro olhar.

Soledade Martinho Costa (Lisboa, 1937)

 

Poetisa, escritora e jornalista,  nasceu em Lisboa mas vive desde a infância em Alverca do Ribatejo. Estreia-se com o livro de poemas “Reduto”.(1973) Actualmente, tem cerca de três dezenas de obras publicadas. O poema “E foi Dezembro” é cantado por Luís Represas..

 

Leave a Reply