“Comerás pão seco e chá sem açúcar” por clara castilho

Imagem

A ópera de Ravel “L’ enfant et les sortileges” foi escrita em 1918, com libreto de Collette, tendo sido apresentada pela primeira vez em Março de 1925.

É uma obra acessível musicalmente às crianças e contem uma história repleta de conflitos típicos da fase edipiana com os quais muitas delas se confrontam.

Imagem

A ópera de Ravel inicia-se com a cena de um rapaz exasperado por ter que cumprir os seus deveres. Preferia ele ir passear para o parque, puxar a cauda ao gato e andar atrás de toda a gente, em particular sua mãe. Então, a mãe entra em cena e pergunta-lhe se já terminou as suas tarefas. Ele responde-lhe deitando-lhe a língua de fora, provocador. E logo recebe punição: “Comerás pão seco e chá sem açúcar”. Confrontado com esta frustração o rapaz explode a sua raiva, agredindo os animais domésticos e atirando objectos ao chão.

Os objectos que são alvo da sua ira animam-se, provando grande balbúrdia. O rapaz foge para o parque onde se confronta com situações aterradoras e é batido e mordido por animais.

A situação só se amena quando ele acolhe um esquilo que cai e ele recolhe e de quem cuida, passando a ser olhado pelos animais de uma forma mais calorosa. E é assim que consegue regressar para junto de sua mãe.

Imagem

Esta obra foi inspiração para Mélanie Klein, psicanalista, que em 1929, a partir dela desenvolveu  e exemplificou algumas das suas teses.

É uma ópera que pode ser apresentada a crianças, num contexto em que tenham oportunidade de exprimirem o que vão sentindo, dando-lhes também oportunidade de elaboração das suas inquietações. Pode ser a oportunidade para vivenciarem música de qualidade, contactar Arte enquanto expressão de emoções que se exprimirem de outra forma que não a palavra.

Nas situações que vivenciei, este trabalho com um grupo de crianças requereu várias sessões, entremeadas de leitura do libreto e de audição de pequenas partes da peça. Nelas surgiram manifestações de medo (quando os objectos tomam vida e quando os animais se tornam agressivos), regressões com pedido de colo e dedo na boca, o que provocou, o gozo de outras crianças e mas também possibilitou a discussão sobre essa atitude.

Imagem

A leitura do libreto, acompanhada pelas árias, pode ser completada com desenhos que ajudarão à elaboração dos aspectos que mais as perturbam, sendo interessante ver como variam de criança para criança e quais as pontes que podemos fazer com as suas histórias de vida individuais.

A obra também pode ser aproveitada para ser rescrita pelas crianças e ser alvo de dramatização.

O pedagogo e psicanalista João dos Santos afirmava “ esclarecida através da experiência pessoal (de criar, compreender e participar na obra colectiva) a criança ficará apta a realizar aquilo que constitui o nosso ideal de psicólogos e educadores : o contacto com o Outrém e a sua obra”. E “ a educação através da arte é a que melhor permite a exteriorização das emoções e sentimentos e a sublimação dos instintos”.

Leave a Reply