Declaração Galega de Soberania

NÓS, cidadãs e cidadãos, e coletivos da Galiza, no exercício do inalienável direito dos povos e das pessoas à soberania nas suas decisões e nos seus atos,

REJEITAMOS a existência imposta da monarquia espanhola, como forma inerentemente antidemocrática de outorgar o poder e a representatividade a uma pessoa não eleita, em virtude da herança, da classe, do sangue, do género ou de qualquer outra circunstância;

NEGAMOS qualquer legitimidade presente ou futura a qualquer pessoa que afirme exercer ou reclame aspirar a exercer o poder e a representatividade sobre a Galiza em função de qualquer pretenso direito ou tradição monárquica, e negamos qualquer legitimidade a qualquer regime político e ordem jurídica sustentados nesses princípios;

DECLARAMOS a nossa disposição à procura da auto-organização e da auto-gestão democrática da sociedade galega num quadro de verdadeiras igualdade económica e social, liberdade e justiça em todas as dimensões e para todas as pessoas;

RECLAMAMOS os nossos direitos sobre todos os recursos coletivos materiais e simbólicos do território e dos mares da Galiza, sobre o seu uso e desfrute, sobre a sua preservação e sobre a sua disposição para o bem público comum;

DECLARAMOS a nossa vontade de estabelecermos as formas e mecanismos adequados de auto­organização política, económica, social, cultural, territorial e jurídica para reger-nos, incluindo qualquer possível articulação com outros povos, instâncias políticas e coletivos internacionais;

RECLAMAMOS dos poderes e instituições atuais a eliminação de qualquer obstáculo e a evitação de qualquer medida que puderem ir dirigidos contra o nosso direito a fazer realidade a nossa vontade coletiva de auto-determinação livremente expressada;

CONVOCAMOS toda a cidadania da Galiza a se unir à presente Declaração e às ações e passos coletivos encaminhados aos objetivos da nossa soberania; e

DITAMOS a plena legitimidade da presente Declaração como quadro programático e normativo geral para a tomada das decisões e a realização das ações civis necessárias encaminhadas à materialização política do exercício da soberania da Galiza.

Galiza, maio de 2011.

Leave a Reply

%d bloggers like this: