LÁ SE FORAM OS LIVROS-OBJECTO EM PAPEL! – DIÁRIO DE NOTÍCIAS LANÇA BIBLIOTECA DIGITAL por clara castilho

A iniciativa do Diário de Notícias dá aos leitores a possibilidade de descarregarem para os seus PC, tablet ou smartphone uma grande variedade de contos digitais de grandes autores portugueses. A Biblioteca Digital DN está disponível para todos os leitores que façam o registo no site do Diário de Notícias e será totalmente gratuita.

Assim, até ao final de Janeiro do próximo ano, os leitores do Diário de Notícias poderão desfrutar de um conjunto de 31 contos de Nuno Markl, Luísa Costa Gomes ou Mário Zambujal, entre muitos outros. Os contos são totalmente originais, à excepção de quatro – e mesmo assim dois destes foram rescritos propositadamente para a acção. O projecto foi concebido de raiz pela ESCRIT’ORIO editora.

A iniciativa biblioteca digital começou com o título “Musa Irrequieta”, de Pedro Paixão.

Às quartas-feiras e aos sábados um novo conto é disponibilizado para ‘download’, ficando a partir daí disponível para todos os leitores registados até ao fim da campanha. Basta  inscreverem-se em http://www.dn.pt/Especiais/bibliotecadigital.aspx e fazer o download dos textos num dos três formatos disponíveis: epub, mobi e pdf.

Os autores , por ordem de saída dos contos, são:

Pedro Paixão | João Tordo | Rui Zink | Luísa Costa Gomes | Eduardo Madeira | Inês Pedrosa / Afonso Cruz | Gonçalo M. Tavares | Manuel Jorge Marmelo | Mário de Carvalho / Dulce Maria Cardoso | Pedro Mexia | Fernando Alvim | Possidónio Cachapa | David Machado | JP Simões | Rui Cardoso Martins | Nuno Markl | João Barreiros | Raquel Ochoa | João Bonifácio  | David Soares | Pedro Santo | Onésimo Teotónio Almeida | Mário Zambujal | Manuel João Vieira / Patrícia Portela | Nuno Costa Santos | Ricardo Adolfo | Lídia Jorge | Sérgio Godinho.

Confesso que não sei se me vou sentir confortável com este tipo de leitura. Mas, nos momentos que correm, poder ler sem fazer despesa, não pode ser um factor a ignorar.

Não posso deixar de brincar com o assunto e deixo-vos aqui o vídeo “It’s a book”.

3 Comments

  1. O vídeo diz o essencial – uma invenção com cinco séculos, continua a ser mais avançada do que aquilo que as novas tecnologias da informação nos podem proporcionar – os e-books dependem de standards que não duram muito – veja-se o caso dos vídeos beta, dos VHS, dos CDs… O livro é lido com um equipamento que faz parte de nós – os olhos (ou os dedos, no caso dos invisuais). Como disse Umberto Eco, trata-se de uma «invenção consolidade», como a roda ou o machado. O livro de papel vai sobreviver – as novas tecnologias da informação vão evoluir e talvez, daqui por muitos anos, atinjam o patamar que o livro atingiu – por enquanto, livro e novidades tecnológicas conviverão sem problemas. A iniciativa do Diário de Notícias é interessante.

  2. Pois, a “invenção consolidade” não irá desaparecer. Adoro o cheiro de um livro, o passar das páginas… Quanto a esta nova iniciativa – haverá um maior número de pessoas a ler esses livros?

  3. Não acredito, nem quero acreditar, mas acho muito bem que os jornais tomem essas iniciativas numa altura em que, para a maioria das pessoas, pouco dinheiro vai sobrar a não ser para as necessidades básicas. De facto, nada se compara a isso: ao cheiro, ao folhear, a estar-se relaxadamente sentado no sofá em vez de lermos encarando a luz fria do computador, ao encostá-los ao peito quando se compram. Como se alguma coisa nos passasse por osmose, dizia o Eduardo Prado Coelho.

Leave a Reply