CANÇÕES DE INTERVENÇÃO – Hino da Restauração da Independência

O Hino da Restauração que acabamos de ouvir em versão instrumental, foi criado, em 1861, por Eugénio Ricardo Monteiro de Almeida (1820-1869) para uma peça teatral – 1640 ou a Restauração de Portugal.dedicada ao rei D. Pedro V e estreada no dia de aniversário do rei-viúvo D. Fernando II. O Hino da Restauração era o tema que acompanhava a apoteose final de coroação de D. João IV. Criado em plena Monarquia, a letra deixava de poder ser cantada após a proclamação da República.  Porém, a grande popularidade do Hino, permitiu-lhe sobreviver ao repúdio que maioritariamente os símbolos monárquicos provocavam e a letra terá sido adaptada, tanto mais que foi o regime republicano que determinou que o dia 1º de Dezembro fosse feriado nacional. O hino foi amplamente utilizado pelo regime ditatorial que de Maio de 1926 a Abril de 1974 ocupou o poder. Eis algumas das alterações feitas à letra. A letra original dizia:

Lusitanos é chegado o dia da redenção. /Caem do pulso as algemas. /Ressurge livre a Nação.

Sendo substituída por:

Portugueses celebremos o dia da redenção/em que valentes guerreiros/nos deram livre a Nação.

 Onde se dizia: 

O Deus de Affonso, em Ourique/Dos livres nos deu a lei:/Nossos braços a sustentem,/Pela pátria, pelo rei

Passou a dizer-se:

A Fé dos Campos d’Ourique/Coragem deu, e Valor,/Aos famosos de quarenta,/Que lutaram com ardor.

 Foram também da letra original retiradas as referências à Casa de Bragança. Tudo isso é natural. Registe-se que o hino sobreviveu à febre antimonáqrquica e sobreviveu ao aproveitamento que o regime salazarista dele fez. Os portugueses, em geral, não conhecem a letra, mas sabem de cor a música. Veja-se com que entusiasmo o cantam em Elvas.

 

http://http://www.youtube.com/watch?v=l1a26rwzI18&feature=player_detailpage

O actual governo com a aprovação do Parlamento e o silêncio do presidente da República, extingue um feriado que a I República criou, conservando feriados religiosos que só os crentes (talvez) saibam o que significam. Um feriado, que, símbologia monárquica aparte, possuem um alto significado patriótico. Mas as datas significativas para os patriotas, nada significam para quem tem outras fidelidades a respeitar. O Hino da Restauração entra na categoria das «canções de intervenção».

5 Comments

  1. Além de ter de o aprender e cantar nas aulas de ‘canto coral’ – disciplina que complementava a injecção ideológica do Estado Novo da outra disciplina (‘organização política e administrativa da nação’) – fazia conjunto com os hinos da bufa (‘Mocidade Portuguesa’ – organização fascista e militarista de frequência obrigatória no liceu) e com outros cânticos que elogiavam o colonialismo português (“… em continente é pequeno, em Colónias o terceiro…”) e outras pérolas…
    Conseguiram assim desvirtuar o espírito patriótico do hino original, para se tornar uma tentativa de incutir nas mentes jovens um espírito de imolação e assim assumirmos de cara alegre a função de carne para canhão!
    Faltou referir que o sr. presidente da república que sancionou a ‘suspensão’ do feriado do 1º de Dezembro, foi o sr. Aníbal Cavaco.

Leave a Reply