Pentacórdio para Segunda 3 de Dezembro

por Rui Oliveira

 

 

 Balthasar Neumann Choir e ensemble

 

   Na Segunda-feira 3 de Dezembro volta ao Grande Auditório da Fundação Calouste Gulbenkian, às 21h, pela segunda temporada consecutiva, o Balthasar Neumann Ensemble e o Balthasar Neumann Choir sob a direcção de Thomas Hengelbrock (foto à dir.) que terá aqui a colaboração do tenor Tilman Lichdi (como Evangelista) (foto à esq.).

   Do seu maestro diz-se que : “… através de uma visão abrangente do espectáculo musical, define conteúdos programáticos invulgares, abordando com igual ousadia as obras esquecidas ou negligenciadas do passado, bem como o repertório contemporâneo. Investigando intensamente o contexto em cada época, incluindo os hábitos de audição, utiliza critérios interpretativos de reconstrução histórica que vão muito para além da utilização dos instrumentos e critérios de interpretação originais e apelando à combinação de várias artes, Thomas Hengelbrock desenvolve projetos cénicos inovadores que representam uma forma especial de teatro musical que segue o seu próprio curso dramático.

balthasar-neumann-01   Esta aproximação é inspirada em Balthasar Neumann de Würzburg (imagem), o mais importante arquiteto alemão do Barroco, cujo modelo que justapõe o edifício, a pintura, a escultura e o jardim, Hengelbrock e os seus agrupamentos, o Balthasar Neumann Ensemble e o Balthasar Neumann Choir, seguem procurando realizar também uma combinação íntima entre a música e as outras artes”.

   O programa do concerto (legendado em português) compreende as seguintes peças de Johann Sebastian Bach : Oratória de Natal, BWV 248, Cantata BWV 248:I, Cantata BWV 248:IV, Cantata BWV 248:V e Cantata BWV 248:VI.

 

   Não há registo acessível  da interpretação destas peças pelos Balthasar Neumann Ensemble e Choir, pelo que reproduzimos a sua versão do Kyrie da Missa em Si menor de J.S.Bach :

    

    Contudo, tendo sido Nikolaus Harnoncourt de certo modo mestre/patrono de Thomas Hengelbrock, tem sentido reproduzir (em versão integral) a Oratória de Natal BWV 248 (do concerto) que aquele dirigiu com o Concertus Musicus de Viena com os Wiener Sängerknaben & Chorus Viennensis :

 

 

 

 

constantin-sandu-banner-1416cristina ioan 1   Também na Segunda 3 de Dezembro, há na Sala dos Espelhos do Palácio Foz, às 19h, com entrada livre, um Recital de Flauta, Violino e Piano por iniciativa da Embaixada da Roménia em Lisboa, onde Cristina Ioan, flauta, Radu Ungureanu, violino e Constantin Sandu, piano (foto) irão tocar um programa composto por :

      George Enescu  Cantabile e Presto para flauta e piano

      George Enescu  Pavana da Suite op.10 para piano

      Telmo Marques  Two Toccatas for Piano, Toccata bitonal e Toccata d’Alberti

      Paul Constantinescu  Sonatina para violino e piano

      Georges Migot  Le Livre de Danceries para flauta, violino e piano

 

 

coro da NOVA 1 

   Ainda a 3 de Dezembro (Segunda-feira), na Reitoria da Universidade Nova de Lisboa (Campus de Campolide), às 21h, o Coro da Universidade Nova de Lisboa, sob a direcção do Maestro João Valeriano, apresenta um “Concerto de Natal” com um programa composto por “Carols”, “Villancicos”, “Motetes” de Bach, Haydn, Mozart e Lopes Graça.

 

 

 

alain cavalier 12 portraits   No Institut Français de Portugal prossegue entretanto o seu Ciclo Alain Cavalier exibindo-se nesta Segunda-feira 3 de Dezembro, às 19h, o filme “Douze Portraits (1ère série)” (), uma galeria de retratos íntimos de mulheres no trabalho − 12 retratos de 13 minutos cada nesta série (e igual número na seguinte).

Portraits la remouleuse    “Não sou um documentalista, antes um amante de rostos, de mãos, de objectos. Dar conta da realidade não me atrai. A realidade é apenas uma palavra, tal como a sua irmã gémea, a ficção, que aliás pratico com um prazer diverso” – diz Alain Cavalier, cineasta inclassificável que  foi assistente de Louis Malle antes de se dedicar à realização.

   Os 24 retratos que aqui filmou, em duas séries que agora o IFP apresenta, têm como objectivo um arquivo do trabalho manual feminino, preservando do esquecimento rostos e saberes e, como afirma o próprio Alain Cavalier, com a esperança de que, do primeiro ao último retrato,  se trace também a história do trabalho de um cineasta – que ora se convida a (re)descobrir.

   Mostramos-lhe um desses retratos, o de “La remouleuse” (A amoladora):

 

 

 

logocentro   No campo das Conferências e Debates tem lugar nesta Segunda-feira  3 de Dezembro (concluindo-se na Terça-feira 4) um Colóquio “Cidadania na Sociedade de Conhecimento”, organizado pelo Centro de Filosofia da Ciência da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (CFCUL) que se realiza no Auditório da FFCUL – Fundação da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. O Colóquio terá a duração de um dia e meio e compreenderá uma ou mais conferências por oradores convidados, a apresentação e discussão de comunicações livres e a apresentação de conclusões no final.

   A justificá-lo é dito : “A Promoção da Cidadania com mediação do Conhecimento enquadra-se na linha de I&D desenvolvida em contexto de ciência política e visa equacionar, a partir da observação multifacetada da realidade portuguesa, o modo como os cidadãos se perfilam e convivem com o conhecimento das situações com que se defrontam, qualquer que seja o espaço que habitam…”. Concluindo da seguinte forma : “… É neste contexto que a consciência da indispensabilidade de uma mediação capaz de reforçar a vertente participativa da cidadania nos conduz à definição de um novo perfil de mediadores, metodologicamente especializados em compreender problemáticas complexas e estimular a participação dos cidadãos na Sociedade do Conhecimento”.

 

 

 

qcienciaparaacrise   Outro encontro/debate de possível interesse é o que ocorrerá nesta Segunda-feira 3 de Dezembro, das 14 às 18h no Auditório da Biblioteca Nacional de Portugal (ao Campo Grande) sob o título “Que ciência para a crise?”. A entrada é livre.

crise_capa_g   No encontro integra-se o lançamento do livro de Karl Polanyi, A Grande Transformação – As Origens Políticas e Económicas do nosso Tempo”, com prefácio de Joseph Stiglitz e tem a

coordenação de Diogo Ramada Curto (CesNova-UNL), Nuno Domingos (ICS-UL) e Miguel Bandeira Jerónimo (ICS-UL).

   Na 1ª sessão “Em torno da Grande Transformação: passado, presente, futuro” lançam o debate João Rodrigues (CES), Miguel Serras Pereira, investigador, Fernanda Rollo (FCSH-UNL), Miguel Nogueira de Brito (FD-UL) e Rui Santos (CesNova-UNL), moderados por José Sobral (ICS).

   Na 2ª sessão “Ideias para pensar a crise: o legado da História” falarão sobre K. Polanyi  Paulo Mota Pinto (FD-UC), sobre J. M. Keynes  Pedro Lains (ICS-UL), sobre F. Hayek  António Costa Pinto (ICS-UL) e sobre K. Popper  António Marques (FCSH-UNL).

   No debate final estarão na mesa Teresa de Sousa (Público), António Guerreiro (Expresso) e

Pedro Adão e Silva (ISCTE), sendo moderador Miguel Gaspar (Público).

 

 

(para as razões desta nova forma de Agenda ler aqui ; consultar a agenda de Sábado aqui )

 

 

 

1 Comment

Leave a Reply