RETRATOS, IMAGENS, SÍNTESE DOS EFEITOS DA CRISE DA ZONA EURO SOBRE CADA PAÍS

Selecção e tradução por Júlio Marques Mota

Europa - II

Grécia: as últimas notícias de uma tragédia…

Jacques Sapir, 8 de Dezembro de 2012

A situação da Grécia continua a deteriorar-se. Enquanto o país está sob perfusão  por parte da União Europeia e do FMI, a situação social continua a deteriorar-se. Já o tínhamos assinalado numa nota anterior . As estatísticas recentemente publicadas confirmam isso mesmo. A austeridade é equivalente ao massacre de uma parte da população, em particular, da população mais vulnerável como o é a que tem mais de 60 anos assim como as crianças de mais pequena idade.

Enquanto a produção continua a cair , este facto   arrasta consigo um colapso nos impostos como o IVA, e as receitas deste imposto baixaram de 12% de Outubro de 2011 a Outubro de 2012. Vemos o desemprego realmente a explodir e com ele o rendimento real da população contrai-se muito muito rapidamente. Em Setembro de 2012, o desemprego chegou aos  26% da força de trabalho e ao actual ritmo de crescimento este desemprego deve chegar a 33% ao longo de 2013.

Gráfico 1

sapirgrécia - I

Sources : ELSTAT, Labour Force Survey, septembre 2012, publié le 6 décembre 2012.
URL : http//www.statistics.gr

É particularmente significativo como o desemprego dos jovens (com menos de 25 anos) está literalmente em explosão. Neste momento são mais de  55%, e  esta realidade assume um significado especial no sentido de que traduz , na verdade, a ausência de esperança para toda uma geração de jovens gregos. A dimensão psicológica do fenómeno torna-se aqui decisiva, quando a parte mais jovem da população perde toda a esperança no seu futuro.

Gráfico 2

sapirgrécia - II

Sources : ELSTAT, Labour Force Survey, septembre 2012, publié le 6 décembre 2012.
URL : http//www.statistics.gr

Neste desastre, podem-se verificar diferenças regionais significativas. A taxa de desemprego é significativamente menor nas ilhas do mar Egeu e de Creta (22,5% e 20,0%, respectivamente), mas significativamente maior na Ática (região de Atenas) e Epiro (27,6% e 28,0% respectivamente). No entanto, no caso de Creta, há claramente uma dimensão sazonal, ligada ao turismo. A taxa de desemprego subiu muito fortemente até ao mês de Abril, em seguida, desceu, com o início da temporada turística.

Gráfico 3

sapirgrécia - IIISources : ELSTAT, Labour Force Survey, septembre 2012, publié le 6 décembre 2012.
URL : http//www.statistics.gr

Tudo isso tem um impacto considerável sobre o consumo das famílias, e é isto que vamos examinar a partir dos dados em volume (para evitar um efeito da inflação) do comércio a retalho. Sobre um ano (de Setembro a Setembro) a queda do comércio de retalho é muito importante. Neste período uma vez que  incluiu a época turística (Maio-Setembro), pode-se pensar que esta contracção foi ainda mais forte para a população grega. Logicamente, a queda no volume de vendas é mais importante para os bens não-alimentares ou seja, para os bens que não a comida, mas com exclusão do combustível. Permanece no entanto também a um nível espectacular quanto ao consumo dos bens alimentares, 9,2% de queda de consumo neste grupo de bens..

Gráfico 4

sapirgrécia - IV

Sources : ELSTAT, Turnover Index in Retail Trade, septembre 2012, publié le 30 novembre 2012.
URL : http//www.statistics.gr

No entanto, o colapso do comércio a retalho num ano deve ser analisado do ponto de vista do desenvolvimento das trocas e da rede de moedas locais. Assim, é provável que a efectiva diminuição do consumo de alimentos seja na verdade menos importante,  porque os produtos alimentares são a primeira base para a troca. Mas, mesmo que tenha sido inferior aos 9,2% dos dados oficiais, esta diminuição do consumo de alimentos continua a ser muito significativa. Seria necessário dispor de dados mais detalhados por produto. No entanto, pode-se todavia pensar que os produtos ditos “nobres” são aqueles cujo consumo mais caiu . Além disso, estes números são valores médios. Considerando o valor mediano inferior da população (os 50% com um rendimento abaixo da média), a queda do consumo alimentar terá sido mais importante do que o que nos dizem os valores médios. No geral, todos os indicadores convergem para fornecer um quadro realmente dramático da situação da população grega. As indicações testemunham um ressurgimento de doenças como a malária, o paludismo e a tuberculose. Uma série de doenças graves (incluindo o cancro, mas também os diabetes) já não são tratados no sistema publico2.

Se o desenvolvimento das trocas directas e das moedas paralelas é um instrumento de resistência e de superação face a uma muito rápida deterioração da situação económica, como foi o caso na Rússia, esta capacidade de resiliência não pode impedir essa degradação. A taxa de mortalidade vai, muito certamente, aumentar nos próximos meses e nos próximos anos, como se verificou na Rússia no início do processo de transição na década de 1990.

A deterioração da situação é agora de tal modo que se pode duvidar que a Grécia neste estado vai chegar ao próximo verão. Será certamente impossível que ela possa esperar por 2015 para uma hipotética anulação, mesmo parcial, da dívida. As questões de fundo que foram colocadas debaixo da mesa às escondidas e de modo muito provisório irão reaparecer em toda a sua força na Primavera de 2013.

Leave a Reply