REFLEXÕES SOBRE A MORTE DA ZONA EURO, SOBRE OS CAMINHOS SEGUIDOS NA EUROPA A CAMINHO DOS ANOS 1930

Uma viagem pelos países da Europa atingidos  pelo  escândalo  da carne de cavalo

Por Júlio Marques Mota

Uma peça dedicada ao meu amigo Gama, à sua égua, às crianças que a montaram

(CONTINUAÇÃO)

Parte IV

europe_pol_1993

         2. Uma viagem pelos países da Europa tocados pelo  escândalo  da carne de cavalo

O número de países europeus que encontraram produtos carimbados  “pura carne de vaca”, e que contém, na verdade, carne de  cavalo tem aumentado na Europa, com as descobertas reveladas na sexta-feira, 15 de Fevereiro na Noruega e Áustria. O caso, que anteriormente estava confinado à  carne vendida no Reino Unido e na Irlanda, tornou-se um caso à escala da Europa  com a descoberta de vestígios de cavalo em produtos de carne dita de vaca , em particular nas lasanhas vendida não só  no  Reino Unido, mas também em França, Alemanha e Suíça.

Carne de cavalo - I

De acordo com a Direcção Geral da Repressão contra as Fraudes o escândalo atinge agora  750 toneladas de carne, das quais  550 toneladas foram utilizadas na fabricação de mais de 4,5 milhões de pratos vendidos fraudulentamente em treze países Europeu.

O esquema de base  deste caso, em   termos de  produção e circulação dos produtos até ao produto final,  mostra claramente  qual o modelo  económico seguido pela União Europeia, expresso pelo  mercado único, onde tudo é  permitido, consentido, porque o inverso,  a regulação,  pressupõe Estados, estados vigilantes,  capazes de intervir em todos os seus segmentos capaz de dar e exigir à  actividade económica o sentido social que esta deve  ter e não o da maximização do lucro e não o da  optimização fiscal que a esta maximização dos lucros está ligada. O esquema de base utilizado terá sido o seguinte:

 Carne de cavalo - II

 Eis pois os países referidos pelo esquema de produção e circulação do produto até à produção final.

Em Inglaterra, epicentro do escândalo, encontraram-se pratos com carne de  cavalo em quarenta e sete escolas

Foi no Reino Unido que rebentou o escândalo da carne de cavalo. Em meados de Janeiro, as autoridades irlandesas descobrem que havia hambúrgueres vendidos na Grã-Bretanha e na Irlanda que continham carne de cavalo. Eis pois o ponto de partida que veio desembocar no presente escândalo que afecta vários países da Europa.

Na sexta-feira, a Agência de segurança alimentar inglesa  (Food Standards Agency, FSA)  anunciou que tinha  sido  detectada carne de cavalo em 29 produtos considerados como  carne  de vaca numa amostra de 2.501 produtos testados até agora no Reino Unido pelos fabricantes do sector”.

A esmagadora maioria dos produtos com carne de vaca comercializados neste país  não continham carne de  cavalo. Os exemplos que tivemos são totalmente inaceitáveis, mas eles são a excepção”, disse Catherine Brown, directora  da FSA (veja.se o site http://www.food.gov.uk/news-atualizações/novos/2013/fev/cavalo-meattests#.UR5oh9m9YtU), durante uma conferência de imprensa em Londres.

Além disso, o prato de carne picada parmentier supostamente de carne de vaca mas contendo carne de cavalo  foi distribuído em  quarenta e sete escolas no Condado de Lancashire (norte da Inglaterra). Um prato de torta cottage ou carne picada  parmentier, distribuída nas  escolas no Condado deu positivo no teste de qualidade sobre o ADN  de  cavalo, disse Susie Charles, responsável pelas  escolas no Conselho local do Condado.

A sociedade britânica de grande distribuição Asda, filial da empresa  americano Wal-Mart anunciou, pelo seu lado,  nos EUA  na quinta-feira a retirada de quatro dos seus produtos em que foi descoberto a presença de ADN de  cavalo. Os produtos  em questão vêm de uma fábrica da empresa  irlandesa Greencore em  Bristol. Em Janeiro, Asda tinha já retirado quatro produtos contendo vestígios de ADN de cavalo.  Estes vinham da  empresa Silvercrest que igualmente  também entregou refeições comercializadas  pela Tesco e por outros distribuidores  e em  que também foi descoberta a presença de  carne de cavalo.

(continua)

Leave a Reply