PAPA FRANCISCO I – “Depressa e bem, há pouco quem” – por Mário de Oliveira*

*Presbítero do Porto

Imagem1

“Depressa e bem há pouco quem”. É da Sabedoria. O Papa Francisco I foi escolhido depressa. E bem? É o que se verá. Para já, o Conclave reincidiu no mesmo erro que cometeu com Bento XVI, agora Papa emérito, lado a lado com Francisco I. O agora escolhido para Bispo de Roma, é já, nesta data, arcebispo emérito de Buenos Aires, devido aos 76 anos, quase 77, que já soma. Não pode, por isso, presidir à Igreja de Buenos Aires, mas vai ter de poder presidir à Igreja de Roma e, simultaneamente, cuidar-acompanhar, como Papa, a Igreja católica em todo mundo. Será que quem não pode o menos, pode o mais?!

 O que este tipo de escolha parece revelar é que os 115 cardeais, incapazes de fazerem frente à Cúria Romana, quiseram ver-se livres do Conclave (= fechados à chave), o mais rápido possível. Por isso, fecharam os olhos e votaram de cruz. Até porque a Páscoa de calendário está à porta e, para eles, o Ritual litúrgico está antes das reais necessidades e das mais que legítimas expectativas das populações e dos povos do Mundo. Só que com este modo de agir cardinalício, estamos, manifestamente, no âmbito do “eclesiástico”, típico da Cristandade e do seu Cristo/Poder monárquico absoluto, não estamos no âmbito de Jesus e da Humanidade, no seio da qual a Igreja/movimento de Jesus é convocada a ser fermento, sal, luz e sentinela, para que a Humanidade cresça e ela, Igreja, diminua.

 Conclusão: A Cúria romana/Máfia católica romana acaba de impor as suas regras, em toda a linha. Quando, daqui a umas semanas, o Papa Francisco I acordar deste presente envenenado, ver-se-á metido num ninho de víboras. E como se comporta? Ou resigna-se ao facto consumado e, para compensar, torna-se um piedoso rezador de terços e um assíduo visitador de santuários “marianos”; ou faz como João XXIII e, sem dizer nada a ninguém, convoca um novo Concílio para fazer implodir o próprio cristianismo, a raiz de todo o mal eclesiástico e mundial; ou faz como João Paulo I e decide, da noite para o dia, decapitar a Máfia católica romana, mas, neste caso, pode ele próprio ser assassinado nessa mesma noite. Pela aragem do seu primeiro contacto com as multidões, feito a partir da janela do palácio papal e já com as vestes brancas da hipocrisia católica romana, o mais provável é que o Papa Francisco I se decida pela primeira das 3 hipóteses. E, nesse caso, teremos um Papa-avô que reza muitas aves-marias, muitos pai-nossos, e muitas, muitas missas!

 

Leave a Reply