Pentacórdio para Domingo, 7 de Abril

por Rui Oliveira

 

 

 

   Num Domingo, 7 de Abril calmo (e que já se não prevê chuvoso), será contudo prudente continuar a abrigar-nos em “templos da cultura” quais o CCB ou a FCG, com a particularidade de, neste dia, se ouvirem quase só artistas nacionais.

 

 

Ludovice Ensemble

   O destaque poderá ir para o concerto que neste Domingo dará, no Grande Auditório da Fundação Calouste Gulbenkian, às 19h, o grupo de interpretação de Música Antiga “Ludovice Ensemble”, que aqui reúne diversos instrumentistas em torno de Miguel Jalôto (órgão e direcção), acompanhado de Hugo Oliveira (barítono).

Ludovice Ensemble 2   Criado em 2004 por Fernando Miguel Jalôto e Joana Amorim (na foto), com o objectivo de divulgar o repertório de câmara vocal e instrumental dos séculos XVII e XVIII através de interpretações historicamente informadas, usando instrumentos antigos, o nome de “Ludovice Ensemble”  homenageia o arquitecto e ourives alemão Johann Friedrich Ludwig (1673-1752), conhecido em Portugal como João Frederico Ludovice, que trabalhou na Alemanha e em Itália, antes de se colocar ao serviço de D. João V, para o qual projectou o Palácio-Convento de Mafra, entre outras obras.

Ludovice Ensemble_CD_frontcover   Entre a sua múltipla actividade, esteve recentemente presente nos conceituados festivais de música antiga de Daroca e de Peñíscola, em Espanha, e de Antuérpia (Laus Polyphoniae/AMUZ) na Bélgica, tornando-o num embaixador da música antiga portuguesa. Neste campo, tem-se responsabilizado pela primeira audição moderna de obras de compositores portugueses ou activos em Portugal, tais como F.A.Almeida, Avondano, G.Giorgi, Perez e Astorga, bem como de autores estrangeiros (Charpentier, Clérambault, Courbois, Campra, Dornel e Graun). Em 2012 foi editado o seu primeiro CD para a Ramée-Outhere com um conjunto de cantatas francesas para barítono que foi muito bem recebido pelo público e pela crítica especializada.

 

   Num recital que intitularam “Jerusalem, convertere ad Dominum Deum tuum – Charpentier e Couperin : Música para a Semana Santa”, ouvir-se-ão as seguintes quatro peças que consideram “marcadas pela sua intensa espiritualidade mística e por uma veemente força expressiva, sem renunciar ao esplendor e ao refinamento característicos da corte” :

 

         François Couperin                  Sonate en Quatuor “La Sultane”

         Marc-Antoine Charpentier   Trois Leçons de Ténèbres pour les Jésuites, H.123-125

                                                            Sonate à huit instruments, H.548

         François Couperin                  Deux Motets de la Chapelle Royal de Versailles

 

    Ouça-se a interpretação pelo “Ludovice Ensemble” de outra peça de François Couperin “Fantasies pour Violes” num concerto em Almodôvar em Fevereiro de 2009 :

 

   Também é possível aceder à gravação posterior (Abril de 2010) pelo “Ludovice Ensemble” da cantata “Je ne puis jamais être aimé” de “Pygmalion” de Louis-Nicolas Clérambault em http://youtu.be/gL_SefFnkpE

   Não havendo registo duma execução de peça de Marc-Antoine Charpentier pelo grupo português, escutemos para contraste uma interpretação recente (Janeiro de 2013) que fez da “Sonate à huit instruments” o agrupamento “Consortium Carissimi” :

 

 

 

concerto de domingo   Na manhã desse Domingo, 7 de Abril, quem já esteja nesse mesmo espaço em busca de “alimento cultural”, poderá ouvir um Concerto de Domingo que a Fundação Gulbenkian organiza no Átrio da Biblioteca de Arte, às 12h, onde o Quarteto Arabesco composto por  Denis Statsenko e Raquel Cravino, violinos, Lúcio Studer, viola e Ana Raquel Pinheiro, violoncelo irá interpretar o Requiem em Ré menor KV 626 de W. A. Mozart, numa versão para quarteto de cordas de P. Lichtenthal.

   Só para conhecer o som, já experiente, deste jóvem Quarteto, mostramos-lhe uma amostra da forma como interpretaram este mesmo Requiem mozartiano no 6º “Festival Terras Sem Sombra” na  Igreja do Convento de Nossa Senhora da Conceição em Almodôvar (Fevereiro de 2010) :

   É possível ouvir igualmente um melhor registo da sua participação com o organista Rui Paiva no XII Festival Internacional de Órgão na Basílica da Estrela em Setembro de 2009, tocando a 15ª Sonate Concertate in Stil Moderno (Libro Secondo) de Dario Castello (c.1590 c.1630) aquihttp://youtu.be/e_fsqAfVoR0

 

 

lisboa_f_056 

   Já quem optar, nessa mesma manhã do Domingo, 7 de Abril, por deambular pela zona da beira-rio, eventualmente no rescaldo do “Belém Art Fest” (ver Pentacórdio de ontem) que acabara na madrugada de Sábado, poderá ser atraído pelo programa Bom Dia Música que o Centro Cultural de Belém lhe oferece na sua Sala Luís de Freitas Branco, às 11h, “Fantasias para clarinete e piano – Uma viagem do Norte da Europa até Portugal”, onde no palco estarão Iva Barbosa clarinete e Paulo Oliveira piano.paulo oliveira iva barbosa cartaz

   Trata-se de um recital que «apresenta o universo sonoro interessantíssimo destes dois instrumentos. Através de um tipo de composição de forma livre, fazemos (essa) viagem…, apresentando compositores tão conhecidos do grande público como Robert Schumann e Johannes Brahms, ao mesmo tempo que descobrimos estilos muito próprios como o de Vítor de Faria, jovem trombonista e compositor, que dedica esta obra a Iva Barbosa»(do programa).

   Dele consta :

      Robert Schumann  Peças de Fantasia, para clarinete e piano op. 73

      Johannes Brahms  Intermezzo em Lá menor para piano solo das 7 Fantasias, op. 116

      Vítor de Faria  Fantasia para clarinete e piano (obra dedicada a Iva Barbosa)

      Jörg Widmann  Fantasia para clarinete solo

      Philippe Gaubert  Fantasia para clarinete e piano

 

   Neste teaser de apresentação da clarinetista Iva Barbosa é possível ouvir um breve registo duma sua interacção com o pianista Paulo Oliveira : http://youtu.be/bBoRdcgcL1c

   Por ser um autor e uma obra menos conhecida, deixamos-lhe um registo da peça de Philippe Gaubert (1879-1941) Fantasia para clarinete e piano :

 

 

 

                          ???????????????????????????????           396697

   Quem se encontre na mesma área e prefira música sacra, tem à sua disposição um concerto de entrada livre no vizinho Mosteiro dos Jerónimos, às 11h, onde o Coro Vox Laci vai interpretar um vasto programa (seu habitual) que compreende :

      Christus factus est de Felice Anerio (1560-1630)

      Verily, verily I say unto you de Thomas Tallis (1505-1585)

      Ecce quomodo moritur deJacob Handl “Gallus” (1550-1591)

      Adoramus te Christe de Quirino Gasparini (1721-1778)

      Tenebrae factae sunt de Michael Haydn (1737-1806)

      Salvum fac regem de Carl Loewe (1796-1869)

      O crux ave spes única de Ferran Sor (1778-1839)

      Ave verum de Saint-Saëns (1835-1921)

      Salve Regina, op. 107, n. 4 de Rheinberger (1839-1901)

      In Monte Oliveti de Jouzas Naujalis (1869-1934)

      De profundis clamavi de Vic Nees (1936)

      Ave Maria de Raimon Romaní (1974)

 

   Uma gravação pouco conseguida de parte do seu Concerto de Ramos com a canção “Libera me” pode ser ouvida aqui :  http://youtu.be/BKX7soMgXZU 

 

ESPAO-~1

   Por último, voltemos às celebrações do «Ano Brasil/Portugal» a ocorrer diariamente no “Espaço Brasil” (na LX Factory) onde neste Domingo, 7 de Abril, às 18h, a fadista portuguesa Raquel Tavares apresenta o seu novo espectáculo “Nem todo o Fado é triste, nem todo o Samba é alegre!”.

PortalModules_PDFThumbnailModule_Uploaded_PDFs_RAQUEL_TAVARES_E_TITO_PARIS_FESTA_DO_FADO_2007070202224510146_637412229617945_1941941841_n   Estará acompanhada no palco por Edu Miranda (bandolim e violão de sete cordas), Dinho (cavaquinho), Carlos Nobre (acordeão), Rafa (percussão) e Heron (bateria).

   Relatam os cronistas que tem sido progressiva a aproximação da fadista de um dos bairros mais tradicionais de Lisboa, Alfama, com o universo cultural brasileiro, mais particularmente com o samba carioca, tendo visitado frequentes vezes o Rio de Janeiro e lá cantado (veja-se a metamorfose de 2008 a 2013 nas fotos).

   Este espectáculo será o reflexo dessa “fusão” de músicas de cariz popular, constando que Raquel Tavares usa por graça este mote : “Não deixe o samba morrer, não deixe o fado acabar / O povo é feito de samba e fado p’ra gente cantar!”.

   Por suceder no palco do Espaço Brasil a Ivan Lins, mostramos aqui o dueto que ambos corporizaram em “Guimarães – Capital Europeia da Cultura”, cantando o inesquecível tema “Lembra de mim” :

 

 

 

 

(para as razões desta nova forma de Agenda ler aqui ; consultar a agenda de Sexta aqui)

 

 

 

 

2 Comments

Leave a Reply