Pentacórdio para Quinta-feira, 18 de Abril

por Rui Oliveira

 

 

 

   Nesta Quinta-feira, 18 de Abril destacaríamos, neste Pentacórdio ainda restrito e forçado a uma maior objectividade, três eventos de índole e mesmo relevância um pouco distinta nos campos cinematográfico, musical e teatral.

 

cartaz indie 13

   Na 7ª Arte o episódio marcante será sem dúvida o arranque do “IndieLisboa’13” – Festival Internacional de Cinema Independente que, até a 28 de Abril “volta a trazer o melhor e mais recente cinema de todo o mundo” (diz a organização), onze dias a marcar presença quer na Culturgest (co-produtora), quer no Cinema São Jorge, no  City Classic Alvalade e na Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema.afiche-no-gael-garcia-alta

   Serão mais de 200 filmes (programação completa em www.indielisboa.com ) distribuídos pelas secções deste ano : Competição Internacional, Competição Nacional, Observatório, Cinema Emergente, Director’s Cut, IndieMusic, Pulsar do Mundo, IndieJúnior e Sessões Especiais, juntando-se a isto debates, conferências, ateliers e masterclasses.no

   Tentando uma antevisão (com recurso grato a F.F. do Atual), o festival começa no Cinema São Jorge (Sala Manoel de Oliveira, 21h30) com “No”, o “melhor filme até à data” do realizador chileno Pablo Larrain (na foto) que nos leva aos bastidores do plebiscito de 1988 no Chile que decidiria se Pinochet permaneceria ou não no governo. René Saavedra (interpretado por Gael García Bernal), um jovem publicitário, é convencido pelos líderes da oposição a gerir a sua campanha a favor do “Não”…

   Este é o seu trailer :

 

 

IndieLisboa13_1   Na mesma secção Observatório será exibido “um dos filmes mais aguardados do ano, “Spring Breakers” (cartaz junto), também um sinónimo da rebeldia eterna do realizador Hamory Korine que assinala, afinal, o espírito jovem pelo qual o Indie sempre se regeu” (na mesma sala do São Jorge na Quinta, 25 às 21h30).  Como ainda na mesma secção, a não perder, estão os quatro tomos que Werner Herzog dedicou ao tratamento da pena capital nos EUA em “Death Row” . Não esquecer ainda o “Foco Ulrich Seidl onde o realizador austríaco termina finalmente a sua trilogia “Paradise” (Amor, Fé e Esperança).

   Amanhã lembraremos a importante componente nacional, o peso dos Novíssimos e da IndieMusic e o relevo que a programação decidiu dar às 15 obras do cinesta e artista plástico irlandês Patrick Jolley (1964-2012) prematura e estranhamente desaparecido na Índia.

 

 

 

   No campo da música clássica, o relevo vai nesta Quinta-feira, 18 de Abril para o concerto com quedavid_afkham(1) a Orquestra Gulbenkian  continua a celebrar os seus 50 anos, desta vez sob a direcção do jovem maestro alemão David Afkham, curiosamente já conhecedor do mesmo palco onde dirigiu em 2010 a Orquestra Juvenil Gustav Mahler – GMJO (de que hoje é Maestro Assistente) e da mesma Orquestra com quem ganhou no mesmo ano o Salzburg-Nestlé Young Conductors Award.

   É este discípulo de Bernard Haitink, com quem trabalhou regularmente na Sinfónica de Chicago e na Orquestra do Real Concertgebouw (Amsterdão), e actualmente, aos 30 anos, Maestro Associado da Filarmónica de Los Angeles que irá dirigir o programa intitulado “Integral das Sinfonias de Brahms IV” que compreende de :

 

         Franz Schubert       Sinfonia nº 4, D. 417

         Johannes Brahms  Sinfonia nº 2, op. 73

 

   O registo da condução por David Afkham da GMJO em Lisboa não é perfeito (para apreciar a sua direcção pode ver-se aqui  http://youtu.be/Heg_A9Nr6eI com a 7ª Sinfonia de Shostakovich) pelo que o deixamos com a Orquestra do Real Concertgebouw de Amsterdão regida pelo seu mentor Bernard Haitink interpretando a peça central integral do programa, a Sinfonia nº 2 em Ré Maior, op. 73 de Brahms :

 

 

 

conversa depois dum enterro 

   No plano teatral, assinale-se a estreia a 18 de Abril (Quinta-feira), às 21h, na Fábrica XL da LX Factory (Edifício J, piso 0), da peça “Conversas depois de um Enterro” de Yasmina Reza, com encenação de Renato Godinho e interpretação de Custódia Gallego, Filipe Duarte, João Cabral, Lúcia Moniz, Manuel Cavaco e Sofia Nicholson.

   Permanecerá em cena até 28 de Abril de Quinta a Domingo.

conversa depois dum enterro 1   Sinopse (do programa): O patriarca Simão Aguilar faleceu e, de acordo com os seus desejos, acaba de ser enterrado, não ao lado da sua mulher, no cemitério, mas nas suas próprias terras. Reunidos estão os três filhos, todos nos seus quarenta anos: Jaime (João Cabral), Edite (Sofia Nicholson) e Alex (Filipe Duarte). Estão também Pedro (Manuel Cavaco), o tio do lado da mãe, e a sua mulher Júlia (Custódia Gallego), bem como Elisa (Lúcia Moniz) que é a “outsider” pois, apesar de ter sido namorada de Alex, quem ela amava realmente era o seu irmão Jaime. O que se desenrola a partir daqui é um enredo familiar com momentos de humor e as tensões expectáveis em qualquer reunião de família. À medida que alguns factos inesperados são revelados, a imagem que a família tinha do pai, transforma-se …

   A dramaturga francesa Yasmina Reza, autora de “Arte” e “O Deus da Matança” (vista há pouco no Teatro Aberto encenada por João Lourenço), tem aqui a sua primeira peça que escreveu estreada nos palcos portugueses e com um bom elenco.

 

 

 

OLIVENZA-03   No campo da música alternativa, registe-se nesta Quinta-feira, 18 de Abril, para aqueles que procurem o Hot Clube de Portugal, que aí terão às 22h30 João Paulo Esteves da Silva, solo ao piano com o jazz excelente que se lhe conhece e adverte-se quem busque o Onda Jazz que terá, às mesmas 22h30, a surpresa de escutar a nova formação luso-espanhola “Olivenza” (foto), recentemente constituída por Cira Fernández  voz, guitarra acústica, adufe, metalofone, por Raúl Marques (dos Amigos da Salsatrompete, guitarra portuguesa, acordeão e por David González Cambray  contrabaixo, guitarra acústica.

   Do seu álbum de estreia retirámos esta canção “Punta de Sagres” :

 

 

 

600604d825c6267e1484e8b67556b9fe02c676b7   Há ainda no campo das conferências/debate, às 17h da Quinta-feira 18 de Abril no Anfiteatro do Museu Fundação Oriente, no âmbito da exposição “Cartazes de Propaganda Chinesa. A Arte ao Serviço da Política” ali existente, uma mesa-redonda sobre “O Maoísmo e a Representação do Poder”, seguida de debate moderado por José Manuel Fernandes (Século XXI), em que participam António Graça de Abreu, Raquel Vaz Pinto (Universidade Católica) e Miguel Cardina (Universidade de Coimbra).

   A discussão sobre como «o “culto da personalidade” foi, ao mesmo tempo, a forma dominante de representação do maoísmo − a única que podia simular a unidade entre o “Grande Timoneiro” e as massas − e o modo de negação da representação política na China revolucionária» é de entrada livre, sujeita a inscrição.

 

medieval europe   Também nesse dia se inicia, em sede das instituições suas promotoras, o Colóquio Internacional “Medieval Europe in Motion” (que encerrará a 20 de Abril), organizado pelo Grupo de Investigação “Imagens e Textos Medievais” do Instituto de Estudos Medievais (IEM), unidade de investigação da FCSH, em colaboração com a Fundação Calouste Gulbenkian, o Institut Français de Portugal e a Biblioteca Nacional.

   O evento tem como principal objectivo analisar as influências da circulação e movimentação de pessoas, formas e ideias na criação artística durante a Idade Média, por meio de uma revisão crítica e construtiva destas problemáticas, propondo ainda novas questões para serem discutidas.

   Informações adicionais em: https://sites.google.com/site/medievaleuropeinmotion2013/

  

 

 dia internacional monumentos

   Por último lembra-se que para assinalar o “18 de Abril – Dia internacional dos Monumentos e Sítios” de 2013, o ICOMOS Internacional (Conselho Internacional dos Monumentos e Sítios) elegeu como tema de celebração o Património da Educação, tendo em atençãooriginal o vastíssimo legado relacionado com a aprendizagem e o conhecimento, que encontra a sua materialização em inúmeros conjuntos e elementos de património arquitectónico, património móvel e património imaterial, de diferentes escalas e valor, e em diversos contextos, espalhados por todo o país.

   Com base nesta proposta, a Direção-Geral do Património Cultural elaborou um conjunto de actividades atractivas para o público, subordinadas ao tema PATRIMÓNIO + EDUCAÇÃO = IDENTIDADE, “dentro do espírito de que o futuro depende muito do reforço das identidades e de que a educação, e os diferentes patrimónios que plasmam o conhecimento, são contributos insubstituíveis para esse fim”, cuja programação nacional pode ser aqui consultada : http://www.patrimoniocultural.gov.pt/dims2013/ 

1361486181   Em Lisboa, a título de exemplo, o Museu da Electricidade convida todos os interessados a conhecer os espaços habitualmente inacessíveis, como túneis que vão dar ao rio Tejo ou aos andares cimeiros das caldeiras (segredos abertos à curiosidade a partir das 17h30). Já o Castelo de S. Jorge apresenta, durante o dia, a Sissi (águia-de-cauda-vermelha), o Xadrês (falcão-gerifalte), o Levezinho (falcão-peneireiro), a Morgana (águia-de-harris), a Sancha (açor), a Pipas (milhafre) e o Carreras (falcão-sacre) e, a partir das 18h, permite conhecer algumas curiosidades destas aves-de-rapina, parceiras do homem na arte da caça há pouco mais de quatro mil anos.

   E assim sucessivamente …

 

 

 

(para as razões desta nova forma de Agenda ler aqui ; consultar a agenda de Terça aqui)

 

 

 

 

1 Comment

Leave a Reply