AQUILINO RIBEIRO – O “ROMANCE DA RAPOSA” – por Clara Castilho

livro&livros1

Aquilino Ribeiro é uma referência inquestionável da literatura portuguesa contemporânea. O Romace da Raposa é uma das mais belas obras para a infância que foram escritas na nossa língua. Editado pela primeira vez em 1924, tem encantado sucessivas gerações com as peripécias da Raposa Salta-Pocinhas, com belas ilustrações de Benjamin Rabier. Um outro livro de Aquilino, O Livro de Marianinha, ilustrado por Maria Keil, é dedicado a sua primeira neta, Mariana que nasceu em 1962. A edição é de 1967 e explica o que motivou  a criação de cada livro para crianças: “Este livro, Marianinha, leva o teu nome porque foste tu a musa – para empregar a linguagem usada nos bons velhos tempos do metro e da rima – que o inspirou. Quando o tio Aníbal era criança, escrevi para ele o Romance da Raposa; para teu pai, em idêntica altura, a Arca de Noé, III Classe. Para o meu amor pequenino, compus agora estas prosas rimadas». Imagem1

Novas ofertas de livros, novos problemas de onde os arrumar… E fui parar à prateleira dos meus próprios livros de infância. Se bem que nem todos sejam o que hoje se chama “literatura infantil”. Mas livros que li em pequena, de que gostei, e guardei.

E lá estava a Salta-Pocinhas, saída da cabeça de Aquilino Ribeiro (1985-1963), edição antiga, com páginas a cair, cantos rebentados, páginas com desenhos de criança, a demonstrar muitas leituras (de toda a família). Adorava a safada da raposa, o ar matreiro com que foi desenhada.

Tive pena que esta circunstância não tivesse acontecido uns dias antes, por altura do Natal. É que este livro é dedicado pelo autor a seu filho, no Natal de 1924. E diz ele: “ As aventuras maravilhosas da salta-pocinhas – raposeta pintalagreta, senhora de muita trata – contei-tas, sentado tu nos meus joelhos. Contando-as, veio-me a ideia de as escrever. Além de inspirador, colaboraste com teus silêncios, perguntas e interrupções na frágil meada”.

As ilustrações são de Benjamin Rabier (1864-1939) que Aquilino terá conhecido aquando das suas estadias por Paris. Ilustrador  e teatrólogo, fiquei espantada por saber que é o autor da “vaca que ri”, assim como terá influenciado Hergé com o célebre Tintin…

Neste Romance conta-se a vida aventurosa de uma raposa chamada Salta-Pocinhas. Começa assim:

«Havia três dias e três noites que a Salta-Pocinhas – raposeta matreira, fagueira, lambisqueira – corria os bosques, farejando, batendo mato, sem conseguir deitar a unha a outra caça além de uns míseros gafanhotos, nem atinar com abrigo em que pudesse dormir um sonhinho descansado. Desesperada de tão pouca sorte, vinham-lhe tentações de tornar para casa dos pais, onde, embora subterrânea, a cama era mais quente e segura que em castelo de rei, e onde nunca faltava galinha, quando não fosse fresca, de conserva, ou então coelho bravo, acabado de degolar.»

Em 1988, o Romance da Raposa foi adaptado para uma série de televisão, de 13 episódios de 13 minutos cada, numa produção da RTP, com diálogos e letras escritas por Maria Alberta Menéres, o que é uma garantia de qualidade. Confesso que andava distraída e não dei por nada. Mas agora vendo alguns bocadinhos que aparecem na net, fico desiludida. Nada se compara com os desenhos de Rabier…

Ver também:

DE NOVO “O ROMANCE DA RAPOSA” – por Clara Castilho

6 Comments

Leave a Reply