Livros contra a ditadura: Editoras de oposição no Brasil – uma obra de Flamarion Maués

Imagem1

Já aqui falámos sobre uma obra de Flamarion Maués – As editoras e os livros políticos no derrube do Estado Novo e no processo revolucionário de 1974-75 em Portugal. Flamarion Maués é um investigador brasileiro, doutorado pela Universidade de São Paulo e vai lançar agora Livros contra a ditadura: Editoras de oposição no Brasil, 1974-1984 (São Paulo, Publisher, 2013). Será no dia 10 de Dezembro (uma terça-feira), a partir das 19 horas, no bar Canto Madalena,na R. Medeiros de Albuquerque, 471 – Vila Madalena, em São Paulo. Eis como a editora nos apresenta este trabalho:

O período da abertura política no Brasil (1974-1985) foi marcado, no campo da edição de livros, pelo surgimento ou revitalização de “editoras de oposição”, ou seja, editoras com perfil nitidamente político e ideológico de oposição ao governo ditatorial. Compunham um universo que englobava desde editoras já estabelecidas, como Civilização Brasileira, Brasiliense, Vozes e Paz e Terra, até as surgidas naquele período, como Alfa-Ômega, Global, Codecri, Brasil Debates, Ciências Humanas, Kairós, Livramento, Vega, entre outras. Algumas destas editoras mantinham vínculos estreitos com partidos ou grupos políticos oposicionistas, caracterizando-se como editoras de oposição engajadas; outras não estabeleciam vinculações políticas orgânicas ou explícitas mas, por seu perfil e linha editorial, representaram iniciativas políticas de oposição.

Imagem1

Livros contra a ditadura apresenta um quadro geral do surgimento e da atuação das editoras de oposição no Brasil nesse período, analisando o papel político e cultural que tiveram. Além disso, traz estudos de caso de três pequenas editoras de oposição engajadas, a Editora e Livraria Ciências Humanas, a Kairós Livraria e Editora e a Editora Brasil Debates, mostrando como elas se organizavam, as implicações que suas vinculações políticas e ideológicas tinham em seu projeto e como as questões econômicas limitaram ou influenciaram a sua linha editorial.

Leave a Reply