TORMENTO DO IDEAL, de ANTERO DE QUENTAL

Imagem1

 

1842 - 1891
1842 – 1891

 

Conheci a Beleza que não morre

E fiquei triste. Como quem da serra

Mais alta que haja, olhando aos pés a terra

E o mar, vê tudo, a maior nau ou torre,

 

Minguar, fundir-se sob a luz que jorre;

Assim eu vi o mundo e o que ele encerra

Perder a cor, bem como a nuvem que erra

Ao pôr do sol e sobre o mar discorre.

 

Pedindo à forma, em vão, a ideia pura,

Tropeço, em sombras, na matéria dura,

E encontro a imperfeição de quanto existe.

 

Recebi o baptismo dos poetas,

E assentado entre as formas incompletas

Para sempre fiquei pálido e triste. 

 

 

Este admirável soneto de Antero de Quental já tinha sido incluído no Estrolabio, no Verbarte, a 3 de Julho de 2011, com a nota seguinte:

Fui buscar este poema aos Sonetos Completos de Antero Quental  (1842 – 1891), da Biblioteca Ulisseia de Autores Portugueses, edição de 2002. À Editora Ulisseia e a Ana Maria Almeida Martins, autora da magnífica introdução que acompanha a obra, VerbArte apresenta os seus melhores cumprimentos.

Ver http://estrolabio.blogs.sapo.pt/1640635.html

 

Reproduzimos agora o que então foi escrito, acrescentando que Antero nasceu a 18 de Abril de 1842. Daqui a poucos dias completar-se-ão 172 anos sobre essa data. Do mesmo livro, do prefácio de Oliveira Martins, inserimos a seguir algumas linhas, para ajudar a recordar o homem que era o autor do soneto acima:

“Eu não conheço fisionomia mais difícil de desenhar, porque nunca vi natureza mais complexamente bem dotada. Se fosse possível desdobrar um homem, como quem desdobra os fios de um cabo, Antero de Quental dava alma para uma família inteira. É sabidamente um poeta na mais elevada expressão da palavra; mas ao mesmo tempo é a inteligência mais crítica, o instinto mais prático, a sagacidade mais lúcida, que eu conheço. É um poeta que sente, mas é um raciocínio que pensa. Pensa o que sente; sente o que pensa.”

Leave a Reply