EM CADA 2 MINUTOS UMA CRIANÇA É DADA COMO DESAPARECIDA NA UNIÃO EUROPEIA por Clara Castilho

A cada 2 minutos na União Europeia uma criança é dada como desaparecida. Umas fugiram porque foram negligenciadas, maltratadas ou abusas nas suas casas ou nas instituições onde tinham sido colocadas. Outras porque foram levadas por um dos pais, sem consentimento do outro. Existem ainda as situações das crianças perdidas e das crianças migrantes não acompanhadas. E a das crianças raptadas.

A Associação Portuguesa de Crianças Desaparecidas (APCD) refere que,  em 2013, foram participadas 1634 situações de crianças e O Instituto de Apoio à Criança (IAC) registou mais sete casos de crianças desaparecidas entre 2012 e 2013.

children-20090523220518-300x273

As pesquisas mostram que as primeiras horas que se seguem ao desaparecimento são vitais. Assim, foi criado um Número Europeu único para as Crianças Desaparecidas 116 000, que em Portugal foi atribuído ao Instituto de Apoio à Criança.

Este ano a Missing Children Europe (Federação Europeia contra o Desaparecimento e Exploração Sexual de Crianças), que o IAC integra, organiza a campanhaThunderclap.

O propósito da data é encorajar a população e a comunicação social a reflectir sobre todas as crianças que foram dadas como desaparecidas na Europa e no Mundo e levar as autoridades a reflectir na prevenção, nas estratégias a implementar em colaboração com as entidades responsáveis pela Educação, pela Justiça e pela Segurança.

Uma das iniciativas partilhadas entre parceiros da Federação é a utilização de um mesmo símbolo: a flor de miosótis, popularmente conhecida por “não me esqueças” ou “forget me not”. Este símbolo foi adoptado pela maioria dos países parceiros (excepto Dinamarca, Hungria, Irlanda e, Reino Unido, onde assume a luta pelos doentes de Alzeimer) e toma lugar nas diversas iniciativas de sensibilização junto de toda a sociedade.

 As associações membros da Missing Children da Europa, que detêm a linha telefónica responderam a  630,476 chamadas no ano de 2013. No entanto só 13% dos cidadãos europeus tem conhecimento deste serviço.

 

 

Leave a Reply