POESIA AO AMANHECER – 450 – por Manuel Simões

poesiaamanhecer

                                               REYNALDO VALINHO ALVAREZ

                                                           (1931)

 

            ESTRANGEIRO

 

            Sou estrangeiro em todos os lugares.

            Inútil procurar-te, aldeia minha.

            Subo de escada todos os andares,

            com a fria espada a acutilar-me a espinha.

            

            Não sou daqui nem sou de lá. Perdi-me

            na indecisão de becos e de esquinas.

            Como o pardal diante do gato, vi-me

            apanhado por garras assassinas.

  

          Os mapas pendurados nas paredes

            riem de mim como insensíveis redes,

            rasgando os peixes que não fogem mais.

           Prenderam-me entre muros que abomino

            e toda a noite entoam-me seu hino

           de insultos, gritos e ódios triunfais.

 

            (de “Galope do Tempo”)

Poeta bilingue, dada a sua origem espanhola e portuguesa. Entre os seus livros de poesia recordam-se: “Cidade em Grito” (1973), “O solitário gesto de viver” (1980), “O Continente e a Ilha” (1995), “Galope do Tempo” (1997), “El sol en las entrañas” (Salamanca/Rio de Janeiro, 2004), “Lavradio” (2004).

451

Leave a Reply