SÃO AS PEQUENAS COISAS QUE CONTAM AO FIM DO DIA? por Clara Castilho

Se alguém começar a desenhar corações no passeio, também o fará? Acha uma parvoíce? Acha que são doidos? Acha que não tem nada a ver com isso e passa ao largo? Pergunta-se para quê?

 random-acts-of-kindness-via-the-love-carpet

Ou acha piada e vai na onda?

Será que só devemos fazer coisas acertadinhas e com uma finalidade concreta? Ou podemos (e devemos) rir, compartilhar emoções e carregar energias para enfrentar o que corre mesmo bem?

O projecto Karakor considera que podemos espalhar o amor. E anda fazendo-o por várias cidades do mundo, de uma forma simples e divertida, com espírito de comunidade, de solidariedade, de partilha e de entre-ajuda, meditando sobre o amor incondicional. Afinal de contas, são as pequenas coisas que contam no fim do dia. E desafia-nos a fazermos o mesmo.

Utopia? Creio que sim. O que não quer dizer que não sejam momentos bem passados. Mas que, depois que de se fazer coraçõezinhos no chão se fique mais “bonzinho” e sensível ao próximo, não acredito.

 

Leave a Reply