NESTE DIA… EM 13 DE SETEMBRO DE 1885, NASCEU O ESCRITOR AQUILINO RIBEIRO

nestedia1

Aquilino Ribeiro é uma referência inquestionável da literatura portuguesa contemporânea.

Foi a 13 de Setembro de 1885, em Carregal de Tabosa, concelho de Sernacelhe, que nasceu Aquilino Gomes Ribeiro.

Depois de estudar filosofia e teologia, foi expulso por insubordinação. Em 1906 veio para a capital iniciando a sua vida de escritor e jornalista. Um ano mais tarde aderiu à Carbonária, facto que levou à sua prisão, de onde se evadiu em 1908, tendo-se depois refugiado em Paris. Voltou ao país após a proclamação da República. Regressou a França para continuar os estudos. Em 1923 publicou o seu primeiro livro:  Jardim das Tormentas.

Aquilino_Ribeiro_1936

Abel Manta

Com o eclodir da I Grande Guerra regressou a Portugal com a mulher e o filho, dando aulas no Liceu Camões, em Lisboa, durante três anos.

A partir de 1918, a publicação dos seus livros foi sempre permanente, tendo publicado em vida 69 livros distribuídos por áreas tão diversas como a ficção, jornalismo, crónica, memórias, ensaio, estudos de etnologia e história, biografias, crítica literária, teatro, literatura infantil.

Nunca satisfeito com o que via à sua volta, com o sofrimento do povo, que tão bem retrata nas suas obras, em 1927 voltou a envolver-se numa conspiração política, tendo, como resultado de se refugiar de novo em Paris. De regresso a Portugal, em 1928: aderiu ao movimento militar do Regimento de Pinhel. Como o programado não se conseguiu, foi preso no presídio do Fontelo, em Viseu de onde conseguir fugir. De novo Paris, o outro polo da sua vida. Foi julgado e condenado à revelia em Portugal. A Galiza, foi depois onde se instalou. Em 1932 foi amnistiado e veio viver para Lisboa.

Foi, mais tarde, conservador da Biblioteca Nacional e co-fundador da revista Seara Nova.

15040883_LRVzI

CENSURA – RELATÓRIO Nº 6282 (7 DE FEVEREIRO DE 1959)  RELATIVO A “QUANDO OS LOBOS UIVAM” DE AQUILINO RIBEIRO, no blogue Ephemera – Biblioteca e Arquivo de José Pacheco Pereira.

 Com base no relatório, lê-se, foram tomas das seguintes decisões: « 1) Não autorizada a reedição;    2) Não permitidas críticas em imprensa;    3) Apreender os poucos exemplares que, possivelmente, existam (…)»

 No domínio específico da literatura infantil, Aquilino Ribeiro deixou dois livros especiais pelo significado da sua ligação à família: escritos para seus dois filhos e para a primeira neta. O sentido de humor, a capacidade de percepção do que interessa às crianças, a liberdade das personagens, são elementos que captam, mesmo os leitores mais jovens.

Também fez a adaptação para os jovens da Peregrinação, de Fernão Mendes Pinto.

Em 1985 comemorou-se o centenário do seu nascimento. Na casa onde nasceu foi descerrada uma lápide e realizou-se um ciclo de conferências sobre a sua obra na Biblioteca Nacional, acompanhada por uma exposição biobibliográfica. Em 1986 foi criado em Viseu o Centro de Estudos Aquilino Ribeiro. Em 2007 foi decidida a trasladação dos restos mortais de Aquilino para o Panteão Nacional de Santa Engrácia.

Leave a Reply