PORQUE É QUE O DÉFICE ESTRUTURAL NÃO EXISTE, por JOHN WEEKS

Temaseconomia1

Selecção e tradução de Júlio Marques Mota

John Weeks - IIPorque é que o Défice Estrutural   não existe

John Weeks, Why The Structural Deficit Does Not Exist

Social Europe, 5 de Dezembro de 2014

 

Deficit Politics

Há poucos dias o governo italiano opôs-se à maneira como os reputados  tecnocratas na Comissão Europeia calcularam o  défice  “estrutural do seu país”. Para todos, mas sobretudo para os poucos  familiarizados com os meandros intrincados dos critérios de Maastricht, o Six-Pack e o Two-Pack, a objecção na melhor das hipóteses pode parecer esotérica. No entanto, esta objecção tem  força para se tornar um desafio em face da estratégia e das tácticas utilizadas  pela Comissão Europeia para impor a sua má gestão da zona euro. Esta péssima gestão da crise  assegurou que os países membros, vistos em conjunto, mostrassem um desempenho económico post-2008 bem pior do que o dos  Estados Unidos ou até mesmo  que o da Inglaterra   deprimida pela austeridade.

john weeks - itália - I

Análise da evolução do PIB a partir do valor de pico de 2008, para a Inglaterra, Estados Unidos e Inglaterra. Como é evidente no gráfico o PIB da zona Euro fica ainda dois pontos abaixo do valor de pico de 2008.*

Um pouco escondido e sem risco  fora do campo de  uma análise profunda do Pacto de Estabilidade e Crescimento   está o conceito de “défice estrutural” e o problema de como o calcular.  O perigo de vaguear por estas  águas é indicado pela definição oficial, “o saldo orçamental líquido da componente cíclica e com exclusão de outras medidas temporárias.”

Esta frase não ganha nenhum prémio pela sua  clareza ou pela sua  precisão. É óbvio que a definição se refere a uma medida conceptual que não pode ser observada. Em segundo lugar, este défice estrutural pretende omitir “medidas extraordinárias e outras medidas temporárias”. A recapitalização (o resgate)  dos bancos privados  pelo  governo (“salvamentos”) nos primeiros dias da crise financeira global de 2008 parece ser  uma candidata  óbvia a ser considerada uma medida extraordinária.

O governo espanhol passou de uma situação de excedente orçamental global relativamente ao PIB de 2% em 2007 para um défice de 11% em 2009, e mais de metade deste  aumento representou fundos para a ajuda do resgate dos bancos. Os tecnocratas da  Comissão (ou os seus chefes políticos) não irão considerar o resgate dos bancos  comerciais como temporária ou extraordinária, “one-off”  (discutido no capítulo 9 do meu novo livro). Como resultado,  o governo em Madrid encontrou-se a  enfrentar as exigências de  Bruxelas para efectuar fortes  reduções da despesa pública  (bem como a taxa de juro a disparar por efeito da forte especulação sobre os títulos da dívida pública).

Não-existência do défice estrutural

Mas o problema real aparece com a referência a excluir a componente “cíclica” do orçamento público. Um economista ou um  não-economista literalmente preocupado pode saltar para a conclusão imprudente de que o  ajustamento  para a componente cíclica exige que se eliminem os gastos  com os aumentos dos pagamentos a trabalhadores  que recentemente ficaram  desempregados.

O declínio no ciclo económico significa uma queda absoluta ou relativa no PIB, o que leva a um aumento do desemprego  e isto,  por sua vez,  aumenta o  pagamento de subsídios  para os desempregados. Enquanto essa lógica pode parecer óbvia e correcta, esta  não é aceite  em Bruxelas. A sua “componente cíclica” não faz nenhum ajustamento  para as despesas ligadas à perda de empregos, o  que talvez revele o ponto de vista da Comissão de que os desempregados são uns  irresponsáveis preguiçosos e  não as vítimas de flutuações económicas conjunturais.

De acordo com as regras da Comissão Europeia,  o ajustamento  cíclico envolve o cálculo do que seria o saldo orçamental, qualquer que seja o movimento da economia em análise, quando  a economia está ao nível do pleno-emprego.  Por exemplo, em 2010, a taxa de desemprego italiano foi de 8,9% da força de trabalho activa, e o saldo orçamental global foi de um défice  de 4,9% do PIB. O cálculo  do “défice estrutural” exige que se estime  qual teria sido o saldo se  a economia italiana  tivesse produzido o suficiente para se situar ao nível do pleno emprego.

A resposta quantificada para este cálculo hipotético acaba por ser um défice de  2,2% do PIB (o lugar mais fácil para utilizar estes números não é a fonte da  EU , Eurostat, mas a OCDE). Este défice de  2.2% pode parece  bom  para os não-iniciados nestas matérias, se não houvesse outro motivo do que está estar abaixo do critério de convergência de Maastricht de  défice de 3% (ver link acima). Não tão rápido, porque o Pacto Fiscal define uma regra diferente para “défices estruturais”, nomeadamente  menos -0,5% (se o leitor  tiver o seguinte este raciocínio não se preocupe, porque, confundir o leigo faz  parte do exercício).

A mensagem central desta história longa e maçadora é que em 2010 as regras orçamentais  da UE exigiam ao  governo italiano para implementar cortes na  despesa  e aumento nos  impostos para levar a que o  seu défice “estrutural”  descesse o,5 do valor de 2,2  (se realmente quer saber porque é isto é maçador veja  a “explicação” em 24 Ore).

Para voltarmos  ao ponto de partida, o argumento hoje em discussão entre a Comissão Europeia e o governo italiano  tem a ver com a fórmula de cálculo do “défice estrutural” do país para 2014. A Comissão diz que o “défice estrutural” é  muito alto, exigindo cortes, e o governo diz que o cálculo está errado porque a CE tem uma estimativa do valor da produção (PIB)  em  pleno emprego que é muito baixo. Uma vez que  o PIB é o denominador do cálculo   do “défice estrutural”, um número menor significa um défice relativamente mais elevado.

john weeks - itália - II

O governo italiano de Matteo Renzi questiona o método de cálculo utilizado pela União Europeia para determinar o défice estrutural da Comissão Europeia.

Continuo a  colocar o défice estrutural entre aspas porque não este não é simplesmente  hipotético, é hiper-absurdo. Esta medida é, na prática, a cobertura ideológica para que a União Europeia exija  que os governos dos Estados membros implementem  a má economia de  continuamente estarem a procurar obter  um saldo orçamental nulo  fiscal (” orçamento equilibrado “).

A natureza flagrantemente ideológica dos “défices estruturais”   resulta das  suas três falhas básicas: 1) arbitrariedade na definição de quais são as medidas extraordinárias e temporárias no cálculo do défice;  2) subjectividade no cálculo contrafactual do emprego máximo e 3) irrelevância do cálculo, mesmo se foram encontradas soluções para as outras duas falhas. Expliquei o primeiro, vamos então  directos  para o segundo.

Um ajustamento  cíclico requer uma estimativa de  pico do PIB, o que eu chamo de emprego máximo no PIB porque este tem  um significado bem mais claro. Emprego máximo não significa que o desemprego seja zero. Por exemplo, as pessoas registam-se receberem subsídios de desemprego quando eles estão entre empregos, conhecido como o desemprego friccional, e outros não podem encontrar postos de trabalho  porque eles não possuem as habilitações  necessárias, o que é denominado desemprego estrutural.

Depois de subtrair estas duas  componentes, a diferença entre o nível observado de emprego e emprego máximo é, por definição, o desemprego cíclico. Uma medida exacta e não-ideológica desta diferença  de emprego é impossível.

Talvez o problema mais óbvio seja o de  medir o número de pessoas disponíveis para e dispostos a aceitar empregos e que estavam disponíveis para mais trabalho aos  níveis da  remuneração vigente. Os estatísticos da Comissão  evitam  esse problema, invocando a ideologicamente carregada “taxa natural de desemprego”, cujo viés político é referenciado  pela palavra “natural” e pelo seu apelido, “Taxa natural de desemprego que não acelera a taxa de inflação ” (NAIRU).

Para a Comissão Europeia a economia de um qualquer Estado membro excedeu o máximo de emprego se a taxa de inflação não é estável — e estável em ou abaixo de 2%. Uma visita ao site do Banco Central Europeu leva a que se fique a saber  que o BCE encara esta taxa como equivalente a nenhuma mudança no nível de preços (os 2,5% não incorpora ajustamentos  para melhoria da qualidade e introdução de novos produtos). Para colocar a questão de modo mais simples, qualquer aumento de preços para além de  2% diz a Comissão que se trata de um país membro que atingiu o máximo emprego independentemente de  qual seria a taxa de desemprego medida.

Idolatria e Ideologia sobre os Orçamentos equilibrados

Alcançar o objectivo impalpável  “do défice  estrutural” exige 1) aceitar  a medida duvidosa e inerentemente defeituosa do emprego máximo, 2) converter  essa medida no PIB máximo  3) estimar as receitas públicas  que a estrutura de imposto poderia gerar a partir desse PIB hipotético, e 4) calcular  as despesas públicas para esse mesmo nível do PIB.

Pretender que estes cálculos seriam exactos à décima de  um ponto percentual como se infere com um objectivo de  défice  de 0,5% é assim  tão obviamente absurdo que raia mesmo a falsidade. O governo italiano deve objectar face à Comissão a falsidade que é o défice  estrutural. A objecção não deve ser a de como é que este é medido   mas sim sobre o próprio conceito que é puramente ideológico.

About John Weeks

John Weeks is an economist and Professor Emeritus at SOAS, University of London. John received his PhD in economics from the University of Michigan, Ann Arbor, in 1969. He is author of a new book entitled ‘Economics of the 1%: How mainstream economics serves the rich, obscures reality and distorts policy’ (Anthem).

Ver o original e outro texto de John Weeks sobre o mesmo assunto:

John Weeks, Why The Structural Deficit Does Not Exist, 05/12/2014 e uma versão modificada deste texto com o titulo Italy Objects: The EU and the Ideology of Deficits. Os textos estão disponíveis respectivamente em :

http://www.social-europe.eu/2014/12/structural-deficit/

http://www.huffingtonpost.com/johnweeks/italy-objects-the-eu-and-_b_6270032.html

*Este gráfico é do texto referido acima em segundo lugar.

About joaompmachado

Nome completo: João Manuel Pacheco Machado

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: