A ALEMANHA, O SEU PAPEL NOS DESEQUILÍBRIOS DA ECONOMIA REAL- O OUTRO LADO DA CRISE DE QUE NÃO SE FALA UMA ANÁLISE ASSENTE NA DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO[1] – V – SERÁ A ALEMANHA O MODELO PARA UMA SAÍDA DA CRISE ATRAVÉS DAS EXPORTAÇÕES: UMA ANÁLISE DESMISTIFICADORA – por ONUBRE EINZ – 3

Temaseconomia1

Selecção e tradução por Júlio Marques Mota

Alemanha 220px-De-map

 

A Alemanha, o seu papel nos desequilíbrios da economia real- o outro lado da crise de que não se fala

Uma análise assente na divisão internacional do trabalho[1]

Uma colecção de artigos de Onubre Einz.

V – Será a Alemanha  o modelo para uma saída da crise através das exportações: uma análise desmistificadora.

 Onubre Einz, L’Allemagne est-elle le modèle d’une sortie de crise par les exportations: Une analyse démythificatrice 

Criseusa.blog.lemonde.fr., 23 de Maio de 2013

(CONTINUAÇÃO)

B – As performances alemãs por continentes

A análise das performances comerciais por subconjuntos geográficos continentais tende a enfraquecer significativamente a ideia de que a Alemanha encontrou na exportação um motor alternativo a um crescimento económico europeu em dificuldade.

1.º As performances comerciais por grandes regiões do continente americano

Onubre Einz - XLVI

Primeira constatação é a de que as exportações para o continente americano tiveram inicialmente um aumento no peso do comércio americano até 2004. Pode-se dificilmente ver nisso uma prova do sucesso do modelo alemão, mas sim o resultado de um mau desempenho da economia americana que fez da desindustrialização nacional um dos motores de crescimento das importações de bens e de capitais. Nós falamos a este respeito de um sucesso obtido numa economia em fragilidade.

O recente declínio dos EUA não indica um avanço marcado da América Latina, região emergente se assim se pode dizer. Na região mais dinâmica da América Latina, a América do Sul, as exportações alemãs não conseguiram um sucesso espectacular. Estas exportações tiveram um comportamento variável e tanto assim que tiveram a mesma importância em 2010 que em 1995. As evoluções no comércio com a América do Sul aparecem mal correlacionadas com as reformas de Schroeder.

É uma pena para a Alemanha que o progresso mais notável se tenha verificado com a parte menos dinâmica da América Latina: a América Central. A Alemanha tem muitos produtos para vender aos países emergentes, devido à estrutura de suas exportações, assunto a que voltaremos, mas não há uma correlação sólida e robusta entre a dinâmica das regiões e um forte avanço das exportações alemãs que tirem partido do crescimento económico dos países emergentes. Parece que quanto mais o crescimento de uma região é dinâmico, menos a penetração alemã é elevada. As regiões dinâmicas assemelham-se a ventres duros para o comércio alemão.

Onubre Einz - XLVII

O exame do saldo da balança comercial confirma e acentua a análise precedente. O saldo da balança comercial é dominado pelo peso crescente da América do Norte (leia-se os Estados Unidos) que não deixou de se afirmar desde os anos 1990 à medida que os défices comerciais americanos aumentavam. O saldo comercial da Alemanha é ou negativo ou ligeiramente positivo com a América do Sul desde os anos 2000. É o inverso com a América central. A Alemanha não mostra de novo uma real penetração na parte mais dinâmica do continente americano se for tida em conta a sua balança comercial. Reencontra-se pois outra vez o ventre duro e macio.

É necessário por conseguinte referir que as performances alemãs na América enfraquecem muito a ideia que se tem quanto à Alemanha estar a conseguir ter muitos proveitos nos mercados emergentes. A Alemanha regista resultados mais modestos do que o que parece num continente considerado em crescimento. A tese de uma economia alemã mundializada a tirar bem as castanhas do fogo aumentando o comércio com as partes dinâmicas do continente americano não resiste à análise. A Alemanha tem com a América um volume de comércio e excedentes tanto mais fortes quanto os seus parceiros renunciam a ser economias produtivas — é o caso dos EUA — ou são pouco dinâmicos — é o caso da América Central. A Alemanha em contrapartida aproveita-se menos das regiões do continente que se distinguem por fortes crescimentos — é o caso da América do Sul.

(continua)

________

[1] O título dado à  colecção é da responsabilidade do tradutor.

________

Ver o original em:

http://criseusa.blog.lemonde.fr/2013/05/23/lallemagne-est-elle-le-modele-dune-sortie-de-crise-par-les-exportations-une-analyse-demythificatrice/

________

Para ler a Parte 2 de Será a Alemanha  o modelo para uma saída da crise através das exportações: uma análise desmistificadora, de Onubre Einz, publicada ontem em A Viagem dos Argonautas, vá a:

A ALEMANHA, O SEU PAPEL NOS DESEQUILÍBRIOS DA ECONOMIA REAL- O OUTRO LADO DA CRISE DE QUE NÃO SE FALA UMA ANÁLISE ASSENTE NA DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO[1] – V – SERÁ A ALEMANHA O MODELO PARA UMA SAÍDA DA CRISE ATRAVÉS DAS EXPORTAÇÕES: UMA ANÁLISE DESMISTIFICADORA – por ONUBRE EINZ – 2

1 Comment

Leave a Reply