DIA DA GALIZA. “É a sociedade mas não só” – Valentim R. Fagim*

*(Valentim R. Fagim é Professor de Português de E.O.I.,  escritor, ativista, pesquisador, editor, destaca como divulgador, há anos foi livreiro)

 

– Hello, eu tenho um monte de coisas, mas a Dora e o Botas querem achar alguma coisa que eles possam encher de água para carregar o peixinho vermelho. Eles podem encher isto de água?

-Não (risos) [Trata-se de uma bola]

– Eles podem encher isso de água?

– Não, não, aí não podem [Agora é um coador]

– Não, tem buracos.

– Eles podem encher isto de água?

– Sim, no balde.

– Eles podem encher o balde de água para carregar o peixinho vermelho. Bem pensado.

– Viva!

Esta interação decorre entre a minha filha de 3 anos e a mochila da Dora, a aventureira, uns desenhos animados que formam atualmente um cânone junto da Peppa Pig ou do Ruca (Caillou). A minha filha vê-os na sua versão brasileira ou portuguesa.

Um dos retornos que tem esta prática cultural é que afiança o seu léxico e aprende outro novo, aprimorando a sua expressividade. De facto, ela flutua entre a língua da Dora, português do Brasil, o Ruca, português de Portugal e a de seus pais e amigos e amigas, português da Galiza. Ela escuta uma mesma língua com diferentes melodias e sabores. Para ela, como para outras miúdas e miúdos com as mesma práticas culturais, a unidade da língua é natural. É a sociedade, posteriormente, a que as corrompe.

Se a produtora de Dora, a aventureira, me concedesse a possibilidade de fazer um pequeno guião para uma das aparições da mochila talvez fosse assim:

– Hello. Alguns galegos e galegas desejam que a língua da Galiza ganhe presença e prestígio social. Este mapa dá jeito para conseguir isso?

[Uma flecha marca um mapa da língua galega onde só aparece a Galiza]

– Não, assim não dá, é claro. Podem conseguir com isto?

[E a flecha marca agora as normas Ilg-Rag, as que vigoram institucionalmente na Galiza]

– Ha, há, com certeza que não. Era brincadeira.

Depois poderia aparecer a Dora para concluir:

– Para a língua galega, que também é a minha, ganhar prestígio e presença social na Galiza, apenas é preciso rasgar o guião, aquele que se construiu sobre as suas limitações e tu, tu e tu podes começar já agora, sem esperar por ninguém.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: