FALEMOS DE PALMIRA, FALEMOS DE CIVILIZAÇÃO – PALMIRA: A NOSSA VERGONHA! – Para não ajudar Assad sacrifica-se Palmira – por JEAN BONNEVEY

Palmyre_ruines

Selecção e tradução de Júlio Marques Mota

palmyre_Carte_Syrie

Falemos de Palmira, falemos de civilização

PALMIRA: A NOSSA VERGONHA!

Para não  ajudar Assad  sacrifica-se Palmira

logo_banniere

Jean Bonnevey, PALMYRE: HONTE A VOUS ! Pour ne pas aider Assad, on a sacrifié Palmyre

Revista metamag.fr,, 24 de Maio de 2015

Poder-se-ia ter parado com os maometanos fanáticos do Exército Islâmico em Palmira.

Não se fez assim e  por uma  só razão. Era politicamente incorrecto vir ajudar o presidente  Assad. Mas  moralmente mais  inaceitável para os aliados, entre os quais a França, é o abandono aos autores de um verdadeiro genocídio  e saqueadores da cultura de um tesouro mundial. A história, se não for escrita unilateralmente, julgará esta atitude.

Assad deixou à coligação a sua escolha.  Ele abandonou Palmira sem  combater. Alguns alegram-se com o facto porque na opinião deles este mesmo facto é  um sinal do desmoronamento do regime de Damasco. Um desmoronamento que seria catastrófico e entregaria a Síria aos nossos piores inimigos. O Irão, contudo, não o deixaria fazer. Os Iranianos são no momento os nossos aliados  como a Rússia a quem foi solicitada ajuda por Bagdad.  Nós estamos, europeus, actualmente aos lados daqueles  que, de Washington à Riade, gritam contra  Daech (Estado Islâmico)   e preferem finalmente a sua vitória à sobrevivência do arco chiita.

Palmira vai pagar o preço disto.

Os djihadistes entraram no mesmo dia no museu, “quebraram as réplicas feitas em gesso  que representavam pessoas que viveram há  100.000 anos e voltaram na sexta-feira, fecharam as  portas e puseram guardas nas portas”, indicou  Maamoun Abdelkarim aquando de uma conferência de imprensa em Damasco, afirmando  ter obtido  estas informações de habitantes de Palmira.   Sublinhou que “não restava quase nada no  museu”, situado na cidade fora  do sítio arqueológico.

“Enviamos progressivamente  peças antigas para Damasco, mas há peças que são enormes como os sarcófagos (à entrada do museu) que pesam 3 a 4 toneladas e que não somos capazes de as movimentar.  É isso que nos inquieta “, disse ele  em referência   aos sarcófagos em alto  relevo romano-bizantino  que representam  geralmente um chefe de família, a sua mulher e as suas crianças

Maamoun Abdelkarim desejou que a comunidade internacional “desse o seu apoio para  salvar ”Palmira”. Vamos reflectir sobre medidas a tomar  para os impedir  de  destruir o  património cultural  sírio”, acrescentou.  Que se pode dizer mais? E que vão dizer os democratas, defensores autoproclamados das  civilizações contra a barbárie?

Eles preferem ao tirano que tolera as igrejas  os islamitas  que queimam os cristãos… Más escolhas políticas e deslealdade moral !

Jean Bonnevey, Revista Metamag, PALMYRE : HONTE A VOUS ! Pour ne pas aider Assad, on a sacrifié Palmyre. Texto disponível em:

http://www.metamag.fr/metamag-2938-PALMYRE–HONTE-A-VOUS-.html

Leave a Reply