24. Caderno de notas de um etnólogo na Grécia -8 Julho- Eurotismo esfusiante II

Falareconomia1

Selecção e tradução de Júlio Marques Mota

Revisão Flávio Nunes

(Conclusão)

 

A Grécia alimenta-se do seu sol, das suas reservas… e do seu “NÃO”. Por conseguinte o moral é muito bom, e principalmente desde domingo à noite. As incertezas no entanto permanecem . Não sabemos (quarta-feira à noite 7 de Julho), qual será (ou não será), o acordo entre a Grécia e… o Eurocontrol. Saboreemos em contrapartida estes tão belos e árduos momentos onde o nosso país está suspenso (sem “programa de ajuda”).

Original File Name: 2015070620.jpg
Turistas, Atenas, no dia 6 de Julho

Os nossos turistas compram chapéus para se protegerem do sol. “Que belo dia esta quarta-feira 8 de Julho, fizemos do problema da Grécia e da UE, uma questão mundial. O voto grego terminará por os engolir a todos. O catalisador grego provoca já radicalizações na Espanha e a Itália. Finalmente, pouco importa o que gritam os satélites da Alemanha, países Bálticos e outros neoliberais a todo o custo. Deveríamos mudar de povo aqui e decidir diferentemente, substituir os Gregos pelos Letões e seguidamente reorganizar o referendo! ”, grita ao micro da rádio 105,5 Costas Arvanítis (quarta-feira 8 de Julho).

Os bancos, sempre fechados, certas agências contudo reabriram para pagar uma segunda fracção, pequena, de 120 euros aos reformados. “Na semana próxima, as reformas serão pagas integralmente, haja acordo ou não com as instituições” anuncia o ministério das Finanças. Em cupões de compras?

Os partidos sistémicos (Nova Democracia, PASOK, o Rio), aos olhos dos Gregos são largamente assimilados aos Quisling já avariados do século XXI e estão já desorientados. A sua base sociológica festeja também o “NÃO” nas ruas. “Nunca votei à esquerda na minha vida mas esta vez juntei-me ao ‘ NÃO’. Bravo Tsípras. Demonstrou o que a política significa ainda. É muito duro mas, aí está, que todo o planeta compreenda, a partir de agora, que o problema não é a Grécia mas a Europa”, discussão entre dois homens no metro ateniense segunda-feira 6 de Julho, quadros (em licenças parciais) do ramo bancário, suspenso.

Original File Name: 2015070627.jpg
Égine, no dia 7 deJulho

 

Original File Name: 2015070628.jpg
OUI à l’Europe. Égine, le 7 juillet

Terça-feira (7 de Julho), acompanhei o meu amigo (e parceiro do projeto Greece Terra Incognita) Vardís, em Égine. Os seus clientes do dia, são quadros dirigentes de uma muito grande empresa (sucursal na Grécia) que lhes ofereceu esta saída ao mar, uma empresa não atingida pela crise .

Neles ainda, este mesmo sentimento largamente partilhado quanto ao génio (sic) político de Alexis Tsípras, da dignidade reencontrada e da internacionalização “do problema grego”. “Ninguém o tinha feito antes dele e antes de SYRIZA; tire-se-lhe o chapéu, Samaras e os outros estão definitivamente acabados, os seus partidos devem encontrar outro pessoal político. Os meios de comunicação social em que mais ninguém acredita, fizeram todos uma parada dos pregadores do “ SIM”, os cadáveres políticos do Mitsotakis, de Karamanlis, de Simítis, todos os montes de lixo humano sobre os quais o povo doravante cospe para cima ”.

Original File Name: 2015070630.jpg
No mar, a 7 de Julho de 2015.

Estes quadros, note-se, não fazem parte da Sociologia, nem da cultura da Esquerda, não são também não críticos no que diz respeito à UE e do seu … “Eurotismo” esfusiante , apenas se juntam (mesmo que apenas parcialmente) no mesmo sobressalto da dignidade (tão nacional) que…os marxistas de SYRIZA provocaram!

Nas antípodas, os portadores políticos e económicos do sistema não retornam. Captei uma tal discussão a bordo de um enorme iate na marina do regresso (Alimos). O homem que fuma o seu charuto estava fora de si : “ Estes porcos de SYRIZA, querem fazer-nos regressar aos anos de 1920”, que raio de aproximação.

 

Original File Name: 2015070625.jpg
Estátua de Péricles . Atenas, 6 de Julho

 

Original File Name: 2015070619.jpg
Morada de um sem-abrigo . Atenas, 6 de Julho

Politicamente falando, Alexis Tsípras (de momento) pulverizou os planos da sua destituição, que a camarilha europeísta e Vichista de Atenas tinham publicitado há a uma semana atrás … de todas as maneiras e feitios. A … terra não mentiria, os povos também não (às vezes). O nosso momento e o dos outros povos fechados na UE é, enfim, histórico. As elites tremem e então conspiram.

Os meus amigos da ala esquerda no Comité Central de SYRIZA, consideram que uma vitória “de NÃO” a 53% teria feito melhor à direcção do partido e do governo. A direcção de SYRIZA teria assim podido “vender melhor” um compromisso que não dinamitaria (ainda) o que resta da sociedade, preservando ao mesmo tempo o quadro europeísta.

Já não é bem assim, apesar do sentimento expresso pelos meus amigos da rádio 105,5 na quarta-feira 8 de Julho: “Encaminhar-nos-emos para um acordo que não viole a decisão do povo grego, um acordo provisório que prolonga o programa grego de alguns meses, antes de colocar, enfim, o problema europeu sobre a mesa das negociações, a situação na Itália é por exemplo explosiva sabendo que os marionetes que governam ao Sul da Europa cairão cedo. Falta ainda compreender todo o sentido da implicação do Presidente da França. Permanecerá na história por ter sido o Presidente… derrubado das cambalhotas amorosas ou senão por ter encarnado uma outra coisa?” (Costas Arvanítis, citado de memória). Esperemos um pouco.

Original File Name: 2015070618.jpg
Comerciante de têxtil, Atenas, no dia 6 de Julho

As elites da … grande Alemanha e do nazismo azul (europeista), seguidos dos portadores do novo retrovírus político na Europa, esta mutação entre… Waffen SS , Vichismo e hipérbole do neoliberalismo (elites dos Países Bálticos, e um certo Eurocentro) poderiam forçar o saltar da rolha . Então GREXIT e “punição” para os Gregos antes que os outros povos protestem ( mesmo os alemães ). Pessoalmente, acredito (e temo) que um “compromisso” seja mais provável.

A política da Troika (a que a casta política europeísta impõe por toda a parte por pequenos ou grandes passos)… dotou a Grécia de dois milhões de desempregados, de 25.000 mortes ( entre os quais 10.000 por suicídio), da pauperização de 3,5 milhões de Gregos, uma queda do PIB de 30% e do desaparecimento de 40% das pequenas e médias empresas. É nisso que o “ NÃO” grego é também um grito da vida contra a morte e contra o neocolonialismo de uma boa parte da Europa, iniciado pelas elites de Berlim e mais largamente pelas elites da mundialização. Daí esta aporia, esta dificuldade, que pode engolir a classe política ( e dos negócios) em França. Esta deve tanto uma resposta clara aos Franceses, e sobre isto, devem-na desde o outro referendo (2005).

 

Original File Name: 2015070624.jpg
Place de la Constitution, le 6 juillet

Manólis Glézos põe então a última e a única pergunta, entrevistado por Costas Arvanítis (105,5 a 8 de Julho). “A democracia é ela compatível com as instituições da UE? Os povos da Europa estão aos lados do povo grego. Então, ousarão anular ou… a traficar este “NÃO” grego? Que querem estas pessoas (Instituições)? A minha proposta é a seguinte: que a Grécia não reembolsa mais nada e que ao mesmo tempo o financiamento da dívida pare também. Depois, alguns meses depois, discutir-se-á. E assim, uma vez que o Parlamento europeu se recusou a qualquer discussão sobre esta questão como sobre a questão das reparações de guerra. Mas trabalhamos mão na mão com os Comités de cidadãos na Alemanha, mesmo na Alemanha, o clima está a mudar”.
“Alexis Tsípras tem razão em retomar a discussão com eles (com a Troika), somente, ele deve exprimir-se em nome do “NÃO” e em nome do povo grego e não diferentemente. Celebramos duas festas nacionais. O dia 25 de Março (1821) e o 28 de Outubro (1940). Outros povos celebram às vezes através das suas festas nacionais mudanças de regime, para nós, as festas nacionais são momentos de grandes decisões, com as quais se iniciaram lutas. As instituições não compreenderam nada da psicologia grega, quanto mais elas ameaçam o povo grego, mais este se arma em determinação” (1940, “NÃO” da Grécia ao ultimato de Mussolini).

Original File Name: 2015070657.jpg
Quotidien des Rédacteurs, juillet 2015

 

Original File Name: 2015070655.jpg
Nós permanecemos na Europa . “Quotidien des Rédacteurs”, Julho de 2015

 

Original File Name: 2015070656.jpg
“Quotidien des Rédacteurs”, juillet 2015

“Os líderes políticos da Grécia, devem regressar domingo à noite de Bruxelas de cabeça levantada, porque saíram de Atenas de cabeça levantada” comentou Costas Arvanítis, “Venceremos, certamente”.

O armistício até ao Outono próximo talvez, para enfim colocar totalmente o problema sobre a mesa das negociações (dívida italiana, espanhola… francesa). A guerra na Europa vai passar à sua fase seguinte. Belo mundo. “Uccellacci e uccellini”. Pássaros, pequenos e gordos!

 

Original File Name: 2015070629.jpg
Golfo de Atenas no dia 7 de Julho

* Foto de cobertura: Em frente de um guichet automático, Atenas no dia 6 de Julho de 2015.

 

Reproduzido do sítio greek crisis

Panagiotis Grigoriou, Carnet de notes d’un ethnologue en Grèce, une analyse sociale journalière de la crise grecque. Texto disponível no site greekcrisis, cujo endereço é : http://www.greekcrisis.fr/

24. Caderno de notas de um etnólogo na Grécia – 8 Julho – Eurotismo esfusiante I

Leave a Reply