LANÇAMENTO DA REVISTA DE FOTOGRAFIA “TEMA”, DESTA VEZ EM PAPEL por clara castilho

Sendo uma iniciativa do MEF – Movimento de Expressão Fotográfica, vai no número 4 mas é a primeira vez que é impressa em papel. Uma novidade e um novo desafio para os organizadores. Foi no dia 15 o seu lançamento, na Livraria Lerdevagar, em Lisboa.

12140199_938856379513969_6263416230047835341_o

REVISTA TEMA (n. 4)
Vários autores
Editado por Movimento de Expressão Fotográfica – €9.50

Sinopse
TEMA é uma revista dedicada à Fotografia Documental, editada pelo Movimento de Expressão Fotográfica. Surge como um projecto editorial no campo fotográfico, aberto a autores portugueses ou de outras nacionalidades, cujo trabalho aborde temas de índole documental. O número 4, bilingue e impresso em papel, é publicado sobre o tema “Recomeçar” e apresenta ensaios fotográficos inéditos sobre os refugiados sírios na Turquia, a revolução de 25 de Abril 1974 em Portugal ou o quotidiano dos imigrantes na Grécia, entre outros. Para além das imagens, a revista apresenta cinco secções, dedicadas a um Fotógrafo, ao Processo de trabalho de outro, a um Livro fotográfico, ao projecto documental na Rede (Instagram) e a história de uma Imagem marcante. São 128 páginas de histórias com imagens e as pessoas que as imaginam.

Neste momento, para ser adquirida será através do site http://www.mef.pt/mef/loja-mef/, estando a ser estudadas outras formas de divulgação.

Reportagem fotográfica de © Luís Rocha MEF

Reportagem fotográfica de © Luís Rocha MEF

Diz-nos no seu site, o MEF: “é uma Associação de Direito Privado sem fins lucrativos que trabalha há cerca de 15 anos na área da imagem, com particular destaque na fotografia, pretendendo promover o gosto pela mesma junto do grande público.

Está envolvido na procura de parcerias com instituições e associações na área da dinamização social de forma a oferecer formação a públicos cujo acesso a oportunidades educacionais possa estar comprometido, como é o caso de pessoas portadoras de deficiências visuais, motoras ou mentais ou pessoas social e/ou economicamente carenciadas.

O MEF é também facilitador de workshops e tertúlias com outros fotógrafos e, nas suas atividades formativas, procura criar condições para que, num contexto inclusivo e de suporte, se estabeleçam diálogos, se gere pensamento crítico, e haja uma partilha construtiva de experiência fotográfica.

Procuramos igualmente servir de plataforma de apoio para que os seus associados desenvolvam competências na área da fotografia e possam usufruir de oportunidades para expor e divulgar os seus trabalhos.

Através das suas iniciativas, o MEF pretende que todos os cidadãos disponham das mesmas oportunidades na utilização da fotografia democratizando o seu acesso e potenciando o seu valor como ferramenta criativa.”

Também no seu blog, chamam a atenção para determinados trabalhos expostos na revista, que foram muito claramente explicados no lançamento por Bruno Miguel Castro.

“O ensaio da grega Tatiana Mavromati. “Lali” é uma visão íntima da imigração georgiana na Grécia, à procura de uma nova vida num dos países em maior dificuldade na Europa.

A secção dedicada ao processo de um fotógrafo, que neste número conta com a partilha de Carlos Muralhas. O autor abriu o livro e conta-nos como trabalha antes e depois de disparar, para uma visão muito própria da fotografia.

O fotógrafo António Castilho que redescobriu alguns rolos perdidos no tempo e partilha a sua visão do PREC, num trabalho resgatado ao esquecimento e que marca também a presença do ensaio fotográfico português na revista.

A secção dedicada ao livro fotográfico com a colaboração da Magda e do Domingos, que apresentam o universo de Stephen Grebinski e o seu invulgar “The Porno Landscapes”.

A visão de Oksana Yushko sobre o massacre de Beslan e dos jovens sobreviventes que, anos depois, celebram a formatura.

Um projecto documental no Instagram, que Cláudia Lomba escreveu para a nova secção “A Rede”. O trabalho de Ian Willms aparece sóbrio e sensível na TEMA.

O ensaio que faz a nova capa da TEMA, “Refugees of Kobane”, e que foi fotografado por Courtnay Robbins Bragagnolo na fronteira da Síria quando a Europa ainda não tinha acordado para o problema e traz-nos o olhar directo da norte-americana.

Mário Cruz, que esteve à conversa com o João Jarego sobre fotografia, a sua carreira e abordagem fotográfica.”

Leave a Reply