REVISTA DA SEMANA por Luís Rocha

revista semana

Revista da semana

De 17/01/ a 23/01/2016

Hoje dia 24 de Janeiro de 2016 é dia de eleições presidenciais em Portugal. Elege-se o 5º Presidente da República (pós 25 de Abril de 1974) por sufrágio directo.

A Constituição da República Portuguesa é a lei suprema do país. Consagra os direitos fundamentais dos cidadãos, os princípios essenciais por que se rege o Estado português e as grandes orientações políticas a que os seus órgãos devem obedecer, estabelecendo também as regras de organização do poder político.

Define a estrutura do Estado, ou seja as funções dos quatro órgãos de soberania (Presidente da República, Assembleia da República, Governo e Tribunais) e dos órgãos de poder político (regiões autónomas e autarquias) e a forma como se relacionam entre si.

Por esta razão o primeiro artigo que publico é sobre as funções do Presidente da República, na sua qualidade de um dos órgãos de soberania, conforme é definido na Constituição:

O Presidente da República é o Chefe de Estado. Assim, nos termos da Constituição, ele “representa a República Portuguesa”, “garante a independência nacional, a unidade do Estado e o regular funcionamento das instituições democráticas” e é o Comandante Supremo das Forças Armadas.

Para além da campanha presidencial, esta semana teve como temas dominantes a apresentação do esboço do orçamento/2016 apresentado pelo governo, as subvenções vitalícias dos políticos, a reposição salarial de 25% na função pública, as propostas do governo até 2019, o anúncio da apresentação da candidatura de Guterres à ONU e o acordo para salário mínimo assinado com todas as confederações patronais.

A nível nacional foi também notícia a morte de duas figuras públicas conhecidas: António de Almeida Santos (1926-2016) e Nuno Teotónio Pereira (1922-2016).

Em Espanha o país continua sem governo nomeado; PSOE e Podemos parecem agora mais perto de rumar a um acordo para governar. A destacar também as notícias relacionadas com os Migrantes, o petróleo, a dita quarta revolução industrial, a economia chinesa e a política e economia em geral, pelos seus reflexos na vida dos países mais pobres e, em particular, dos cidadãos mais desfavorecidos.

Passo agora às notícias da semana:

ARTIGOS PUBLICADOS

1 – O Presidente da República

2 – Ministro das Finanças apresenta plano orçamental para 2016

3 – As subvenções vitalícias dos políticos?

4 – Reposição salarial de 25% na função pública

5 – Acordo para salário mínimo assinado com todas as confederações patronais

6 – Governo apresenta em Fevereiro candidatura de Guterres à ONU

7 – As propostas do Governo até 2019

8 – Fisco vai conseguir aceder à sua conta bancária

9 – Juros a dez anos ultrapassam barreira dos 3%

10 – Retrato: o sector privado em Portugal

11 – Rendas: senhorios com mais de 65 anos com trabalhos acrescidos

12 – Almeida Santos, a Eminência

13 – Nuno Teotónio Pereira: o revolucionário discreto

14 – Vamos ao que interessa

15 – Governo em Espanha

16 – A “4ª revolução industrial” vai destruir 5 milhões de empregos

17- Migrantes

18 – Economia chinesa abranda. Crescimento mais baixo em 25 anos

19 – Mapa: nestes países escondem-se 7 biliões de euros

20 – Ettore Scola, um dos grandes do cinema italiano – morreu aos 84 anos

1 – O PRESIDENTE DA REPÚBLICA – eleições 24 de Janeiro de 2016

O Presidente da República é o Chefe de Estado. Assim, nos termos da Constituição, ele “representa a República Portuguesa”, “garante a independência nacional, a unidade do Estado e o regular funcionamento das instituições democráticas” e é o Comandante Supremo das Forças Armadas.

Como garante do regular funcionamento das instituições democráticas tem como especial incumbência a de, nos termos do juramento que presta no seu acto de posse, “defender, cumprir e fazer cumprir a Constituição da República Portuguesa”.

Ler toda a informação em: http://www.portugal.gov.pt/pt/a-democracia-portuguesa/o-presidente-da-republica/o-presidente-da-republica.aspx

1.1 – Saiba aqui como vai ser o boletim de voto – Económico (22/01/2016)

Domingo é dia de ir às urnas escolher o próximo Presidente da República. Conheça aqui o boletim de voto.

Ler o artigo em: http://economico.sapo.pt/noticias/saiba-aqui-como-vai-ser-o-boletim-de-voto_240479.html

1.2 – Eleições Presidenciais: já sabe onde vai votar? – Económico (22/01/2016)

São várias as formas de saber onde é a sua mesa de voto.

Além da linha de apoio através do número 808206206, os cidadãos podem enviar uma mensagem para o número 3838 (gratuito), neste caso escreva RE seguido de espaço, número de identificação, espaço e a sua data de nascimento, por ano, mês e dia.

Os cidadãos podem também aceder ao Portal do Recenseamento www.recenseamento.mai.gov.pt

ou dirigir-se à sua junta de freguesia para saberem qual o número de eleitor e o local de voto.

Os cidadãos devem levar consigo um documento de identificação com uma fotografia actualizada e indicar o nome e número de eleitor.

A votação decorre entre as 8h00 e as 19h00 (20h nos Açores).

Para mais informações consultade em www.portaldoeleitor.pt

Ler o artigo em: http://economico.sapo.pt/noticias/eleicoes-presidenciais-ja-sabe-onde-vai-votar_240463.html

1.3 – Caro (e)leitor, seja muito bem-vindo ao Palácio de Belém – Maria Leite Ferreira/Observador (19/1/2016)

Hoje é Património Nacional. Quando chegaram os Presidentes, estes tiveram que pagar uma renda de 100 mil réis. Estas e outras curiosidades escondidas nas salas do Palácio de Belém.

O artigo tem 20 fotos do Palácio. Esta é uma delas: Sala de jantar. No tempo de Ramalho Eanes serviu de sala-museu com os presentes que lhe eram oferecidos.

Quem sobe a Calçada da Ajuda, em Lisboa, com as costas viradas para o Tejo vai encontrar à esquerda um dos edifícios mais emblemáticos de Portugal. O Palácio de Belém está erguido entre jardins desde 1559 e agora funciona como residência oficial do Presidente da República. Ornamentado com candelabros, mobiliário imperial e pormenores exuberantes, o Palácio está também coberto de curiosidades: sabia que a sala de reuniões do Conselho de Estado foi em tempos o salão de baile de D. Amélia? E que o gabinete do Presidente da República já foi o quarto de hóspedes dos reis?

O Observador leva-o a passear dentro do Palácio de Belém. E nem sequer precisa de deixar o conforto do seu lar: basta que explore as 24 imagens que recolhemos na fotogaleria para encontrar a história do palácio – e de Portugal – na legenda das fotografias.

Ler o artigo e ver as imagens em: http://observador.pt/2016/01/19/caro-eleitor-seja-bem-vindo-ao-palacio-belem/

2 – MINISTRO DAS FINANÇAS APRESENTA PLANO ORÇAMENTAL PARA 2016

«Aquilo que permite ao Governo trazer o défice orçamental para 2,6% é a enorme cautela que vamos ter na gestão da dívida pública e no reembolso dos empréstimos ao FMI, uma vez que a redução da despesa em juros melhora o valor do défice», afirmou o Ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação do Plano Orçamental para 2016, isto é, do esboço do Orçamento do Estado, hoje entregue à Assembleia da República e à Comissão Europeia. (22/01/2016)

Ler em: http://www.portugal.gov.pt/pt/ministerios/mf/noticias/20160122-mf-oe.aspx

2.1 – Excerto do artigo de João Silvestre/Expresso (22/01/2016)

Parecer crítico do Conselho de Finanças Públicas e pressão de Bruxelas obrigam a baixar meta de défice para 2,6%. Governo já cedeu €360 milhões a Bruxelas

Mário Centeno vai enviar draft do orçamento com maior esforço de consolidação –  foto luís barra

Crescimento revisto para 2,1%. Depois de muito insistir num défice de 2,8%, o Governo acabou por dar o braço a torcer e cortou duas décimas à meta original. São cerca de 360 milhões de euros a menos de défice que, para já, não foram explicados pelo ministro das Finanças, Mário Centeno, no briefing que se seguiu à reunião do Conselho de Ministros. Explicações mais detalhadas estão guardadas para hoje, numa conferência de imprensa nas Finanças. O cenário macroeconómico foi igualmente revisto e a estimativa para o crescimento do produto interno bruto (PIB) caiu de 2,4% para 2,1%[…]

A questão do défice estrutural pode parecer esotérica, e até levantar dúvidas sobre o seu método de cálculo, mas é o indicador que permite medir o esforço de consolidação orçamental efetivo em cada ano. O objetivo é, por um lado, assegurar níveis de consolidação mínimos em países cuja dívida está acima do limiar de Maastricht (60% do PIB) e, por outro, evitar que os governos se baseiem exclusivamente na recuperação da economia para reduzir os défices e nada façam para isso.

Mas, do lado do Governo, há quem ache que Bruxelas está a esconder opções ideológicas atrás de tecnicidades. “Os técnicos da Comissão, a pretexto de uma análise técnica, estão a fazer uma análise que tem um teor muito ideológico”, refere ao Expresso uma fonte governamental. Neste caso, ideológico é sinónimo de ortodoxo e liberal. Um dos exemplos que São Bento está a usar como argumento é a aparente diferença de tratamento entre o caso do BES, cujo impacto nas contas não foi considerado para efeito de cumprimento de metas orçamentais, e as consequências da resolução do Banif, que pode comprometer a saída de Portugal do procedimento por défice excessivo.

Esquerda recebeu rascunho do OE e vai negociar

PCP, Bloco de Esquerda e Verdes receberam antecipadamente o draft do Orçamento, aprovado ontem e vão continuar a negociar com os socialistas. “Como tinha ficado acordado, há um exame comum do documento”, confirmou João Oliveira, líder da bancada parlamentar comunista. Os encontros com a esquerda têm sido promovidos ao nível da AR e conduzidos pelo secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Pedro Nuno Santos. O ambiente tem sido “até agora tranquilo”, garantem fontes partidárias. Uma tranquilidade para a qual contribuiu António Costa, ao dizer que era possível conciliar as exigências de Bruxelas e “os compromissos assumidos com os nossos parceiros”. Para Costa esta é uma “garantia fundamental para a credibilização da vida política”. R.P.L

3 – As subvenções vitalícias dos políticos? 

3.1 – Quanto custam as subvenções ? – Sara Rodrigues/Visão (20/01/2016)

Foto de José Carlos Carvalho  – No ano passado custaram mais de 600 mil euros, este ano o valor poderá ser dez vezes maior: 6,4 milhões de euros

Ler o artigo em: http://visao.sapo.pt/actualidade/portugal/2016-01-20-Quanto-custam-as-subvencoes-vitalicias-dos-politicos-

3.2 – Subvenção vitalícia. Números, factos e mitos – Helena Pereira/Observador (20/01/2016)

O que é a subvenção vitalícia? (Pergunta 1 de 12)

Resposta: É uma pensão mensal que foi criada pela lei 4/85 no Governo de Bloco central liderado por Mário Soares. Pretendia servir de compensação a quem se dedicava à causa pública.

A subvenção mensal vitalícia é calculada à razão de 4% do vencimento base, correspondente à data da cessação de funções do cargo (em cujo desempenho o seu titular mais tempo tiver permanecido), por ano de exercício, até ao limite de 80%.

2 – Quem tem direito?; 3 – Ainda é atribuída?; 4 – Que mais alterações houve?; 5 – Quantos ex-titulares de cargos políticos recebem subvenção atualmente?; 6 – Quem paga as subvenções?; 7 – Quanto é que as subvenções custam ao erário público?; 8 – Como funciona a condição de recursos?; 9 – O que foi pedido ao Tribunal Constitucional e qual a decisão tomada este mês de janeiro?; 10 – Quem foram os deputados que fizeram o pedido ao TC?; 11 – É verdade que Passos e Costa tinham um acordo para suspender a condição de recursos?; 12 – Mas então por que razão isso não entrou em vigor?

Saber as respostas em: http://observador.pt/explicadores/subvencao-vitalicia-numeros-factos-mitos/

4 – Reposição salarial de 25% na função pública a partir de 4ª feira – Visão (19/01/2016)

Leonhard Foeger / Reuters – Os funcionários públicos vão receber a partir de quarta-feira o salário com a reposição de mais 25% do que lhes foi retirado em 2011, aproximando-se progressivamente do valor integral que será alcançado em outubro.[…]

Com a reposição de 25% em janeiro, o ordenado líquido dos funcionários públicos vai aumentar cerca de 2% face ao mês de dezembro, depois das reduções nos cortes salariais e na sobretaxa introduzidas pelo Governo, segundo simulações da consultora PricewaterhouseCoopers (PwC) para a Lusa.

Ler o artigo em: http://visao.sapo.pt/actualidade/portugal/2016-01-19-Reposicao-salarial-de-25-na-funcao-publica-a-partir-de-4-feira

5 – Acordo para salário mínimo assinado com todas as confederações patronais

Raquel Martins/Público (22/01/2016) – CAP estava em dúvida, mas acabou por assinar.

Acordo foi assinado entre governo, quatro confederações patronais e UGT. ENRIC VIVES-RUBIO

O Governo assinou nesta sexta-feira um acordo com as quatro confederações patronais e com a UGT para validar o aumento do salário mínimo nacional (SMN) e a redução dos descontos para a Segurança Social.[…]

A CGTP não assinou o acordo, tal como já tinha dito na última reunião. No final da reunião da Comissão Permanente de Concertação Social, Arménio Carlos, secretário-geral da intersindical, justificou a sua posição por considerar que a redução de 0,75 pontos percentuais (de 23,75% para 23%) da taxa social única “é um incentivo às políticas de baixos salários” e um sinal da “subsidiodependência” das empresas em relação ao Estado.

Ler o artigo em: http://www.publico.pt/n1721116

6 – Governo apresenta em Fevereiro candidatura de Guterres à ONU

São José Almeida/Público (22/01/2016) – A campanha já está na estrada e o lobbying diplomático em acção. António Costa decidiu apadrinhar a candidatura de Guterres a secretário-geral das Nações Unidas.

António Guterres granjeou muito prestígio como alto-comissário para os Refugiados DENIS BALIBOUSE/REUTERS

“O Governo vai apresentar a candidatura de António Guterres a secretário-geral das Nações Unidas”, declarou o primeiro-ministro, António Costa ao PÚBLICO. A apresentação oficial da candidatura do antigo primeiro-ministro e, até ao final de 2015, alto-comissário da ONU para os Refugiados deverá ser feita no próximo mês de Fevereiro.

Ler o artigo em: http://www.publico.pt/n1720983

7 – As propostas do Governo até 2019

Paula Cravina de Sousa e Lígia Simões/Económico (20/01/2016) – O documento enviado ontem pelo Governo aos parceiros sociais não avança o cenário macroeconómico. Saiba quais as propostas que o Governo enviou ao Conselho Económico e Social.

As Grandes Opções do Plano 2016-2019 (GOP), a que o Económico teve acesso, apresentam poucas novidades face ao que o PS já tinha previsto no seu programa de Governo. Por outro lado, o documento não inclui o cenário macroeconómico. Os principais dados deverão ser entregues pelo Executivo em Bruxelas no final desta semana.

Ler o artigo em: http://economico.sapo.pt/noticias/as-propostas-do-governo-ate-2019_240171.html

8 – Fisco vai conseguir aceder à sua conta bancária

Económico com Lusa (21/01/2016) – Orçamento do Estado 2016 prevê que os bancos forneçam à Autoridade Tributária informação sobre as aplicações financeiros dos clientes residentes em Portugal.

Portugal está a estudar a implementação da directiva comunitária que obriga os bancos a informarem o fisco sobre as contas bancárias dos residentes e não residentes no país, confirmou hoje o Ministério das Finanças.[…]

A directiva internacional dispensa desta comunicação saldos inferiores a 250 mil euros.

Ler o artigo em: http://economico.sapo.pt/noticias/fisco-vai-conseguir-aceder-a-sua-conta-bancaria_240324.html

9 – Juros a dez anos ultrapassam barreira dos 3% – Mariana Adam/Económico (21/01/2016)

Os juros implícitos das obrigações portuguesas a dez anos sobem para 3,2%, esta quinta-feira, o valor mais alto desde o pico da crise grega.

Os juros da dívida portuguesa a 10 anos passaram esta quinta-feira de manhã a barreira psicológica dos 3%. Desde a crise grega do último Verão que o juro exigido pela dívida de longo prazo não era tão elevado.

Os juros da dívida portuguesa continuam a agravar em em todos os prazos. Os analistas, consultados pela Bloomberg, referem a “incerteza política” e os efeitos “da decisão sobre o Novo Banco” estão a base desta subida, depois de nos últimos seis meses, os juros a dez anos terem descido até ao mínimo de 2,257% a 2 de Dezembro. O mínimo de sempre é de 1,560% e foi registado a 13 de Março passado.

Ler o artigo em: http://economico.sapo.pt/noticias/juros-a-dez-anos-ultrapassam-barreira-dos-3_240319.html

10 – Retrato: o sector privado em Portugal – Infografia: Marta Carvalho/Económico (20/01/2016)

Ler o artigo em: http://economico.sapo.pt/noticias/retrato-o-sector-privado-em-portugal_240202.html

11 – Rendas: senhorios com mais de 65 anos com trabalhos acrescidos

Dinheiro Vivo/Lusa (18/01/2016). Fotografia: DR – Senhorios casados que não passam recibo eletrónico podem ter de entregar declaração de rendas em separado. Domingues de Azevedo critica complicómetro

O bastonário da Ordem dos Contabilistas Certificados (OCC), Domingues Azevedo, considera que os proprietários acima dos 65 anos com imóveis arrendados vão ter mais trabalho este ano, uma vez que os casais terão de fazer declarações individuais. Em declarações à agência Lusa, Domingues Azevedo explicou que as novas regras de 2015 para os rendimentos prediais de proprietários acima dos 65 anos “vêm complicar mais os contribuintes”, avançando que “vai ter de ser expresso em duas declarações aquilo que até agora era declarado apenas em uma”, no caso dos casais.[…]

Esta declaração apenas é entregue pelos proprietários com mais de 65 anos, em dezembro do ano anterior àquele a que respeita a declaração, e que não passem recibos eletrónicos.

Ler o artigo em: http://www.dinheirovivo.pt/economia/rendas-senhorios-com-mais-de-65-anos-com-trabalhos-acrescidos/?eg_sub=0227b1aeab&eg_cam=8e8548eeb1c96583dc310a5c747238c3&eg_list=3

12 – Almeida Santos, a Eminência

Artigo de Filipe Luís/Visão (19/01/2016). Imagem de NFACTOS/ Fernando Veludo

Ele foi um dos políticos mais influentes da democracia. E, em 1996, chegou a ser Presidente da República por 12 dias…

Ler o artigo em: http://visao.sapo.pt/actualidade/portugal/2016-01-19-Almeida-Santos-a-Eminencia

13 – Nuno Teotónio Pereira: o revolucionário discreto 

Artigo de Sílvia Souto Cunha/Visão (20/01/2016)

Imagem de Gonçalo Rosa da Silva – O arquiteto lisboeta completaria 94 anos no próximo dia 30. Morreu esta quarta-feira, 20, em casa, rodeado pela família. Aqui recordamos o perfil publicado na VISÃO de 17 de junho de 2004, por ocasião da inauguração, no Centro Cultural de Belém, de uma grande exposição dedicada à sua obra.[…]

 

O célebre Franjinhas, na Rua Castilho, polémico vencedor do Prémio Valmor em 1971

Ler o artigo em: http://visao.sapo.pt/actualidade/cultura/2016-01-20-Nuno-Teotonio-Pereira-o-revolucionario-discreto

14 – Vamos ao que interessa

Artigo de opinião de João Adelino Faria/Dinheiro Vivo (23/01/2016);Foto: REUTERS/Gene Blevins

Só com uma informação global poderemos ter as armas necessárias para enfrentar este futuro

Andámos entretidos e distraídos. Mergulhados nas tricas e intrigas das eleições, com golpes, traições e reviravoltas. Não houve tempo para mais nada. De manhã à noite, as notícias em Portugal circularam em remoinho apenas em redor do umbigo da política nacional. Agora, que acabaram as distrações, vamos ao que interessa… mas vai doer. Vai ser um acordar violento. Terminadas as eleições (se não houver segunda volta das presidenciais), os jornais vão finalmente voltar a dar notícias. Estivemos entorpecidos com primeiras páginas à volta de candidatos, processos judiciais, arranjos e arranjinhos. Fomos como sempre vampirizados pela política caseira como se fosse o assunto mais importante das nossas vidas, mas não é! E enquanto estávamos distraídos com tudo isto, o mundo… claro que não parou.

Ler o artigo em: http://www.dinheirovivo.pt/opiniao/vamos-ao-que-interessa/

15 – Governo em Espanha

15.1 – Rajoy recusa convite de investidura do rei. Sánchez sob pressão

Artigo de Susana Salvador/DN (23/01/2016). Mariano Rajoy foi o último líder partidário a ser recebido por Felipe VI  |  REUTERS/ANDRES BALLESTEROS

Iglesias propõe ser vice em governo com o PSOE. Líder do PP mantém oferta de aliança com socialistas e Ciudadanos

Ler o artigo em: http://www.dn.pt/mundo/interior/rajoy-recusa-convite-de-investidura-do-rei-sanchez-sob-pressao-4994964.html

15.2 – Podemos planeia coligação à esquerda – Cátia Simões/Económico (22/01/2016)

Partido anti-austeridade quer juntar-se aos socialistas e Esquerda Unida.

O partido espanhol anti-austeridade Podemos quer propor uma coligação à esquerda, juntando-se aos socialistas do PSOE e ao Esquerda Unida, num movimento que poderá pôr um ponto final à incerteza política em Espanha, após os resultados das eleições.

“Se o PSOE quiser poderá haver um governo de mudança”, disse Pablo Iglesias, líder do Podemos, em conferência de imprensa em Madrid e citado pelo “Financial Times”.

Ler o artigo em: http://economico.sapo.pt/noticias/espanha-podemos-planeia-coligacao-a-esquerda_240517.html

16 – A “4ª revolução industrial” vai destruir 5 milhões de empregos – Lusa/DN (19/01/2016)

EPA/JEAN-CHRISTOPHE BOTT – Sem uma atuação urgente “os governos vão enfrentar um desemprego crescente constante e desigualdades”, segundo um estudo do World Economic Forum

A quarta revolução industrial, que implicará a perda de cinco milhões de empregos nos próximos cinco anos nas principais economias mundiais, vai ser o tema principal do Fórum do World Economic Forum (WEF) que começa esta quarta-feira em Davos, Suíça.

Além da perda de cinco milhões de empregos nos próximos cinco anos em todo o mundo, a quarta revolução industrial provocará “grandes perturbações não só no modelo dos negócios, mas também no mercado de trabalho nos próximos cinco anos”, indica um estudo do WEF, que organiza o Fórum de Davos.

Ler o artigo em: http://www.dn.pt/dinheiro/interior/a-4a-revolucao-industrial-vai-destruir-5-milhoes-de-empregos-4987944.html

17- Migrantes

17.1 – Europa tem 6 a 8 semanas para resolver crise dos refugiados – Ana Meireles/DN (22/01/2016)

O italiano Filippo Grandi, que desde dia 1 é o alto-comissário das Nações Unidas para os Refugiados, sucedendo a António Guterres, visitou ontem as instalações do Crescente Vermelho em Damasco. Esta é a primeira vez que o titular do cargo visita a Síria desde o início da guerra civil, há cinco anos – na altura, era o antigo primeiro-ministro português.  |  EPA/YOUSSEF BADAWI

Dinamarca vai mudar campos de acolhimento para fora das cidades e foi chamada a Estrasburgo para dar explicações. Grécia impõe indicação de destino final a quem entra no país

Ler o artigo em: http://www.dn.pt/mundo/interior/europa-tem-6-a-8-semanas-para-resolver-crise-dos-refugiados-4992774.html

17.2 – Alemanha também confisca bens dos refugiados – DN (21/01/2016)

Refugiados têm sido distribuídos por toda a Alemanha  |  EPA/ARMIN WEIGEL LARGURA :

Depois de a Dinamarca ter anunciado que vai confiscar objetos de valor de migrantes, autoridades alemãs tomam medida semelhante.

As autoridades alemãs vão confiscar o dinheiro a refugiados para cobrir despesas e custos sociais, seguindo o exemplo da Dinamarca, que há semanas anunciou que iria apreender os bens dos migrantes. A Alemanha adota agora a mesma política e segundo o jornal Bild, as medidas já estão a ser aplicadas em dois estado do sul: a Baviera e o Bade-Vurtemberga.

Ler o artigo em: http://www.dn.pt/mundo/interior/alemanha-tambem-confisca-bens-dos-refugiados-4992432.html

17.3 – Áustria defende exclusão temporária da Grécia do Espaço Schengen

Dinheiro Vivo/Lusa (23/01/2016); Foto: REUTERS/Marko Djurica

“Se o Governo de Atenas não fizer mais para assegurar as fronteiras, então tem que se discutir abertamente a sua exclusão temporária”

A Grécia deve sair temporariamente do Espaço Schengen se não melhorar o controlo das fronteiras externas da Europa, defendeu hoje a ministra do Interior da Áustria, Johanna Mikl-Leitner em entrevista ao jornal alemão Die Welt. “Se o Governo de Atenas não fizer mais, finalmente, para assegurar as fronteiras externas [da União Europeia], então tem que se discutir abertamente a exclusão temporária da Grécia do Espaço Schengen”, disse a ministra.

Ler o artigo em: http://www.dinheirovivo.pt/economia/austria-defende-exclusao-temporaria-da-grecia-do-espaco-schengen/

18 – Economia chinesa abranda. Crescimento mais baixo em 25 anos

Edgar Caetano/Agência Lusa/Observador (19/1/2016) – Dados oficiais apontam para um crescimento de 6,8% no quarto trimestre, face ao ano anterior. Crescimento em 2015 terá sido de 6,9%, em linha com o objetivo oficial de 7%, mas o mais baixo desde 1990.

Getty Images – A economia chinesa, a segunda maior do mundo, cresceu 6,9% em 2015, anunciou esta terça-feira o Gabinete Nacional de Estatísticas da China. O registo fica próximo dos 7% que correspondem ao objetivo oficial do governo. Mas os dados trimestrais indicam que a economia cresceu 6,8% no quarto trimestre, em comparação com o mesmo período do ano anterior – a taxa mais baixa desde a crise económica global de 2009.

Ler o artigo em: http://observador.pt/2016/01/19/economia-chinesa-abranda-crescimento-baixo-25-anos/

19 – Mapa: nestes países escondem-se 7 biliões de euros – Maria Leite Ferreira/Observador (19/1/2016)

O dinheiro escondido nos paraísos fiscais continua a aumentar e quem sofre são os mais pobres. E 34% do dinheiro tem origem na Europa. Conheça o mapa dos paraísos fiscais no mundo.

Getty Images – O último relatório da Oxfam, a organização não-governamental que analisa as desigualdades mundiais, revela que o dinheiro oculto em paraísos fiscais continua a aumentar e já ultrapassa a soma dos produtos internos brutos do Reino Unido e da Alemanha juntos. Serão 7,6 triliões de dólares (cerca de 7 biliões de euros) que não são taxados nos diversos países.[…]

Paraísos fiscais no mundo – No mapa abaixo vai encontrar a localização dos paraísos fiscais declarados pela União Europeia (a amarelo) e por Portugal (a verde). Estes dados foram recolhidos no site da consultora PricewaterhouseCoopers e dizem respeito ao ano 2015.

 

Ler o artigo em: http://observador.pt/2016/01/19/mapa-nestes-paises-escondem-7-mil-milhoes-euros/

20 – Ettore Scola, um dos grandes do cinema italiano – morreu aos 84 anos

PÚBLICO (19/01/2016)  – O realizador de Tão Amigos Que Nós Éramos, Um Dia Inesquecível e de Feios, Porcos e Maus morreu aos 84 anos.

O realizador italiano Ettore Scola morreu esta terça-feira, aos 84 anos. O realizador de Tão Amigos Que Nós Éramos (1974) e de Feios, Porcos e Maus (1976) e Um Dia Inesquecível (1977) estava internado desde domingo em Roma, revelou a agência italiana ANSA. Era considerado o último dos grandes realizadores da “comédia italiana”, categoria que é sempre limitativa, que até foi uma denominação criada com algum sentido pejorativo, e que na verdade diz pouco do que fizeram todos os que a cultivaram ou que por lá passaram – Monicelli, Risi, Comencini, Scola…

Ler o artigo em: http://www.publico.pt/n1720809

 

 

 

 

 

Leave a Reply

%d bloggers like this: