HOJE, A ITÁLIA. AMANHÃ SE VERÁ QUEM SE SEGUE – 5. SALVA BANCHE: A MINISTRA BOSCHI, O PAPÁ E O CASO ETRURIA – por ANDREA SCANZI.

Falareconomia1

Selecção e tradução por Júlio Marques Mota

mapa itália

Hoje, A Itália. Amanhã se verá quem se segue 

5. Salva Banche: a ministra Boschi, o papá e o caso Etruria

 

logo-header-navbar

 Andrea Scanzi, Salva banche: la Boschi, il papà e il caso Banca Etruria

Il Fatto Quotidiano.it, 11 de Dezembro de 2016

Maria Elena Boschi
Parafraseando Matteo Renzi que ao director do jornal Il Sole 24 Ore disse, Nessun complotto contro l’Italia. “E’ il mercato, bellezza!, um jornalista italiano escreveu: E La Boschi, belezza!

Ontem, apresentando o livro de Vespa, a  ministra Maria Elena Boschi disse que o seu pai é uma pessoa de bem, uma pessoa respeitável e que  o banco Etruria não recebeu nenhum favoritismo (do seu)  governo. Tomo conhecimento e não há problema em  acreditar. Certo, talvez tivesse sido bonito que ontem Boschi  tivesse  preferido ao livro de Vespa a sua cidade, nestes dias devastada pelo  caso Banco Etruria, mas compreendo que depois de  ter oferecido a cidade, em Junho, ao centrodireita, impondo um candidato desmedidamente fraco e depois do seu governo  (e “o seu” banco) terem contribuído para  lançar na miséria milhares de cidadãos, Arezzo não seja  a primeira cidade que lhe venha à cabeça. Com efeito, em  Arezzo, ontem havia Salvini. E  Boschi não.

É muito provável que, em face do desastre  agora declarado, o governo Renzi não pudesse  fazer outra coisa  mais do que antecipar o resgate para antes de Janeiro de 2016, neste caso para o dia  22 de Novembro passado. Os prejuízos estavam já feitos, muito antes mesmo. Com os controlos omissos, com os conflitos de interesses, com os favores aos habitualmente conhecidos. Com as regras em curso a  serem modificadas, com a atitude de Bankitalia, com a de  Consob. Com uma congregação  de gente  (muitíssimo  bem  paga) que deram origem  a  mais prejuízos que o granizo. Mas já agora:  mas a ministra Boschi  não sabia realmente nada disto?

Dos quatro  BAD banks “salvos”, o Banco Etruria sempre pareceu mais um  banco que os outros todos. Tenho-o dito e repeti-o ontem  em  Piazzapulita e reafirmo-o hoje  também.

De  2011 até à Comissão Extraordinária de gestão de  11 de Fevereiro de 2015,  o papá Pierluigi fazia parte da direcção de  Etruria. Logo que a filha,  Maria Elena Boschi, se tornou  ministra, o papá torna-se Vice-Presidente de Banca. Não apenas isto: a ministra é accionista e o irmão é empregado. Conflitos de interesses como se estes chovessem.  O Banco Etruria fica gerido por uma Comissão em Fevereiro de 2015, com um  buraco de 3 mil milhões, ou seja seis vezes o seu património líquido, mas as obrigações subordinadas continuam ainda a serem vendidas aos   ignorantes e inocentes  aforradores  (que o governo Renzi quer agora  fazer passar por  “especuladores”). Bankitalia, constatando “as fortes e crescentes criticas” e uma situação desastrosa, prescreve multas no montante de  2,5 milhões de euros à direcção do Banco. Inflige-se mesmo uma multa de 144 mil euros ao pai da ministra Pierluigi Boschi. Porquê? “Ausência de  organização e de controlos internos,  gestão deficiente e não controlo do crédito, violações em matéria de transparência, emitidas sinalizações  inexactas”. Praticamente não fizeram nada do que  deviam fazer: pelo contrário, fizeram  exactamente o  contrario. Pode  ser  uma  pessoa de  “bem”, como diz a sua filha,  mas que verosimilmente se enganou no seu trabalho.

O banco Etruria sobre o qual Trabaglio disse: tornamo-nos mais etruscos graças  a um banco popular, do qual o pai da ministra Boschi  é Vice-Presidente. Pierluigi e Maria Elena Boschi é um caso de nepotismo ao contrário: em vez da filha de  papá, temos o papá de filha. Banco Etruria é um antro  de católicos e franco-maçons  com sede em Arezzo, onde nasceu a ministra Boschi,  que é uma verdadeira accionista  como o pai e o irmão Emanuele, que é mesmo funcionário, e era um banco morto já muito antes da nomeação da Comissão de Gestão.  No entanto continuava-se a gastar cerca de 15 milhões de euros  por ano “em consultas” externas. Os líderes tinham inventado mesmo uma lei ad hoc pela qual era suficiente uma assinatura para emprestar dinheiro aos amigos dos amigos: empréstimos que, evidentemente, nunca terão sido reembolsados. Contudo, quando há dois anos atrás, o  presidente de então, Fornasari, aumentou o capital em 100 milhões dizendo aos sócios  que comprem acções a  60 cêntimos cada  uma, ele tranquilizou-os, dizendo-lhes  que o banco era coeso e que “o Etruria é o banco popular mais forte do centro de Itália a”. O nível geral era este.

Há ainda um outro aspecto. No final de Outubro de 2014 a  Janeiro de 2015, verificaram-se alguns estranhos movimentos nos  bancos populares. Em toda a região da  Etruria. O banco está em crise, mas muitas pessoas  põem-se a comprar acções convencidos que até Março estas acções irão valer muito mais. Porquê? Não se consegue saber, mas podemos pressupor . Na tarde de  20 de Janeiro de 2015, em menos de duas horas, o governo  de Renzi – por decreto – transforma os bancos populares com pelo menos 8 milhares de milhões de activos em Spa. Quem ganha mais? Pense um pouco: Banco Etruria, que regista em bolsa uma subida anual de (+62,5%), a melhor do ano.

Boschi, durante o Conselho de Ministros que lançou rapidamente o decreto, não estava. Estava  ausente. Mas isto não é suficiente talvez para se deixar de falar de conflito de interesses. Ah: uma grande parte  destas mais-valias ganhas pela especulação mágica  farão  pois supor  casos de “ informação privilegiada”, como acontecia em  Londres. Em  Londres, completamente de forma fortuita  está também Davide Serra, conhecido financeiro e amigo de Renzi com o seu fundo Algebris. Serra  declarou seguidamente que nunca  comprara  acções Banco Etruria, mas disse, isso sim, que  adquiriu muito antes  – no  início de  2014 – acções do  Banco Popular, salvo que as vendeu depois,  uns dias antes  da publicação do decreto. E não perdeu pouco com essa operação  (adquiridos os títulos a  13.76, foram depois vendidos a 9.72). Não é obrigado a fazê-lo mas seria   interessante saber a quem as vendeu.

Andrea Scanzi, Jornal IlFattoQuotidiano.it, Salva banche: la Boschi, il papà e il caso Banca Etruria. Texto disponível em:

http://www.ilfattoquotidiano.it/2015/12/11/salva-banche-la-boschi-il-papa-e-il-caso-banca-etruria/2295547/

 

Leave a Reply