O CAVALEIRO E O ANJO, de JOSÉ AFONSO

Imagem1

Letra e música de José Afonso

(1929 - 1987)
(1929 – 1987)
Passos da noite
Ao romper do dia
Quantos se ouviram
Marchando a par
Batem à porta
Da hospedaria
Se for o vento
Manda-o entrar
Vejo uma espada
De sombra esguia
Se for o vento
Que venha só
Quem está lá fora
Traz companhia
Botas cardadas
Levantam pó  

Venho de longe 

Sem luz nem guia 

Sou estrangeiro
Não sou ninguém
Na flor queimada
Na cinza fria
Nunca se passa
Uma noite bem

Foge estrangeiro
Da morte escura
Pega nas armas
Vem batalhar
E enquanto a lua
Não se habitua
Dorme ao relento
Até eu voltar

Há muito tempo
Que te não via
(Um anjo negro
Me vem tentar)
Batem a porta
Da hospedaria
É aqui mesmo
Que eu vou ficar

Obrigado a Vagalume. In Cantar de Novo, págs. 49-50, Nova Realidade, 1970. Esta canção integrou o disco Cantares do Andarilho, de 1968.

Leave a Reply