CONTOS & CRÓNICAS – CARLOS REIS – OS ARTIGOS IMPUBLICÁVEIS – QUERIDOS BANCOS E BANQUEIROS QUERIDOS

contos2 (2)

 

5-a

 

Corrupção. Vigarice.

Sacanagem. Filhadaputice. Roubo.

Estas são as justas e frugais expressões que as pessoas usam, já que as instâncias superiores  –  e eu adoro esta expressão, não me levem a mal – não só nunca as utilizam, utilizaram ou utilizariam, naturalmente que por uma questão de putrefacto e fénico decoro, como sequer procedem judicial ou atempadamente aos processos decorrentes da maioria das vigarices (corrupção, sacanagem, filhadaputice e roubo) que lesam uma data de portugueses, a maior parte deles residentes no estrangeiro, de onde confiaram as suas economias aos nossos nacionais, honestos e portugueses Bancos.

E que ficaram a ver navios. Sem nada, muitos deles, que coitados confiaram no Sistema.

E em que as instâncias superiores – governo, assembleia da república, presidente da dita cuja, tribunais, o caraças e etc. –  manifestamente manifestam a sua incapacidade e indesejo de resolver estas merdas. Que não seriam tão complicadas assim, se houvesse justiça, equidade e vontade política (também adoro esta expressão, que aliás não quer dizer nada) se os bastardos banqueiros, alguns (presumivelmente poucos, ainda) deles ou todos mesmo, fossem realmente presos, julgados, condenados a duzentos e cinquenta anos de prisão e expropriados das suas inconcebíveis e imensíssimas fortunas (Suiça e outros offshores) que dariam certamente para os lesados voltarem a ter em seu poder as justas quantias que confiadamente confiaram a estas associações criminosas e acima da lei, mais conhecidas por Bancos.

Infelizmente nada disto acontece ou vai acontecer. Os Bancos roubam, roubam, arrecadam e acumulam, sem que nada lhes aconteça. Apenas têm de esperar pelas prescrições dos casos, o costume.

Só  com uma revolução a sério, como todos (enfim, alguns) sabem, as coisas mudariam.

Os Bancos estão falidos, são vendidos a sinistras e crápulas entidades exteriores que vivem destas misérias, sem  nada sabermos do seu futuro (a não ser os inevitáveis montes de despedimentos que daí advêm, espécie de desimportantes danos colaterais, expressão tão cara aos fascistas defensores de guerras e violência) e a caravana passa.

Por mais que os cães (poucos, muito poucos) ladrem.

Carlos

About joaompmachado

Nome completo: João Manuel Pacheco Machado

One comment

  1. Carlos A P M Leça da Veiga

    O Senhor ladrou e ladrou muitíssimo bem. Uivemos todos !!!Tudo estaria resolvido se, a um ou dois desses biltres da banca, tivessem sido apertados aquilo que a gente bem sabe.
    Nunca ouvi uma só palavra, a nenhum dos partidos políticos que se anunciam como da esquerda, para que a População procure, apenas, a Caixa Geral de Depósitos quando – sempre – tenha de tratar dos seus assuntos financeiros. Para quem exige defender-se – e muito bem – o aparelho estatal, contrariar o privado era uma oportunidade bem mais acertada que perder tempo com as diatribes do dize-tu.direi-eu das comadres parlamentares. CLV

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: