Que fazer: escolher Macron, escolher Martine Le Pen ou escolher não escolher? Texto 8 – O perigoso programa do candidato Macron, por Roland Hureaux

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota

Texto 8 – O perigoso programa do candidato Macron: se este é aplicado, as classes médias serão laminadas.

Por Roland Hureaux, ensaísta

22 de abril de 2017

Texto 8 O perigoso programa de Macron foto campanha

Material de campanha de Emmanuel Macron em Marselha, abril de 2017. SIPA. AP22035107_000017

O anúncio em fanfarra do programa de Emmanuel Macron tinha tudo para impressionar os eleitores: 500 peritos, 3000 ateliers com, ao que parece, a participação de 30.000 Francesas e Franceses. Era necessário tanta gente para se chegar a um resultado tão vazio?

Basta escutar os franceses para conhecer as suas principais preocupações, que são afinal bastante simples: desemprego e baixa dos rendimentos, imigração, educação, justiça e segurança, peso da pressão fiscal e, por conseguinte, de despesas públicas, sistema social pletórico e desordenado.

O pedagogismo sempre a ser rei

Sobre todas estas questões importantes, poucas ou mesmo nenhuma proposta séria. Nada sobre a justiça, nada sobre a imigração (como poderia isso interessar Macron que felicitou Merkel por abrir as suas fronteiras?), nenhuma resposta às expectativas dos “trabalhadores pobres”, imigrantes incluídos, que têm o sentimento frustrante de serem menos bem tratados que os assistidos. Nada também sobre a família e sobre a política familiar – e, portanto, não há nenhuma perspetiva de voltar à sua destruição pelos socialistas (1). Também não há nenhuma questão quanto à política externa: para quê? Mácron continuará o alinhamento servil à política da NATO, exatamente o que valeu a François Hollande o desprezo universal. Apenas propõe um quartel-general’ europeu’: para fazer a guerra contra quem?

O programa de Macron, http://pt.calameo.com/read/0005097227aee4c66ebf8

Na política de segurança, as poucas propostas são de uma pobreza aflitiva: regressar ao policiamento de proximidade (conhecido como “polícia de segurança quotidiana”), “não tolerar as incivilidades”, mais fácil de dizer do que fazer. “Toda e qualquer sentença pronunciada será executada”, mas ainda aqui será necessário que essas sentenças sejam pronunciadas, o que não é óbvio hoje visto as derivas da própria justiça, sobre as quais Macron não se pronuncia.

Na educação, para que serve proclamar que daremos a “prioridade à escola primária”, se não se mudam os métodos, a respeito do que não existe nenhuma sugestão? Ou de dar mais autonomia a diretores de escola acostumados a não fazerem ondas? Não são postos em causa nem os métodos pedagógicos aberrantes nem o tronco comum, nem a desastrosa reforma levada a cabo por Najat Vallaud-Belkacem, nem a reforma dos tempos escolares, reformas que até mesmo Jean-Luc Mélenchon quer revogar.

Tão pouco se levanta nenhuma questão quanto à ” França periférica”, provincial e rural, que sofre e definha: pode-se imaginar que um quarto dos departamentos regionais que ele pretende eliminar pertencem a esta França do interior.

O enfraquecimento do Estado francês

Os franceses estão afogados em impostos: o programa prevê suprimir o imposto sobre a propriedade imobiliária, o único que todos, franceses e estrangeiros, pagam. O programa também prevê a redução do imposto sobre as sociedades de 33% para 20% e, como Fillon, pretende a revogação do imposto sobre as fortunas. Embora tal não seja dito, Macron tem planos para compensar estas baixas de impostos a partir de um super imposto. Menos impostos, para os mais ricos e para as famílias do baixo da escala de rendimentos, mais impostos para a classe média, ou seja, para 58% dos franceses que tenham uma propriedade, classes médias que serão assim um pouco mais laminadas.

Das 96 propostas, 27 anunciam um aumento das despesas, quase nenhuma tende a reduzi-las; é apenas questão de “lutar mais contra a fraude fiscal ou social”, o que deixa supor que o ministro Macron não o fez suficientemente. Propostas de aumento da despesa pública: aumentar os mínimos de velhice de 100 € por mês, aumento do subsídio por adulto com deficiência em 100 € também, extensão do benefício do seguro desemprego aos que se despedem das empresas, reembolso a 100% dos óculos e das próteses dentárias, plano de 5 mil milhões para a saúde, de 5 mil milhões para a agricultura, um grande plano de investimento de 50 mil milhões, 2% do PIB, para a defesa nacional (precisamente o objetivo fixado pela NATO), ou seja pelo menos 20 mil milhões adicionais.

Acrescentemos: “Aumentaremos os salários dos trabalhadores, dos empregados” de um 13º mês. O Fundo para a indústria e a inovação, criação prevista no plano, será financiado pela venda das participações do Estado nas indústrias estratégicas, o que vai ainda enfraquecer mais a sua capacidade de manobra. De política industrial, é apenas questão de autorizar a cessão da Alstom à General Electric.

Como Marine Le Pen e com a diferença de François Fillon, Emmanuel Macron mantém a idade de passagem à reforma aos 60 anos, sem sequer exigir, como Le Pen, 40 anos de carreira contribuição.

Europa, Europa…

Macron pode prometer “construir uma Europa que crie os nossos empregos e desenvolva as nossas economias”, que “proteja as nossas indústrias estratégicas”, quando todos nós sabemos que essa Europa tem feito até agora o contrário. Não lhe servirá para nada, portanto, reunir «convenções de cidadania para dar sentido ao projeto europeu» (afinal, fala-se sempre do povo ignorante a quem explicaram mal as coisas!) se os programas, processos e regras da Europa de Bruxelas não forem revistos profundamente.

François Fillon defende a manutenção do euro mas integra no seu programa as disciplinas que isso implica (revogação das 35 horas, reforma aos 65 anos de idade, redução da função pública). Emmanuel Macron defende o euro, mas sem as disciplinas que implica a sua manutenção. Marine Le Pen recusa-as também, mas tem a intenção de sair do euro. François Fillon e Marine Le Pen, cada um à sua maneira, são coerentes. Emmanuel Macron, ele, não o é, de modo nenhum. Se o seu programa for aplicado, ele faria como François Hollande: esperar durante cinco anos o regresso do crescimento, olhando com um ar triste a curva do desemprego subir, tal como os défices, o que ele fazia já quando era principal conselheiro económico do atual presidente.

Outras contradições sobre a Europa: Macron propõe que os agricultores “sejam pagos ao preço justo” e não vivam mais de subsídios, mesmo quando é Bruxelas que impôs em 1992 a reforma da PAC em que se substituiu a remuneração pelos preços por uma remuneração pelos prémios. Como é que se pode conciliar estas intenções com o desejo de alargar o comércio livre através do acordo económico e comercial (CETA), tratado euro-canadiano que tem no conjunto dos candidatos um só defensor, unicamente o candidato Macron, tratado este que terá ainda como um dos seus efeitos a baixa dos preços?

François Hollande em pior

Longe de nos trazer a esperança de mais liberdade, o programa de Emmanuel Macron anuncia além disso, nas entrelinhas, o apertar de todas as restrições burocráticas e ideológicas relacionadas com o pensamento dominante: ambiente (50% de produtos orgânicos em cantinas ou ainda abatimento de carros velhos), a paridade em todos os níveis, não-discriminação a todo o custo: “nós lutaremos contra a discriminação e faremos dessa luta uma prioridade nacional”; e até mesmo uma discriminação positiva na forma de “empregos franco”, ou seja emprego de duração indeterminada destinado aos jovens e subsidiado pelo governo para os habitantes de determinados subúrbios. Os nomes das empresas que não respeitem a paridade homem/mulher serão tornados públicos. Avaliação sistemática dos serviços públicos de que se sabe bem a arbitrariedade dos critérios. Em perspetiva, uma sociedade orwelliana onde a pressão do politicamente correto será ainda mais sufocante. Olá, bom dia, jovem e liberal candidato!

Texto 8 O perigoso programa de Macron foto Macron

 

VIDÉO – Quando #Macron lê um discurso que não escreveu e que não compreende.

https://twitter.com/AlertesNews/status/853262045889916928

Tudo isto é acompanhado, qual gato escondido com o rabo de fora, de algumas proposições apelativas: proibição de telemóveis na escola primária e na faculdade (e no liceu?), abertura de bibliotecas à noite e nos fins-de-semana, um passe cultural (o que fazem já muitos prefeitos), reembolso de óculos e próteses dentárias a 100%. O ensino da religião na escola, uma ideia de longa data a ser recuperada, faz temer abusos.

Raras são as propostas positivas: o restabelecimento das classes bilingues, também prometido por François Fillon e a limitação das sessões parlamentares.

Em resumo, este programa, frequentemente vago e sempre demagógico, deixa aparecer o prolongamento e mesmo o agravamento das principais tendências dos cinco anos de François Hollande: a imigração descontrolada, o declínio do sistema educativo, a explosão da delinquência, o sacrifício das famílias e baixa da taxa de natalidade, aumento das despesas públicas e da fiscalidade, desemprego persistente, sistema social injusto, polícia do pensamento. É isto que explica a sua pobreza, mal disfarçada pelo “bling bling”: a sociedade do espetáculo, tão cara a Guy Debord, está mais do que nunca “em marcha”.

A filosofia geral do seu programa é clara: mais Europa e mais fronteiras abertas (para pessoas, bens e fluxos financeiros) a caminho de uma sociedade mundializada em que a França, acusada de crimes contra a humanidade e que, diz ele, não tem cultura própria, dificilmente pesará alguma coisa. Tudo o que pede o povo…

Leia o original em http://www.causeur.fr/programme-emmanuel-macron-en-marche-43560.html

(1) Exceto para as famílias imigrantes que são os principais beneficiários de subsídios “orientados para aqueles que mais precisam”, os nativos pobres já sem filhos.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: