UM TEMPO SEM TEMPO por Luísa Lobão Moniz

É um tempo já sem tempo, é um entretempo cheio de outros tempos todos diferentes.

É o tempo das grandes variações climáticas que os poderosos do mundo teimam em rejeitar.

A verdade é que parece estar tudo fora do seu lugar, a temperatura, a precipitação, a nebulosidade.

As transformações sociais, económicas nunca tiveram em consideração os fenómenos naturais que por si sós poderão ir mudando as condições climáticas, às quais ao humanidade deveria ir-se adaptando com estudos sérios que contemplassem a Vida na Terra. A Bomba Atómica não serviu em nada a Natureza, mas houve alguém que a construiu para atingir um objectivo.

A partir da Revolução Industrial o homem passou a emitir quantidades significativas de dióxido de carbono cuja influência tem sido importante em todo este processo.

O tempo agora já não é o mesmo tempo do passado nem irá ser o do futuro.

Onde estão as estações do ano, onde estão as andorinhas que nos visitavam no início da Primavera?

Quando a Natureza se zanga tem um leque de comportamentos que pode adoptar. As placas teutónicas provocam tremores de Terra, ou mesmo, terramotos, a elevação da temperatura desencadeia incêndios incontroláveis para os meios de defesa que os países desenvolveram…

E este tempo sem tempo faz com que as pessoas se vejam cada vez mais cercadas tentando resistir a guerras, à fome, à fraca natalidade, à fraca assistência social e de saúde, aos maus tratos das crianças, ao ócio, ao desemprego, à desonestidade, à corrupção, à violação da dignidade humana.

Enquanto os países estiverem a olhar para os seus umbigos pensando que o que querem é estar cada vez mais apetrechado para atacar o outro.

É preciso que os sindicatos e os trabalhadores comecem a perceber que a última arma já não é a greve, já não são os votos. É sim a consciência colectiva que o viver bem não é só para alguns, é sim a consciência que a Educação é um bem comum para todos e que se calhar, ou de certeza, vai ter que mudar e transformar esta lógica do poder e de distribuição da riqueza, é sim perceber o que temos que aprender na família, na escola, na sociedade, em cada um de nós.

“ A fome faz sair o lobo do mato”

Será que já não há fome suficiente para sairmos destas sociedades decadentes?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: