AINDA SOBRE A ESCALADA DA GUERRA FRIA, UMA NOVA SÉRIE DE TEXTOS – TEXTO Nº 3. A UTILIZAÇÃO DE PESSOAL DIPLOMÁTICO COMO ESPIÕES, por GEORGE FRIEDMAN

Selecção e tradução de Júlio Marques Mota

A utilização de pessoal diplomático como espiões

George Friedman, The Uses of Embassy Spies

Geopolitical Futures, 28 de Março de 2018

 

O Reino Unido alega, e evidentemente mais de 25 países concordam, que a Rússia ordenou e executou um ataque de agente neurotóxico  em solo britânico este mês numa  tentativa contra a vida de um ex-espião russo. Se for verdade, esse ato descarado justifica uma resposta severa. Essa resposta veio no início desta semana, dada por mais de duas dezenas de países, principalmente europeus,  mas incluindo os EUA, Canadá e Austrália, em que foi dito que iriam  expulsar diversos diplomatas  russas de embaixadas e consulados nos seus  territórios. A Rússia negou as acusações e prometeu replicar.  A hipótese considerada é que a expulsão de diplomatas é um assunto sério, aproximadamente ao nível de tentar assassinar alguém em solo estrangeiro.

Mas é este  realmente o caso? É difícil saber o impacto necessário das expulsões, mas qualquer análise destas deve começar pelo facto de se saber que as pessoas que foram expulsas eram tidas pelos seus governos anfitriões como pessoal dos serviços secretos russos e que foram expulsos por essa razão. E se eles eram conhecidos como pessoal dos serviços secretos, então as suas possibilidades de serem espiões eficazes eram bem limitadas. Um espião que é conhecido como tal provavelmente estará sob vigilância, impedindo-o enormemente de poder ser espião de facto.

Os países anfitriões suspeitam que todos os diplomatas sejam funcionários dos serviços secretos porque muitos deles o são, de facto. Um assistente do adido cultural que nunca ouviu falar de Mozart ou é sobrinho do presidente ou está a utilizar o seu cargo como cobertura para as suas operações de espionagem. O problema com a  inserção de  agentes de espionagem  por esta via em qualquer pais,  seja ele um país amigo ou um país  hostil, é que o oficial, independentemente do gosto musical, provavelmente será posto sob vigilância pelos serviços de contrainformação.  Monitorizar  todos ou a maioria dos funcionários de uma  embaixada é uma solução cara,  mas quanto mais conflituosa for a relação com o pais tido como não amigo  mais recursos são dedicados à tarefa. No caso das relações entre a Inglaterra e a Rússia, podemos considerar   que quase todo o pessoal das  suas embaixadas estava sob vigilância, com os seus telefones sobre escuta  e que estes eram regularmente abordados por pessoas atraentes mas solitárias.

Por essa razão, os países são cuidadosos quanto à forma como conduzem o seu trabalho de espionagem sobre assuntos sensíveis. Mais precisamente, as operações mais sensíveis são mantidas longe do pessoal da embaixada. Os britânicos sabiam que qualquer pessoa contatada por um oficial russo poderia ser um espião  russo em atividade. Se os russos tivessem alguém dentro do Ministério da Defesa britânico, por exemplo, a última coisa que os serviços secretos russos desejariam seria que esse alguém  tivesse algo a ver com o  que poderia ser considerado como um contato com um alto funcionário da embaixada russa. A existência da fonte seria mantida guardada  longe do  pessoal da embaixada, salvo possivelmente pelo manipulador russo que controla essa fonte de informações.  Um recurso valioso para os serviços secretos – ou um assassinato – não seria executado a partir da  embaixada, mas sim por uma equipa invisível para a embaixada, porque a hipótese é de que todos na embaixada estão a ser vigiados.

Funções

Existem quatro funções que os agentes dos serviços secretos afetos às embaixadas podem ter. A primeira é de coordenar as ligações com os serviços secretos  do país anfitrião. A segunda é mergulhar nas intrigas e nos rumores do país, a partir dos quais os pedaços interessantes podem ser reunidos. A terceira é coletar as vastas quantidades de material de código aberto que se difundem no país. Isso pode ser muito valioso e não classificado, mas pode ser difícil de encontrar. A quarta é a inteligência técnica operacional, intercetando as comunicações através da tecnologia. Não estão incluídas operações secretas genuínas. Vamos considerar cada função separadamente.

A função de ligação provavelmente seria realizada através da embaixada. Os russos e os americanos cooperam em alguns aspetos do contraterrorismo, e presumo que os britânicos e russos também o façam. Grande parte da coordenação provavelmente ocorre na embaixada, envolvendo alguns dos que controlam o que nos Estados Unidos se chama “Cobertura oficial”. Porque é que isso é feito através de embaixadas, e não de forma aberta? Frequentemente, isto tem mais a ver  com a rivalidade interinstitucional existente entre as diversas agências do que com a necessidade de cobertura oficial. Eu diria que a CIA, o FBI e o Departamento de Estado são responsáveis ​​pela tarefa de ligação e passam muito tempo a competirem uns com os  outros. O mesmo vale para os serviços secretos  estrangeiros como os  russos (o SVR) e os serviços de informações militares. Além disso, as agências de informações às vezes conversam umas com as outras sobre assuntos que os seus governos não querem falar.  Assim, pode verificar-se uma conversa contínua entre os agentes de inteligência a fingirem  ser adidos culturais, embora ambos os participantes saibam perfeitamente o que o outro é.

As intrigas e os rumores não são uma fonte trivial de informação. Não é  precisa estar bêbado para revelar   a data de uma invasão. O simples processo de interação humana pode revelar coisas úteis para alguém que ouve com atenção e conecta os pontos. As festas das embaixadas, um dos grandes fardos da civilização, podem não apenas produzir fugas de informação mas também podem permitir que se criem amizades genuínas que ao longo de uma carreira podem ser alimentadas  e exploradas. O universo das intrigas e dos rumores é  mais antigo e mais subtil que a internet e, para isso, o pessoal da embaixada – mesmo os que são conhecidos como sendo membros dos serviços de informação – é extremamente útil. É claro que as intrigas e os rumores também são  um vetor de mentiras cuidadosamente empacotadas e desenhadas com o objetivo de confundir.

Reunir material indefinido   de código aberto também é valioso. Lembro-me de uma história de um estudioso medieval soviético que passava os seus dias no Instituto de Tecnologia da Califórnia com uma pilha de moedas e uma copiadora, uma técnica antiga mas eficaz. O pessoal da Embaixada pode ser encontrado em feiras técnicas, simpósios universitários e afins, coletando documentos perfeitamente legais que podem informar um analista treinado sobre a estratégia técnica de outra nação. Mais importante, a participação pode levar a amizades com cientistas e outros que parecem meramente pessoais, mas fazem parte de uma tentativa sistemática de exploração.

Talvez o uso mais importante de uma embaixada seja a coleta de  informações técnicas. Não há ainda muito tempo atrás, os telhados das embaixadas estavam cobertos de antenas, enquanto o prédio do outro lado da rua lançava radiação de microondas para bloquear as  antenas. Hoje, a ênfase está em penetrar fisicamente nas redes subterrâneas que levam a internet. A embaixada é um excelente meio para gerir  as interceções  e analisar o tráfego de informações.

Vítimas

A expulsão de diplomatas é um meio de demonstrar descontentamento sem interferir na atual coleta de informações  de um país. O trabalho de recolha de informações mais sensíveis  não é feito na embaixada e, mais importante, os países envolvidos nessa ronda  de expulsões não querem reduzir drasticamente a capacidade operacional dos serviços de informação russos.  Uns serviços secretos russos cegos só aumenta o risco. Numa situação de  relacionamento tenso, é importante certificar-se de que o outro lado esteja razoavelmente ciente das intenções dos outras e, em sentido amplo, das suas capacidades. O desequilíbrio nos serviços de informações  pode gerar erros de apreciação o que pode ser mau para todas as partes envolvidas.

São os indivíduos que sofrerão a punição real. Os russos que fizeram as suas carreiras por serem especialistas no Reino Unido, por exemplo, deixam de ter  carreiras quando são expulsos e ficam para  sempre proibidos de  voltarem. O mesmo pode ser dito de um americano que é especialista na Rússia, mas que agora está impedido de voltar para a Rússia. Esta é uma estranha baixa de tensão internacional, mas não de grande preocupação.

A questão central  é que, embora essas expulsões sejam declarações públicas boas e talvez necessárias, mutilar os serviços de informações de cada país fora do contexto da guerra total pode ter resultados indesejados. As conversas tranquilas entre oficiais de serviços secretos que parecem ser adidos  culturais, mas são conhecidas pelos dois lados como fantasmas da embaixada, servem  uma função necessária. São as ligações que podem explicar, por exemplo, que os exercícios militares russos fora da Bielorrússia são apenas para mostrar. Mas as embaixadas são  casas muito  pobres para operações verdadeiramente secretas. Essas operações continuarão a ser feitas.

George Friedman, THE USES OF EMBASSY SPIES / GEOPOLITICAL FUTURES. Texto disponível em:

http://gonzaloraffoinfonews.blogspot.pt/2018_04_08_archive.html

About joaompmachado

Nome completo: João Manuel Pacheco Machado

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: