AINDA SOBRE A ESCALADA DA GUERRA FRIA, UMA NOVA SÉRIE DE TEXTOS – TEXTO Nº 4. UM ACONTECIMENTO SOB BANDEIRA FALSA É A DISTÂNCIA QUE NOS SEPARA DA TERCEIRA GUERRA MUNDIAL, de CAITLIN JOHNSTONE

Selecção e tradução de Júlio Marques Mota

Um acontecimento sob bandeira falsa é a distância que nos separa da terceira guerra mundial

Caitlin Johnstone, We Are One False Flag Event Away From World War 3

Medium.com, 25 de Março de 2018

Em Setembro do ano 2000, o extremamente influente centro de reflexão e de pressão neoconservador Project for the New American Century publicou um relatório intitulado “Reconstruindo as Defesas da América”, que estabelecia  uma agenda para garantir aos Estados Unidos o domínio mundial num  mundo pós-guerra fria. Este apelava a enormes mudanças, a mudanças radicais no modelo atual da política externa americana, sobre o qual  nos dizem:

“Além disso, o processo de transformação, mesmo que traga  mudanças revolucionárias, é suscetível de ser um processo longo, na ausência  de algum evento catastrófico e catalisador -como um novo Pearl Harbor.”

Um ano depois, os neoconservadores têm o seu “novo Pearl Harbor” na forma do 11 de setembro.

A seguir à página de título de “Reconstruindo as Defesas da América”, o leitor encontrará uma introdução intitulada “Sobre o Projeto para o Novo Século Americano”, que começa da seguinte forma:

“Estabelecido na Primavera de 1997, o Projeto para o Novo Século Americano é uma organização educacional sem fins lucrativos cujo objetivo é promover a liderança global americana. O Projeto é uma iniciativa do Projeto Nova Cidadania. William Kristol é o  presidente do projeto, e Robert Kagan, Devon Gaffney Cross, Bruce P. Jackson e John R. Bolton atuam como os seus diretores. ”

O leitor pode notar  que eu mencionei alguns desses nomes no meu trabalho, ultimamente com um foco especial em John Robert Bolton, que recentemente foi nomeado como  novo Assessor de Segurança Nacional do Presidente Trump. Bolton foi uma das principais vozes que defenderam a causa das guerras neoconservadoras de George W. Bush, e permaneceu como o mais agressivo especialista neoconservador sobre a guerra nos meios de   Washington, enquanto continuava a defender a invasão do Iraque, que tem continuado a defender  a agressão militar contra todo e qualquer governo que se recuse curvar face ao  império centralizado nos EUA.

Hoje, a jornalista Abby Martin colocou em relevo uma citação de Trump em Janeiro deste ano, a menos de três meses antes do  presidente escolher um dos principais arquitetos de Project for the New Americana Century que é um insaciável  defensor da guerra para a mais importante posição como consultor no atual Executivo.  A citação perdeu-se na confusão das muitas notícias e não recebeu tanta atenção quanto deveria. A citação diz o seguinte:

“Eu gostaria de  poder  levar o nosso  pais de novo a alcançar  uma grande  forma de unidade. Sem um grande acontecimento grave em que as pessoas são levadas a unirem-se  isso é difícil de fazer. Mas gostaria de o fazer  sem ser necessário um  grande acontecimento, porque geralmente um grande acontecimento  não é uma boa coisa.”

A Autorização para o Uso da Força Militar Contra Terroristas foi aprovada pelo Congresso na sequência do 11/9, permitindo aos EUA colocar estacionar indefinidamente tropas em qualquer país com uma presença terrorista, mesmo que esses terroristas tenham sido armados e financiados pelo governo dos EUA. O trauma infligido aos americanos naquela manhã de Setembro foi utilizado  para encurralá-los e apoiar não apenas uma, mas duas invasões terrestres em grande escala no primeiro mandato de Bush, que mataram um milhão de pessoas, desestabilizaram uma região inteira e criaram um dilúvio de fações terroristas para a máquina de guerra dos EUA jogar com eles e  utilizá-los  para dizimar a Líbia e a Síria.

Não sou especialista no ataque de  11 de Setembro, mas sei de fato que as agendas preexistentes dos belicistas ocidentais beneficiaram imensamente com isso, que a história oficial está repleta de buracos de enormíssimos enredos  e que o império centralizado tem uma extensa história na utilização de  mentiras, propaganda e falsas bandeiras para fabricar  o apoio a atos depravados de violência militar. Não há razão para dar-lhes o benefício da dúvida neste momento da história, e há todos os motivos para não o fazer.

 

O império centralizado nos EUA agora está de acordo com os seus próprios dados entrando num estado de “pós-primazia”, o que significa que, para avançar a agenda neoconservadora de dominação global, algo de drástico terá que ocorrer. Na minha opinião, é para isso que estamos a ser preparados com toda essa ininterrupta propaganda anti Rússia, hoje.

Esta preparação tem sido necessária. Se em 2015 os nossos senhores  de Washington nos dissessem que uma guerra contra a coligação do Irão, Rússia e China era inevitável por causa de algum novo evento traumático, o público teria dito: “Não, bolas, não estamos disponíveis para a fazer”. Isto realmente  teria sido um caso de  guerra e ninguém apareceria. A ilusão teria sido quebrada, a confiança no establishment teria sido destruída, a confiança na máquina de propaganda dos media  nunca mais seria  restaurada, e uma larga  porta seria aberta para todos nós jogarmos fora as maquinações das estruturas de poder existentes e construirmos algo de novo e saudável.

Assim, eles têm necessidade de nos preparar, e têm-no feito com um sucesso notável. Antes do final de 2016, o americano médio raramente pensava na Rússia, quase nunca pensava em Vladimir Putin e não fazia ideia do que era o Kremlin. Agora, o ódio pela Rússia está na vanguarda da consciência na América, e agora também infetou o Reino Unido e está rapidamente a espalhar-se  por toda a Austrália e Europa. A madeira tem sido lentamente secada para algum grande evento futuro, e um evento de bandeira falsa será como um fósforo aceso em lenha rapidamente inflamável. Os media vão pegar nessa bandeira e fazê-la espalhar pelo mundo com uma enorme força e rapidez  e as pessoas serão arrebatadas pelo medo em direção à saída pela  guerra.

Não terá que vir do governo dos EUA. O novo império ocidental é virtualmente sem fronteiras, e qualquer governo ou grupo que lhe  seja leal  pode ser recrutado para ajudar a desenvolver uma tal  agenda, dificultando a identificação de uma bandeira falsa. É provável que seja necessária muita clareza interior para ver o engano em primeiro lugar.

Mas ainda podemos dizer não. Todos nós podemos trabalhar para fazer circular a consciência de para onde tudo isso parece estar a caminhar, de modo que, quando o evento finalmente acontecer, ainda possamos dizer “Não, bolas, não estamos disponíveis para fazer isso”. Precisamos começar a plantar as sementes de dúvida agora, no entanto, teremos que inocular o maior número possível de pessoas relativamente a  um futuro psicopata militar. Façamos  com que as pessoas saibam quem é John Bolton e o que representa, contem-lhes sobre o PNAC, sobre a história da América na utilização de  mentiras, propaganda e falsas bandeiras para fabricar apoio a operações militares. Eles ainda podem vir a ter uma guerra para a qual  ninguém apareça.

Se pudermos fazer isso, podemos livrar-nos da máquina de opressão como de um casaco pesado num dia quente e construir um mundo saudável juntos. Nós apenas temos que acordar rápido como  um todo antes deles  deixarem cair   o martelo.

Caitlin Johnstone, We Are One False Flag Event Away From World War 3, editado pelo sítio Medium. Disponível em:

https://medium.com/@caityjohnstone/we-are-one-false-flag-event-away-from-world-war-3-fe9244e70fb8

 

About joaompmachado

Nome completo: João Manuel Pacheco Machado

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: