A beleza perdida da Itália, ou um episódio mais da morte anunciada da União Europeia – 3 textos de Heiner Flassbeck sobre a atual situação político-económica italiana (1º texto)

ue afunda se

Seleção e tradução de Francisco Tavares

1. O bella, ciao! bella, ciao! bella, ciao, ciao, ciao!

Por Heiner Flassbeck Heiner-Flassbeck

Publicado por flassbeck_logo em 25 de maio de 2018

A estupidez das nações do norte da europa em relação à dívida atingiu a Itália novamente e está a provocar “soluções” ainda mais radicais. Alguma vez as pessoas aprenderão?

Petra Gerster parece que sabia o que estava a fazer ontem quando apresentou uma peça sobre a Itália na televisão estatal alemã ZDF com a frase (ver aqui) de que a dívida italiana está atualmente em 2.300 mil milhões de euros e os novos populistas, que recentemente chegaram ao poder em Roma, querem levar a cabo reformas dispendiosas. Um pouco mais tarde, o seu colega Claus Kleber, na sua incomparável mistura de ignorância e arrogância, chegou a dizer que os italianos agora precisavam ser “vergados” por Bruxelas, caso a zona do euro sobrevivesse.

Por estes dias, a estupidez macroeconómica está a regredir à feliz origem. Chamar-lhe estupidez não é um exagero, mas sim dizer pouco. Naturalmente, é ainda a estupidez da dona de casa da Suábia que simplesmente não quer entender que não pode haver melhoria numa situação económica onde quer que seja sem investimento e o consequente aumento da dívida. Em particular, ela não quer entender que a situação económica na Alemanha só melhorará se a dívida aumentar. No caso alemão, no entanto, é um aumento da dívida externa que é atualmente necessário. Mas nós, alemães, não nos importamos com a dívida externa, só ficamos chateados quando – oh horror – quando de repente nos apercebemos que outras nações têm dívidas ainda maiores do que antes.

Está a ficar verdadeiramente perigoso

Até agora, isto tem sido uma razão para que pessoas esclarecidas se queixem da ignorância política e social em questões económicas, mas agora a importância deste debate está a mudar fundamentalmente. A atual estupidez coletiva no norte da Europa, massivamente intensificada pelos meios de comunicação, está a degenerar numa controvérsia política que danificará maciçamente, se não mesmo destruirá, a Europa, mas presumivelmente também a democracia no continente.

O disparate dos países do norte “altamente morais” e “cumpridores da lei”, que são proclamados diariamente nos meios de comunicação, não se está a envolver desta vez com um pequeno governo ingénuo e complacente como foi o caso da Grécia. Desta vez, ele depara-se com um governo de um país grande, que foi claramente eleito pelos seus cidadãos para rever o processo de integração europeia da Itália e também para mudar explicitamente o curso no caso de não poder ser negociada com Bruxelas nenhuma mudança de política em relação à integração. E encontra – pelo menos quanto à Lega – um partido que tem a competência económica para competir intelectualmente com a Europa tradicional, o que significa nada mais do que ser capaz de identificar abertamente a estupidez do norte pelo que ela é: estupidez.

Quando “os radicais de direita” são impulsionados para o radicalismo

Mais importante ainda, com Matteo Salvini, a Lega tem um presidente que tem a ousadia e a brutalidade de não se deixar intimidar pelos burocratas de Bruxelas e os diplomatas de outros países. Para Salvini, a resistência do norte da Europa só pode significar apostar na próxima oportunidade, a saber, novas eleições, a fim de se tornar tão forte que os atributos do norte, como “xenófobo” e “radical de direita”, deixarão de lhe interessar.

Não vou repetir o que disse em outro lugar sobre a situação económica na Itália e as suas perspectivas (ver aquiaqui sobre a situação política e económica, especialmente aqui). No entanto, a recusa do Norte de sequer considerar as preocupações legítimas do Sul trouxe a situação para onde está hoje. Isso foi claramente previsível. Em 5 de dezembro de 2016, escrevi:

Como a insistência da Alemanha nas regras absurdas do Pacto de Estabilidade e Crescimento por razões puramente ideológicas também está a bloquear a saída da crise pelo lado da procura, simplesmente não há saída para esta crise….

Se não encontrarmos uma saída para a crise europeia, isso levará diretamente ao nacionalismo. Portanto, não é exagero dizer que a Alemanha é diretamente responsável pelo surgimento do nacionalismo no sul. É indiretamente responsável pela ascensão do nacionalismo no norte da Europa, porque a negação por parte dos alemães (e austríacos) sobre a sua  responsabilidade no criar desta situação abre a porta para os partidos de direita afirmarem descaradamente que os preguiçosos europeus do sul só querem roubar a riqueza suada do Norte.

Agora só temos que ver como os arrogantes políticos alemães e os meios de comunicação alemães lidam com a questão europeia e a responsabilidade alemã por esta bagunça. Então poder-se-á entender quão grande é a babilónica confusão linguística e factual em toda a Europa. Trazer as conexões factuais de modo que permita à política dar pelo menos alguns passos na direção certa é uma tarefa de proporções hercúleas. O terremoto político italiano e a ascensão do nacionalismo austríaco poderiam ter sido evitados com um pouco de visão e discernimento. Mas a visão e o discernimento não são o que o complexo político-académico-mediático pode proporcionar na Alemanha e na Europa ”

Isso é exatamente o que aconteceu. Mas ainda não há sinal de discernimento no norte. Em vez disso, temos a mesma atitude arrogante, insistindo nas regras (objetivamente erradas) e ignorando todas as regras que a Alemanha notoriamente viola. A forma como a Alemanha, juntamente com a sua “imprensa livre” e a sua “ciência livre”, está a sobrepor-se aos requisitos legais em relação à limitação dos excedentes das contas correntes dificilmente pode ser resumida em palavras

Nós, alemães, somos o modelo de sabedoria e solidez e, portanto, evitamos sequer entrar em diálogo com os outros em relação aos nossos possíveis erros e erros do passado. Mas qualquer um que hoje negue a um governo democraticamente recém-eleito – seja centro, esquerda ou direita – um diálogo com um desfecho aberto, apesar de ter preocupações económicas perfeitamente justificadas, colherá uma tempestade nacionalista-fascista em comparação com a qual aquilo que estamos agora experimentar é apenas uma brisa suave.

 

Texto original em http://www.flassbeck-economics.com/o-bella-ciao-bella-ciao-bella-ciao-ciao-ciao/

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: