MARIA VELEDA e “A MULHER E A CRIANÇA” por Clara Castilho

 

Maria Carolina Frederico Crispin, mulher algarvia, escolheu o nome Maria Veleda para ser conhecida . Nascida numa família culta, estudou em colégios e aos sete anos estreou-se no Teatro Lethes. Lia muito, sobretudo Almeida Garrett e Alexandre Herculano.

Aos quinze anos começou a trabalhar como professora do ensino livre, ganhando a sua autonomia económica. Foi na poesia que se estreou na escrita, em 1980, no “Distrito de Faro”.

Viveu com o poeta Cândido Guerreiro, com quem teve um filho. Para além da poesia, foi publicando contos e artigos sobre a educação de crianças, a causa feminista, o combate à superstição e fanatismo religioso. Realça-se a “Biblioteca Infantil – Contos Cor-de-Rosa” para crianças e  “Emancipação Feminina”.

Em 1905 veio residir para Lisboa, tendo dado aulas no Centro Escolar Republicano Afonso Costa. Foi responsável pela secção “Missa democrática”, do jornal “A Vanguarda”, destinada a politizar as mulheres e onde defendia a participação destas na mudança das mentalidade e na construção de uma sociedade mais justa, solidária e fraterna. Consciente da situação de desigualdade em que as mulheres viviam, defender a igualdade de direitos jurídicos, cívicos e políticos entre os sexos.

Convertida ao livre pensamento foi iniciada na Maçonaria, em 1907, onde militou com o nome simbólico de “Angústias”, na Loja Humanidade de Lisboa, onde teve como companheiras Ana de castro Osório, Adelaide Cabete, Carolina Beatriz Ângelo e Maria Clara Correia Alves.

Entendia que a educação devia ser centrada no desenvolvimento harmonioso da criança, valorizando o ensino teórico, mas também o prático, o exercício físico e o desporto, o contacto com a natureza e a formação ética e cívica. Para ela, o ensino deveria ser feito não a partir de compêndios, mas com um programa definido e orientado pelos ideais do racionalismo científico.

Discursou em Centros Republicanos, Associações Escolares e Operárias. Alguns destes discursos foram publicados em 1909 no livro “A Conquista” com prefácio de António José de Almeida. Defendeu a educação laica e integral, em que se aliassem a teoria e a prática, a liberdade, a criatividade, o espírito crítico e os valores éticos e cívicos, reclamando a inclusão das raparigas no sistema educativo em condições de igualdade. Do ponto de vista pedagógico, recorria a estratégias para tornar a aprendizagem mais atractiva, em que incluía representações teatrais, danças e cantares.

Em 1909, por sua iniciativa, a «Liga Republicana das Mulheres Portuguesas» fundou a «Obra Maternal» para acolher e educar crianças abandonadas ou “em perigo moral”. Esta instituição manteve-se até 1916, devido à contribuição da sociedade civil e às receitas obtidas em saraus teatrais, cujas peças dramáticas e cómicas Maria Veleda também escrevia e levava à cena.

Este combate, feito na imprensa, fez com que fosse acusada de abuso de liberdade de imprensa, em 1909, tendo sido condenada a multa exorbitante, que foi paga através de recolhe colectiva. Para além disto, também sofreu constantes perseguições e ameaças de morte.

Em 1912, o governo nomeou-a Delegada de Vigilância da Tutoria Central da Infância de Lisboa, instituição destinada a recolher as crianças desamparadas, pedintes ou delinquentes, cargo que ocupou até 1941.

Criou cursos nocturnos no Centro Republicano Afonso Costa, onde era professora do ensino primário, e nos Centros Republicanos António José de Almeida e Boto Machado, ensinava as mulheres a ler e a escrever, numa perspectiva de educação cívica, preparando-as para o exercício de uma profissão e a participação na vida política.

Entre 1910 e 1915, como dirigente da «Liga Republicana das Mulheres Portuguesas» e das revistas “A Mulher e a Criança” e “A Madrugada”, empenhou-se na luta pelo sufrágio feminino. Escrevia, discursava, fazia petições e chefiava delegações e representações aos órgãos de soberania. Combateu a prostituição, sobretudo, a de menores.

Maria Veleda depressa se desiludiu com a actuação dos governos republicanos. Estes, não cumpriam as promessas de conceder o voto às mulheres. Também no que se refere aos ideais de Igualdade, Liberdade e Fraternidade e construção de uma sociedade mais justa e melhor, Maria Veleda considerava que não estavam a ser implementados. Assim, abandonou o activismo político e feminista em 1921.

Em 1925, aderiu ao espiritismo filosófico, científico e experimental, fundando o «Grupo Espiritualista Luz e Amor» e organizando o I Congresso Espírita Português e participando na criação da Federação Espírita Portuguesa.

Em 1950, publicou as suas «Memórias» no jornal “República”. Faleceu em 1955.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: