Venezuela: o desmascarar das manobras da oposição venezuelana e seus aliados externos e das mentiras do El País – “Críticas a Zapatero por manter-se neutral na mediação”, por El Estado.net

america latina 1

Seleção e tradução de Francisco Tavares

Críticas a Zapatero por manter-se neutral na mediação

Por El Estado.net, em 13 de fevereiro de 2018

O papel de qualquer mediador consiste em permanecer neutro sem tomar parte por nenhum dos integrantes que participam no diálogo. E foi isso que o ex-presidente espanhol José Luis Rodríguez Zapatero fez na sua mediação entre o governo venezuelano e a oposição. Algo que incomodou a direita, que contava que o político espanhol seguisse o roteiro com o qual Rex Tillerson [Secretário de Estado de fev2017 a mar2018] visitou a América do Sul na semana passada.

O El País deu voz à direita numa notícia intitulada Zapatero, o imaginário mediador na Venezuela, que subtitulou com as nulas intenções de Chavismo de garantir eleições livres dinamitaram a mesa de diálogo da República Dominicana, com o apoio do ex-presidente espanhol. O El País está a dizer que Zapatero não apoia a garantia de eleições livres e que, por isso, a mesa de diálogo foi dinamitada? É muita agressividade, parece que Felipe Gonzalez e Carlos Slim estão com pressa de pôr as mãos na PDVSA.

O diário espanhol escreve que o Chavismo, que nunca concordou em fazer concessões, manteve as rédeas do processo numa tentativa de impor as suas condições. As forças da oposição, sem candidato e com os seus líderes inabilitados ou privados de liberdade, recusaram-se a subscrever o documento que desenha a celebração de eleições sem garantias democráticas. Poucas horas depois de consumado o fracasso das negociações, o Conselho Nacional Eleitoral, controlado por Maduro, estabeleceu o dia 22 de abril para a celebração de eleições com regras de jogo e tempos que favorecem o chavismo.

Uma das reivindicações históricas da oposição era a convocação de uma Assembleia Nacional Constituinte, até que o governo de Maduro acedeu a essa reivindicação. Então a oposição posicionou-se contra ela. O Chavismo tem feito concessões – a prisão domiciliária de Leopoldo López – muito antes de o diálogo ser reconhecido pela oposição. Outra das principais exigências da direita era antecipar as eleições presidenciais. Um ponto em que o governo de Nicolás Maduro também cedeu. Ambas as partes chegaram a um acordo em 22 de abril. Mas ao torná-lo oficial, a oposição voltou-se novamente contra uma decisão na qual eles próprios haviam participado.

artigo criticas a zapatero

O representante da oposição Julio Borges com José Luis Rodríguez Zapatero num momento do diálogo

O El País não comenta porque razão as forças da oposição não têm candidato. Dá a entender que é porque os seus líderes estão inabilitados ou presos. O normal numa ditadura. Por exemplo, Leopoldo López, depois de chamar os seus seguidores à violência, causou mais de 40 mortes. Ele deveria estar em liberdade? O El País pensa que sim. Capriles Radonsky, como governador de Miranda, não apresentou a Lei do Orçamento para o ano fiscal de 2013 perante o Legislativo estadual, assinou acordos internacionais sem autorização legal e escolheu empreiteiros para executar obras públicas a dedo, violando o procedimento de seleção legal.

O próprio presidente da República Dominicana, país anfitrião dos diálogos, Danilo Medina, disse que no acordo havia garantias totais em todos os pontos acordados, incluindo as eleições. Por exemplo, um dos pontos alcançados sobre as eleições presidenciais por ambas as partes dizia o seguinte: renovação da direção da CNE. Acompanhamento internacional e observação internacional formadas pela ONU e pelos representantes dos países acompanhantes no diálogo.

A renovação da direção do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) foi outra das exigências da oposição que o Chavismo aceitou, mais um exemplo de que o El País distorce a verdade ao expressar que o governo nunca concordou em fazer concessões. Maduro deve ter um péssimo controle sobre a CNE para não conseguir conquistar importantes regiões que estão nas mãos da oposição desde as eleições regionais do ano passado. Qualquer um diria que as eleições são limpas, mesmo a direita que as vigia é enganada pelo regime, pois não vêem esse controle do árbitro eleitoral. Mesmo as auditorias saem bem e a própria MUD o reconhece! No final, vai resultar que Zapatero não é o único comprado pela ditadura venezuelana, todo mundo é! É uma conspiração!

artigo criticas a zapatero 2

Danilo Medina (ao centro) é o presidente de República Dominicana, país anfitrião dos diálogos entre governo e oposição venezuelana.

O que o El País também não diz é que a oposição assinou um pré-acordo no qual manifestou a sua concordância com os seis pontos do documento final e a sua disponibilidade para assinar o texto final. Foi o que disseram Danilo Medina e José Luis Rodríguez Zapatero, visivelmente frustrados e surpresos por a oposição não ter assinado no último minuto, depois de Julio Borges ter recebido uma chamada telefónica da Colômbia, onde por acaso estava Rex Tillerson, secretário de Estado dos Estados Unidos (EUA).

O diário espanhol continua o seu texto: José Luis Rodríguez Zapatero é uma das figuras deste fracasso. Segundo as fontes consultadas, o ex-presidente espanhol, mediador entre duas partes contrárias, acabou por se inclinar para um dos lados, o de Maduro, depois de dois anos investidos num processo que fechou a maioria das portas.

George W. Bush disse-o ontem e Donald Trump di-lo hoje, ou você está comigo ou contra mim. José Luis Rodríguez Zapatero, tal como Danilo Medina, não entendeu como a oposição não assinou o acordo de paz no último momento depois de ter afirmado que o ia fazer, e ter mostrado que o faria ao carimbar a sua assinatura no pré-acordo algumas horas antes. Talvez ambos devessem ter assumido o roteiro que Rex Tillerson levou para a América do Sul como o fizeram os presidentes colombiano e peruano. Um militarizando a fronteira e criando bases militares, e o outro expressando que não reconhecerá o resultado das eleições. A menos que a oposição as vença, como nos governos e prefeituras que venceram em 2017, como na Assembleia Nacional que venceu em 2015, como no referendo constitucional que ganharam em 2009….

El País escreve: uma das maiores críticas à intervenção do ex-presidente espanhol é que ele assumiu com naturalidade a atitude do governo de Maduro. Tanto que tentou convencer a oposição de que tinha que entender que o Executivo de Maduro não acredita na “alternância”, como concordam pelo menos quatro fontes. “Ele acabou por se tornar um mensageiro, não um mediador”, dizem vários participantes.

Teremos que acreditar nisso como um dogma de fé do jornal que quis passar a foto de um mexicano no bloco operatório como se fosse o presidente Hugo Chávez doente de cancro. Que quatro fontes? O El País espera que colocar um número maior que um aumenta a credibilidade da informação? Quem eram esses participantes? Faziam parte da diplomacia que acompanha o processo de diálogo?

No entanto, é do interesse do jornal espanhol que a sua história de ficção científica situada numa realidade paralela não possa ser demonstrada, porque quando os factos reais podem ser contrastados com as fantasias do jornal, este fica desmascarado. O resto do texto relata a imposição do 22 de abril pelo governo, a falta de vontade de acordos por parte do chavismo e a falta de garantias nas próximas eleições. Mas então chega o presidente dominicano, Danilo Medina, e diz que o acordo incluía as garantias necessárias para realizar eleições em condições de igualdade, que a oposição acordou com o governo a data de 22 de abril, e que as reivindicações da oposição foram assumidas pelo executivo de Nicolás Maduro. Alguém está a mentir! O El País ou o presidente da República Dominicana?

Texto disponível em https://www.elestado.net/produccion-estatal/venezuela-criticas-a-zapatero-por-mantenerse-neutral-en-la-mediacion/

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: