FRATERNIZAR – Mary Jane Wilson / Maria de São Francisco – O QUE EXPLICA ESTA INUSITADA PAIXÃO DE D. JOSÉ CORDEIRO? – por MÁRIO DE OLIVEIRA

 

 

 

Fixem bem estes dois nomes, sobretudo o mítico que ‘engoliu’ o histórico. Nasce em 3 de outubro de 1840 em Harihar, Maiçor, Índia, de pais ingleses, integrados na igreja anglicana. Cresce nesse ambiente familiar e religioso, até à morte dos pais. Em plena orfandade, vê-se forçada a mudar para Inglaterra, onde fica entregue aos cuidados de uma tia. Troca depois a Inglaterra pela França. Não satisfeita, troca também a religião anglicana dos seus pais pela religião católica, ao fazer-se baptizar em 11 de Maio de 1873. Vai ainda mais longe e faz mais uma mudança, a pior de todas, já que, ao mudar o seu nome histórico pelo mítico Maria de São Francisco perde a sua matriz original. E é com esse mítico nome que, em 15 de Janeiro de 1884, funda no Funchal a Congregação das Irmãs Franciscanas de Nossa Senhora das Vitórias, da qual é superiora vitalícia. Hoje, graças ao papa jesuíta Francisco, é já ‘Venerável’ e candidata a beata e santa de altar. O mais surpreendente é que esta mulher que deixou de o ser, ao fazer-se freira, constitui a mais recente e inusitada paixão de D. José Cordeiro, Bispo de Bragança e Miranda. Ao ponto de decidir instalar 3 freiras da Congregação por ela fundada no Santuário do Imaculado Coração de Maria dos Cerejais, Unidade Pastoral Bartolomeu dos Mártires!!!

Como D. José Cordeiro nunca dá ponto sem nó, todo este seu espectacular zelo pastoral engana-meninos-tira-lhes-o-pão, traz água no bico. Cabe às populações que têm o azar de residir nos territórios do seu feudo episcopal Bragança-Miranda viverem atentas ao que aí vem com mais uma comunidade de freiras, a juntar às outras todas que já estão instaladas no terreno, uma das quais de clausura. E todas sob a sua astuta jurisdição e ao serviço das suas desmedidas e públicas ambições. O cuidado dos pobres e dos doentes, reiteradamente invocado por ele e outros como ele, ajuda a esconder muita coisa que seria demasiado escabrosa sem este manto. Uma mão cheia de freiras, com voto de castidade, obediência e pobreza, fazem um jeito do caraças a um bispo que gosta tanto de viajar e de fazer pastoral de turismo por muitas partes do mundo.

Com esta comunidade de 3 freiras Franciscanas de Nossa Senhora das Vitórias, o bispo de Bragança-Miranda passa a ter uma justificação acrescida para viajar até à Índia em busca de pormenores e de reminiscências desta sua nova e inusitada paixão, que dá pelo nome histórico de Mary Jane Wilson. Como, é público e notório, já bastas vezes tem ido, sempre no âmbito da Pastoral de turismo, à Palestina e aos lugares que o cristianismo católico tem como seus ‘lugares santos’. Sem jamais reconhecer que só no falar dos mitos esses lugares são santos. Porque no falar histórico, eles são, desde há pelo menos 3 mil anos, lugares de (quase) ininterrupta tortura e guerra. Que outra coisa não fazem, lá onde chegam, o judaísmo, o cristianismo católico romano e o islamismo. Os três têm o tremendo condão de converter lugares de paz e de convivencialidade em lugares de tortura. Ou o santo rei David, S. Paulo e o profeta Maomé não tivessem doutrinalmente convertido os sofrimentos e as torturas dos povos e da Terra em outros tantos meios de redenção do mundo, hoje cada vez mais afundado em sucessivos dilúvios e devorado por incontroláveis incêndios florestais. O pior dos terrorismos, mascarados de redenção do mundo!!!

Até agora, o país desconhecia por completo a existência de Mary Jane Wilson. E vai continuar a desconhecer, uma vez que, em seu lugar, se impôs o mítico nome Maria de São Francisco. Só por isso este mítico nome de mulher constitui a mais recente e de todo inusitada paixão de D. José Cordeiro que assim pode continuar a sonhar com o Cardinalato e o Papado. Para os alcançar, o bispo de Bragança-Miranda faz o que pode e o que não pode para promover o catolicismo imperial e o seu mítico Cristo davídico. Os quais, de mão dada com o Mercado global, constituem a maior fábrica de produção de pobres e de pobreza estrutural em massa. Mas, sem ela e sem eles, o que seria das Irmãs Franciscanas de Nossa Senhora das Vitórias e de todas as outras suas iguais?! O que seria?

Nota:

Para acederem a este e outros Textos, todos de grande actualidade, nas diversas Pastas já activadas, cliquem sobre o site www.jornalfraternizar.pt, coluna da esquerda de quem abre. Boa leitura-escuta.

About joaompmachado

Nome completo: João Manuel Pacheco Machado

One comment

  1. Alberto da Silva

    Lá vai o homem em mais uma peregrinação de luxo.
    Mas ir à Índia é luxo mesmo!
    Será que as santas freiras vão descobrir o paradeiro do milhão de euros que, dizem por aí, terá “desaparecido” do santuário?

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: