A INCAPACIDADE DE RESPOSTA DOS NEOLIBERAIS FACE ÀS SITUAÇÕES DE CATÁSTROFE: AUSTRÁLIA, REINO UNIDO E PORTUGAL COMO EXEMPLOS EMBLEMÁTICOS – II – PORQUE É QUE A AUSTRÁLIA ESTÁ A ARDER EM CHAMAS, por JAMES MORROW

 

 

Why Down Under Is Burning Up, por James Morrow

Wall Street Journal, 7 de Janeiro de 2020

Selecção e tradução de Júlio Marques Mota

 

Os incêndios florestais têm muitas causas. A narrativa das mudanças climáticas é uma grande simplificação.

 

Equipas de bombeiros monitorizam incêndios florestais em Mallacoota, Australia, Jan. 2. Photo: Darrian Traynor/Getty Images

 

Nunca vou esquecer o meu primeiro Natal na Austrália. O ano era 2001. O mercúrio pairava por volta dos 100 graus Fahrenheit – não se tem um Natal branco em Sydney. Da varanda de um apartamento com vista para Bondi Beach, eu vi o céu passar de um azul brilhante para um cinza, um cinza muito escuro  enquanto o  fumo  descia da colina atrás de nós. O que mais tarde seria conhecido como os fogos de Natal Negro que assolavam as Blue Mountains, cerca de 50 milhas para o interior.

As alterações climáticas não se tinham tornado a explicação para os desastres naturais. Os meus anfitriões, que cresceram com más épocas de incêndios, abanaram a cabeça e serviram o peru.

Quase 20 anos depois, grande parte da metade oriental do país foi novamente atingida por terríveis  incêndios florestais.

 A atual vaga  de fogos começou no final do ano passado. Ela queimou pelo menos 15 milhões de ares e matou mais de duas dúzias de australianos, incluindo corajosos bombeiros voluntários que se precipitaram para o inferno para salvar casas e vidas.

A narrativa sobre as mudanças climáticas simplifica grosseiramente os incêndios florestais, cujas causas são tão complexas quanto a sua recorrência é previsível:

A Austrália está a atravessar  uma das suas secas regulares.

As restrições ambientais bizantinas impedem que os proprietários de terras limpem arbustos, matos e árvores. Os governos estaduais não fazem a sua parte para reduzir a carga de combustível nos parques. Em novembro passado, um ex-chefe de bombeiros em Vitória denunciou  a “abordagem minimalista” desse estado para reduzir as queimadas na estação baixa. Essa queixa é ouvida em todo o país.

 Quanto à causa próxima, qualquer coisa, desde um relâmpago a uma faísca de uma ferramenta elétrica até fogo posto, pode provocar uma  conflagração. Mais de 180 pessoas foram presas por supostamente terem posto fogo desde o início da atual época de incêndios florestais.

No entanto, a narrativa que foi construída em torno dos incêndios e transmitida por todo o mundo aponta o dedo apenas às mudanças climáticas causadas pelo homem – e especificamente ao Primeiro Ministro Scott Morrison. Ativistas insistem que se seu governo tivesse uma “política climática” eficaz, isso ajudaria de alguma forma a apagar as chamas. Não importa que a Austrália emita apenas cerca de 1/77 do dióxido de carbono produzido pelo homem do mundo. A completa desindustrialização do país não faria mexer termostato global.

Nos sectores radicais dos media sociais  australianos, os ativistas fazem jogos sobre a dissolução e substituição do governo por algum tipo de assembleia revolucionária do povo tomando o poder (certamente, eles vão acertar desta vez). Na segunda-feira um parlamentar dos Verdes australianos tweetou durante um dia  sobre “julgamentos  climáticos” para tratar com  os políticos conservadores.

O jogo da culpa climática é conduzido em grande parte por uma esquerda australiana ainda a viver a sua perda eleitoral em maio passado, quando de acordo com esta seria inteligente colocar o governo em exercício,  dirigido por  Morrison,  na rua  e substituí-lo por um  governo progressista liderado pelo Partido Trabalhista.

 Tal como o Brexit, Donald Trump e Boris Johnson, o Sr. Morrison não deveria ter ganho de acordo com os professores da  tagarelice – “luvvie left”, como são conhecidos na Austrália. Um católico socialmente conservador e pai de dois filhos, que se apresenta como um homem da periferia  suburbana – um “pai  fora de moda”, como dizem – o Sr. Morrison conquistou o país. O seu Partido Liberal, em coaligação com o Partido Nacional, ganharam em toda a Austrália suburbana e rural, deixando apenas os distritos urbanos mais em voga para os Trabalhadores e os Verdes.

Os inimigos de Morrison pensaram que tinham encontrado uma abertura com os fogos. Eles atiraram-se sobre um período de férias familiares mal programado, em que Morrison estava ausente  quando as coisas começaram a ficar ruins, e no regresso uma houve resposta inicial apoio  que muitos acharam desapontante.

No entanto, é improvável que o país seja forçado a adoptar algum programa climático radical. Os australianos sabem que o seu clima foi sempre um dos mais mortíferos do mundo e que a sua história moderna está assinalada por incêndios florestais gigantescos e mortíferos.

Sendo um povo pragmático e realista, sabem que nenhum acto contra a própria economia poderá alterar o tempo atmosférico.

 
Mr. Morrow is opinion editor of Australia’s Daily Telegraph.

________

Para ler este artigo no original clique em:

https://www.wsj.com/articles/why-down-under-is-burning-up-11578441348

About joaompmachado

Nome completo: João Manuel Pacheco Machado

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: