CRISE DO COVID 19 E A INCAPACIDADE DAS SOCIEDADES NEOLIBERAIS EM LHE DAREM RESPOSTA – XIX – NO CORAÇÃO DAS TREVAS NA ITÁLIA, EM BERGAMO – UMA SITUAÇÃO DRAMÁTICA, LONGE DA GRIPE SAZONAL, por DANIELE MACCHINI

Coronavirus a Bergamo, medico Humanitas su Facebook: «Situazione drammatica, altro che normale influenza», de Daniele Macchini

Corriere della Sera, 7 de Março de 2020

Les Crises. édition spéciale Coronavírus, 13 de Março 2020

Selecção e tradução de Júlio Marques Mota

 

Publicamos o testemunho em redes sociais de Daniele Macchini, médica da clínica Humanitas Gavazzeni em Bergamo, Itália. Um testemunho importante sobre a real extensão do coronavírus e sobre os médicos nas trincheiras que enfrentam a emergência.

 

“Num dos e-mails que agora recebo do meu serviço de saúde mais do que diariamente, havia um parágrafo intitulado “Comunicar responsavelmente nas redes sociais”, com algumas recomendações que não podem mais ser razoavelmente defendidas. Depois de pensar por muito tempo sobre se – e o quê – escrever sobre o que está acontecendo connosco, eu senti que o silêncio não era de forma alguma uma atitude responsável.

Vou, portanto, tentar transmitir às pessoas que não são do sector médico e que estão longe da nossa realidade, o que estamos a viver em Bergamo durante estes dias da pandemia de Covid-19.

Entendo a necessidade de não criar pânico, mas quando a mensagem sobre a perigosidade do que está a acontecer não chega às pessoas, e ouço sempre aqueles que zombam das recomendações e vejo pessoas a reunirem-se para reclamar de não poder ir ao ginásio ou participar de torneios de futebol, eu estremeço.

.Eu também entendo os danos económicos e também estou preocupado com isso. Após o surto, será difícil recomeçar.

Contudo, para além do facto de sermos literalmente devastadores, mesmo de um ponto de vista económico, o nosso sistema nacional de saúde, gostaria de destacar a extensão dos danos para a saúde que é provável que soframos em todo o país. E eu acho “assustador”, para dizer o mínimo, que ainda não tenhamos estabelecido uma zona vermelha, já solicitada pela Região, para os municípios de Alzano Lombardo e Nembro (gostaria de deixar claro que esta é uma opinião puramente pessoal).

Eu mesmo observei com algum espanto a reorganização de todo o hospital na semana anterior, enquanto o nosso inimigo atual ainda estava na sombra: as enfermarias [do hospital] foram lenta e literalmente “esvaziadas”, as atividades programadas foram interrompidas, os cuidados intensivos foram libertados para fornecer o maior número possível de leitos. Os contentores chegaram em frente ao pronto-socorro para criar rotas diversificadas e evitar possíveis contágios [nota do editor: a necessidade de isolar completamente os pacientes do Covid-19 significava fechar os corredores utilizados até à descontaminação total]. Toda essa rápida transformação trouxe para os corredores hospitalares uma atmosfera de silêncio e de vazio surreal que ainda não entendemos, esperando por uma guerra que ainda não tinha começado e muitos (inclusive eu) não estavam tão certos de que ela chegaria com tanta ferocidade (a propósito: tudo isso em silêncio e sem publicidade, enquanto vários jornais tinham a coragem de dizer que as clínicas privadas não estavam a fazer nada).

Ainda me lembro do meu turno noturno de uma semana atrás que passei desnecessariamente sem dormir, à espera de uma chamada da microbiologia do Hospital [Milão] Sacco. Eu estava à espera do o resultado de uma amostra do primeiro paciente suspeito no nosso hospital, pensando sobre as consequências para nós e para a clínica.

Quando penso nisso, a minha agitação por um único caso possível parece quase ridícula e injustificada, agora que vi o que está a acontecer. A situação atual é, no mínimo, dramática. Nenhuma outra palavra me vem à cabeça.

A guerra eclodiu literalmente e as batalhas são ininterruptas dia e noite. Um após outro, pobres infelizes aparecem na sala de emergência. Eles têm tudo menos complicações de uma gripe sazonal. Vamos parar de dizer que é uma gripe grave.

Durante estes dois anos, aprendi que o povo de Bérgamo não vem ao pronto-socorro por nada. Eles também se comportaram bem desta vez. Eles seguiram todas as indicações dadas: uma semana ou dez dias em casa com febre sem sair e sem risco de contágio, mas agora já não aguentam mais. Eles não estão a respirar o suficiente, precisam de oxigénio.

As terapias medicamentosas para este vírus são raras. O decorrer da doença depende principalmente do nosso organismo. A nossa principal esperança é que o nosso corpo erradique o vírus por si mesmo, sejamos realistas. As terapias antivirais são experimentais sobre este vírus e aprendemos sobre o seu comportamento dia após dia. Ficar em casa até os sintomas piorarem, não altera o prognóstico da doença.

Mas hoje, a necessidade de camas é sentida em toda a sua intensidade dramática. Uma após outra, as alas vazias estão a ficar cheias e a um ritmo impressionante. Os painéis com os nomes dos pacientes, em cores diferentes consoante o bloco operatório a que pertencem, são agora todos vermelhos e, em vez da operação cirúrgica, existe o diagnóstico, que é sempre o mesmo: pneumonia intersticial bilateral. Agora, diz-me que vírus da gripe causa uma tragédia tão rápida

É aqui que reside a diferença (vou falar um pouco tecnicamente): na gripe clássica, além de infetar muito menos pessoas em vários meses, os casos complicados são menos frequentes; eles só ocorrem quando o vírus, ao destruir as barreiras protetoras das nossas vias respiratórias, permite que as bactérias normalmente residentes nas vias respiratórias superiores invadam os brônquios e pulmões, causando casos mais graves. A Covid-19 causa uma gripe comum em muitos jovens, mas em muitos idosos (e não só) uma verdadeira SRAS (Síndrome Respiratória Aguda Grave) porque vai diretamente para os alvéolos dos pulmões e infeta-os, tornando-os incapazes de desempenhar a sua função. A insuficiência respiratória resultante é frequentemente grave e, após alguns dias no hospital, o simples oxigénio que pode ser administrado numa ala [hospitalar] pode não ser suficiente.

Perdoe-me, mas isto não me tranquiliza, como médico, que os pacientes mais gravemente afetados sejam principalmente idosos com outras patologias. A população idosa é a maior do nosso país e é difícil encontrar uma pessoa com mais de 65 anos que não esteja a tomar pelo menos um comprimido para a tensão arterial elevada ou diabetes.

Posso também assegurar que quando se veem jovens que acabam em terapia intensiva, entubados, deitados de barriga para baixo ou pior, em ECMO (Extracorporeal Membrane Oxygenation: uma máquina para o pior cenário, que extrai sangue, reoxigena-o e o envia de volta ao corpo, esperando que o corpo, esperançosamente, cure os pulmões), toda essa paz de espírito por causa da sua jovem idade se desvanece. E embora ainda haja pessoas nas redes sociais que se gabam de não terem medo de ignorar as indicações, para protestar contra o facto de os seus hábitos de vida normais estarem a ser “temporariamente” postos em crise, a catástrofe epidemiológica está a desenrolar-se. E não há mais cirurgiões, urologistas, cirurgiões ortopédicos, nós somos apenas médicos que de repente fazem parte de uma única equipe para lidar com este tsunami que nos tem subjugado.

Os casos estão se a multiplicar, estamos a atingir a taxa de 15-20 internamentos por dia, todas pela mesma razão. Os resultados das amostras são agora um após o outro: positivos, positivos, positivos. De repente, a sala de emergência está um caos. As ordens de emergência são emitidas: é necessária ajuda na sala de emergência. Uma rápida reunião para aprender como funciona o software de gestão de emergência e alguns minutos depois, já estou lá em baixo, ao lado dos guerreiros, na frente de guerra.

O ecrã do PC com as razões de acesso é sempre a mesma: febre e dificuldades respiratórias, febre e tosse, insuficiência respiratória, etc… Exames, radiologia sempre com a mesma frase: pneumonia intersticial bilateral. Todos devem ser hospitalizados. Uma pessoa já está para ser intubada e vai para os cuidados intensivos. Para outros, porém, é tarde demais. A unidade de terapia intensiva acaba saturada, e onde a unidade de terapia intensiva termina, outras são criadas. Cada aparelho de respiração torna-se como ouro. Os blocos operatórios que agora suspenderam a sua atividade não-emergencial tornam-se instalações de terapia intensiva que não existiam antes.

Achei incrível (ou pelo menos posso falar pela Humanitas Gavazzeni onde trabalho) como fomos capazes de implementar num período de tempo tão curto um desdobramento e reorganização de recursos tão bem ajustados para nos prepararmos para um desastre desta magnitude. E cada reorganização de camas, serviços, pessoal, equipas e tarefas é constantemente revista dia após dia para tentar dar tudo e muito mais. Estes serviços que antes pareciam fantasmagóricos estão agora saturados, prontos para tentar dar o melhor para os doentes, mas estão exaustos. O pessoal está exausto. Já vi cansaço em rostos que realmente não sabiam como era, apesar da carga de trabalho já exaustiva que tinham. Já vi pessoas pararem de trabalhar além do seu horário normal de trabalho, trabalhando as horas extras agora usuais. Vi a solidariedade de todos nós, que nunca deixaram de ir aos nossos colegas internistas e perguntar “o que posso fazer por vocês agora? “ou “Deixa este paciente em paz, eu trato dele. “Médicos que movem camas e transferem pacientes, que administram terapias em vez de enfermeiras. Enfermeiros com lágrimas nos olhos, porque não podemos salvar todos, e os parâmetros vitais de muitos pacientes revelam um destino já selado ao mesmo tempo. Não há mais turnos, não há mais horários…

A vida social está suspensa para nós. Estou separada há alguns meses, e asseguro-vos que sempre fiz o meu melhor para ver o meu filho constantemente, mesmo nos dias em que estou em turnos noturnos, sem dormir, mandando o sono de volta para o tempo em que estou sem ele, mas já passaram quase duas semanas desde que, voluntariamente, não vi o meu filho ou familiares por medo de os infetar e, por sua vez, infetar uma avó idosa ou familiares com outros problemas de saúde. Estou contente com algumas fotos do meu filho que eu vejo entre lágrimas e algumas videochamadas.

Então seja paciente também, você que não pode ir ao teatro, museus ou ao ginásio. Tente ter pena dos inúmeros idosos que pelo seu contacto podia exterminar. Não é culpa vossa, eu sei, e para aqueles que lhes metem na cabeça que estamos a exagerar – e para quem até este testemunho pode parecer um mero exagero – para aqueles que estão longe da epidemia, mas por favor, escutem-nos, tentem sair das vossas casas apenas para as coisas que são indispensáveis.

Não vá em massa aos supermercados para encher a dispensa : isso é o pior, porque assim você se concentra e o risco de contato com pessoas infetadas que não sabem que estão infetadas é maior. Você pode ir como normalmente faz. Talvez você tenha uma máscara normal (mesmo aquelas usadas para fazer algum trabalho manual): coloque-a. Não procure por FFP2 ou FFP3. Estas devem ser-nos úteis, e estamos a começar a ter problemas em encontrá-las. Agora tivemos que otimizar a sua utilização e usá-los apenas em determinadas circunstâncias, como recentemente sugerido pela OMS, porque elas estão a tornarem-se escassas em quase todos os lugares. Sim, devido à escassez de certos equipamentos, eu e muitos outros colegas estamos certamente expostos, apesar de todos os meios de proteção à nossa disposição. Alguns de nós já foram infetados, apesar dos protocolos. Alguns colegas infetados também infetaram membros da família, e alguns dos seus familiares já estão a lutar com a vida e a morte.

Estamos onde os teus medos te devem afastar. Tente ficar longe. Diga aos familiares que são idosos ou que têm outras doenças para ficarem em casa. Por favor, traga-lhes mercearias. Nós não temos escolha.

Esse é o nosso trabalho. Na verdade, o que estou a fazer nestes dias não é realmente o trabalho que estou acostumado a fazer, mas estou a fazer de qualquer forma e vou amá-lo tanto que ele vai responder aos mesmos princípios: tentar fazer algumas pessoas doentes se sentirem melhor e curarem-se, ou até mesmo simplesmente aliviar o sofrimento e a dor daqueles que infelizmente não podemos curar.

Vou ser breve sobre as pessoas que nos definem como heróis do nosso tempo e que até ontem estavam prontas para nos insultar e denunciar. Eles voltarão para insultar e denunciar assim que tudo tiver terminado. As pessoas esquecem tudo rapidamente.

E nós nem sequer somos heróis do nosso tempo; esse é simplesmente o nosso trabalho. Costumávamos arriscar para já algo de mau todos os dias: quando colocamos as mãos na barriga sangrenta de alguém sem saber se ele tem HIV ou hepatite C; quando o fazemos mesmo sabendo que ele tem HIV ou hepatite C; quando nos picamos com alguém que tem HIV e tomamos as drogas que nos fazem vomitar de manhã à noite por um mês. Quando abrimos com a habitual ansiedade os resultados dos nossos testes nos vários testes de sangue após uma injeção acidental, na esperança de não sermos infetados.

Nós simplesmente ganhamos o nosso sustento com algo que nos dá emoções. Não importa quão bons ou maus elas sejam, levamo-los para casa dentro de nós. No final do dia, só estamos a tentar ser úteis para todos. Agora, tente fazê-lo você mesmo: através de nossas ações como médicos, influenciamos a vida e a morte de algumas dezenas de pessoas doentes; agora você, com suas ações, influencia a vida e a morte de muito mais pessoas.

Por favor, partilhe esta mensagem. Precisamos espalhar a palavra para evitar que o que está a acontecer aqui aconteça não aconteça noutros lados”.

 

Source : Daniele Macchini, Corriere della Sera, 07-03-2020

Traduit par les lecteurs du site www.les-crises.fr. Traduction librement reproductible en intégralité, en citant la source.

https://bergamo.corriere.it/notizie/cronaca/20_marzo_07/coronavirus-bergamo-medico-humanitas-facebook-situazione-drammatica-altro-che-normale-influenza-4fdf6866-6088-11ea-8d61-438e0a276fc4.shtml?refresh_ce-cp

1 Comment

Leave a Reply