COVID – 19 – ESTADOS UNIDOS – MODERATE REBELS – O FALSO RESGATE DO CORONAVÍRUS NOS ESTADOS UNIDOS CONSISTE NUMA DOAÇÃO DE 6 MILHÕES DE MILHÕES DE DÓLARES A WALL STREET – transcrição de uma entrevista a MICHAEL HUDSON

Selecção e tradução de Júlio Marques Mota

Face à pandemia de Covid-19, o Congresso dos Estados Unidos aprovou e entrou já em vigor o CARES Act – que o economista Michael Hudson explica não ser um “resgate”, mas uma doação massiva  de 6 milhões de milhões  de dólares a Wall Street, bancos, grandes empresas e acionistas.

Max Blumenthal e Ben Norton discutem o enorme esquema financeiro com Hudson, que nos revela como funciona realmente a economia, com a Reserva Federal a imprimir dinheiro para que as elites ricas não percam os seus investimentos.

Michael Hudson’s website: michael-hudson.com

Michael Hudson, “A debt jubilee is the only way to avoid a depression,” The Washington Post, March 21, 2020

(Michael Hudson, “Um jubileu da dívida é a única forma de evitar uma depressão”, The Washington Post, 21 de Março de 2020)

MMT research at New Economic Perspectives: neweconomicperspectives.org

Michael Hudson, “A debt jubilee is the only way to avoid a depression,” The Washington Post, March 21, 2020

 

Transcrição da entrevista

(Entrevista gravada a 13 de Abril de 2020)

 

MICHAEL HUDSON: Basta pensar quando, nos debates com Bernie Sanders durante a Primavera, Biden e Klobuchar continuavam a dizer: “O que estamos a pagar pela Medicare-for-All será cerca de 1  milhão de milhões  de dólares ao longo de 10 anos”. Bem, aqui o Fed pode criar 1,5 milhões de milhões de dólares numa semana só para comprar ações.

Porque é que o Fed pode criar 1,5 biliões de dólares para comprar ações para evitar que os ricos percam nas suas ações, quando não é possível imprimir apenas 1 milhão de milhões  de dólares para pagar um Medicare gratuito para toda a população em 10 anos? Isto é uma loucura!

A ideia é que só os ricos possam imprimir dinheiro para si próprios, mas o governo não deve ser autorizado a imprimir dinheiro para qualquer fim público, qualquer fim social – não para medicina, não para escolas, não para orçamentos pessoais, não para o pleno emprego – mas apenas para dar aos 1%.

As pessoas hesitam em pensar assim. Pensam: “Não pode ser assim tão mau”. Mas para aqueles de nós que trabalharam em Wall Street, durante 60 anos, como é o meu caso, é isso que os números mostram.

Mas não temos os meios de comunicação social a falar de números reais. Eles dizem-nos apenas  palavras e usam eufemismos. É uma espécie de vocabulário orwelliano, que descreve um mundo interior e exterior.

BEN NORTON: O mundo está a sofrer neste momento de uma das piores crises económicas da história moderna. Definitivamente, a pior crise desde o crash financeiro de 2008. E muitos especialistas em economia dizem que estamos a viver a pior recessão desde a Grande Depressão de 1929.

Bem, juntando-se a nós para discutir isto hoje, temos um dos melhores economistas contemporâneos, que está realmente bem preparado para explicar o que tem acontecido nesta recessão global durante a pandemia do coronavírus. E hoje vamos falar especificamente sobre o pacote de ajuda de 6 milhões de milhões  de dólares que o Congresso dos EUA aprovou.

A administração Trump está basicamente a tomar o resgate empresarial de Obama  como exemplo e a injetar  milhões de milhões de dólares no sector empresarial. E hoje, para discutir o que significa exatamente o resgate provocado pelo coronavírus, temos a companhia do economista Michael Hudson.

Ele é autor de muitos livros. E na segunda parte deste episódio vamos falar sobre o seu livro Super Imperialismo: A Estratégia Económica do Império Americano. Portanto, isso será muito mais na linha dos tradicionais episódios dos Rebeldes Moderados, em que falamos de imperialismo, de política externa dos EUA e de tudo isso.

Michael Hudson é também um antigo analista financeiro de Wall Street, por isso está muito bem preparado para falar sobre o roubo financeiro que se passa em Wall Street. E é um distinto professor de economia na Universidade do Missouri, em Kansas City.

Portanto, Michael, vamos começar por aqui. Consegues dizer-nos como responder a esta depressão global que estamos a viver neste momento, no meio da pandemia de Covid-19? E o que pensas deste novo resgate  que foi aprovado?

MICHAEL HUDSON: Bem, a palavra resgate (bailout), como acabaste de referir, foi realmente usada por Obama e só para os bancos. A palavra coronavírus serve apenas como um slogan publicitário.

Os bancos e as empresas, as companhias aéreas, têm pronta uma lista de objetivos, preparada pelos seus advogados e lobistas para uma oportunidade dessas. E quando surge a oportunidade – quer seja o 11 de Setembro com o Patriot Act, quer seja o coronavírus de hoje – eles simplesmente colaram a palavra coronavírus numa Lei, no que deveria ser chamado de “dar de beber” ao grande sector bancário.

Falemos de quem não está a ser resgatado. Quem não  é resgatado são  os pequenos empresários, os restaurantes, as empresas que nós encontramos quando passeamos pelas  ruas de Nova Iorque ou de outras cidades, e todos eles estão cobertos de painéis: fechados. As suas rendas estão a acumular-se, mês após mês.

Restaurantes, ginásios e lojas são empresas de pequenas marcas, pequenas empresas de margens reduzidas, onde, uma vez que não tenham vendas durante talvez três meses e renda acumulada durante três meses, não vão ter dinheiro suficiente para  terem lucros  para conseguirem pagar as rendas que acumularam nos últimos três meses.

As outras pessoas que não estão a ser socorridas são os trabalhadores – especialmente as pessoas a quem chamam os trabalhadores de primeira necessidade, que é o seu eufemismo para trabalhadores com salários mínimos sem qualquer segurança de emprego. Tem havido enormes despedimentos de trabalhadores com salários mínimos, trabalho manual, de  todo o tipo de trabalho.

Eles não estão a receber rendimentos, mas as rendas que têm de pagar estão a aumentar. E as suas contas de serviços públicos estão a acumular-se. Os seus empréstimos estudantis estão a acumular-se. E as suas dívidas de cartão de crédito estão a aumentar a taxas de juros e de penalização, que são ainda maiores do que as taxas de juros. Portanto, todas estas dívidas estão a acumular-se.

A verdadeira explosão vai ocorrer dentro de três meses, quando, de repente, este dinheiro se tornar exigível. O governador de Nova Iorque disse: “Bem, temos uma moratória sobre o despejo efetivo de pessoas durante três meses”. Portanto, há restaurantes e outras pessoas, indivíduos, assalariados, que vão poder viver nos seus apartamentos e não ser despejados. Mas, ao fim de três meses, é aí que os avisos de despejo vão chegar. E as pessoas vão decidir, será que vale a pena?

Bem, especialmente os restaurantes vão decidir. E vão dizer: “Não há maneira de conseguirmos ganhar dinheiro para pagar, porque não temos tido o rendimento para pagar”. Vão ficar sem negócio. Eles não vão ser ajudados.

O tipo semelhante de presente  ocorreu após o 11 de Setembro. Eu tive uma casa durante 20 anos em Tribeca, a um quarteirão do World Trade Center. O dinheiro era dado pelo governo aos senhorios, mas não às pequenas empresas que lá alugavam – as lojas Xerox e as outras coisas. Os senhorios tomaram para eles  toda a aparente perda de renda,  e ainda assim tentaram cobrar a renda das lojas xerox, das lojas de alimentos, e acabaram por cobrar duas vezes, e expulsá-las.

Por isso estão a ter o simulacro de um resgate, mas o resgate é realmente um resgate ao estilo de Obama. Vai para os bancos; vai para aquelas companhias que elaboraram listas de desejos pelos seus lobistas tentarem satisfazer, como as companhias aéreas, a Boeing e os grandes bancos.

Os bancos e os interesses imobiliários vão ser os maiores beneficiários. Mudaram a legislação imobiliária de modo a que os proprietários imobiliários, durante uma geração, fiquem isentos de impostos sobre o rendimento. Estão autorizados a cobrar amortizações e têm outras amortizações rápidas para fingir que os seus bens imobiliários estão a perder valor, independentemente de estarem a subir ou não de valor.

Donald Trump diz que adora a depreciação, porque pode afirmar que está a perder dinheiro, e obtém uma remissão fiscal, mesmo enquanto os preços dos seus imóveis sobem.

Por isso, há muitas letras pequenas. O diabo está nas letras pequenas do anúncio. E mesmo  o Presidente Trump tem o seu próprio fundo de 500 mil  milhões de dólares sobre o qual diz não ter de informar o Congresso ou  estar sujeito a qualquer lei de Liberdade de Informação. Ele pode dar aos seus apoiantes nos Estados Republicanos  milhões de milhões

E os estados e municípios ficam falidos. Imagine a cidade de Nova Iorque e outros estados. A maioria dos estados e cidades têm restrições constitucionais sobre o equilíbrio orçamental. Isso significa que não estão autorizados a ter um défice.

Agora, se estes Estados e cidades têm de pagar o seguro de desemprego e têm de pagar encargos com as escolas e serviços públicos, mas não recebem os impostos sobre as vendas, não recebem os impostos sobre o rendimento, dos restaurantes e de todas as empresas que estão fechadas, ou dos trabalhadores porque  são despedidos, vão ficar com um défice enorme.

Nada se faz a esse respeito. Não houve qualquer tentativa de os resgatar. Portanto, daqui a três meses, terão Estados falidos, municípios falidos, mão-de-obra que não pode aguentar, cujas poupanças foram já gastas.

Como tenho a certeza de que relatou no seu programa, a Reserva Federal diz que metade dos americanos não tem 400 dólares de  poupanças para responder a despesas de emergência. Bem, agora vão ter  milhares de dólares de renda e de  contas mensais.

Portanto, o desastre está prestes a acontecer. Eles não vão ser socorridos. Mas nenhum grande investidor, na verdade, vai perder. Na semana passada, o mercado bolsista deu o maior salto desde a depressão – o maior salto dos últimos 90 anos. E isso porque Trump diz: “A economia é a bolsa de valores, e a bolsa de valores é o grupo de 1%. “.

Por isso, desde o início, o seu ponto de referência para o mercado e para a economia é o 1 % o. Os 99 % são simplesmente despesas gerais. A indústria é uma sobrecarga. A agricultura é uma despesa geral. E a mão-de-obra é uma despesa geral,  para o que é realmente uma economia financeira que estabelece e faz aprovar todo o plano de ajuda.

Não é um resgate  –  é uma enorme prenda que os torna mais ricos do que alguma vez foram antes.

BEN NORTON: Sim e Michael, em relação a isso – o senhor mencionou que as letras miúdas são importantes. Mas eu também tenho uma espécie de pergunta ainda mais importante: é que eu não  sei exatamente de onde vêm estes números.

Oficialmente, o resgate é de 2 milhões de milhões  de dólares. Muitos meios de comunicação social noticiaram-no efetivamente como sendo de 4 milhões de milhões de dólares. Mas, na verdade, segundo Larry Kudlow – que é o director do Conselho Económico Nacional dos EUA, é o tipo de economista-chefe da administração Trump – Larry Kudlow diz agora que, na realidade, são 6 milhões de milhões  de dólares no total, o que corresponde a um quarto de todo o PIB dos EUA.

E isso inclui 4 milhões de milhões  de dólares em poder de empréstimo para a Reserva Federal, bem como 2 milhões de milhões de dólares no pacote de ajuda.

Por conseguinte, está em discussão este pacote de ajuda, mas na verdade o pacote de ajuda de 2 milhões de milhões de dólares é, na verdade, metade do montante dos 4  milhões de milhões  de dólares que são concedidos à Reserva Federal.

O que são exatamente esses 4 milhões de milhões de dólares que a Reserva Federal tem disponíveis? Será isto uma espécie de saco preto  ou como é que funciona?

MICHAEL HUDSON: Não, a Reserva Federal recebeu poderes especiais para criar 10 vezes mais empréstimos ou swaps do que outros. A Reserva Federal representa os bancos comerciais e os investidores comerciais.

Agora o problema é este: muitas empresas estavam a emitir títulos não pretendidos pelos mercados, títulos “podres” . Estavam a descer muito nos preços, especialmente as junk bonds para a indústria de fracking, isto é, do petróleo. A Reserva Federal diz: “Vamos ter o apoio do Tesouro”. Podemos simplesmente criar – como sabem, a Teoria Monetária Moderna – podemos simplesmente criar dinheiro num computador, e trocá-lo por títulos. Por isso, vamos dizer: aos mercados “Dêem-nos os vossos pobres”. É como a Estátua da Liberdade: “Dá-nos os teus pobres, os teus oprimidos,” ou a  velha  lâmpada  de Aladino para as novas: “Dá-nos os teus títulos de lixo, e nós damos-te um depósito  de confiança, um depósito da Reserva Federal “.

Assim, a Reserva Federal tem vindo a injetar milhões de milhões de  dólares para o mercado bolsista. É isso que tem estado a empurrar o mercado de ações, isso é obra da  Reserva Federal. O resgate foi para o mercado de ações. Como se a bolsa de valores tivesse coronavírus! As ações não apanham coronavírus! Elas não adoecem com o vírus! E, no entanto, é a bolsa de valores que está a subir através da ação da Reserva Federal.

Há também outros 2 milhões de milhões de dólares, 2 a 4 milhões de milhões de dólares que o governo dos EUA tem, para além dos 2  milhões de milhões  de dólares que vão para o povo. Por isso, a maioria dos cálculos que foram publicados citam-no como um resgate  no valor total de 10 milhões de milhões  de dólares. Dos quais os jornais, para não embaraçar o Sr. Trump, apenas se referem ao dinheiro dado aos trabalhadores assalariados. E estão um pouco embaraçados pelo facto da  grande maioria ser dada ao sector financeiro que não precisa de um resgate, mas que não quer perder um único cêntimo do que o vírus lhes pode dar a ganhar.

Por isso, quando se vê o mercado bolsista recuperar quase até ao que era antes do vírus, enquanto a economia está em queda, percebe-se que estão a poupar o 1%, ou os 10% da população que detém 85% das ações e obrigações. Eles estão a poupar os bancos. Não estão a salvar as pessoas e não estão a salvar a economia; não estão a salvar a indústria; e não estão a salvar as pequenas empresas.

Por isso, é uma hipocrisia espantosa que a grande imprensa não esteja a discutir isto, e é por isso que a vossa emissão    é muito  importante.

MAX BLUMENTHAL: Sim, e aqui em Washington, DC, recebemos, penso eu, 500 milhões de dólares para, penso eu, aquilo que descreve com precisão como o salvamento da bolsa de valores. E isso é muito menos do que um número de estados vermelhos que são menos populosos do que Washington, DC, recebem. Portanto, há aqui um enorme  desvio de fundos.

E depois, a cidade só tem sido capaz de prover a certos sectores da economia. Os imigrantes indocumentados, que aqui fazem muitos trabalhos , não conseguiram nada da cidade. Os vendedores, que são uma grande parte da economia informal em DC, apesar de terem de ser regulamentados, não conseguiram nada.

E depois mencionam todos estes sectores da economia – jovens, jovens com formação universitária, que estão profundamente endividados e, portanto, menos inclinados a gastar – que estão a ser enganados aqui.

Por isso, o senhor  apela  a uma solução – bem, acho que, conhecendo tantas dessas pessoas, elas contribuem tão pouco para a economia porque não podem; estão apenas meter o seu dinheiro na dívida. Por isso, apelaram a um jubileu da dívida.

O senhor diz que as dívidas que não podem ser pagas não o serão, e esta é a melhor saída.

Talvez possa explicar aos nossos telespectadores e ouvintes o que isso é e porque razão seria o melhor remédio?

MICHAEL HUDSON: Bem, eis o que acontece se não depreciarem as dívidas que vão acumular-se nos próximos três meses: Se não disseres: “As rendas não terão de ser pagas, e os trabalhadores não terão de pagar as dívidas que acumularam”, se deixares essas dívidas na contabilidade, e obrigares os trabalhadores a continuar a pagar as suas dívidas de estudantes, e as outras dívidas, e as dívidas hipotecárias, e as rendas, então eles não vão ter mais dinheiro para comprar bens e serviços.

Quando tudo acabar, eles vão receber os seus cheques de pagamento salarial e à cabeça vai estar a retenção salarial, e a retenção na fonte, e o Medicare, e se não quiserem ser expulsos de casa, vão ter de pagar todo este dinheiro que é acrescido enquanto não têm rendimentos.

Portanto, vai ter uma contração da economia, uma vasta contração. Como é que se podem dar ao luxo de comprar tudo menos os bens de primeira necessidade, os alimentos mais baratos, o transporte necessário? Obviamente, não vão comprar os tipos de bens e serviços que supostamente fazem parte do fluxo circular de bens e serviços.

Os manuais de economia dizem que os empregadores pagam aos trabalhadores para que estes possam ter dinheiro suficiente para comprar o que produzem. Mas os trabalhadores não gastam os seus rendimentos apenas com o que produzem. Gastam a maior parte do seu rendimento no aluguer, no serviço da dívida, nos impostos, nas finanças, nos seguros e nos bens imobiliários. E esta é a única parte da economia que está a ser capaz de sobreviver.

Como se pode ter a superestrutura de rendas e dívidas, de encargos com seguros, numa economia que não tem rendimentos para comprar bens e serviços? E se não podem comprar bens e serviços, vão ter as lojas a fechar, porque as pessoas não têm dinheiro para comprar o que as lojas estão a vender.

Vai ter uma onda brutal  de encerramentos. E vocês vão para as ruas, e certamente em cidades como Nova Iorque, ou onde eu vivo em Queens, nos arredores de Manhattan, onde quarteirão após quarteirão, vão ser sinais de “Para alugar”. As casas estão a ficar vazias.

E a única maneira de evitar isso é com  uma redução da dívida.

Há 5.000 anos que isto acontece. Vou dar-lhe um exemplo que talvez seja fácil de entender.

Na Babilónia, temos as Leis de Hamurabi, em 1800 AC. Uma das leis diz que quando se comprava cerveja ou outras coisas, escrevia-se numa conta no bar, na casa da cerveja, e todas as dívidas eram mantidas até ao fim da colheita. Pagava-se a dívida sazonalmente.

Bem, disse Hammurabi, se houver uma seca, ou se houver uma inundação, então não tens de pagar as dívidas. A maioria das dívidas tinha a ver com o palácio, e outros.

A política implícita é a seguinte: “A razão pela qual estamos a fazer isto é que, se não o fizermos, então vão fazer com que estes devedores se tornem servos da dívida, servos das obrigações para com os credores; vão dever o seu trabalho aos credores; vão perder as suas terras para os credores”; e não vão poder trabalhar em projetos de infraestruturas públicas; não vão trabalhar para a Babilónia; não vão servir no exército, e nós podemos ser invadidos; e não vão poder utilizar as suas colheitas como impostos, porque vão ficar em dívida  a ser paga  com as colheitas. Por isso vamos depreciar a dívida”.

Assim, toda a ideia durante milhares de anos, de cada governante do Médio  Oriente ao iniciar o seu reinado era depreciar as dívidas, era começar tudo de novo, em equilíbrio.

Porque  aperceberam-se, apenas matematicamente, que as dívidas crescem a juros compostos. Viram o coronavírus aumentar a uma taxa exponencial. É assim que as dívidas acumulam os juros, a uma taxa exponencial.

Mas a economia cresce numa curva em S, e depois afunila. A economia americana, o PIB, desde os resgates de Obama de 2008, todo o crescimento do PIB só aumentou para 5 por cento para toda a população. . Para 95% da economia, o PIB é inferior ao que era antes. 95% dos americanos têm menos rendimento disponível para gastar em bens e serviços depois de pagarem o serviço da dívida mensal, renda ou custos de habitação, seguro médico, outras dívidas e contas de serviços públicos.

Portanto, já estamos numa depressão desde há  12 anos, a depressão de Obama, a que eles gostam de chamar recessão, porque a maioria dos meios de comunicação social são pessoas do Partido Democrata.

Mas esta recessão vai transformar-se numa verdadeira depressão, e vai continuar até que a dívida pública, ou seja, as dívidas estatais e locais, sejam depreciadas; as dívidas hipotecárias depreciadas; e as dívidas pessoais depreciadas, a começar pelos empréstimos estudantis, a dívida mais obviamente impagável.

E a escolha é: queres a depressão, ou queres que os bancos se possam cobrar de todo o excedente económico para si próprios? Bem, Donald Trump, apoiado unanimemente pelo Congresso Democrata, diz: “Queremos proteger os bancos, não a população, não a economia”. Que a economia encolha, desde que os nossos eleitores, a classe dos doadores, sejam capazes de evitar ter  prejuízos. Que a perda seja suportada pelos 99%, não pela nossa classe de doadores”.

BEN NORTON: Sim, e Michael, tu mencionaste algo, voltar à Reserva Federal e compreender como todo este sistema funciona. Quero dizer, francamente, parece-me ser uma espécie de castelo de cartas.

Mas mencionaste esta ideia da Teoria Monetária Moderna e de criar dinheiro a partir do nada. Podes falar mais sobre isso? Sabes que este é um termo que se tornou mais proeminente, especialmente à esquerda: MMT, teoria monetária moderna.

Há socialistas que argumentam a favor da MMT e depois há outros que são um pouco céticos em relação a toda a noção de que se pode simplesmente imprimir todo este dinheiro para financiar estes programas sociais que se quer criar, e que isso não vai criar inflação.

Mas, ao mesmo tempo, tu e outras pessoas salientam que é exatamente assim que a economia já funciona. Onde, por exemplo, se quer financiar uma guerra, nunca há – sabes que  frequentemente  quando alguém da esquerda pede cuidados de saúde universais ou educação pública gratuita, os membros não só do Partido Republicano mas muitos democratas neoliberais dizem frequentemente: “Bem, sim, onde é que vai arranjar o dinheiro? E a resposta de alguns dos apoiantes do MMT é: “Bem, nós apenas financiamos o programa e apenas criamos o dinheiro porque controlamos a criação do dólar”.

E vemos essa mesma atitude utilizada neste momento pela Reserva Federal, mas para socorrer Wall Street. “Sim, vamos apenas imprimir” – imprimiram 1,5 milhão de milhões de dólares e depois deram-no, injetaram-no diretamente em Wall Street.

Então isso não cria inflação, ou o que é que está a acontecer  economicamente com  Wall Street? Quero dizer, parece-me uma fraude; parece-me totalmente uma fraude.

MICHAEL HUDSON: Desde 2008, tivemos a maior inflação de dinheiro da história. E tivemos também a maior inflação da história, mas é inteiramente inflação de preços de ativos.

Tens toda a razão: o dinheiro foi para a bolsa e para o mercado obrigacionista, para apoiar os preços das obrigações, o que significa que teve o maior boom obrigacionista da história. Tivemos  um enorme boom na bolsa de valores. Mas os preços ao consumidor desceram. Portanto, aqui temos uma enorme quantidade de dinheiro criado, e os preços ao consumidor e os salários reais têm vindo a descer.

Portanto, são realmente duas economias. A questão é: vão criar dinheiro para fins públicos, gastando-o na economia, na indústria, na agricultura, na produção de bens e serviços e na economia de consumo, ou vão colocá-lo na economia financeira?

Pois bem, todo o nosso sistema bancário assenta em que  os bancos criam crédito. Se entrarem num banco e contraírem um empréstimo, dizem, vou pedir emprestados 5 000 dólares para  qualquer coisa. O banqueiro não lhe vai  dizer: “Deixa-me ver se temos dinheiro para te emprestar; ele diz: “Está bem, eu vou inscrever um empréstimo no meu computador. Vou creditar a sua conta com um depósito de $5.000, e o senhor vai assinar este este documento IOU, e nós temos um ativo. E o ativo é de 5 000 dólares, sobre o qual vamos cobrar juros sobre o que lhe creditamos”.

Portanto, é feito apenas por computador, num balanço. E enquanto o dinheiro for criado num computador, o único custo é a eletricidade utilizada para fazer esse registo da dívida.

Agora os bancos, quando fazem empréstimos, 80% são contra o imobiliário. Por isso dizem, no caso de não se poder pagar, está-se a hipotecar o imóvel – a casa que se compra, ou o edifício comercial que se está a comprar, como garantia. Portanto, vamos emprestar-lhe até 80%, talvez 100%, do valor do que está a comprar, e essa é a garantia que temos.

Portanto, eles emprestam contra garantias. Bem, se emprestam o dinheiro contra garantia para comprar um edifício, ou para comprar ações e obrigações, que são a outra garantia, então obviamente que este dinheiro que estão a criar para comprar casas, ou imóveis comerciais, ou ações e obrigações vai fazer subir os preços do que se está comprar .

Os bancos não dão empréstimos a pessoas que dizem: “Quero ir às compras e comprar mais bens porque preciso do dinheiro”. Isso pode ser um pouco simplista, é para isso que servem os cartões de crédito, mas isso é uma pequena parte da oferta global de dinheiro. Portanto, os bancos não fazem em geral empréstimos para comprar bens e serviços; fazem empréstimos para comprar ativos que obviamente inflacionam o preço dos ativos.

E quanto mais dinheiro se paga por casas que estão a subir de preço, ou seguro médico, ou ações e títulos, para fazer um rendimento de reforma para o seu fundo de pensões; quanto mais dinheiro se paga por casas que estão a subir de preço devido ao crédito bancário, menos dinheiro se tem para comprar bens e serviços.

Portanto, na verdade, quanto mais dinheiro criam, mais os preços dos bens e serviços no consumidor caem. É exatamente o oposto da teoria do costume.

No meu website tenho muitos artigos sobre isso, e hoje tenho algo em Counterpunch sobre isso. É sobre a forma como a economia funciona, ao contrário do que dizem os livros de texto.

Agora, infelizmente, a  esquerda não estuda muito finança e moeda. A discussão sobre finança  e moeda  tem sido monopolizada pela direita,  é o que  a esquerda  pensa,   e com isso não se apercebe de que está a apanhar uma espécie de teoria do lixo das relações monetárias e das relações da dívida que tem sido retomada por todo o espectro  político.

É uma espécie de universo paralelo. Não é assim que a economia funciona realmente, mas trata-se  de uma forma que é fácil de entender. E é muito fácil fazer com que uma visão errada e simplificada do mundo seja fácil de compreender.

E quando se repete vezes sem conta, nos meios de comunicação social, no New York Times e na MSNBC, as pessoas pensam realmente que, bem, talvez seja assim que o mundo funciona – mais dinheiro vai fazer subir os preços, por isso é melhor não insistirmos nisso, é melhor seguirmos a teoria do trickle down, segundo a qual favorecer os ricos significa favorecer depois os pobres .

E a maioria da esquerda acredita na teoria do “trickle-down”. A liderança do Partido Democrata está absolutamente convencida de que, se se der dinheiro suficiente aos primeiros 1%, ou 5%, ou a Wall Street, tudo isso é trickle down, tudo isso é uma via para vir a favorecer os pobres.

BEN HORTON: É claro que o Partido Democrata não é a esquerda.

MICHAEL HUDSON: É verdade, mas finge ser. E tem excluído a esquerda. Podem ver nas recentes primárias eleitorais que a sua função é proteger o Partido Republicano de qualquer crítica feita pela esquerda real, situando-se  entre o Partido Republicano e qualquer possível movimento de reforma.

BEN NORTON: Exatamente.

MAX BLUMENTHAL: Pois bem, eles  levantaram-se  com muita força contra o resgate  – quero dizer, o que foi, 96 contra  zero? E aquando da votação, eu estava a ouvir a votação, à noite,  para ouvir o que era dito na Assembleia; não ouvi a voz da Alexandria Ocasio-Cortez  contra.

MICHAEL HUDSON: Falaram de um modo  para que todos pudessem dizer: “Oh, não fui eu!”.

MAX BLUMENTHAL: Não, não! Então, o senhor  mencionou que o rei da execução hipotecária, Steve Mnnuchin, tem um saco azul , um fundo, de 500 mil milhões de dólares. Não tenho ouvido muita discussão sobre isso. O que irá ele fazer com este tipo de fundo opaco, e como irá isto – quero dizer, é uma pergunta importante, mas como irá  evoluir este tipo de reforço ou consolidação da desigualdade para a próxima geração?

MICHAEL HUDSON: Bem, espero que ele dê alguma coisa a Kamala Harris, que foi o procurador-geral que o deixou fazer tudo isto, e que o apoiou completamente e liderou a execução hipotecária, foi o punho de ferro por detrás do seu programa de execução hipotecária. Por isso, tenho a certeza de que ele vai fazer pressão para que Kamala seja a vice-presidente na lista.

Os Democratas têm um problema. Como podem eles garantir que o seu candidato ganha? O seu candidato é Donald Trump. Como podem eles garantir que têm um candidato tão fraco que  tem a certeza que vai perder para Donald Trump? E a escolha é: vamos ter um vice-presidente que seja tão impopular que eles têm a certeza que vão perder.

Agora é uma corrida entre Kamala Harris e a senhora do Minnesota.

MAX BLUMENTHAL: Klobuchar? Aquela que atira agrafadores ao pessoal da sua equipa de trabalho . Ela parece muito encantadora.

Michael Hudson. Não sei nada quanto a isso. Mas a minha mulher nem consegue olhar para ela na televisão. Mas acho que a pretensão é que ela vai ajudar a conseguir o Minnesota, como se os seus eleitores deste estado de onde eu venho, fossem tão burros só para votar em alguém de lá. Mas ao conseguir o Minnesota, eles vão perder todo o resto do país.

Portanto, penso que ela será a vice-presidente, porque isso garante uma vitória do Trump. E isso permitirá aos Democratas dizer, aqui – terão o presidente que querem, isto é, para a sua classe de dadores, mas podem dizer: “Não somos nós os responsáveis; são os republicanos”. É essa, portanto, a estratégia democrática.

MAX BLUMENTHAL: Certo, então eles podem levantar muito dinheiro para a “Resistência”, e para todos os centros de reflexão externos que os apoiam, ditos os  think tanks. E essa era a velha estratégia republicana, a de William F. Buckley,  para quem é melhor atirar pedras para fora do edifício e angariar uma tonelada de dinheiro para a National Review do que ter de governar de facto. E essa parece ser a estratégia democrática.

Mas acho que estava a perguntar como vêem a economia a transformar-se, porque o salvamento Obama transformou-a ou consolidou a economia gigante, onde todos têm de trabalhar três a cinco postos de trabalho, e o que era suposto ser uma classe média altamente educada está profundamente endividada.

Como se verá isto depois do próximo conjunto de resgates na bolsa?

MICHAEL HUDSON: Ok, vamos olhar para daqui a três meses. As empresas mais pequenas vão ser espremidas, porque todas as suas despesas vão aumentar. As pequenas empresas tiveram de aumentar as suas dívidas e têm todo o tipo de outros problemas, e os seus lucros, os seus lucros potenciais, não vão parecer tão bons. Porque não vai haver mercado para as coisas que vendem, por causa da deflação da dívida de que falei.

Então, o que vai acontecer? Vamos ter uma situação de  bonança para o capital privado. Os que têm  liquidez, as pessoas que compõem o 1%,  têm acesso ao crédito bancário e têm o seu próprio capital próprio, vão voltar  e apropriar-se de muitos bens imobiliários que vão ficar em situação de incumprimento – tal como fizeram depois de Obama ter perdido a sua base eleitoral, em que a os 1% de então, a  máfia com toda a agressividade,  fez  exatamente o mesmo.

Blackstone irá obter  mais bens imobiliários. As grandes empresas vão engolir  as pequenas empresas. Vão emergir com uma economia altamente monopolizada, muito mais centralizada.

O importante a perceber sobre economia de mercado livre e os libertários, é que os libertários defendem o planeamento central, a Chicago School of monetaristas defende o planeamento central; os defensores dos mercados livres querem planeamento central. Mas os bancos devem ser os planificadores, não o governo. Querem excluir o governo do planeamento, exceto na medida em que possam assumir o governo, como fez Trump, e planear todos os rendimentos a transferir para si próprio a partir do resto da economia.

Portanto, vamos ter um planeamento muito mais central por parte de uma coligação de monopólios e do governo. Na década de 1930, isso chamava-se fascismo.

MAX BLUMENTHAL: É o que chamamos uma “parceria público-privada” ou algo assim.

MICHAEL HUDSON: É isso mesmo.

MAX BLUMENTHAL: Apenas muito rapidamente, e talvez possamos fazer uma espécie de transição depois disto, mas mencionou Blackstone. Penso que esta é uma das componentes-chave do plano de ajuda. Eles têm tanta participação em tantas das empresas que estão a ser salvas. Pode descrever apenas o seu papel e o que é ela representa ?

MICHAEL HUDSON: É apropriado que tenham sido encarregados do resgate. Trata-se  da maior empresa a comprar bens imobiliários em situação de incumprimento, a absorver  os fracos – chama-se a isso mover ativos das mãos dos fracos para as  dos fortes – então mais vale que sejam eles a mandar, porque vão ser a empresa que vai  apanhar o grosso de tudo isso. Por isso, é claro que são eles que mandam.

Chama-se grabitização. Essa era a palavra russa para privatização nos anos 90. Portanto, grabitização é, a meu ver, uma palavra melhor do que parceria público-privada. Não é realmente um parceiro; é uma espécie de parceria unidireccional; há um parceiro subsidiário. É realmente uma financeirização e uma grabitização.

MAX BLUMENTHAL: Certo, é isto  exatamente  o saque dos bens do Estado.

BEN NORTON: Voltando um passo atrás, Michael,  estavas a falar  sobre a forma como as pessoas deveriam pensar sobre como a economia realmente funciona. E eu mencionei o MMT. Podes voltar a passar por este tema ? Porque estavas a falar de como, na realidade, quando o Fed cria moeda – refiro-me realmente a mim, como alguém, não sou definitivamente um especialista em economia, só não compreendo realmente como é que todo este processo funciona, porque para mim parece simplesmente que, literalmente, eles estão apenas a criar dinheiro e apenas a dá-lo aos bancos, às elites empresariais e às pessoas ricas.

Talvez seja isso que é. Mas não compreendo, este é o maior esquema que consigo imaginar, em que a Reserva Federal está a criar todo este dinheiro, a imprimir – eles estão a imprimir dinheiro fisicamente é o que eu entendo. E depois estão apenas a dá-lo a estes bancos, aos detentores de obrigações. E depois, mas disseste que o que faz é, em vez de criar inflação, o que faz é, se bem entendi, aumentar o valor de ativos como os imóveis, ao mesmo tempo que deflaciona os salários e os preços das mercadorias.

Então, se for esse o caso, como é que as pessoas que defendem programas socializados como o Medicare for All, a educação pública gratuita, a licença de maternidade e os cuidados infantis, e todos esses programas que a campanha e o movimento Bernie Sanders têm defendido, como é que devemos andar a falar da forma de pagar todos esses programas, se a realidade da economia é que o Fed está a imprimir  milhões de milhões de dólares, e depois apenas a dar esse dinheiro aos bancos?

MICHAEL HUDSON: Bem, penso que a razão pela qual estás a ter dificuldades em compreender o MMT é porque o que descreveste é o que está a acontecer, mas pensa: “Mas isso é injusto!”. E há uma tendência para pensar, se for injusto…

MAX BLUMENTHAL: Não é apenas injusto. É o maior esquema de golpe que eu posso imaginar. Não há outra palavra que não seja apenas um esquema de vigarice.

MICHAEL HUDSON: Sim, e o cérebro recuar do pensamento: “Será que o governo pode realmente estar a fazer-nos isso?” Bem, sim, pode.

E basta pensar quando, nos debates com Bernie Sanders durante a Primavera, Biden e Klobuchar continuam a dizer: “O que estamos a pagar pelo Medicare-for-All será de 1 milhão de milhões de dólares  em 10 anos”. Bem aqui o Fed pode criar 1,5  milhão de milhões  de dólares numa semana só para comprar ações.

Porque é que o Fed pode criar 1,5 milhão de milhões de dólares para comprar ações  de  maneira a evitar que os ricos percam no valor das suas ações, quando não é possível imprimir apenas 1  milhão de milhões de dólares a pagar por um Medicare gratuito para toda a população? Isto é uma loucura!

A ideia é de que só os ricos devem ser autorizados a imprimir dinheiro para si próprios, mas o governo não deve ser autorizado a imprimir dinheiro para qualquer fim público, qualquer fim social – não para a medicina, não para as escolas, não para os orçamentos pessoais, não para o pleno emprego – a não ser  para dar aos 1 por cento.

As pessoas hesitam em pensar assim. Pensam: “Não pode ser assim tão mau”. Mas para aqueles de nós que trabalharam em Wall Street, durante 60 anos, como é o  meu caso, é isso que os números mostram.

Mas não têm os meios de comunicação social a falar de números reais. Eles falam apenas de palavras e usam eufemismos. É uma espécie de vocabulário orwelliano, que descreve um mundo interior e exterior do qual estão a falar.

Eles vão comprar ações; vão dizer que vamos comprar um milhão de ações da Boeing; vão apenas passar um cheque, e o cheque será da Reserva Federal, e a Boeing vai receber o dinheiro. A Reserva Federal pode criar um depósito, tal como um banqueiro lhe fará um empréstimo quando  entrar no banco e pedir emprestado. É feito num computador – sem cobrança de impostos. A Reserva Federal pode fazer a mesma coisa.

Stephanie Kelton, presidente do meu departamento há muitos anos na Universidade do Missouri, em Kansas City, descreve isto. O website da Universidade do Missouri, Novas Perspectivas Económicas, tem uma descrição do mesmo. Por isso, se as pessoas quiserem pesquisar no Google, ou sobre ela, UMKC, ou o que eu escrevi, ou Randall Wray no Instituto Levy, vão podem consultar muita coisa sobre o tema.

Se não se está já a pensar em termos de balanços, o que a maioria das pessoas não pensa, é preciso lê-lo uma e outra vez, e depois, de repente, “Ah, agora percebo. Eureka ! É criado do nada. Agora percebo”.

BEN NORTON: É apenas um castelo de cartas. Para mim,  isto prova o tipo – costumava haver este tipo de visão marxista ortodoxa muito grosseira de que a economia segue estritamente a política, e parece-me que este é um caso em que a economia é apenas criada pela política.

MICHAEL HUDSON: Isso é verdade, e não é uma posição não marxista. Marx fez a distinção entre oligarquias e democracias, entre  financiar economias capitalistas e economias capitalistas industriais.

MAX BLUMENTHAL: Certo. E os 17 mil milhões de dólares para “medidas urgentes de segurança nacional” foram diretamente para os bolsos da Boeing, que teve os seus 737 máximos a cair do céu, e há muito tempo que clamava por este resgate .

Viu a 3M, o fabricante destas máscaras que subitamente não estão disponíveis, obter  uma isenção total de processos judiciais, se as máscaras que produziu agora em massa falharem de alguma forma.

Por isso, todas estas coisas que estavam metidas na ajuda eram o que a indústria e as finanças vinham a  reclamar desde há  anos. E finalmente tiveram a oportunidade de o fazer.

BEN NORTON: Muito bem, vamos fazer uma pausa. Foi o fim da parte um da nossa entrevista aqui com o economista Michael Hudson. Ele é um analista financeiro de Wall Street, um distinto professor de economia da Universidade do Missouri Kansas City, e, claro, autor de muitos livros sobre economia.

Podem encontrar parte do seu trabalho clicando em michael-hudson.com. Faremos o link nas notas. Tem entrevistas com transcrições e artigos.

Pode também encontrar alguns dos seus trabalhos de economia e o trabalho de alguns dos seus colegas de pensamento semelhante no departamento de economia do website da Universidade do Missouri Kansas City. Vou também fazer um link para isso nas notas do programa. Pode encontrar as notas da entrevista  em  moderaterebels.com.

Na parte dois deste episódio, vamos continuar a nossa discussão sobre o castelo de cartas que é o sistema financeiro internacional, o sistema económico. E na segunda parte vamos falar sobre o seu livro “Super Imperialismo”: A Estratégia Económica do Império Americano”.

 

Este é um livro incrível. Sabem, aqui nos Rebeldes Moderados, Max e eu falamos frequentemente sobre o lado político e militar do imperialismo.

Michael Hudson explica, em termos fáceis de compreender, como é que o imperialismo funciona ao nível económico, como é que o governo e o tesouro dos Estados Unidos, com apoio da força militar, forçam países de todo o mundo a comprar títulos americanos, e como há um esquema fraudulento para fazer os países pagarem a sua ocupação militar pelos Estados Unidos  comprando títulos do tesouro norte-americano.

Michael Hudson explica tudo isso usando termos simples. E falamos também sobre o crescimento da China, e sobre como a China constitui o que se pode chamar uma ameaça, em termos de receios concretos,  não para o povo americano, mas sobretudo para a hegemonia do sistema financeiro norte-americano – e para os principais instrumentos financeiros, as armas que os Estados Unidos usam para manter essa hegemonia, o Fundo Monetário Internacional  e o Banco Mundial.

E Hudson descreve como, do seu ponto de vista, o FMI e o Banco Mundial, especificamente, são algumas das instituições  mais perversas que na realidade mantêm o jugo ditatorial e autoritário americano sobre o sistema financeiro global.

About joaompmachado

Nome completo: João Manuel Pacheco Machado

Leave a Reply

%d bloggers like this: