CRISE DO COVID 19 E A INCAPACIDADE DAS SOCIEDADES NEOLIBERAIS EM LHE DAREM RESPOSTA – XLVI – OS ESTRAGOS DA CRISE – CORONAVÍRUS: EM QUE PAÍS DE “SABUJOS” VIVEMOS NÓS? – por YVES ROUCAUTE

Coronavirus: dans quel pays de “salauds” vivons-nous? por Yves Roucaute

Atlantico, 30 de Abril de 2020

Selecção e tradução de Júlio Marques Mota 

 

ludovic MARIN / AFP / POOL

 

Yves Roucaute analisa a crise sanitária do coronavírus, a gestão da pandemia pelo Governo e as deficiências da sociedade francesa.

Em que país de “sabujos” (Sartre) vivemos nós? Onde é possível que um quarteirão de ministros e um presidente desfilem nos meios de comunicação social orgulhosos do número de pessoas mortas pelo Covid-19, com um dos três recordes mais mortíferos do mundo, em breve à frente da Espanha incompetente, recuperando o atraso em relação à Itália, à frente dos Estados Unidos, mesmo tendo em conta o número de habitantes? Onde nem culpados nem responsáveis, as mesmas pessoas continuam a congratular-se perante os milhares de sepulturas mal fechadas por ter havido eleições em 15 de Março e em plena pandemia, levando, de 17 a 20 de Março, a uma sobre-mortalidade de +16%, na semana seguinte de +35% e, 14 dias depois, a um pico de +59,6% desconhecido no mundo? Onde as mesmas pessoas, com uma soberba sem paralelo, ousam impor uma política de desconfinamento, ao ponto de quererem mandar as crianças à escola no dia 11 de maio, apesar da discordância de todos os cientistas?

Sim, em que país de “sabujos” vivemos nós onde a pergunta “porque é que na Áustria, Dinamarca, Noruega, República Checa, China, Coreia… as pessoas podem sair ou começar a sair do confinamento? Porque não nós e há tantas pessoas mortas aqui”? Onde é que as autoridades com uma forte rigidez psicológica  preferiram organizar a desinformação que mata, assistidas por comités de peritos às suas ordens, defendendo a suficiência de “gestos de barreira”, já que outros invocam os espíritos da floresta, em vez de estarem a pôr a nu  a sua incompetência? Transmissões de covid19 ?  Dá-se até 3 horas por via aérea, até 3 dias por metais e plásticos, até 4 horas por caixas de cartão … As soluções da Alemanha, Noruega, Áustria … ? Simples. Lavar as mãos? Certamente. Mas acima de tudo, máscaras FFP2 que protegem de 98,9% a 100%, luvas a 100% e análises ao sangue para rastrear e isolar a doença. Doente? Confinamento. Dúvidas? Confinamento. Ausência de máscaras e luvas? Confinamento. Têm máscaras FFP2, luvas, testes negativos e o confinamento teve os seus efeitos? Pode sair e fazer as suas compras, ver os seus amigos, tal como todas as pessoas de Hong Kong que andam pelas ruas e mercados, conhecer os seus familiares e amigos, ir trabalhar e divertir-se.

Sim, em que país de “sabujos” vivemos nós em que a procura dos prestadores de cuidados é menos importante do que as variações da libido de um presidente que precisa de ir ao Panoramix da esquina  para decidir sobre a qualidade de um medicamento, em vez de deixar os médicos livres de escolher os seus cuidados médicos? Onde um porta-voz do governo afirmou que usar uma máscara implicava tão complicados   “gestos técnicos” que ela própria não os sabia aplicar, o que fazia rir 1,4 mil milhões de chineses, incluindo crianças pequenas, mas não famílias francesas de luto?

Em que país de sabujos  vivemos nós, onde as Cosette [1]foram  proibidas  de ir visitar os  Jean Valjeans envelhecidos, mesmo que pudessem usar máscaras e luvas? Onde os  ataques crescentes às liberdades e ao amor pelos outros por parte de uma tecnocracia que ainda não forneceu máscaras gratuitas, que não alertou ainda quanto às luvas,  que  ainda não fornece testes ou respiradores, mas produz regulamentos repressivos, impede as importações de meios de sobrevivência não carimbados pela administração, finge rastrear computadores portáteis e tenta fazer a população sentir-se culpada, culpando-a pela sua própria negligência?

Em que país de “sabujos” é mais importante manterem-se  fiéis às suas  decisões e salvarem os seus lugares  do que salvar vidas de forma pragmática? Onde se multiplica a desinformação governamental ao ponto de afirmar que as máscaras seriam inúteis porque o coronavírus seria “tão pequeno” que lhes escaparia pelas malhas? Porquê dá-las então aos médicos, se isso  é inútil? Foram proibidos de vender ontem, porquê colocá-los então hoje à venda, com mímicas desdenhosas indicando que é necessário dá-las ao bom povo que as reclama, mas que são inúteis? As máscaras FFP2, que protegem mais de 98,7% contra partículas de 0,03 a 1,1 mícron, e o coronavírus tem cerca de  0,125 mícron de diâmetro, deixariam de proteger quando chegassem a França? Ou será que o coronavírus voltará a ficar mais pequeno quando atravessar a fronteira, assustado com as declarações do Presidente e do seu governo? Em França, o vírus não se propagaria pelo ar através das gotículas respiratórias , que são obviamente maiores e que são um pouco como o carro com motorista que transporta alguns dos nossos “sabujos”? Mais uma vez uma exceção francesa, as mesmas gotículas respiratórias, como bolas do jogo à petanca, cairiam no chão ao  saírem  da boca, incluindo da boca  dos mentirosos autorizados, em vez de ficarem em suspensão no ar num periodo de tempo que pode ir até às três horas? Isso explicaria porque é que dois chineses têm de usar máscaras mesmo que estejam a cem metros de distância, mas não dois franceses que, graças à operação do Santo Espírito de Eliseu  que transforma as gotículas em chumbo, têm apenas de estar a um metro de distância, ou mesmo dois, segundo o rito francês, novo e aceite?

Em que país de “sabujos” vivemos nós onde estes “gordos cheios de si” (Sartre de novo) da tecnoestrutura continuam surdos, desde fevereiro, aos alertas e informações científicas e recusam-se a admitir que falharam? Confinamento, máscaras, luvas, testes: era isto que estávamos a dizer quando o governo pediu às pessoas para tossirem para  o  braço, para ficarem a um metro de distância e lerem os regulamentos! Soluções cuja eficácia foi tornada pública pela China e pela Coreia logo após o declínio acelerado da pandemia, em 27 de fevereiro. Comprovado pelo trabalho publicado pela Anestasia Patient Safety Foundation, desde 12 de fevereiro, laboratórios em Hamilton, Princeton, UCLA, Harvard, Instituto de Saúde dos Países Baixos…Trabalho que eu próprio, como epistemólogo e cidadão, em várias ocasiões  referi  modestamente. Trabalhos acessíveis a todos os peritos, mesmo aos mais preguiçosos, através do MedRxiv e dos sítios universitários que arquivam as pré-publicações e as publicações científicas. E isto muito antes das eleições autárquicas.

Sim, em que país vivemos nós, onde os “sabujos” de ontem continuam a vender esperanças de vacinas para daqui até  18 meses, sorrisos diários e fantoches mecânicos no nosso caminho da cruz? Será que gostam da sensação de forçar 66 milhões de cidadãos a serem privados da sua liberdade de movimentos e de terem o poder de dar cabo dos nossos  sonhos? Será que gostam da sensação de serem o Estado, esse monstro quimérico, cínico e frio, sobre o qual nenhum contrapoder parece poder impor a voz da razão, quanto mais a da consciência? De incarnarem  este “poder” mágico-religioso que decide tudo, desde a abertura dos escritórios  até às permissões  de saída, organizando a “sociedade de controlo” (Deleuze) sobre os cidadãos, os seus corpos, as suas vidas?

Este país de “sabujos ” não é o meu país. O país que amo e no qual vivo, apesar do inverno do espírito, aplaude os cuidadores de saúde e todos aqueles que, grandes ou pequenos, enfrentam a morte para salvar as nossas vidas. É a terra da generosidade que espalha o calor suave dos seus corações, desde o professor ao  empresário, desde o agricultor ou  trabalhador da distribuição até  ao idoso a viver em lares e na situação de dependência. É a França republicana que vibra ao ritmo desta fraternidade livre que tem iluminado toda a humanidade desde 1789. É o país  da verdadeira moral que diz “a humanidade,  de acordo, a humanidade em primeiro lugar”, respondendo às exigências da consciência esclarecida  pela ciência.

O país em que vivo é o verdadeiro país, a verdadeira França. Que desconfia daqueles  que vivem noutros locais, neste simulacro de França, o simulacro dos “sabujos”. Porque aqui as crises não podem ser geridas do topo da parafernália à força de  discursos distribuídos como pão abençoado a um rebanho atordoado. Aqui perdoa-se  a ignorância e o erro, mas a dignidade faz parte do  corpo e a igualdade de direitos toma o lugar do simples chapéu. Aqui, mais do que em Roma de outrora, é curta a distância entre o Capitólio e  a Rocha Tarpeia, onde os culpados eram  atirados à morte. E quem pensa   ter chegado ao Eliseu está apenas por vezes a caminho do Tártaro, que não é um prato  mas sim um inferno dirigido pelos deuses. Onde se colocam também  aqueles que se pensam como tal.

__________

[1] Cosette e Jean Valjean são personagens de Os Miseráveis de Vitor Hugo.

 

Fonte: Yves Roucaute, Sitio Atlantico, Coronavirus : dans quel pays de “salauds” vivons-nous ? Texto publicado em 30 de abrl de 2020 e disponível em:

https://www.atlantico.fr/decryptage/3589223/coronavirus–dans-quel-pays-de-salauds-vivons-nous–virus-maladie-covid-19-hexagone-france-societe-confinement-deconfinement-economie-technostructure-administration-chine-hong-kong-wuhan-yves-roucaute

 

About joaompmachado

Nome completo: João Manuel Pacheco Machado

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: