ESTA SEMANA, LÍDERES DEMOCRATAS REJEITARAM DE NOVO MEDICARE FOR ALL – por LUKE SAVAGE

 

 

This Week, Democratic Leaders Rejected Medicare for All Again, por Luke Savage

Jacobin, 29 de Julho de 2020

Selecção e tradução de Júlio Marques Mota

 

Na semana passada, o comité encarregado de estabelecer a plataforma do Partido Democrata rejeitou decisivamente o Medicare for All – mesmo quando milhões de americanos estão prestes a perder o seu seguro de saúde. É apenas mais um sinal que aponta para a falência moral da ordem política.

Joe Biden apresenta os seus pontos de vista sobre a pandemia coronavírus (Drew Angerer / Getty Images)

 

 

O  nosso novo número editorial – olhando para o que as campanhas de Bernie  Sanders realizaram e para o trabalho que resta fazer – será lançado no próximo mês.

Nos primeiros meses da pandemia do coronavírus, houve um receio momentâneo na esquerda de que a administração Trump pudesse aproveitar a crise para um efeito político mortífero. Com a notícia de um congelamento das expulsões federais e o burburinho inicial sobre os subsídios massivos para os desempregados, será que o Partido Republicano, tradicionalmente bajulador em relação às empresas que o financiam, passaria a defender  uma versão populista do Estado Providência  e ultrapassaria os Democratas?

Em retrospetiva, a questão parece absurda. Trump, fiel à forma, regressou rapidamente ao seu teatro preferido da guerra cultural e provou ser demasiado preguiçoso política e ideologicamente para tomar os tipos de medidas que poderiam  melhorar  a sua posição nas sondagens  e garantir uma  vitória em Novembro.

Durante aproximadamente o mesmo período, uma história paralela estava a ser contada nos meios de comunicação liberais sobre o então candidato presidencial do Partido Democrático Joe Biden, mas ainda na incerteza. Um moderado em toda a sua vida  (a palavra “liberal” é usada quando na realidade significa “conservador”), poderia o antigo vice-presidente refazer  a sua imagem  como a segunda vinda de Franklin Delano Roosevelt e iniciar um conjunto de reformas tão ambiciosas como o New Deal?

A questão sempre foi tola, já que qualquer pessoa com um conhecimento superficial da história e da carreira de Biden poderia instantaneamente tirar a sua conclusão. Alguma versão da mesma, além disso, aparece invariavelmente nas semanas que antecedem a Convenção Nacional Democrática – logo à medida que o presumível nomeado do partido começa a executar o papel convencional virado para o centro neoliberal que irá manter até ao dia das eleições (e depois, caso ganhe).

No papel, as elites democráticas parecem estar sempre “a mover-se para a esquerda”. Na prática, estão a combatê-la em quase todas as supostas viragens à esquerda  e a deixar claro que rejeitam categoricamente as exigências da Esquerda – mesmo quando estas exigências gozam de um forte apoio popular em todo o país.

Se os precedentes do passado não deixarem de ser uma tagarelice transparente dos meios de comunicação social sobre uma ambiciosa agenda liberal nas próximas eleições gerais, a semana passada ofereceu fortes pistas sobre onde é que se encontra realmente o centro de gravidade dos círculos Democratas dominantes,   no meio de uma pandemia global, de uma revolta popular sem precedentes contra o racismo e no que será provavelmente a crise económica mais destrutiva desde a Grande Depressão.

Na quarta-feira passada, 139 democratas da Câmara votaram pela rejeição de um corte de 10% no orçamento do Pentágono proposto pelo co-Presidente do Caucus Progressista  do Congresso, Mark Pocan. Na segunda-feira, os delegados do comité da plataforma do Comité Nacional Democrata  rejeitaram Medicare For All (M4A) por uma margem de 36-125-3, juntamente com uma emenda que instava o partido a defender  a legalização da marijuana.

Na terça-feira, o líder da maioria da Câmara, Steny Hoyer, sinalizou que o partido está pronto a fazer concessões sobre  a extensão dos 600 dólares adicionais em subsídios semanais de desemprego que milhões têm recebido durante a COVID-19 – ecoando pontos de conversa da direita segundo os quais  tais benefícios serviriam como um “desincentivo ao trabalho”.

Juntando o que tem sido um mês verdadeiramente estelar para as elites dos  democratas, Biden – que tem atualmente uma sólida liderança nas sondagens – explicou a um grupo de doadores de Wall Street que na realidade não irá propor qualquer nova legislação para controlar o poder empresarial ou para  mudar o comportamento dos dirigentes das empresas . “A América empresarial tem de mudar os seus caminhos”, disse Biden numa angariação de fundos, a Jon Gray um alto executivo de Blackstone, acrescentando: “Não vou exigir nenhuma nova  legislação. Não estou a propor nenhuma”.

Como David Sirota salienta, essa promessa contrasta diretamente com uma série de iniciativas potencialmente importantes em que Biden está teoricamente empenhado – incluindo propostas visando reforçar a autonomia dos trabalhadores e a  adotar uma  legislação sobre responsabilidade empresarial, propostas ainda colocadas no seu próprio sítio web. Entre a responsabilidade das empresas, as despesas militares, a justiça criminal, os subsídios de desemprego e cuidados de saúde universais, tudo isto equivale a um impressionante registo de triangulação durante um período de tempo de tirar o fôlego.

Em cada uma destas áreas, há um forte argumento de que a elite dos Democratas  não só rejeita as preferências das suas próprias fileiras, como também a opinião pública como um todo. O M4A e a legalização da marijuana, para além de serem políticas urgentes e moralmente necessárias, gozam de um apoio maioritário tanto entre os democratas como entre o público em geral.

São cada vez menos e  menos  os americanos  a estarem  convencidos de que o Pentágono precisa de mais um aumento no seu financiamento. Mesmo antes do coronavírus, os eleitores nas primárias do estado conservador que resgataram as ambições presidenciais de Biden, então em queda,  acreditavam em números esmagadores que o sistema económico americano necessitava de “uma completa reviravolta”.

Se há uma lição em tudo isto, é que nem as crises nacionais nem as ondas de protesto de rua são suficientes para fazer com que qualquer das alas da classe política da América responda às necessidades e exigências do povo comum. Quaisquer que sejam os gestos vagamente populistas que lhe permitiram ganhar em estados como Ohio e Wisconsin, a máquina política do Partido Republicano sob Donald Trump está simplesmente demasiado atrofiada para utilizar a seu favor o momento atual para ganho político.

A oposição liberal supostamente reformadora, apesar das suas diferenças, está, entretanto, pronta a tomar o poder em Janeiro com um ethos anti-populista semelhante à sua filosofia orientadora. Os líderes democráticos estão a oferecer o habitual aceno de cabeça à agenda favorecida pelos seus próprios ativistas (e uma faixa  insignificante do público em geral) ao mesmo tempo que deixam claro que a sua lealdade é, em última análise, aos seus financiadores  e aos interesses financeiros.

Milhões perderam o seu seguro de saúde, com mais milhões a serem despejados e arruinados graças a uma pandemia que pôs a nu a crueldade essencial do consenso político bipartidário da América. Mas se os temas básicos de 2020 foram o protesto popular e a crise económica, o sentimento dominante entre a liderança política do país continua a ser de estagnação moral e política. A última semana é a prova viva disso mesmo.

__________

Para ler este artigo de Luke Savage no original clique em:

https://jacobinmag.com/2020/07/covid-19-democrats-medicare-for-all

Leave a Reply